Pular para o conteúdo principal

A FÁBULA DO MAIOR NINGUÉM


A FÁBULA DO MAIOR NINGUÉM - Joãozídio, uma tipóia, nenhum amanhã, nenhuma estrela no céu. Ao redor, um balaio vazio, um fogo cruzado, nenhum terém e muito ronco. Dorminhocos: um ladrão, um padre e um bêbado. Joãozídio berra faminto, criança desmamada. A mãe abestada, tida por juízo mole das beldades dos príncipes, num hospício por paixão proibida. O pai, um desafortunado aproveitando-se com mãos e membros na botija ocasional, foragido de credores e pais encolerizados. E o menino berra madrugada adentro. De mão em mão, berro em berro, ele foi crescendo no escanteio: imundícies, superstições e malquerenças. Taludo, foi saindo de garoto pra rapaz feito. Quase adulto, consciência pesa nos de longe, a sua incerteza no seio dos parentes maternais. Chegou como visita de mais de três dias. Mesmo assim, educação esmerada e imposições religiosas como se fosse um da casa. Sempre, claro, como se fosse. Não era. Tomando pé da situação, tornou-se rebelde e de maus bofes, truculento, repudiando tudo e todos. Disso, conseguiu promessas alvissareiras: escapulidas e negócios escusos. Apoderou-se da astúcia e, do dia pra noite, muita largura. Quem era ninguém, agora o rei da cocada preta. Passou a mandar e pintar o sete em todas as tabuadas. Plateia, lei e polícia, seu manto de impunidade: matava e sorria, urrava e mentia. Já maioral com assento em cargos oficiais, maior parafernália da claque. Meio mundo de conivência nos tentáculos. Nenhum empecilho. Persona grata para apadrinhamentos os mais solícitos, exemplo de dignidade e retidão. Até na escola seu nome era pronunciado como referencial para as futuras gerações - e isso a sua satisfação e seu destemor. Como um dia a casa cai, morre em pleno vigor de seu poderio com a glória dos vilões. E, ainda hoje, é enaltecido no principal refrão do coro dos lambecus. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


Curtindo os álbuns Soler: fandando, keyboards sonatas, com composições do compositor espanhol Antonio Soler (1729-1783), na interpretação da pianista estadunidense Maggie Cole.

PESQUISA:
[...] O sujeito transcendental tem seu fundamento na história natural do gênero humano. [...] o conhecimento como instrumento da autoconservação, porém, transcendendo a mera autoconservação [...] Os interesses orientadores do conhecimento formam-se por mediação do trabalho, da linguagem e do dominio. [...] A unidade do conhecimento com o interesse verifica-se numa dialética que reconstrua o elemento reprimido a partir dos traços históricos do diálogo proibido. [...] Uma filosofia que renega a história é a outra face do decisionismo esterilizador: a divisão imposta burocraticamente caminha junto à neutralidade axiológica entendida erroneamente como um processo contemplativo. [...].
Trecho extraído da obra Conhecimento e interesse (Unesp, 2014), do filósofo e sociólogo alemão Jürgen Habermas, tratando a partir do ponto de vista epistemológico a discussão acerca do entrelaçamento entre razão prática e razão pura, mostrando a importância das definições do conhecimento e levantando questões sobre os fatores que o definem. Veja mais aqui.

LEITURA
Na corrida de mourão
Quem corre mais é quem ganha
São Tomé vendia banha
Na fogueira de São João
Foi na guerra do Japão
Que se deu essa ingrizia
Camonge quage morria
Da grenguena berra-berra
Quem se morre é quem se enterra
Adeus até outro dia.
Adeus até outro dia, poema de Zé Limeira (1886-1954), o Poeta do Absurdo. Veja mais aqui,

PENSAMENTO DO DIA:
Belo é manter, o quanto possível, a calma na infelicidade e não se irritar, pois não vemos claramente o que é bom ou ruim naquelas conjunturas; de nada adianta suportá-las com péssimo humor; nas coisasa humanas não há nenhuma que mereça um sério interesse.
Trecho extraído da obra A República, do filósofo e matemático grego Platão (428/427 – 349/347 a.C.). Veja mais aqui e aqui.

IMAGEM DO DIA
A arte do fotógrafo estadunidense Howard Schatz.

Veja mais sobre Fernando Brant, Jean-Philippe Rameau, Percy Bysshe Shelley, Plínio Marcos, Louis Malle, Pedro Alexandrino, Psicologia Escolar, Pueblo Tiwa & Brigitte Bardot aqui.

DESTAQUE: 
Companhia do Ballet Eliana Cavalcanti.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Blood room nude fatal stage, by Ryohei Hase.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Imagem: colagem do artista plástico, poeta, pintor e escultor alemão Kurt Schwitters (1887-1948).
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja aqui e aqui.



Postagens mais visitadas deste blog

A MULHER

A MULHER – Quando criei o blog “Crônica de amor por ela” levado pelo mote dado pela poetamiga Mariza LourençoEla nua é linda – um bloguerótico” eu pensava publicar meus versos, tons & prosas poéticas voltadas para o amor e afetividade, sexualidade e cumplicidade das paixões, desejos e amizade entre os seres humanos.


Arte: Mariza Lourenço.
De primeira, eu queria fazer uma homenagem às mulheres pelo reconhecimento de grandeza do seu ser.


Arte: Mariza Lourenço.
Depois, eu queria fazer uma homenagem ao amor, este sentimento que envolve todos os seres humanos.


