terça-feira, março 12, 2019

BLANCA VARELA, ALINE MATHEUS, A DEUSA TRÍPLICE, VIOLINO VERMELHO & O BUMBA DO FECAMEPA


FECAMEPA: O BUMBA DA PATETADA – Era uma vez um bumba-meu-boi, de coisas da gente e bonito de se ver. O bumba na arena do terreiro de Capitão Boca Mole, onde a mão do choro é cana, a mãe do visgo é a kaca, o ananá dos abaganazes. O Capitão montava no cavalo-marinho a fazer mesuras, a chegar mais adiante com as bexigadas de Mateus e Bastião, a Cantadeira louvando os vivas, a Maria-come-ou-não-come, a marmota do Morto-carregando-o-vivo, o Bambá da roda-grande, o Mané-Gostoso que entra e que sai pro Mané Babau armar das suas, a Catirina passar pelo auto entre zambumbas e ganzás, da Zabelinha entre candeeiros de querosene, o Mestre do Tiá ficar enrolando, o Matuto da História contar suas leseiras nunca dada como certas, o Matuto do Fumo levar suas astúcias e assim muita gente brincar com seu boi até a festa acabar tarde da noite. E isso era uma vez de se ouvir A mulher e a galinha não se deixa passear, que a galinha o bicho come e a mulher dá que falar! Se era certo ou não Mateus futucar a viúva Joana, se era decente ou não Bastião bolinar Maria da Ema, pouco caso se fazia, era festa pra se rir: Lá vem a lua saindo com toda galanteria, na boca de quem não presta, quem é bom não tem valia! Se havia decência ou não nas coisas do Engenheiro e seus dois criados, se queria dar certo ou não o Boticário com seus doentes, era coisa de enredo, folia para o povo magar: Sapateiro novo me faz um sapato da sola bem fina do salto bem alto. Se tinha o Diabo ou Caipora. Mané das Batatas ou moça hidrópicas, o Valente ou Caboclo do Arco, valia o dito na hora: Desses montes solitários, aonde alegria me tem, falo ninguém me responde, olho não vejo ninguém. Se da cobra ao vaqueiro, à lorota e o pinica-pau, seja o que fosse, era só um bumba-meu-boi de no fim vamo-no s’imbora, que é de madrugada, o rompê da aurora. Até aí tudo bem, coisa de nossa gente e de mesmo. Mas eis que ditas forças ocultas acharam de destronar o Capitão Boca Mole, assumiram com coisas horrendas à força da enganação, um certo Major Temegolpe e a coisa além de risível, virou drama de quinta categoria. Isso não estava certo não. Quem diria? Queriam por que queriam, na força da enrolação, levar gente sabida para um bumba que logo matou o boi e não só. Valeram-se de um bicho aloprado, que nem deu pra ter nem se sabe o que é que é, de tão desfigurado que ninguém chegou a ver, só se sentia um agigantado pardal ou coisa menos parecida que de tudo comia, de semente a recém-nascido, de ovo à fábrica de dinheiro, encheu o papo de um jeito do tamanho que não se sabia. Como não tinha plateia porque só tinham apupos do muito, logo abriram a porteira para arena da gandaia, um bumba feito Coiso com uma tropa coisada: tudo de cara fechada, fita nos ombros, graúdos topetudos de qualidade duvidosa e besteira cheia de chatura pra todo lado: cada um puxa o seu texto e a coisa é descoisada. Danou-se! Não dá pra saber direito se é o melhor pra todo mundo, ou se o fim do mundo agora. O que é, o que é? O que é aquilo mesmo não dá pra arriscar, se é uma patetada troncha pra se rir ou se é presepada pra chorar, não se tomou pé direito dessa desmantelada. O que se sabe de mesmo é que a coisa é tão desmesurada que ficou sendo na hora o Bumba do Fecamepa que não dá pra aprumar a conversa alguma. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS:
[...] Os últimos 2.500 anos testemunharam a ascensão de poderosas divindades masculinas que dominaram a alma e, não contentes com a metade do Cosmos e da alma humana, usurparam o lugar da deusa no esquema das coisas e tentaram destruir-lhe as manifestações exteriores. [...] As religiões patriarcais triunfaram exteriormente, impondo à humanidade a sua vontade. Esse período patriarcal, que vemos hoje estar prestes a se encerrar, viu o desenvolvimento de várias capacidades da alma humana: o domínio do mundo físico por meio do imperialismo; a evolução de uma tradição científica materialista vinculada com uma cultura tecnológica; a exploração e desperdício dos limitados recursos da Terra; e a organização da agressão na sociedade por intermédio das guerras nacionalistas. Todos podem identificar o legado desse período de patriarcado polarizado. Mas a deusa permaneceu conosco. [...].
Trechos extraídos da obra A deusa tríplice: em busca do feminino arquetípico (Cultrix, 1989), do escritor escocês Adam McLean. Veja mais aqui.

A ARTE DE ALINE MATHEUS
A arte da escultora Aline Matheus que também é bacharel em Direito e atriz formada pela CAL. Em suas obras ela apresenta o corpo humano como veículo expressivo de sua interioridade, propondo com isso o resgate do corpo como matéria sensível e reveladora da essência de cada ser. Ela já realizou exposições nos Estados Unidos e em diversos estados brasileiros. Entre suas exposições individuais e coletivas, estão Meu corpo será sempre meu corpo (2016), entre outras. Veja mais aqui.

O VIOLINO VERMELHO
O drama/mistério O violino vermelho (Le violon rouge/The Red Violin, 1998), dirigido pelo cineasta franco-canadense François Girard, percorre três séculos e cinco países enquanto conta a história de um violino e seus vários donos. Trata de um violino perfeito de 1681, que é leiloado e com a sua posse envolvendo raiva, traição, amor e sacrifício. Foi inspirado em um Stradivarius (The Red Mendelssohn, 1720), que hoje é tocado pela violinista estadunidente Elizabeth Pitcairn, cujo avô o adquiriu para seu aniversário de 16 anos, em um leilão. A nomeação de violino vermelho se deu por conta de que ele foi pintado com o sangue da esposa do criador, que morreu durante o parto, para manter a memória viva da amada do lutier. Veja mais aqui.
&
A poesia da poeta peruana Blanca Varela (1926-2009) aqui e aqui.
&
Fecamepa aqui, aqui & aqui.

 

LILI & MAIAKOVSKI, VALIE EXPORT, RAIMUNDO MAGALHÃES JÚNIOR, JACINEIDE TRAVASSOS & ANCHIETA DALI

LILI, MULHER AMADA - Simples como um mugido, sou sem um vintém no bolso, faminto às andanças, sem teto: minha casa é a rua futurista n...