segunda-feira, março 21, 2016

A CRUZETA NA VOLTA QUE A VIDA DÁ



A CRUZETA NA VOLTA QUE A VIDA DÁ (Imagem do pintor e ceramista português Manuel Cargaleiro) - Sempre fizera o que, pra ele, era certo. Amigos e negócios, meio misturados, desde que não causassem prejuízos; os inimigos, a severidade da lei, inexorável. Pai e mãe, na hierarquia de Deus. Parentes, segundo lugar. O certo é certo, punhos e ideias; o errado, pra lá. Nunca arredara de suas convicções: credo e palavra de homem, em cima da linha. Não trastejava um milímetro que fosse daquilo que tinha por verdade. Tudo na base do dito e não dito, preto no branco. Conversa mole, dispensada com descompostura; o acertado, na risca. Viesse com proposta, assuntava da orelha à pulga, ou avalizava, ou defenestrava. Não havia meio termo. Fosse quem fosse, ou sim, ou não. Firme. Favores, dentro da licitude mais ajustada; não fosse assim, negava-se sem cerimônia. Assim fora a vida de João Dáulio, cópia fiel do seu pai, o Daulião; da mãe, Dona Dilte, apenas respeito. De tão severo nas suas relações e negócios, angariou antipatias. Amigos ou conhecidos, ou mesmo desconhecidos que chegasse com ajeitados, bota-fora. Até mesmo o delegado que pedira um favor, recebeu a negativa inarredável. Não sabia o que poderia vir daí por diante. Autoridade pra ele, só nos céus e na paternidade; fora disso, tudo da mesma laia. Quando se dispunha de fazer qualquer que fosse a empreitada, vestia a camisa, pilha toda, dedicação integral. Nada fora do prumo. Desde que fosse o certo, tudo; errado, nunca! E assim foi na escola, nas repartições e estabelecimentos em que trabalhou, até findar administrando os negócios do pai que se aposentara, rompendo todos os vínculos empregatícios que tivera. Fechou-se em sua vida e família, recusando convites de clubes de serviço, instituições classistas e outras representatividades sociais. Assim foi até os seus sessenta anos de idade: mulher, filhos, tudo na sua austeridade. Via o que era certo, avalizava; sentia cheiro de pinoia, descredenciava na hora! A trupe dos desafetos, dia a dia, se avolumava: crescia a rede de antipatizantes que falsamente maquinavam arapuca. Ele nem aí, só metia o bedelho pra separar joio do trigo. Até que um dia, voltando pra casa depois dos negócios, encontrou a mulher morta, estendida no chão. Acudiu, mas já era tarde. Ela fora envenenada. Investigações iniciadas buscavam responsabilidades. Inicialmente, deixaram-no à margem das acusações. Mas como não se conseguia apurar a autoria, chegara a hora do delegado. E o dedo da lei colocou suspeita sobre ele num inquérito policial que ganhou a torcida de um bocado de gente. Os do contra foram emprenhar ainda mais o ouvido do delegado que, em tempo recorde, entregou tudo concluído pra promotoria que foi ainda mais célere por causa das más línguas fazendo o circo pegar fogo. Dáulio não quis advogado, tinha confiança na sua consciência e retidão. Deram-no, mesmo assim, ele ignorou o defensor. E enfrentou audiências, quase preso por desacato ao Juiz; e seguiu adiante, destemido. Veio o Tribunal do Júri e ele lá: altivez, certeza de inocente. Condenado por unanimidade. Hoje repassa a vida e se vira pra dentro de si. Pelas grades vê o dia, perspectivas no horizonte; quando surgem as estrelas da noite, um mundo de desgraças. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui

 Imagem: Mulher nua, do artista plástico português Artur Bual (1926-1999).

Veja mais Slavoz Žižek, Jacques Lacan, Modest Mussorgsky, Peter Brook, Tan Ngiap Heng, Charlotte Dubreuil, Marie-Christine Barrault & Cicero Melo aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.
 

KRISHNAMURTI, MILLÔR, CELSO FURTADO, JOSEPH CAMPBELL, BARBOSA LIMA SOBRINHO, GILVAN LEMOS, RIO UNA & MARQUINHOS CABRAL

MARQUINHOS CABRAL: DESDE MENINO SOLTO NA BURAQUEIRA – A gente aprontou muitas e tantas no quintal lá de casa e nos cômodos da casa dele ...