sexta-feira, março 04, 2016

A CARTA DO BARBEIRO


A CARTA DO BARBEIRO

Luiz Alberto Machado

- Valha-me, Nossa Senhora! Sangue de Cristo tem poder! -, exclamava o entusiasta Ocrídio, católico fervoroso, preto bom, metido numa situação assaz desagradável, recorrendo à santa de sua devoção. De tão devoto que era, beijava sempre o medalhão que lhe fazia volta no pescoço, com uma insígnia de Nossa Senhora Aparecida, sua salvação nas horas deprimentes. Há anos em Alagoinhanduba, Ocrídio, um sujeito calmo, pacato, bulia com todo mundo, mangava de todos, aparando barba, cabelo e bigode de seu dileto povinho. O salão do barbeiro já era ponto de encontro para alguns desocupados que viviam de trocar pilhérias a torto e a direito. Sua clientela era gente simples do lugar, afora alguns abastados que prestigiavam o seu labor, levando um pitaco, uma fofoca, uma anedota ou coisa que valha. E quando anoitecia, ele expulsava-os na hora de fechar, isso sempre depois das dezenove horas, visto que era hora da santa missa na matriz. Logo cedo, por volta das seis da manhã de todos os dias, lá estava ele no batente esperando qualquer cabeleira cristã necessitando de formosura.

- Veja se não é o Roberto Carlos! -, era o autoelogio dele pelo excelente trabalho realizado em Pé-de-ferro, Tranca-Rua, Zé Mouco, Luiz Cocó ou Pedim do Padre e em outros resenheiros dos acontecimentos e traquinagens, sujeitos ogros como os tais assíduos que desejavam se aformosear com o trabalho dele, desbastando as cabeleiras, barbeando fachadas rudes, aprumando os bigodes, enfim, arrumando a pose dos feiosos que queriam uma boniteza que a vida não queria contempla-los. Claro que não escapavam de uns caminhos de ratos, para-lama dianteiro de fusca contornando as orelhas, uma costeleta maior que a outra, um redemoinho complicado na beira da testa. Tinha nego até que saía com o cabelo espichado mais parecendo arame em pé. Ou então enfezado pelo cabelo bombril mais enrolado que antes numa tufa de dar dó. Ninguém é perfeito. Isso com a perícia de trinta e tantos anos na profissão, ajeitando as mais insólitas cabeças do lugar. O certo é que mangavam dele o tempo todo, pelo distinto crioulo possuir guardada, a sete chaves na carteira, uma foto sua da juventude. Nessa foto ele se apresentava com uma daquelas arupemas na cabeça, moda da época dos Jacksons, anos setenta, com uma costeleta emendada de um lado a outro, um cavanhaque cheio de bode velho, sobrancelhas rentes uma na outra, um Don Juan preto, soçobro das moçoilas sem dono.

Ninguém nunca reclamara da meia sola na cabeleira no dia em que ele estava doido para molhar o biscoito com a escolhida do seu harém. Todos compreendiam suas agonias mais assanhadas. Ademais, tudo sempre era realizado sempre na maior tranquilidade e dedicação, nunca se excedendo nem se metendo com rusgas para não levar desaforo na lata.

Só uma vez a sua parcimônia fora assaltada, sendo suspensa quando um galego oriundo dos pampas, todo cheio de prosa, parecência com artista de cinema e tudo em cores, com mocinho e uma porrada de bandido, após haver Ocrídio realizado o serviço de aparar barba, cabelo e bigode no dito cujo. O desaforado do visitante achou de provocar situação vexatória, quando olhou uma donzelinha que se encontrava no recinto e deu-lhe a maior cantada.

- E essa aí, quanto vai na bolinagem?

- Peraí, meu, essa aí é minha filha.

- Se isso aqui é zona do baixo meretrício, aqui é tudo puta!

- Qué isso, meu, ofendeu minha religião, vai ter cacete na gaia.

- Qué isso, tchê, puta é para foder, não é crucifixo, não!

- Vai levar porrada até amanhã de manhã!

E o sangue do gaúcho desceu parecia que cumeeira abaixo, rolando pela calha, até melar o chão daquele meretrício. Sujeito folgado aquele, soltar lorota logo com quem. Foi um bafafá dos grandes, Ocridio absolvido pela honra de pai. Passou e nada mais, até então, manchara sua reputação.

