quinta-feira, março 10, 2016

NANÁ VASCONCELOS


NANÁ

Ê Naná, ê Naná, ê Naná!
Bate bombo e saculeja, vale tudo, bê-a-bá!
Ê Naná, ê Naná, ê Naná!
Olha o tombo que azuleja, nunca mais um baobá!!!

Vento chama vento, tempo passa e o passo é tempo, manda aqui, manda acolá. E o que é que há na volta da calmaria cada noite em cada dia, tataritaritatá. E venha cá, manda ver lá no terreiro, só na luz do candeeiro o som do côco que é lunar. E manda já longe lá na freguesia um repente de alegria para a festa animar.

Isso vai dar, isso vai dar o que falar. Isso vai é se danar na maior repercussão. Preste atenção, não diga nada não, vai dar loa de chegada, uma a mais na embolada no meio da reinação.

Isso vai pras beiradas do Recife, coisa que nem sei se disse, ou esqueci pelo chão. Isso vai dar revolução, saga de nego santo, sapecada em cada canto descendo do ribeirão.

Isso vai dar num fandango mais que jazz, um mais nove só não faz, não erre na adição. Isso vai dar muita festa lá no céu, rala bucho o tiruléo, bate coxa no baião.

Isso vai dar xote bom no berimbau, troça solta e o escambau, tudo contaminação. Não faz mal não, isso é tudo carnaval, rola do canavial pronde der a ferveção.

Isso vai dar de chegar só na canela, de esborrar pela janela feito fez o Gonzagão. Não vai ter não quem saia ileso dela, batucada descabela do litoral ao sertão.

Ê Naná, Ê Naná, Ê Nana!
Bate bombo e saculeja, vale tudo o bê-a-bá !
Ê Naná, Ê Naná, Ê Nana!
Olha o tombo que azuleja, nunca mais um baobá!!!

O mundo é verde no sertão das memórias, quase choro de emoção com as estórias, quando bate uma saudade. Isso é verdade, coisas do cego Aderaldo, verso dum poema alado num mote vivo a glosar. Nem espiar um caboclo só de lança que as estrelas toda alcança quando reina a dançar.

Isso vai dar num roliço dum xaxado, num martelo agalopado, até num maracatu. Vai dar nordeste, muito do cabra da peste bom que só mel de uruçu.
Vai dar forró, dar baião e dar fogueira. Vai dar bocó na cirandeira na volta mandacaru.
Vai dar no que vai ser e viva São João, viva todos nós então, viva a força do martelo, o forró do seu Antero, o voo do quero-quero, viva Naná Vasconcelos e tudo que vier de bão.

Ê Naná, ê Naná, ê Naná!
Bate bombo e saculeja, vale tudo, bê-a-bá !
Ê Naná, ê Naná, ê Naná!
Olha o tombo que azuleja, nunca mais um baobá!!!

Música & letra de Luiz Alberto Machado © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados.


Imagem: Naná Vasconcelos (1944-2016). Veja mais aqui, aqui e aqui.

Veja mais Falange, falanginha, falangeta, Daphne & Chloe, Lou Andres-Salomé, Arthur Honegger, Kate Wilson Sheppard, Louis Hersent, Luiz Eduardo Caminha & Olivia Wilde aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: Nu do artista plástico William Adolphe Bouguereau.
Veja aqui e aqui.
 

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...