quinta-feira, maio 22, 2008

BRETON, IVAN LESSA, DIANE ACKERMAN, HELENA NEMER SALLES, GRETA BENITEZ & LITERÓTICA


 
A arte dartista plástica Maria Helena Nemer Salles.

LITERÓTICA: MINHA – Enquanto o sol irradia na claridade da manhã, mais te quero minha, minha diva do meu amor desmedido. E mesmo que esteja nublado ou chuvoso, meu coração se aninha cada vez mais ávido para esquentar tua sanha e ver-te em flor radiante e minha sempre minha adoravelmente minha. Eu te sonho sempre minha e inteira no meio da minha solidão exaltada que sonha provar com meu apetite contumaz da sedução do teu olhar carente e me deixa fascinado com teu jeito manhoso de te entregar. E vou me entregar à tua boca indecorosamente sedenta com teus lábios sugadores implacáveis e entreabertos para a volúpia de todo meu ser enquanto sou provocado pela lambida obscena de tua língua que acaricia meu polegar nos arrepios de nossas almas. És minha e vou embarcar na sinuosidade do teu corpo de beldade devoradora como quem é contemplado por doses generosas do teu prazer, desfrutando da excitante viagem que faz bonito na apoteótica cena strip-tease de tua dança depravada que vem exalando sensualidade por todos os teus poros na pose do meu ensaio privado, na febre que me atormenta pela gula de tua majestosa expressão de deusa no panteão do sexo extremo. Ah! Sou teu escravo e tu és minha e almejo me agarrar no traçado do desejo pela lindeza extrema de tua exuberante geografia que é pura devassidão desde o decote escandaloso até a compleição mais altaneira de tuas pernas coxas e sexo enchendo minha boca de saliva pro doce mais gostoso. Eu vou me fartar de tua suculenta emanação que rivaliza com toda a beleza do mundo e te deixar ensandecida pin-up ousadíssima stripper pervertida rainha sodomita de toda minha perversão sexual. Eu vou contracenar com o teu corpo lindo e magistral protagonizando o mais audacioso furacão de desejo do meu grosso calibre que te penetrará em cima do lance, bem devagar, tímido e possesso numa ousadíssima intervenção do meu querer enlouquecido preso pelo tronco por tuas pernas na cara do gol enquanto eu na banheira de tua grande área fazendo estripulias para teu prazer. És minha, deusa-mulher, e eu te venero a cada estocada que derrama o meu gozo para que o teu gozo seja pleno e real. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


PENSAMENTO DO DIA - Do seio da terrível miséria física e moral deste tempo sem dó ou ventre espera-se sem desesperar ainda que energias rebeldes a toda domesticação retomem pela base a tarefa de emancipação humana. Pensamento do escritor francês André Breton (1886-1966). Veja mais aqui e aqui.

SER HUMANO - [...] nada é mais surpreendente ou assombroso do que os seres humanos. Nós não somos diferentes nem distintos dos outros animais. Não somos deuses que possuem o direito de destruir nosso mundo ou outros, mas somos criaturas raras e extraordinárias em evolução neste planeta. Somos impressionantes explosões de sonho e matéria. Nossas mentes são tão complexas quanto o Grand Canyon. Nossas necessidades, tão persistentes quanto a quentura do inverno. Nossos desejos, tão densos e voluptuosos quanto os oceanos. Nós somos prodígios naturais. [...]. Trecho extraído da obra Uma história natural do amor (Bertrand Brasil, 1997), da escritora e naturalista estadunidense Diane Ackerman. Veja mais aqui e aqui.