Quando não tinha o que fazer Ocrídio gostava muito de desenhar letras na folha de papel pautado que guardava sempre na gaveta do penteador. Um calhamaço que já nem tinha tamanho, difícil até de apalpar. Escrevia cartas a seres imaginários, inventados pela sua baboseira. Horas e horas ali imaginando cartas ao presidente da República, ao governador do estado, ao prefeito, requerendo uma aposentadoria justa num futuro próximo, ou saneamento básico na casa de sua quarta concubina, ou solicitando a Deus uma salvação do inferno em que vivia para um paraíso tropical de preferência em companhia dumas boazudas galegonas para não finar na monotonia.

Muitas vezes era surpreendido por uma transeunte simpatizante com a requerência dalgum trocado.

– Deixa eu chupá tua rôla, Ocride! –, e ele, manhosamente, acenava para que ela se aligeirasse lá pros fundos, cuidadosamente cerrando as portas da barbearia, não antes averiguar de um lado a outro se alguém estava bisbilhotando e, precavido como sempre, suspendia suas atividades momentaneamente. Diligente, arriava a braguilha e expunha aquele membro preto nas ventas da requisitante.

– Bora, bora! –, exigia ele logo a felação, esfregando a peia na cara dela que, sob essa determinação chupava o negão até deixá-lo esporrar nos seus peitos. Ao cabo de dez ou quinze minutos ele encerrava a safadeza, soltava uns peidos, metia a mão no bolso e tirava algumas cédulas como pagamento pelo bom serviço de felatriz, dando-lhe uma palmada no glúteo dela com uma risadinha maliciosa.

– Venha amanhã de novo que eu te dou mais, tá? Num se esqueça! –, e empurrava de porta afora, dando um tempinho para reabrir o estabelecimento.

Alguns minutos depois chegava Bico-de-Bule inquirindo:

- Tava fechado, nego? -, bisbilhoteiro safado àquela hora metendo focinho na intimidade dos outros.

– Não, tava orando a Deus! -, todos acreditavam, um beato preto, cheio de munganga, rezando no meio do expediente comercial, pudera, balançava até os colhões do padre na hora da missa, ora.

Mesmo com toda devoção, Ocrídio não gostava de alguns mandamentos que julgava em sua modesta observação, que deveriam ser substituídos por outros mais apropriados, como o de não adulterarás e não cobiçarás a mulher do teu próximo, por, por exemplo, não fofocarás jamais nem te meterás com a vida do teu próximo. Aí sim, tudo bem. Além desta exceção ao postulado bíblico, uma outra também andava de longe de ser respeitada por ele quanto alguns pecados capitais.

- É pecado demais para ser cumprido os mandamentos todos! -, defendia-se, deslizando em alguns deles.

- É, Deus é tão bom que nem vai reparar um deslizezinho desse fiel aqui mais fiel do mundo! –, e adorava o Cântico dos Cânticos de Salomão, recitando-os invariavelmente aos incautos comparecentes, até que o Padre Quiba teve de chamar-lhe atenção para outros livros na Bíblia Sagrada.

Pois sim, o nego era perdido, sabia-se que às escondidas gostava mesmo era de um bombo alta hora da noite de sexta-feira, todo de branco e cheio de pacutia, num xangô arrepiado, remexendo esqueleto e se dizendo linha de azeite no meio da cerimônia.

No mais sua vida era dentro do normal, tirante, claro, os sobressaltos naturais que acometem a vida de qualquer sujeito.

- Ô, Ocride, compra uma máquina de lavá, eu num guento mais tá enxaguando e lavando tanta roupa, meu véio! -, era Neuma, a matriz esponsal dele, crente da igreja presbiteriana, exigindo uma lavanderia elétrica para dar vencimento na lavagem de pano dela. Ocride, um maloqueiro sabido, choramingava com aquela solicitação dela na frente de todo mundo, prometendo logo adquiri-la assim que a situação melhorasse. Enrolão era mesmo e a Neuma saía com a mesma cara de santa.

