quarta-feira, junho 18, 2008

BANDEIRA, KAWABATA, BOAVENTURA SOUSA, HARTMUT LINCKE, SUZANA MAFRA, EDUCAÇÃO & LITERÓTICA


A arte do pintor e desenhista alemão Hartmut Lincke.

LITERÓTICA: CANTIGA (uma canção pro tobogã do amor) – Imagem: foto de Hugo Macedo. - Esta canção vem de longe, muito longe lá onde amanhece o leste carregado da missão de Verne e do espetáculo de Wakeman. Esta canção vem de longe para ser sua mulher que se insinua e que me refugia nua e me mata com essa graça que tem no clarão do riso de formosa princesa, a mais linda entre as lindas, com o fogo do beijo de divina beldade musa de todas as minhas canções. Esta canção, falo em você pelo tobogã da vala eqüidistante entre Natal e Porto Alegre na atlântica ondulação maravilhosa do prazer: a vértebra que serpenteia como a luz para a noite e o sol para o dia. Esta canção é toda festa no prólogo inflamado de segunda pra terça quando chego pidão que pede porque carece jogado pela lombada do Oiapoque ao Chuí do seu jeito de engatinhar nua ao meu redor. Esta canção é só armadilha de terça pra quarta quando meu relho é pontaria exata no lombo de tigela boa da cauda do cometa onde vou desenhar a poesia do eterno coito presente em todas as ânsias, marcante em todas as expectativas. Esta canção é só captura de quarta pra quinta quando o meu anzol fisga sua carne fresca e vou fundo sem cessar fogo para me lavar com nossa lama, escorrendo pela formosura do seu agoniado colo erguido quebrando tudo no peito com chamegos safados no incomparável remanso da sua inevitável sedução. Esta canção é só luta corporal de quinta pra sexta quando na sua esfíngica tentação de devoradora devorada, se estraçalha com minha língua no seu fogareiro de divino manjar, joia da mais alta valia entre as pernas, retrato falado do milagre e da maravilha. Esta canção é só tempestade voluptuosa de sexta pra sábado do nosso devaneio hípico e eu alazão fogoso devasso comendo no centro incapaz de escapar e à maneira insensata principia e brilha maior reluzência porque é impossível poupar do veneno que inebria e eu sou todo embalado pelo cheiro e sabor do seu sexo. Esta canção é só recomeço puxando prima e bordão de sábado pra domingo até que chegue nas nuvens capitulando às minhas investidas de segunda pra terça e chegando na quarta se fazendo manha porque quinta se abre em flor que me cabe inteiro na sexta e eu carrego no sábado de novo e peço bis no domingo, e pedimos bis um ao outro no dia seguinte, toda minha e todo seu até presentear todos os dias com os acordes finais pirotécnicos fatais do último movimento sinfônico do nosso dilúvio de prazer. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


A arte do pintor e desenhista alemão Hartmut Lincke.

PENSAMENTO DO DIA – [...] Enquanto no século XVIII morreram 4,4 milhões de pessoas em 68 guerras, no nosso século morreram 99 milhões de pessoas em 237 guerras. Entre o século XVIII e o século XX a população mundial aumentou 3,6 vezes, enquanto os mortos na guerra aumentaram 22,4 vezes. Depois da queda do Muro de Berlim e do fim da guerra fria, a paz que muitos finalmente julgaram possível tornou-se uma cruel miragem em face do aumento nos últimos 6 anos dos conflitos entre Estados e sobretudo dos conflitos no interior do Estado [...]. Trecho extraído da obra A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência (Cortez, 2000), do jurista e professor Boaventura de Sousa Santos. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

EDUCAÇÃO - [...] Na medida em que os meios e as formas tradicionais de Educação acham-se de tal modo corroídos, começam a ser direcionados para a Escola os olhares dos povos, na esperança de que esta exerça uma função Educativa e não apenas a da Escolarização. Somente que será necessária uma outra visão da Escola, dos conteúdos escolares, do papel dos educadores e da relação da Escola com a sociedade. As crianças serão enviadas para a Escola cada vez mais cedo e nela permanecerão por um tempo mais extenso. E isso não será porque há um mundo novo de informações a ser processado e, sim, porque a Escola deverá exercer o tradicional papel das famílias, das comunidades, da Igreja, e ainda, o que lhe era próprio: desenvolver conhecimentos e habilidades. Ela deverá se ocupar com a formação integral do ser humano e terá como missão suprema a formação do sujeito ético. [...]. Trecho extraído de Educação: da formação humana à construção do sujeito ético (Educação e Sociedade, 2001), do professor Neidson Rodrigues.

