segunda-feira, agosto 26, 2019

BACH, APOLLINAIRE, ANA CLÁUDIA BRITO, VERA BARCELLOS & JOSÉ CARLOS VIANA


O DESENCANTO DE BACH - Johann saxão sou de Eisenach, na Turíngia. Nasci numa data qualquer do calendário juliano, e conservo-me preso ao pó da represa mortal, sujeito ao imprevisível da vida. Na voz soprano infantil, perdi a mãe e, depois, o pai, mais dois irmãos. Fui criado pelo mais velho – um organista de Ohrdruf, o começo das minhas andanças. A música e a loucura fluíam nas veias: do meu avô, o bater ao vento das pás de madeira de um moinho. Minhas mãos enormes, a despeito do fardo da terra alçado ao ombro, carregavam com firmeza o leme da jornada, empenho consagrado por longo e laborioso trabalho árduo. Irrequieto, audacioso, tudo fiz. Na corte calvinista de Köthen: a arte consumida e esquecida. A fuga de Marchand ao desafio, sob a alegação de doença súbita, quem era quem, granjeou-me simpatia. A fama é vento caprichoso. Não me virou a cabeça, apesar do anel dado pelo herdeiro do trono da Suécia. Excêntrico nas ideias: um louco improvisando em claves estranhas, a perturbação de estranhos pensamentos, como a cantata da parábola das virgens prudentes e imprudentes, a graciosa procissão das donzelas saindo ao encontro de Jesus, o noivo celeste. Em Leipzig só conheci desamor, um estrangeiro. Fui preso em Weimar, por descontente patrão: queria a demissão. Fui censurado pelo consistório por conta da ausência ou da escandalosa liberdade improvisada e, depois, por acompanhamentos demasiado curtos. Queriam muito, davam quase nada. Conheci a prima Bárbara, soprano de Gehrenm, que descansou no céu de Köthen, junto com dois dos meus filhos: Deus meu, faz com que eu não perca a alegria que há em mim. Escrevia para curar a insônia do conde, as Variações Goldberg. De mim, tornei-me Si bemol, Lá, Dó, Si, seis dias ininterruptos: a oferenda pro sádico da Prússia. Os seis de Brandemburgo prontos para embrulhar qualquer coisa no armazém. Muitos conflitos com empregadores, a recusa de alunos desatentos, a estupidez dos semelhantes pelo amor de suas regras e preceitos ridículos, embaralhados pela mortalidade. Não se elevavam: punhaladas no coração. Sequer valiam pelos sentidos ou poucos mereciam estar em pé, sobre duas pernas. Um anjo se descesse dos céus, teria de tributar à igreja se quisesse tocar, do contrário, voaria de volta. Queriam um chantre, não um organista de verdade: a inveja é filha da incompetência. Quanta incompreensão, quantos inimigos que não sabiam nada: insultos e calúnias, atribulações, atritos, disputas, críticas, polêmicas, um extenso e fantasioso folclore sobre mim. Reverenciavam-me por monumento, no fundo me ignoravam ao mais grave desdém. Restava-me uma caneca farta de cerveja e o Café Zimmermann: uma cantata profana da moça casadoura que preferia a bebida a mais de mil beijos, afirmando que só aceitaria casar com quem lhe desse café. Tanta coisa por fazer. Ergui minha arte sobre pilares limpos, claros, simples. Brincava sozinho: fazer as coisas bem feitas para que todos fruíssem. As anotações entre tons maiores e menores, o manifesto do cravo bem temperado, a alegria e o otimismo, o suave e etéreo, a mística gótica e a inspiração dramática do barroco. Conheci a soprano Ana Magdalena, a filha do trompetista de Weissefels, e casei pela segunda vez. Ela e o piano, o animal sensitivo. Ele me respondia ao toque, seguia o compasso: escalas, notas, oitavas, intervalos, escapadas e perseguições, capturas e escapulidas, harmonia e discórdia, ascensão e descensão. Prelúdios, fugas, cantatas, concertos, tudo como o canto dos pássaros ao sol: é na beleza da variedade que reside a unidade verdadeira. Tudo para me elevar como uma criança olha para o pai. O coração ama demais e de verdade. O que atrapalha são as dores, cada qual sua dor e as insatisfações dela advindas, abalam o afeto. O talento e saber serviam para nada, tudo inútil diante de tanta mediocridade. Foi preciso me retirar da vida pública, vi-me, apenas, uma paisagem trivial aos olhares alheios: um estranho em qualquer lugar, na minha própria terra, no meu próprio país. A minha miopia, a decadência: meus filhos e esposa à caridade pública. Os aplausos tardios na profundidade do abismo. O derradeiro brado. O silêncio. O esquecimento. O mundo escureceu de vez, não enxergava mais nada. Cirurgia, sangrias, ventosas, bebidas laxativas, e a solução no sangue de pombo, açúcar moído e sal torrado nos olhos. Eu via e a minha arte na obscuridade, tudo guardado no armário de uma sacristia: se se precisasse de um pedaço de papel para o que fosse, bastava arrancar qualquer folha dos meus manuscritos. A minha arte num asilo. Sabia, só passaria realmente a existir depois de morto. Desimportante, meu corpo se perderá, meus restos mortais no ar. No meu espólio: dois potes de café e um açucareiro. Para frente e para cima, a música é a glória de Deus. Era isso, afinal, viver é luta áspera. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS:
[...] Os grandes poetas e os grandes artistas têm por função social renovar incessantemente a aparência de que se reveste a natureza aos olhos dos homens. Sem os poetas, sem os artistas, os homens se entediariam depressa da monotonia natural. A ideia sublime que eles têm do universo sofreria nova queda com uma velocidade vertiginosa. A ordem que aparece na natureza e que é somente efeito da arte logo desapareceria. Tudo se decomporia no caos. Não haveria mais estações, civilização, pensamento, humanidade, não haveria mais vida, até, e a impotente obscuridade reinaria para sempre [...].
Trecho extraído da obra Pintores cubistas: meditações estéticas (L & PM, 1997), do poeta e crítico de arte francês Guillaume Apollinaire (1880-1918), extraodinário documento sobre o movimento cubista - acontecimento decisivo que influenciou todos os movimentos modernos que sacudiram o século XX - e sua época. Na obra, o autor expressa com raro sabor documental o momento, o clima e as circunstâncias em que surgiram os artífices do cubismo como Braque, Picasso, Gris, Lèger, Picabia, Duchamp e outros importantes pintores. Veja mais aqui, aqui & aqui.