Lembrou-se do tempo em que ela era ciumentíssima e, para evitar as suas escapulidas, aprendera de coibir suas puladas de cerca, prendendo uma fralda nele, ao invés de cueca, com umas presilhas irremovíveis. Era uma humilhação. Isso porque quando ele ia investir na mulher alheia e que precisava de arrear as calças, era a maior risadagem. Por causa disso era uma trabalheira para fazer o pingolim subir. Ele se danava, mas não perdia a viagem. Graças à igreja presbiteriana, ela acabara com aquela maluquice, liberando ele para a mancebia descarada de hoje. Só uma coisa ele ficava chateado com Neuma, mas só por causa de uma loja sortida que o desgraçado possuía na perna dele, uma verdadeira pereba de anos que a distinta esposa tratava com asco e que por isso não lavava meia nem cueca dele, ficando sempre entulhadas por razões que um dos filhos dissera ser por vingança da traquinagem e da pulverização sexual dele com algumas alheias. No mais, tirante isso, tudo reinava na santa paz do casal.

Não demorava muito e lá vinha Xandinha,

- Ô meu pretinho, quando é que tu vai trocá aquela televisão preto-e-branco por uma colorida, hem ?

Aí Ocridio coçava o pixaim e respondia:

- Logo, logo, minha nega, espere que chega já, tenha fé em Deus, tenha fé em Deus, sangue de Cristo tem pudê.

E lá se ía Xandinha, filial número um do adúltero preto, nega desengonçada, jeitosa, peituda, reboladeira que deixava o neguim doido para foder de manhã, de tarde e de noite. A nega era fogo na roupa, quando ele chegava em casa, ela alisava todo, botava ele na banheira, todo ancho. Não sabia que ela estava fiscalizando os colhões dele, se boiassem estava frito, era o maior quebra pau.

- Nego safado, tu tá amocegando rapariga por aí, num tá?

- Juro minha nega, tô não. -, era ele procurando assunto na ideia pra sair dessa, o bicho dava tanto salto solto, meio mundo de tapiação, argumento besta e proseado mole pra cima da encrenqueira, com o fito de amolecer a ruindade dela. Brincasse com ela não, era a gôta!

Mais um pouquinho chegava Dorinha, uma alvinha matuta que fora descabaçada aos quinze anos pelo enxerido e requeria dele dinheiro para comprar cominho e tempero pro almoço. Ele metia a mão no bolso e sacolejava por dentro a peia pra que ela visse que ele iria almoçar naquele dia com ela, não antes dar-lhe um beliscão nas nádegas.

– Sai pra lá, nego safado, tô vendo que tu quer safadeza, né? –, desleixava ela enquanto ele todo pabo, dava o dinheiro e mandava que fosse embora até mais tarde, quando iria se amufanhar nos cobertores dela.

Daí mais um pouco era a Nega Tisiu, uma magricela, terceira filial sentimental do pombudo preto, gasguita e cheia de nove horas, exigente, reclamando pelo dinheiro da escola dos meninos, deixando-o nervoso, de abufelar-se todo e na hora, para livrar-se da zanga dela, passava um cheque alusivo às tais mensalidades escolares dos bastardinhos dele. Mal a chata dava as costas cagando raio, chegava a quarta, a Lucilena, professorinha rural do engenho Mameluco que parava na porta a dar chauzinhos para ele com um risinho tímido e atraente. Toda formosazinha, safadinha, do jeito que ele gostava, quente que só chaleira pegando fogo, assanhada toda por homem, botava uma gaia no nego de empená-lo dum jeito do homem já estar corcunda, insinuando levantar a saia, de tanto que gostava de dar espetáculo no meio da rua. Ocride se aperreava, dava uns trocados a ela mandando-a embora rapidinho senão comia ela ali mesmo. Ela insistia, o negão arrastava ela pra dentro e, de porta aberta mesmo, o povo passando e vendo, ele intrometia a pica na boceta dela numa trepada agoniante e barulhenta.

- Eita fungado da gota! –, era um curioso que chamava a atenção daquilo.

- Vá pra porra, seu feladaputa enxerido, arrede daqui, não me atrapalhe! –, enxotava Ocride qualquer intrometido, não deixando de se concentrar no coito.

O pior era quando elas se arretavam com a mancebia dele com as próprias, era uma greve do nego fazer carnaval no meio da rua, reclamando até que elas suspendessem aquela ordem depois do atendimento de todas as reinvindicações delas.