A CASA DAS BELAS ADORMECIDAS – [...] Dizendo isso, ela se levantou e girou a chave da porta que dava acesso ao quarto de dormir. Talvez por ser canhota, tivesse usado a mão esquerda. Não havia nada de especial naquilo, mas, observando a mulher que girava a chave, Eguchi susteve a respiração. Ela espiou o interior do quarto, inclinando apenas a cabeça para além da porta. Sem dúvida estava acostumada a espiá-lo desse modo. Na realidade não havia nada de mais na sua silhueta vista de trás, mas ela parecia misteriosa para Eguchi. A estampa do ofoz’ ostentava um pássaro grande e estranho na parte decorativa das costas. Ele não sabia que pássaro era aquele. Por que, num desenho de pássaro tão estilizado, teriam posto olhos e pés realistas? É certo que não se tratava de um pássaro sinistro, era apenas um desenho malfeito, mas se Eguchi tentasse resumir o sentimento inquietante suscitado pela silhueta da mulher, seria precisamente esse pássaro. O obi era de um amarelo-claro, quase branco. O quarto que espiava parecia estar na penumbra. A mulher tornou a fechar a porta e, sem girar a chave de volta, colocou-a sobre a mesa diante de Eguchi. Não mostrou nenhuma expressão especial após inspecionar o quarto, e sua inflexão também se manteve inalterada. [...]. Trechos extraídos da obra A casa das belas adormecidas (1961 – Estação Liberdade, 2004), do escritor japonês prêmio Nobel de Literatura de 1968, Yasunari Kawabata (1899-1972). Veja mais aqui e aqui.

QUANDO ESTÁS VESTIDAQuando estás vestida, / Ninguém imagina / Os mundos que escondes / Sob as tuas roupas. / (Assim, quando é dia, / Não temos noção / Dos astros que luzem / No profundo céu. / Mas a noite é nua, / E, nua na noite, / Palpitam teus mundos/ E os mundos da noite. / Brilham teus joelhos, / Brilha o teu umbigo, / Brilha toda a tua / Lira abdominal. / Teus exíguos / – Como na rijeza / Do tronco robusto / Dois frutos pequenos – / Brilham.) Ah, teus seios! / Teus duros mamilos! / Teu dorso! Teus flancos! / Ah, tuas espáduas! / Se nua, teus olhos / Ficam nus também: / Teu olhar, mais longe, / Mais lento, mais líquido. / Então, dentro deles, / Bóio, nado, salto / Baixo num mergulho / Perpendicular. / Baixo até o mais fundo / De teu ser, lá onde / Me sorri tu’alma / Nua, nua, nuaPoema do poeta, tradutor, critico literário e de arte, Manuel Bandeira (1886-1968). Veja mais aqui.
A arte do pintor e desenhista alemão Hartmut Lincke.


Foto: Luis Teixeira

MUSA DA SEMANA: SUZANA MAFRA - A poeta, escritora e bibliotecária catarinense Suzana Mafra cursou Biblioteconomia, é mestre em Literatura pela UFSC e se prepara para o doutorado. Ela é autora do livro “Borboletras” e edita o blog “Borboletras no quintal”.


Foto: Tchelo d´Barros

Poeta tem alma
Espalhada
Espelhada
Alma tem poeta

Ele
Leva
Ela
Ele
Ave
Ela
Eva

Você
É
Doce
Eco
Do
Céu


Foto: Tchello d´Barros

Preciso
-
me
sem ti
preciso
me
sentir

O
Som
Do
Mar
Me
Soma

Ouvi
Teu
Nome
Ou vi
Teu
No meu
?

Como são
Lágrimas
:
comoção

Foto: Tchello d´Barros

Navegando rio acima
O barqueiro rema
O poeta rima

Quando
Crescer
Quero
Ser
Onda


Maria
Amaria
O mar
E
Mário
O rio

Sem
Ira
Espero
A
Era
Do
Eros


Teu
Corpo
Sobre
o
meu
está
de
pleno
acordo
com
meu
desejo
plano

Minha
Vida
Não
Foi
À toa,
Bandeira
Nem
A tua

Morri
Mas
Não
Desisto
Insisto
Eternamente

Foto: Tchello d´Barros.

VEJA MAIS:
MUSA DA SEMANA
III ENCONTRO LUSO-BRASILEIRO DE ESCRITORES
BORBOLETRAS NO QUINTAL



Veja mais sobre:
Guiando pelos catombos, Elias Canetti, Adélia Prado, Pablo Picasso, Georges Bizet, Maria João Ganga, Lygia Clark, O princípio da Totalidade, Téspis & o nascimento do Teatro aqui.

E mais:
A poesia de Greta Benitez aqui.
Fecamepa & a corrupção ineivada aqui.
A administração & as organizações aqui.
Ascenso Ferreira: Oropa, França e Bahia & outros poemas aqui.
A poesia de Mariza Lourenço aqui.
As trelas do Doro: testamento de bocó aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando o cara num rega direito, o amanhã parece mais o aperto do dia de ontem aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitora manifesta sua comemoração na festa do Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




DRUMMOND, PRIGOGINE, CLARA SCHUMANN, PAULO MENDES CAMPOS, EMMELINE PANKHURST, PALADE, MARIE-HÉLÈNE SIROIS & FESTIVAL DE CURTA

CLARA, ÚNICO AMOR - Imagem: Clara Wieek , arte da artista visual canadense Marie-Hélène Sirois . - Clara de todas as teclas nos exímios d...