SOMOS TODOS ESTRANGEIROS - Estrangeiro é o bairro em que moramos, estrangeira é a mulher que encoxamos no elevador, estrangeiros são nossos pais, nossos filhos. Nunca me senti em casa no Brasil, ninguém está em casa no Brasil: todo mundo foi até a esquina, todo mundo foi tomar um cafezinho. Achava que, de uma maneira ou de outra, eu estava embromando ou sendo embromado por alguém. Que viver não era nada daquilo, que eu não tinha nada com o peixe, que os verdadeiros brasileiros estavam misteriosamente ocupados com seus sofrimentos, ou então atarefados criando um Brasil melhor: gente andando rapidamente nas ruas da cidade, ou cavando uma terra dura e ingrata. Os brasileiros eram abstratos, distantes, mais calados do que comumente se supõe. Conheço algumas vozes brasileiras: gostaria de saber escrever na tonalidade do Jorge Veiga, ou do Moreira da Silva, misturada a uma retórica aborrecida e às avessas semelhante à de Ruy Barbosa — como o Hino à Bandeira acompanhado de caixinha de fósforos. Os sambinhas, claro, eram brasileiros, o pessoal que sentava ao meu lado no Maracanã era brasileiro, as piadas de papagaio eram brasileiras. Mas tudo era de mentirinha, beirando sempre o pitoresco ou se precipitando na tragédia policial ou no editorial dos jornais. A vida a sério, os seis quarteirões em que me locomovia, as seis pessoas com quem convivia não eram, digamos assim, bem brasileiros — assim como eu, tinham máquina fotográfica a tiracolo e camisas com palmeiras. Em tudo que eu engolia ficava uma ponta de tradução atravessada em minha garganta: os filmes com legendas em português, as histórias em quadrinhos, os livros, as notícias; os foxes. Éramos uma versão pobre do que a vida deveria ser — e a vida vinha sempre em inglês, em francês, em alemão. Mesmo quando dizia “eu te amo”, ou “não me chateia”, eu me sentia vagamente ridículo, apropriador — feito um homem de série da televisão mal dublado: minha boca fechada e as palavras ainda saindo, um ventríloquo com descontrole psicomotor. Reconheci, pelo paladar, pelos olhos, certos molhos, certas bossas tipicamente brasileiras (o problema é que eram típicos): feijoada, dendê, folha seca de Didi, Noel Rosa, escola de samba. Mas a essência, a parte que tratava de mim (nos meus seis quarteirões, na cidade no sul do país) e de minha relação com os severinos todos, essa parte era sempre tratada em outra língua; eu pertencia aos estrangeiros, foram eles que me disseram como vim a fazer parte ou como nunca fiz parte. Eu era, como todo brasileiro, um improvisador, um adaptador, um tradutor, conseqüentemente um traidor — porque eu olhava para a cara de meu semelhante e não sabia como poderíamos nos entender, o que ele tinha a me dizer, o que eu poderia lhe dizer, como juntos conseguiríamos nos salvar. No entanto, o tempo todo, eu era, eu sou, apenas mais um João, só que em russo. Não consegui, como tanta gente de minha geração ou mais moça do que eu, me interessar pelo folclore caboclo. A própria palavra folclore já leva embutido um desaforo urbano. No entanto, achava que o setor, devidamente estudado por profissionais competentes, me seria útil, me forneceria, por exemplo, dados para escrever com justeza para um público moço que vive de cinema, disco e que sabe, curiosamente, que há uma tremenda safadeza, uma violência no ar. Não lia, portanto, O Negrinho do Pastoreio — o que já preparava o terreno até para eu deixar de ler Machado de Assis ou Dalton Trevisan. Comprava pocketbooks, que eram mais baratos, mais engraçados, e, de certa forma, sobre mim, a meu respeito. Preocupado comigo mesmo, com esse “meu respeito”, descobri-me sozinho no meio da avenida repetindo eu... eu... eu... como um pronome enguiçado que não consegue engatar a segunda e a terceira do singular. Perdi os joões, os josés, os severinos, vim para o original, o estrangeiro, dando início a uma certa paz, tranqüilidade, a noção de ordem: as legendas acabaram, sou finalmente, completamente, um estrangeiro. Posso agora conjugar-me no plural, dizer nós. Somos todos estrangeiros, sois todos estrangeiros, são todos estrangeiros. Não há nada a fazer a não ser descobrir esse estrangeiro que há na gente. Daí então a gente começa a falar brasileiro, coça o saco, conta como é que é. Daí então o papo, aquele papo, pode começar. Só que agora pra valerExtraído da obra O melhor do Pasquim (Desiderata, 2006), do escritor e jornalista Ivan Lessa (1935-2012), organizado pelo jornalista Sérgio Augusto e Jaguar.


MUSA DA SEMANA: GRETA BENITEZ - Greta Benitez é uma linda poeta curitibana que é formada em publicidade e pós-graduada em marketing.
É autora do livro Rosas Embutidas – Premio Jorge de Lima – Brasil 500 Anos, concedido pela Academia Carioca de Letras e União Brasileira de Escritores, 1999. Também é autora do livro Café Expresso Blackbird, em 2006.



