segunda-feira, junho 23, 2008

LITERATURA DE CORDEL - MANOEL BENTEVI




PARO TODO MOVIMENTO DO ESTADO,
SÓ FUNCIONA O RECIFE SE EU QUISER

Manoel Bentevi

Se eu chegar no Recife aperriado
Eu acabo com todas as fortalezas
Vou no Palácio do Campo das Princesas
Paro todo movimento do Estado.
Na Assembléia não deixo um deputado
Na zona não fica uma mulher
Acabo as forças armadas que houver
Tranco banco, instituto, inspetoria,
Fecho hospitais, detenções, secretarias
Só funciona o Recife se eu quiser.

Prendo guarda civil, cabo, soldado,
Comandante chefe do Estado Maior
Prendo tenente, capitão, prendo major
Paro todo movimento do estado.
Prendo telegrafo, imprensa, consulado,
Emissora não deixo uma sequer,
Prendo a Lloyd, a costeira e a Panair
Paro o transito, não passa mais ninguém
Da estação central não sai um trem
Só funciona o Recife se eu quiser.

Prendo médico, doutor, advogado,
Prendo juiz de direito e promotor
Prendo prefeito e prendo vereador
Paro todo movimento do estado.
Prendo o governo, prendo secretariado
Só Deus resolve na terra o que eu fizer
Prendo moça, menino, homem e mulher
Tapo as águas do rio Beberibe
Corto o curso do rio Capibaribe
Só funciona o Recife se eu quiser.

Paulo Afonso eu deixo desmantelado
Vou quebrar as barragens e as turbinas
Quebro os quadros e depois quebro as bobinas
Paro todo movimento do Estado.
Transformador um por um deixo quebrado
Rebento toda as torres que houver
A linha de transmissão se ainda tiver
Eu rebento toda ela em meio dia
De Paulo Afonso não sai mais energia
Só funciona o Recife se eu quiser.

Lá na boca da barra eu dou um brado
Nos armazéns não atraca mais navio
Do Capibaribe acabo o delta aterro o rio
Paro todo movimento do estado.
Beberibe e Gurjau deixo aterrado
Não deixo um litro d´áqua sequer
Pra ninguém não dou chá nem dou colher
Homem mais brabo eu tranco na enxovia
Por enquanto só deixo a reitoria
Só funciona o Recife se eu quiser.

Dois Irmãos dessa vez deixo trancado
Nos domingos jamais ninguém visita
Em Mourão Filho não deixo uma guarita
Paro todo movimento do estado.
Vou acabar com faculdade e juizado
O aeroporto e o Ibura e outro qualquer
E algum aeroporto que ainda houver
Acabo o Náutico, o Esporte e o Santa Cruz
Acabo até a procissão do Bom Jesus
Só funciona o Recife se eu quiser.

Eu derrubo arranha-céu, casa, sobrado
Fecho o comercio, acabo as padarias
Laboratórios, farmácias e drogarias
Paro todo movimento do estado.
Carro-tanque canhão carro blindado
Porta-avião, baleeira se tiver
Todo carro de praça que houver
Arranco a pista isolo toda a entrada
No Recife não entra nem sai nada
Só funciona o Recife se eu quiser.

Mas isso foi um sonho muito pesado
Que eu sonhei certa vez quando dormi
Uma voz no ouvido me dizia
Paro todo movimento do estado.
Acordei tristemente atribulado
Vi que era uma coisa sem mister
Não encontrei uma pessoa sequer
Que me dissesse o que tinha acontecido
E uma voz me dizendo no ouvido
Só funciona o Recife seu eu quiser.


FONTE
BENTEVI, Manoel. Desmanchando o nordeste em poesia. Palmares: Bagaço, 1986. Veja mais aqui, aqui , aqui e aqui



Veja mais sobre:
Confissões de perna-de-pau, Arthur Rimbaud, Nina Simone, John French Sloan, Eliane Giardini, Guy Green, Alexis Smith, Yénisett Torres, Lendas Alemãs, Psicologia & compromisso social aqui.

E mais:
A música de Ruthe London aqui.
Constitucionalização do Direito Penal aqui.
Do espírito das leis de Montesquieu aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando as mazelas dão um nó, vôte! A bunda de fora parece mais tábua de tiro ao alvo aqui.
A pingueluda aqui.
A arte de Marcya Harco aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora manifesta sua comemoração na festa do Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 

PAULO FREIRE, LEWIS CARROLL, COOMBS, SILVIO ROMERO, BRECHERET, GUIOMAR NOVAES, SEBASTIÃO TAPAJÓS, FÁBIO DE CARVALHO, ARANTES GOMES DO NASCIMENTO & EDUCAÇÃO

CRIATIVIDADE & INOVAÇÃO NA PRÁTICA EDUCATIVA – Imagem: Luta dos índios Kalapalo (1951), do escultor Victor Brecheret (1894-1955) - A...