– As mulheres tão tudo de boi, tô fudido! Urucubaca braba, meu! –, era a coincidência mais desagradável, tudo de regra no mesmo período. Empertigado, ficava ele fulo da vida. Foi com um movimento reivindicatório desses que Neuma conseguiu que ele fosse ao estabelecimento comercial de seu Marquito Ladeira e tentasse comprar uma lavadeira elétrica para ela. O comerciante foi prestativo e apresentou todo tipo de promoções, crediários, valsas, formas de pagamento, tudo, mas ele constatou não possuir dinheiro suficiente para comprá-la naquela hora. Crédito ele possuía visto nunca inadimplir, sujeito correto, de uma idoneidade a toda prova; justo, probo, severo de palavra, não arredava um só milímetro da retidão, pra se ver mantinha uma conta corrente com cheque especial na instituição bancária oficial do país há mais de vinte anos, nunca extrapolando os limites seus, nem pagando juros de nada, resgatando qualquer duplicata um dia antes do vencimento, cabra direito até dizer basta, honrando seus compromissos no peito e na raça, sustentando uma mulher e quatro amásias nunca faltando nem deixando faltar nada para qualquer delas, tudo morando em casa própria, de propriedade dele, que ainda possuía mais umas cinco casas alugadas a inquilinos direitos, oito quartinhos na chã do Buraco Fundo, também alugados e dois prédios onde se instalavam dois estabelecimentos comerciais, tudo fruto de uma herança deixada pelo seu distinto pai, mais uma questão judicial trabalhista contra a Usina Mequetrefe, onde trabalhou por longos doze anos sem carteira assinada; três anos como guarda freio da Great Western; cinco anos como enfermeiro, curando todo mundo à base de óleo de pau d’olho; e cortando cabelos, barbas e bigodes, administrando seus bens e rezando na missa todo santo dia, a exceção da sexta-feira, quando escapulia para ninguém saber onde. Desconfiava-se, pois, que se esbaldava no xangô, coisa mais tarde constatada.

Depois da missa diária, ele saía de casa em casa, fiscalizando o que faltava, partindo para dormir na última a ser visitada. Era um sorteio todo dia, não passando nunca mais de cinco dias sem esquentar o colchão da matriz e das filiais. Tudo corria na calha. Mas Ocrídio não desistiu de comprar o eletrodoméstico requisitado pela matriz, visto que ela ameaçava separar-se dele caso não findasse com a mancebia desastrada que ele mantinha às claras com as outras ditas vagabundas. Por causa dessa quizília ele suspendeu as cartas que gostava sempre de escrever e meteu-se numas contas sem fim para adquirir o que Neuma exigia. E saiu juntando algumas economias feitas e seguiu para a loja do seu Marquim. Quando viu o juro cobrado pela financeira quase caiu de costas. Arregalou os olhos e mandou o comerciante para a puta que o pariu, saindo puto da vida com aquilo. Meditou bastante, ficava torcendo para que seu Juvêncio Quintão, ou seu Julio Mariano de Pindorama, ou o Nezito Guaxuma, ou Totonho de Jacaré das Virgens, ou sei lá quem mais, viessem fazer a barba, cabelo e bigode porque sempre sobrava uma gorjeta gorda para ele. Eram todos homens ricos, idolatrados por todos na cidade, duma bondade extraordinária e que facilitaria, sem sombra de dúvidas, a vida dele. Cadê que não davam nem as caras por ali? Aperreou-se mais com a nova greve de Neuma, ameaçadora a ponto de quase perder o juízo, não podia perder nada do seu curral sexual, todas eram mantidas religiosamente em dia pelo obstinado poligâmico. Foi aí perdendo a paciência, pegou mais alguns trocados e seguiu para a loja do seu Marquim, comprando numa valsa sem fim o tal eletrodoméstico. Jogou as contas pro ar e levou ele mesmo na boleia da camionete a bicha, novinha em folha, para a mulher. Arreganhou as portas, entrou de casa adentro arrastando o móvel e chegou na cozinha e mandou o tal do instalador efetuar as ligações. Quando o profissional encerrou a cerimônia explicativa do modo de usar a coisa toda, ele botou umas moedas na mão do sujeito e mandou-lo embora, chamando a mulher pra ver a maravilha. Ela encheu os olhos d’água. Ele foi se chegando, ficou esfregando a peia na bunda dela enquanto ela conferia o funcionamento do aparelho. Ele levantou-lhe a saia, arreoua caçola e empurrou a bimba no cu dela, debruçada sobre a máquina de lavar.