Arte: Derinha Rocha.
Quando menos pensei eu estava com um livro pronto: o “Crônica de amor por ela” reunindo poemas, prosas poéticas, poemiúdos, .canções, proseróticas, poemiuderóticos, croniquetas, noveletas, expressões ginofágicas priápicas e outros teréns e juras de amor por ela.


Arte: Derinha Rocha.
UNIVERSO FEMININO – O universo feminino muito me encanta, fascina e me faz cada vez mais cativo ao maravilhoso ser que é a mulher.


Ar…

STEVENSON & FANNY, MARIANNE MOORE, BETTY MEGGERS & HANNAH YATA

A ÚLTIMA CARTA PARA FANNY - O mundo está cheio de tantas coisas, os sonhos são maiores que as dores. O sangrento Jack me persegue desde a infância, mesmo quando as aventuras davam num débil inválido, enfermiço, era eu um acendedor de lampiões com o bicho-papão fungando nas sombras dos meus cabelos. Só me restava a noite solitária com o sopro dos ventos, calafrios e tempestades terríveis, as lembranças de Cumme e as suas histórias horripilantes. Sempre foi assim entre a espada heroica e a pena inglória, os mapas e histórias inventadas, os paladinos marinheiros marchando para salvar a humanidade indefesa na minha cabeça, me fazendo faroleiro das ondas, tormentas e naufrágios, a distinguir o que era e não era entre vagabundos e ilibados senhores da sociedade. Como fui reprovado pelos professores, já sabia que nunca seria um contador de história respeitável, só um plumitivo que nada mais era que uma alma perdida com passatempos mirabolantes na ideia. Nunca me vi levantando paredes para mo…

ÉLUARD, APPIA, ALMODÓVAR, OSMAN LINS, PAULO CESAR PINHEIRO, ALBERTO DE OLIVEIRA, MALHOA, PENÉLOPE CRUZ, VALERIA PISAURO & MUITO MAIS NO PROGRAMA TATARITARITATÁ!!!!

CANTO DE CIRCO – O livro Os gestos (José Olympio, 1957), do escritor pernambucano Osman Lins (1924-1978), reúne treze contos que foram escritos nos anos 1950, abordando sobre a impotência e angustia do ser humano. Do livro destaco esse trecho do Canto de Circo: Ergue a cabeça e contemplou o lugar onde tantas vezes se apresentara para os seus breves triungos no trapézio. No dia seguinte, desarmariam o Circo – pensava; e na próxima cidade, quando o reerguessem, ele estaria longe. Nunca, porém, haveria de esquecer aquela frahil armação de lona e tabique, as cadeiras desconjuntadas, o quebra-luz sobre oespelho partido e o modo como os aplausos e a música chegavam ali. Baixou os olhos, voltou a folhear a revista. Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual despedia e que lembrava, de certo modo, o aposento de um morto, semelhança esta que seria maior, não fosse a indiferença quase rancorosa que o rodeava; pois, a despedida iminente, só ele sentia. Os colegas – o equili…

MOLIÉRE, DURAS, PANCHATANTRA, CYBELE, VLAMINCK, MUDDY & IDA BAUER.

O DOENTE IMAGINÁRIO – A peça O doente imaginário (Le malade imaginaire, 1673) é a última entre as escritas pelo dramaturgo, ator e encenador francês Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (1622-1673). Considerado um dos mestres da comédia satírica, essa peça composta em três atos, critica os costumes da época ao contar a história de um velho hipocondríaco Argan que se julga pesadamente doente sem realmente estar, acatando cegamente toda as ordens do médico que se aproveita da situação. Por outro lado, o doente quer por fim da força que sua filha Angélique contraia matrimonio com um filho de médico para que possa receber gratuitamente do genro o seu tratamento. Entretanto, a jovem filha está apaixonada por Cléante, tornando-se livre para casar depois de um ardil tramado por seu irmão Bérald para curar seu pai de sua fixação com médicos. Destaco o seu Quarto Ato: (Uma cenaburlesca, de coração de grau de um médico. Assembléia composta de porta-seringas, farmacêuticos, doutor…

LORCA, ELLINGTON, TRIER, PARCERO, GÊNESE AFRICANO, GALHARDO, MEIMEI CORRÊA, RÔ LOPES & TERRA DAS CABRAS.

COMO VEIO A PRIMEIRA CHUVA – Na reunião de histórias denominadas O gênese africano (Cultrix, 1962), encontrei a lenda Como veio a primeira chuva: Uma vez, há muito tempo, nasceu uma filha a Obassi Osaw e um filho a Obasi Nsi. Quando ambos chegaram à idade de casar, Nsi mandou uma mensagem e disse: - Troquemos os filhos. Eu te mandarei meu filho para que despose uma das tuas jovbens e tu manda-me tua filha para que seja minha mulher. Obasi Osaw aceitou. Assim o filho de Nsi foi para o céu, levando consigo muitos e belos presentes e Ara, a jovem do céu, veio ficar cá embaixo, na terra. Com ela viera sete escravos e sete escravas, que o pai lhe deu, para que trabalhassem para ela, e assim ela não fosse obrigada a fazer nada. Um dia, de manhã cedo, Obasse Nsi disse à nova esposa: - Vai trabalhar na minha fazenda! Ela respondeu: - Meu pai deu-me os escravos para trabalharem por mim. Por isso manda-os a eles. Obassi Nsi se irritou e disse: - Não ouviste eu dar-te as minhas ordens? Tu mesma …