quarta-feira, outubro 08, 2008

BAUDELAIRE, HENRY JAMES, MENOTTI DEL PICCHIA, BLANCHOT, KUBIN, TATIANA COBBETT & LITERÓTICA

 
A arte do escritor e ilustrador checo Alfred Kubin (1877-1959).

LITERÓTICA: O REINO DA SURPRESA – O beijo, primeiro degrau. Antes disso, à porta do cinema apareceu a menina azul e o filme que ela não viu. Um sábado cheio de pernas: primeiro encontro, conversa de almoço. Isso e aquilo. As palavras escapulindo, o mundo girando. Ela era só o olhar e um silêncio. Eu, um tagarela, depondo tudo, debulhando segredos. Ela permeável. O que eu disse? Sei lá, fiquei nu. Dali uma semana, era o primeiro beijo e o dia se iluminou. Era o reino da surpresa. E vingava a emoção. Nunca havia saboreado prazer tão imenso, intenso, inteiro, carregado. Tudo inteiramente maior na franzinice dela. Surpresa aos montes: o beijo, o toque, a pele, a entrega total. Tudo integralmente entregue, inteiramente possuído. Nunca houvera. Foi tudo como a minha fome de séculos se apossasse dos seus pés miúdos, engolisse suas pernas, mastigasse suas coxas, deglutisse seu ventre de carne saborosa e me empazinasse com seus seios de caldo mágico e dorso de cordilheiras deliciosas e ruminasse seu corpo de precipícios milenares e me apoderasse de sua alma nua de serva submissa que se deixava escrava completa ao meu bel prazer. E usei antropofagicamente do expediente de tê-la, retê-la, recolhê-la, recomê-la sucessivas vezes até ginofagicamente assentá-la, liquidá-la, enfincá-la e entronizá-la lânguida posse exaurida nos desejos do meu coração atordoado. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOS - A imaginação disseca o todo da criação de acordo com leis que têm a sua origem no mais fundo das profundezas da alma, e depois junta e organiza os pedaços, criando um novo mundo a partir deles. Pensamento do escritor, tradutor, crítico de arte e poeta francês, Charles Baudelaire (1821 - 1867). Veja mais aqui e aqui.

A VISÃO & O INVISÍVEL – [...] o que se revela não se entrega à visão, mas também não se refugia na simples invisibilidade [...]. Inversão finita da dispersão, movimento não dialético, onde a contrariedade é estranha à oposição, à conciliação e onde o outro nunca é igual ao mesmo. [...]. Trechos extraídos da obra Conversa infinita: a palavra plural (Escuta, 2001), do escritor, ensaísta, romancista e crítico literário Maurice Blanchot (1907-2003). Veja mais aqui.

A VOLTA DO PARAFUSO – [...] Olhava para todos os lados à procura de uma luz, de alguma pista que indicasse o que devia fazer. Por fim atirou-se em meus braços e gritou, com todas as forças, o nome que provava que eu estivera certa desde o começo: — Onde está Peter Quint? Vá-se embora, demônio! — Acalme-se, meu amor. Você agora não é mais dele. Ficaremos juntos, você e eu. Ele voltará para a eternidade, confie em mim! — disse eu. O menino debatia-se, mas apertei-o firme contra o peito, a cabeça afundada em meu colo. Tentava assim minimizar, a todo custo, a queda que estava sofrendo. Enlacei-o com todo o amor que podia lhe dar, mas, ao final de um minuto, percebi o que de fato havia ocorrido: em meio à atmosfera calma que agora se instalara na sala de estar, eu segurava um coraçãozinho finalmente livre, é certo, mas que parara de bater. [...]. Trecho da obra A volta do parafuso (Ridel, 2006), do escritor estadunidense Henry James (1843-1916). Veja mais aqui.

O VOOGoza a euforia do vôo do anjo perdido em ti. / Não indagues se nossas estradas, tempo e vento, / desabam no abismo. / Que sabes tu do fim? / Se temes que teu mistério seja uma noite, enche-o / de estrelas. / Conserva a ilusão de que teu vôo te leva sempre / para o mais alto. / No deslumbramento da ascensão / se pressentires que amanhã estarás mudo / esgota, como um pássaro, as canções que tens / na garganta. / Canta. Canta para conservar a ilusão de festa e / de vitória. / Talvez as canções adormeçam as feras / que esperam devorar o pássaro. / Desde que nasceste não és mais que um vôo no tempo. / Rumo do céu? / Que importa a rota. / Voa e canta enquanto resistirem as asas. Poema do poeta, jornalista, advogado e pintor brasileiro Menotti Del Picchia (1892-1988). Veja mais aquiaqui.

A arte do escritor e ilustrador checo Alfred Kubin (1877-1959).


MUSA DA SEMANA: TATIANA COBBETT – ela é cantora, compositora e bailarina.

É formada pela Escola de Danças Clássicas do Teatro Municipal do RJ e trabalhou 12 anos na companhia paulista Balé Stagium, percorrendo o Brasil, América Central, América Latina e alguns países da Europa.

Ela é autora e atuou como intérprete do musical "Mulheres de Hollanda" com direção de Naum Alves de Sousa.

Atuou como diretora e concepção dos espetáculos Alma Flamenca, Grito das Flores, Esta Terra Portugal, Festival Três Bandeiras, Partituras da Itália nas Vozes do Rio e dos Shows de Badi Assad, Carlinhos Antunes, Tutti Baê, Janet Machnaz e Joel Brito entre outros.
Desde 2000, desenvolve parceria com o músico/cantor/compositor gaúcho - Marcoliva - um trabalho de composições próprias registradas no cd Parceiros. Ela também publicou o livro de poemas e letras, intitulado - Básicas Composições. E está desenvolvendo o projeto Bendita Companhia, com o músico Marcoliva.
Ela aniversaria no próximo dia 13 de outubro. Daqui meus parabéns, Tatiana.


VEJA MAIS:
MUSA DA SEMANA




Veja mais sobre:

Jung & Holística, André Malraux, Leilah Assumpção, Haroldo Marinho Barbosa, Antonín Mánes, Coletivo Chama, Viúvas de marido vivo, Maria de Fátima Monteiro, Pedro Cabral Filho & Goretti Pompe aqui.

E mais:
Quintal dos milagres aqui e aqui.
Cordel Aos poetas clássicos, de Patativa do Assaré aqui.
A poesia de Clauky Boom aqui.
Moro num pais tropicaos, de Marcio Baraldi aqui.
Cordel Eu vi o brasí jogá, de Zé Brejêro aqui.
As olimpíadas do Fecamepa aqui.
A arte de Ana Luisa Kaminski aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 
 

IMRE KERTSZ, MAVIS GALLANT, VERONICA FRANCO, CHARLOTTE YONGE& CLODOALDO CARDOSO

  Ao som do show Almério e Martins gravado ao vivo no Teatro do Parque, Recife, 21 de novembro de 2021.   TRÍPTICO DQP: Isso é aquilo ...