- Tá me rasgando, nego! Ai! Ui! Tá doendo! -, reclamava Neuma.

- Calma, porra, já vou gozar! Um!hum!hum! -, impado danado, ela se contorcendo, ele empurrando a macaca, ela ai, tá doendo, calma, ai, ui, foi, é, isso, ui, eita! Danou-se! Deu a gota! Arremedou!

Tô cum cabrunco no couro
Não tenho sangue no olho
Quero mais é ser feliz
Tanto molejo cadenciado
Tanto show rebolado
Do cristão pedir bis
Teve cu, peito e boceta
Pode vir até de muleta
Que empurro o meu perdiz!

Neuma ficara feliz e depois que o marido zarpou para o trabalho, chamou os meninos e mostrou a felicidade de vê-la funcionando. Botaram logo um nome na coisa linda: Tozilda. Já era um membro da família. E ficavam horas a fio admirando a engrenagem dela trabalhando sem interrupção. Ela que estava atrasada lavou meio mundo de trouxa dos clientes, aproveitou lavou toda a roupa da casa e para não deixar o aparelho parado, lavou duas vezes tudo de novo. Passou pela manhã entrou pela tarde, atravessou a noite, enfiando na madrugada. Lá pelas tantas ela desligou e foi dormir o sono puro dos inocentes felizes.

Entrou dia, semana, meses, Tozilda lá inspecionada por todos, atração real da residência.

Um final de semana depois, Ocrídio resolveu fazer uma média e levar Neuma e os meninos para a praia de São José da Coroa Grande. O seu intento era dar um pé de peru aos familiares, fazendo uma de bacana para aliviar a sua barra no conceito dos familiares. Ele alugou uma rural e botou todo mundo em cima quando causou o maior rebuliço da garotada por não deixarem Tozilda sozinha em casa. Pronto! Levaram a droga para a praia. Deram até banho de mar nela. Quando retornaram, no outro dia botaram a bicha para funcionar e a danada nem deu sinal de vida. Não era a mesma desde aquele mergulho. Deu a porra!

- Será que essa bicha tá de greve, também, só faltava essa! -, Ocrídio quase morre do coração e foi ter com seu Marquim que mandou um técnico inspecioná-la. O consertador achou por bem encaminhá-la para assistência técnica na capital. Ocrídio ficou puto!

- Ora, porra! Aqui é tudo incompetente nesta cidade de merda! Tem que levar para a capital, é? É! Puta-que-a-pariu esta porra de máquina que só tem conserto na capital. Olhe, esses negócios modernos, sem botão não dá! E pra quê trinta e duas memórias se eu que vou comprar me esqueço de tudo, imagine ela com tanta ideia assim!

Depois de muito puxa e encolhe, levaram a desgraçada pro conserto na capital.

- Eu, que sou eu, Ocridio, devoto de Nossa Senhora Aparecida, rezador de dia e noite, num vou passear na capital para essa desgraçada ter uma folga dessa! Ora veja! Também, esse negócio de tecla não dá certo, é muito fresco e eu sou muito macho. Gosto mesmo é de botão que quando me arreto, faço ele dá meio mundo de volta do ponteiro rodar bem muito!

Quarenta e cinco dias depois, todo mundo triste dentro de casa, Tozilda chega como se fosse de novo novinha, funcionando que era uma beleza! Voltou a ser a alegria da casa.

- Esse negocim assim todo levezinho, num dura nada. Gosto da coisa pesada, com cardam, aí sim, a bicha dura de se esquecer do tempo. Veja só, a minha geladeira é que é boa, tem mais de vinte anos e o congelador é todinho de gelo, eu abro, quebro e já tá a pedra pronta. Esses negócios modernos, a gente nem vê o gelo no congelador.

