quinta-feira, janeiro 05, 2017

O QUE SEMEEI PRO QUE SERÁ COLHIDO


O QUE SEMEEI PRO QUE SERÁ COLHIDO – Imagem: arte da artista visual colombiana Débora Arango (1907-2005). - Não foi só  uma, duas, ou apenas três vezes que soçobrei na vida. Muitas e tantas, confesso. A opressão frequente do fardo da vida sobre tudo que realizei e desmoronou, trouxeram tribulações que destruíram a minha paz e a harmonia que tanto desejei, causando infinitas vezes preocupações, ansiedade e até desespero. Tive que fazer e refazer mais que o necessário para o melhor. Toda vez que me deparava com um alicerce troncho, no qual se edificava paredes tortas que mal chegando às cobertas desabavam inapelavelmente. Eis de volta pra prancheta, replanejando tudo de novo, novas medições e esboços, até o afã de mãos à obra: agora mais aplicado, elaborando melhores estruturas; mais atento, percebia que a coisa tomava jeito até a forma se definir para a nova descoberta que já se expressava. Fazia tudo para que nada ruísse na empreitada, reforçando, remendando, até se desfazer indesejavelmente tudo aos escombros, de novo na estaca zero. Ora, recomeçar e não desistir, mesmo sendo bastante difícil suportar os martírios que surgem como contratempos para obstar qualquer propósito. Quão pesados são esses óbices a ponto de se culpar até outrem por tudo de revés que ocorre, tamanha as dificuldades para superar as frustrações, a impotência e as sequelas desses estorvos, a angústia depressiva dessas contrariedades, a inércia da queda desses embaraçosos momentos. Do chão não passei, sim, pior não poderia ficar. Agora uma vantagem: só resta subir e qualquer salto já seria promissor diante de tantos fracassos egocêntricos e desalentados por não conseguir alcançar as tentadoras ofertas materiais de riqueza e sucesso de posições, acumulações de propriedades e posse, ah, e que me reduziam a um decadente coração esvaziado. De salto em salto se vence etapas, assim fiz. Por conseguinte, aprendi que, na verdade bem amiudada, os problemas por que passo e passei são provocados por mim mesmo quando me dedico ao desejo de melhorar e de crescer física, mental e espiritualmente. E se quero ser melhor e de forma exemplar, não existe atalho porque a vida é uma escola que exige constantes treinamentos, aperfeiçoamentos e deliberada disciplina. Ao longo dos anos fui aprendendo que as experiências e mudanças moldam para o alcance do padrão desejado, entendendo que os valores reais da vida são muito mais duradouros, influenciando um modo de viver mais responsável e sustentável, no qual a compreensão e a tolerância irradiam por meio do amor e da paz de espírito. Ao ter essa consciência descobri que ninguém é responsável por meus malogros, senão eu mesmo que não havia aprendido direito a olhar de verdade para o processo eterno que é viver: da semente pra raiz, do talo pro caule, do tronco pros galhos, das flores aos frutos. Tudo depende do que semeei pro que será colhido. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.


Curtindo o álbum Rama (Independente, 2016), da cantora Miriam Maria.

Veja mais sobre:
Desejo na Crônica de amor por ela, Friedrich Nietzsche, Rubén Darío, Pietro Aretino, Ludovico Ariosto, Jean-Pierre Jeunet, Maria Luisa Persson, Piero Della Francesca, Ibys Maceioh, Audrey Tautou & Kiki Sudário aqui.

E mais:
Clara Schumann & Todo dia é dia da mulher aqui.
Abelardo da Hora, Umberto Eco, Friedrich Dürrenmatt, Luís Gonzaga & Humberto Teixeira, Eliane Ferraz, Denise Dummont & Lírio Ferreira aqui.
A prisão & o Sistema Penal, Fecamepa & Natanael Lima aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Violência Escolar, Psicologia da Saúde, União Estável & Família Homoafetiva, Humor nas tresloucadas acontecências aqui.
Ginofagia: três poemas indecentes de amor pra ela aqui.
A carta do barbeiro & o mundo não acabou aqui.
O mito do Fausto, Cassiano Ricardo, Frederico Spencer, Fecamepa & Palmares City aqui.
Ginofagia: Três poemetos luxuriosos de amor pra ela aqui.
Psicologia Ambiental, Aprendizagem & Direito dos Idosos aqui.
A Gestalt-Terapia de Fritz Perls aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: FRACASSO & SUCESSO DE ELBERT HUBBARD
Genialidade é apenar o poder de fazer esforços contínuos. A linha que separa o fracasso do sucesso é tão fina que mal a percebemos quando por ela passamos; tão fina que, muitas vezes, estamos sobre ela e nem o notamos. Quantos homens se desesperaram num momento em que um pouco mais de esforço e um pouco mais de paciência teriam produzido sucesso! Assim como a maré se torna baixa, depois volta a ser alta. No mundo dos negócios, às vezes as perspectivas podem parecer extremamente obscuras quando estão realmente mudando para melhor. Um pouco mais de persistência, um pouco mais de esforço, e aquilo que parecia fracasso inevitável pode se transformar num glorioso sucesso. Não há fracasso, exceto em parar de tentar. Não há derrota, exceto do nosso próprio interior, e não há barreira realmente insuperável, exceto por nossa própria fraqueza de determinação.
Pensamento do filósofo e escritor estadunidense Elbert Hubbard (1856-1915), autor do famoso ensaio Mensagem para Garcia.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte da artista visual colombiana Débora Arango (1907-2005).
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: Peace, da artista visual colombiana Débora Arango (1907-2005).
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


PAULO FREIRE, LEWIS CARROLL, COOMBS, SILVIO ROMERO, BRECHERET, GUIOMAR NOVAES, SEBASTIÃO TAPAJÓS, FÁBIO DE CARVALHO, ARANTES GOMES DO NASCIMENTO & EDUCAÇÃO

CRIATIVIDADE & INOVAÇÃO NA PRÁTICA EDUCATIVA – Imagem: Luta dos índios Kalapalo (1951), do escultor Victor Brecheret (1894-1955) - A...