Poeta premiadíssima no Brasil e no exterior, ela já foi selecionada para diversas antologias. Também já foi a poeta do mês do Guia de Poesia. Eis alguns dos seus poemas:



Estou pronta pra tudo que você imagina.
Deixei minha inocência na pior esquina.

-*-

Envolvimento
Cantora africana
balança o movimento do carro
Trilha sonora de paisagem urbana
Violão se funde com motor
Num insólito e sonoro caso de amor

-*-

Check-In

Não me importa entrar pela porta arabescada
Do desespero
Descer
Inferno
Destempero
Desequilíbrio
Certas cordas sem rede de proteção
Fogo
Carvão
Súcubos
Exus
Sereias amaldiçoadas, super-heróis do avesso
Nada disso me assusta
Se tiver certeza de que na saída
Eu estarei do lado de fora esperando por mim.

-*-


Era ninfeta
chinesa
freira.
Agora, passada a bebedeira
não é hora de
escolher
e ser?

-*-

Mercado Municipal
Encontrei na minha bolsa antiga um papel onde estava escrito:
Quimono
Pomba-gira
Gato
Moço ao pôr-do-sol
-
Seria uma lista de compras?

-*-

A cereja te deseja.
Você sabia?
Com sua volúpia vermelha
seu brilho indiscreto
embriagada de marasquino
ela já não mede conseqüências.
Hoje ela se sente perigosa
e na fogueira da sua alma
abusa dos sentimentos mais doces.
E até ela se escandaliza
descobrindo que é capaz de tudo
até vestir veludo
salto alto e trilha sonora
para ter você
agora.

-*-

Cílios eletrônicos
Milhares de homens atônitos
Sexo explícito dentro dos ônibus

-*-


Essas Estranhas Mulheres da Cidade

Essas santas
Suas seitas
Essas santas desfeitas
Santas ao contrário
Mulheres eleitas
Loucas pelo avesso
Enfermeiras
Velhas sereias
Vagam
Loucas pelos desertos da cidade
Doméstica desolada
Mulher de negócios apaixonada
As loiras de farmácia
E as morenas neuróticas
Mulheres da guarda-chuva atravessam a rua
Mulheres gripadas
Mulheres de salto alto
Botas, lenços, batom escandaloso
Mulheres à luz do sol
Essas deusas dançam
O tango do trânsito
Mulheres fatais
Sangue quente, cristais
Mulheres procurando seu cenário
Mulheres saindo do camarim
Todas elas dizem sim
Amigas do Marquês de Sade
Desfilam no meio da tarde
Essas estranhas mulheres da cidade
Mulher-dama
Dominatrix
Mulheres do norte
Mulheres que eram homens
Mulheres sabem a verdade
Essas estranhas mulheres de cidade.

Ela é editora do site Poesia Insana e do blog Chocolate Amargo.



VEJA MAIS:
MUSA DA SEMANA


Veja mais sobre:
Voar é preciso, viver não é preciso!, Doris Lessing, Luis Buñuel, Leonardo Boff, Hans Magnus Enzensberger, Guilherme Faria, Joseph Kosma, Sérgio Telles, Alfredo Martirena, O riso doído, Psicanálise & Sociedade dos poetas mortos aqui.

E mais:
Vivendo e aprendendo a jogar, Lygia Fagundes Telles, Ziraldo, Luciano Berio, Christine Lau, Nilza Menezes, Antonio Januzelli – Janô, Todd Solondz & O Retorno da deusa aqui.
A arte de Tammy Luciano aqui.
A educação na Sociologia de Max Weber aqui.
A educação nos anos 70 e as desigualdades sociais aqui.
As trelas do Doro: a capotada do guarda aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando o muxôxo dá num engasgo, o peso enverga o espinhaço de chega ficar de venta esfolando no chão aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora comemorando a festa do Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

DERRIDA, ZATZ, RUBEM ALVES, ROSALIA DE CASTRO, BEETHOVEN, KLIMT, SCHÖNBERG, LOJA DE RÉPTEIS, BOZ VAKHSHORI & VITAL CORRÊA DE ARAÚJO

A ARTE PARA IMORTAL AMADA – Imagem: art by Boz Vakhshori . - Os tons e a surdez: restava mais nada, a vida era só um detalhe de Deus. Des...