quinta-feira, janeiro 19, 2017

PRA SER FELIZ CADA UM FAZ O QUE PODE E O QUE NÃO PODE!


COM A PERNA NA VIDA FOI SER FELIZ COMO PODIA - Imagem: arte do artista plástico português Rui Carruço – Meados do mês e a noite em claro, mais uma entre tantas outras por causa dos aperreios diários: contas vencidas e a vencer, o caixa com as receitas zeradas. A clientela sumira, prateleiras quase vazias, nenhum estoque e não havia como repor. Não sabia mais como seria dali por diante, os devedores picaram a mula, os credores inexoráveis na porta. Golpes e mais golpes em pleno meio dia e a maior roubalheira nos governos do país. Sabia que não era nenhuma novidade, mas bem que podiam cuidar melhor das instituições públicas, saquear menos os cofres públicos e atender melhor o nosso povo. Nada faziam e a violência grassando entre endemias, desmoralizações, hostilidades, ignorância, descompromisso e tome malversação privatizando o público e publicizando o privado. O dia nascera e ele ali na cama sem pregar o olho, o sono roubado pelas desordens que lhe exigiam vigília constante, se cochilasse o cachimbo caía e não seria ninguém além da poeira dos invisíveis famélicos. E pra começar com o pé esquerdo, de um lado o vizinho e o rádio às alturas com a resenha policial: uma trilha sonora pavorosa sob uma voz rouca e aterrorizante davam o tom da tragédia diária. Tentando se livrar dessa nefasta mania, ao chegar ao quintal, do outro lado da sua casa, era a vizinha gasguita cantarolando desafinada os sucessos da cornagem aguda reverberando no último volume da vitrola. E agora? Pra completar só faltavam os reclamos insistentes da esposa e o chororô dos bruguelos pra cima dele. Respirou fundo e procurou buraco pra se socar. Não havia, tomou um gole d’água e um café pequeno, arribou irresponsavelmente às baforadas, enchendo a rua de perna. Era dia de folga, mesmo assim, tinha de fazer alguma coisa. Era preciso. Não aguentava mais o mundo arriar todo dia sobre seus costados, estava pesado demais, insuportável. E por mais que fizesse para dar um passo à frente, parecia que dera uns duzentos pra trás. Vôte! Tudo quanto ousasse para melhorar de vida, mais findava à míngua. Procurava uma mão amiga e ao se deparar com o primeiro, lá vinha o peditório – Eita, ele pediu primeiro! Quando não eram as premências, eram os xingamentos exaltados, infelicidade geral. Forrou a barriga com pão doce e caldo de cana, encarando o mormaço da tarde no juízo avariado. Não tinha nem pra onde ir, o mundo todo estava desgraçado. Só sobrara uma coisa do seu entendimento: morrer! Vixe! Era melhor morrer mesmo e de vez, pronto, resolvido! Matar, não, não tinha a menor coragem de atentar contra si próprio. E entendeu nessa hora porque os assassinos só atacam pelas costas: temem vacilar pela frente. Nisso e noutras coisas de maldade a covardia é um santo remédio. Não havia como se acovardar de si mesmo, melhor era morrer, acabou-se. E assim o fez ao retornar pra casa e constatar que a mulher saíra pra missa com a filharada pendurada ao cós da saia. Estava sozinho. Deitou-se na cama, ficou inerte, assumiu sua invalidez e fechou os olhos, foi buscar fundo dentro de si a morte que queria. Fez força pra parar de funcionar e foi se despedindo da vida e de todo mundo assim no pensamento, ao seu modo, adeus pra nunca mais. E ficou a morrer-se, sozinho de tudo. Ao cabo de minutos depois percebeu que não morrera, estava vivinho da silva, tudo funcionando como antes. Ora e agora? Uma greve de fome não, duraria dias; se jogar na frente dum trem, era o mesmo que suicídio, não. Pular da ponte embaixo dentro dum rio sem nadar, ou botar a cabeça dentro forno com vazamento de gás, não. Nada, nem isso dava certo e era o mesmo que se matar e ele só queria morrer, sustar todas as funções orgânicas, parar tudo, finar-se, fim, não conseguiu. Se bem que pior do que está não haverá de ficar, não tem mais pra onde descer, já está no limite da queda, nada mais além do chão. Agora, qualquer esforço será pra subir porque no embaixo já está. Bastava o primeiro pinote e poderia dizer que estava melhorando de vida, quer queira, quer não. Sabe de uma coisa? Virou-se pra si, encarou sua doidice e falou: - Se sou inútil, nada demais ir até o apito final. Custar, custava; pior que não ter é não fazer nada. E se não fez as pazes consigo, entendeu que havia dentro dele uma compulsão inata de lutar para sobreviver e o compelia a continuar lutando diante das imprevisíveis e recorrentes condições aversivas e insuperáveis. Se é assim, será; só que do meu jeito. Percebeu que não era inválido e nem dependia dos outros, só de si mesmo. Ué! Então, com a perna na vida foi ser feliz como podia. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui

 Curtindo o talento musical da violinista suíça Rachel Kolly d’Alba.

Veja mais sobre:
Cobiça na Crônica de amor por ela, Buda, Miguel de Cervantes y Saavedra, Montesquieu, Magda Tagliaferro, Ciro Alegría, Lucrécio, Charles Robert Leslie, Emerico Imre Toth, Millie Perkins & Jussanam Dejah aqui.

E mais:
Edgar Allan Poe, Paul Cézanne, Magda Tagliaferro, Jacques Lacan, Nara Leão, Janis Joplin & Miguel Paiva aqui.
As trelas do Doro aqui.
Émile Durkheim, Paul Niebanck, Mauro Cappelletti, Juliette Binoche, Rodolfo Ledel, Samburá, Intrépida Trupe, Micahel Haneke, Ernesto Bertani, Janaína Amado, O direito como linguagem e decisão aqui.
Quando Ciuço Pacaru embarcou no maior revestrés aqui.
Pra vida ofereço a outra face aqui.
Canto paródia de mim aqui.
Candidato faz tudo cara de pau na maior responsa aqui.
Alagoas e o império colonial português aqui.
A viagem de Joan Nieuhof & Pernambuco nos séculos XVI e XVII aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: VIVA ANASTASIA
Anastasia Eduardivna Baburova (1983-2009), jornalista e ativista libertária russa de 25 anos, correspondente freelance do jornal independente Novaya Gazeta , assassinada nas proximidades do Kremlin, ao presenciar o assassinato do proeminente advogado dos direitos humanos, Stanislav Markelov, por um agressor que usava uma máscara de esqui e pistola com silenciador. A jornalista e o advogado estava, conversando depois da cobertura de uma entrevista coletiva na qual ele denunciava ferozmente a libertação prematura de um oficial do exército russo condenado no sequestro e assassinato de uma menina chechena, em 2000. Além disso, ela acompanhava na cobertura das atividades dos grupos neonazistas e de crimes motivados pela raça em Moscou. Em 28 de abril de 2011, o júri do Tribunal de Moscou declarou dois nacionalistas radicais, Nkkita Tikhonov e Yevgeniya Khasis, culpados pelo duplo assassinato. Em 15 de julho de 2015, o mesmo tribunal condenou Ilya Groyachev, líder da organização de batalha extremista de nacionalistas russos, como o autor intelectual do duplo assassinato, posteriormente condenado à prisão perpétua. Em 2011, um livro organizado por Carleton Olegário M. Ximo com o título de Anastasia Baburova (Ject Press, 2011), reuniu artigos da jornalista quando da sua participação da organização Autônomous Action.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte do artista plástico português Rui Carruço
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: Arbol cosmogônico, da artista plástica uruguaia Alina Percovich.
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


PAULO FREIRE, LEWIS CARROLL, COOMBS, SILVIO ROMERO, BRECHERET, GUIOMAR NOVAES, SEBASTIÃO TAPAJÓS, FÁBIO DE CARVALHO, ARANTES GOMES DO NASCIMENTO & EDUCAÇÃO

CRIATIVIDADE & INOVAÇÃO NA PRÁTICA EDUCATIVA – Imagem: Luta dos índios Kalapalo (1951), do escultor Victor Brecheret (1894-1955) - A...