A MÚSICA DE ANA CLÁUDIA BRITO
Curtindo os álbuns Bach's Instrumental Works (Meta, 2006) e outro com a obra do compositor italiano Nino Rota & do compositor armênio Aram Khachaturian (Lindoro, 1999), da premiada pianista e professora Ana Cláudia Brito Girotto, que atua como recitalista, solista e camerista com renomadas orquestras e regentes. Veja mais aqui.

A ARTE DE VERA GUERRA CHAVES BARCELLOS
Meu trabalho é variado. Eu comecei dentro de uma tradição do modernismo e acho que só encontrei mesmo os meus caminhos depois que passei a fazer fotografia e a educar o meu olhar através da fotografia. Aí, foi surgindo questões sobre a imagem, sobre o que é a imagem, o que é a representação, o que é o falso, o que é a cópia. Creio que essas questões é que foram formando o que poderia se chamar a poética do meu trabalho. Na verdade, poderia dizer que comecei pela gravura, porque foi com a gravura que pude já me considerar alguém que dominava uma forma de expressão. Antes, eu pintei. Alguns desses quadros a óleo eu ainda conservo, uma boa parte, no entanto, destruí em uma grande fogueira. Sorte que nunca me arrependi disso. Quanto à poética, nesse tempo em que fazia quantidade grande de desenhos preparatórios para se transformarem primeiro em litografias e depois em xilogravuras, para mim era expressar pela forma e pela cor algumas forças e significados. Desenvolvi uma espécie de alfabeto variado em que certas formas e certas cores eram mais adequadas para veicular significados, tipos de emoções, ou forças opostas. Creio que nesse momento já estava em mim um germe de inquietação que me levaria a mudanças mais radicais, que viriam depois, com o uso da fotografia. De utilizar a imagem não como um fim em si mesma, mas como um meio para atingir uma espécie de disciplina do olhar.
A arte da artista visual Vera Guerra Chaves Barcellos, que trabalha com pintura, gravura, desenho e fotografia, misturando com xilogravura, serigrafia e técnicas gráficas. Ela participou do grupo Nervo Óptico (1976-78) e foi uma das fundadores do centro de cultura alternativa Espaço N. O. (1979-82), afora realizar exposições e instalações multimídias.
&
A ARTE DE JOSÉ CARLOS VIANA
A arte do pintor, desenhista e gravador José Carlos Viana (1949-2019). Veja mais aqui.

A OBRA DE BACH
Todo e qualquer homem piedoso poderia fazer quanto fiz se nisso se empenhasse como me empenhei. Quero demonstrar ao mundo, na arquitetura da minha música, a arquitetura de uma nova e bela comunidade social. O segredo da minha harmonia? Só eu o conheço. Cada instrumento em contraponto, e tantas partes contrapontísticas quantos instrumentos existirem. A autodisciplina iluminada das várias partes – cada qual se impondo voluntariamente a si mesma os limites de sua liberdade individual para o bem-estar da comunidade. Tal é a minha mensagem. Nem a autocracia de uma única e teimosa melodia, de um lado, bem a anarquia de ruídos desenfreados, de outro. Não – um delicado equilíbrio entre ambos – uma liberdade esclarecida. A ciência da minha arte. A arte da minha ciência. A harmonia das estrelas no céu, o anseio de fraternidade no coração do homem. Tal é o segredo da minha música. O objeto de toda música devia ser a glória de Deus.
A obra do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750) aqui, aqui & aqui.


ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...