quarta-feira, outubro 01, 2008

GERARDO DIEGO, DUMAS, CRANACH, HENRI JEANSON, A MULHER & O DIABO, FÉLIX PORFÍRIO & MONIQUE KESSOUS




DOIS FORRÓS COM FÉLIX PORFÍRIO: PERDI A NOÇÃO DE SER FELIZ – Faz tempo que o nosso amor mudou, ah, amor, perdi a noção de ser feliz. Não queria perder tua paixão, só queria ganhar teu coração, meu desejo sempre quis. Mas o fogo queimou e se apagou, o que foi só desejo não é mais. Nossa vida não tem mais sabor, o teu beijo não tem mais valor, prefiro viver na solidão. Solidão é morrer de amor, é desespero, é riacho que água por ele esqueceu de passar. É perder, arrancar essa coisa do peito, não tem jeito, meu bem, vou matar essa paixão. AMOR PRA VIVER – Foi como a flor, desabrochou, rolou no peito e depois gorou. Foi tão bom, tão ruim, pegou de um jeito que desatinou. Quase vingou, desmantelou, roubou o tempo e depois sumiu, sem razão, se perdeu, enquanto o mel se derramava em mim. Aconteceu, vibrou no coração, não sei por que, não deu mais não, amor, se deu de cara virou na paixão, foi pra viver, morrer mais não. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. (Primeira Reunião – Bagaço, 1992). Letras compostas para a parceria musical com o cantor e compositor pernambucano de Ribeirão, Félix Porfírio (1952-2003).


DITOS & DESDITOSPrefiro os canalhas aos imbecis. Os canalhas, pelo menos, descansam de vez em quando. Pensamento do escritor francês Alexandre Dumas Filho (1824-1895). Veja mais aqui.

ALGUÉM FALOUAs mulheres geralmente traem seus maridos com outros maridos – o que dá aos adultérios um certo caráter conjugal, honrado e legal. Máxima expressa pelo escritor e jornalista francês Henri Jeanson (1900-1970).

COM MULHER RUIM NEM O DIABO PODEEra uma vez um marido que estava desesperado de corrigir a mulher. Falou assim no meio da discussão: - Com você nem o diabo pode. Boca, por que falou? Na mesma horinha apareceu o Chifrudo, na figura de um moço que queria emprego: - Me chamou, estou aqui. O homem, logo que se refez do susto, replicou: - Está bem. O seu serviço é ficar por aqui, quando eu saio de casa de casa. Algum servicinho na casa e no terreiro. Mas sempre olhando o que se passa, pra depois me contar. Dessa vez o homem saiu sossegado para as suas tarefas. Mal acabava de virar o espigão, já apareceu um senhor batendo a porta e olhando para o empregado com má cara. A mulher só lhe disse baixinho: - Eu arranjo! Chamou o diabo e disse-lhe: - Pegue este cesto e vá correndo buscar água no rio, pra passar um cafezinho. O diabo foi. Enchia o cesto e vinha trazendo, mas a água escapava. Homem, até fez até caminho na beira do poço de tanto encher e esvaziar o jacá. Quando o patrão chegou, o diabo disse que desistia do emprego. Narrativa recolhida da obra Estorias de diabo: o diabo na criação popular (Thesaurus, 1995), do historiador e escritor Altimar de Alencar Pimentel (1936-2008).

NÃO TE VEJO - Não te vejo / Um dia e outro dia e outro dia. / Não te vejo / Para poder vê-lo, saiba que você está tão perto, / Que o milagre da sorte é provável. / Não te vejo / E o coração e o cálculo e a bússola, / falhando nos três. Não há ninguém para bater em você. / Não te vejo / Quarta, quinta, sexta-feira, sem encontrar você, / Não respire, não fique, não mereça. / Não te vejo / Desesperadamente amo, amo você / e nascer de novo para amar você. / Não te vejo / Sim, nascido todos os dias. Tudo é novo. / Novo é você, minha vida, você, minha morte. / Não te vejo / Tateando (e era meio-dia) / Com medo infinito de quebrar você. / Não te vejo / Ouça sua voz, cheire seu perfume, sonhos, / Oh, miragens que o deserto investe. / Não te vejo / Pensar que você foge de mim, você me quer, / Você gostaria de se encontrar em mim, te perder. / Não te vejo / Dois navios no mar, cegam as velas. / Seus acordes se beijarão amanhã? Poema do poeta espanhol Gerardo Diego (1896-1987).


A arte do pintor alemão Lucas Cranach, o Jovem (1515-1586).


Fotos: Beti Niemeyer


MUSA DA SEMANA: MONIQUE KESSOUS – a cantora, compositora e multi-instrumentista carioca Monique Kessous começou a cantar aos 9 anos de idade, quando virou representante da sua escola no Festival de Musica Idishe do Clube Hebraica.


A partir daí passou a estudar musica, aprender violão, piano clássico e popular, canto lírico e popular, harmonia funcional e percepção musical.


Depois começou a compor e fazer shows, participando de gravações com Roberto Menescal, Chico Buarque, abrindo show de Lulu Santos, entre outras atividades, até que gravou o cd “Liverpool Bossa”, com o Roberto Menescal pelo selo Albatroz, onde participou de outras masi 10 compilações de bossa nova.


Daí, lançou seu cd autoral: "Com essa cor", onde mostra as suas várias facetas.



VEJA MAIS:


 
Veja mais sobre:

Segunda feira & as notícias do dia , Carl Sagan, Diná Silveira de Queirós, Giacomo Carissimi, Domenico Mazzocchi, Luigi Rossi, Torquato Neto, Martin Esslin, Joseph Newman, Leatrice Joy, Dita Von Teese & George Spencer Watson aqui.

E mais:
Direitos Humanos aqui e aqui.
Direito à Educação aqui, aqui e aqui.
A música de Drica Novo aqui.
A salada geral no Big Shit Bôbras aqui.
Desabafos de um perna-de-pau aqui.
Literatura de Cordel: O casamento da porca com Zé da lasca, de Manoel Caboclo e Silva aqui.
Zé-corninho & Oropa, França e Bahia aqui.
A música de Rogéria Holtz aqui.
O Direito das Coisas aqui.
Gustave Courbet, Consuelo de Castro, Robert Altman, Marcela Roggeri, Sérgio Augusto de Andrade, Vieira Vivo, Rose Abdallah, Liv Tyler, Direito Constitucional & efetividade de suas normas aqui.
Literatura de Cordel: A peleja de Bernardo Nogueira com Preto Limão, de João Martins de Athayde aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!!!!
 Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 

HUMBERTO MATURANA, SAMANTA SCHWEBLIN, NÚRIA AÑÓ & LÍVIA FALCÃO

    TRÍPTICO DQP: Sobrevivo... – Imagem: AcervoLAM: Antes do Verbo havia o antes e era Néstogas, a o som do Concert Barbakan Festival Brat...