Mês e meio depois, começou Tozilda a ter um comportamento estranho. Foi que deram por falta de algumas peças que foram requeridas por seus proprietários, até uma queixa fora prestada para uma investigação policial se ele e os familiares andavam desfilando indumentária nova, roubada dos clientes assíduos que enviavam suas roupas para lavagem na casa dele. Dois detetives profissionais passaram mais de mês investigando e constataram ser uma denúncia vazia, visto que nem Ocrídio, nem matriz, muito menos filiais, nem seus filhos e enteados desfilavam qualquer roupa diferente da que eles sempre usavam. Entretanto, descobriram que Tozilda estava andando com um vício feio: fome. Ocridio então reclamou ao seu Marquim o mau procedimento dela, recebendo alegação de que deveria devolvê-la pra assistência técnica, o que foi prontamente efetuado e mais sessenta e dois dias sem a atração da casa.

- Veja só, comprei a fi’a dos sete cancro da peste rodeira, a vista, a um ladrão dum comerciante sem-vergonha, e agora só dá defeito, botou as manguinhas de fora de gente ruim, tendo eu, um cidadão ocupado, de pastorar a danada de noite a dia. Na assistência futucaram ela toda e num resolveram nada, tenho passado a maior vergonha da vida.


Mais dois meses depois voltou a danada pior do que saíra, agora não só comia com uma gulodice sem fim, como dava pitaco, assistia novela, saía rebolando por dentro da casa, um desgosto. Ocrídio mesmo, mais de dez vezes, já pastorara a máquina que se insurgia no quintal pra lá e pra cá, levando-a de volta ao seu local de costume. Não dava trégua e até tarde da noite ela ali assistindo televisão, passeando na praça, botando gosto ruim nas coisas, ensaiando uma greve, provocando a maior dor de cabeça. Para aumentar seu tormento, certa noite de lua cheia pairou um dito profeta aclamado na praça em frente da sua residência, anunciando seus arroubos escatológicos de forma frenética. Eita! O mundo vai se acabar e Tozilda é o anticristo, sinal do final dos tempos. O estranho profeta, diziam, curava gente noutras terras, um Dulcamara que era possuidor de uma panaceia universal capaz de rejuvenescer a todos, indicando a salvação como dignitário divino e com sua fanfarrice deitava o espírito-santo-de-orelha mediante aquele povinho crédulo. Irado como todos os ditos apóstolos bodes de hoje, recitava todos os rifões, adágios, locuções, anexins, jargões, provérbios, parábolas, máximas, apotegmas, sentenças, exemplificando a vida farisaica de todos dali.

- “Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobreviverão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus. Foge também deles. Timóteo 2, versículo 3”-, vociferava imperativamente o tal dermatóglifo em cima do banco da praça. O intruso insistia na leitura da terceira mensagem de Nossa Senhora de Fátima, acusando ímpios e fariseus de não darem ouvidos à benevolência do criador, tornando-o malévolo e vingativo com os moucos da providência divina. Ocrídio atentamente analisava o que aquele barbudo iracundo dissera, os trejeitos frenéticos que emitia ao reclamar no megafone as palavras tempestuosas e difíceis para o parco vocabulário do marmanjo. No maior estardalhaço o tal haríolo vociferava sobre a vinda do mestre da morte e da sepultura nos próximos dias, repassando as profecias de São Malaquias, as inscrições da pirâmide de Quéops, os manuscritos do historiador Masoudi do século X; das transcrições do Livro dos Mortos; as predições do Monge de Pádua; o eclipse de 11 de agosto; a grande translação de outubro anunciando a vinda do Leviatã quando Gog destruirá tudo e por aí vai. Mesmo, assim, do que entendia Ocrídio tudo coincidia. Realmente, pensava consigo, todos estavam egoístas, tudo para si, ninguém mais socorria ninguém na hora difícil, no aperto, ninguém dava mais esmola aos pedintes, tiravam proveito de tudo, uma roubalheira, juiz metido com promotor, delegado e autoridades em maracutaias; gente assassinada a todo instante, todo mundo enfiado na cachaça, brigas, arruaças, arengas, vôte! É o apocalipse!

- “Os sete selos! Os sete flagelos! Úlceras malignas e perniciosas, a besta fera, a morte dos seres viventes, o sol queimando, os homens comendo a própria língua, terremotos, relâmpagos, guerras, trovões, vai descer o fogo dos céus e tudo vai consumir!” -, essas palavras remoíam na sua cachola. E absorto, nem percebia a chegada de clientes para atendimento, quando acordavam-no dum sonho de olho aberto, os dele arregalados.

– É o fim do mundo, gente! -, Ocríde estava hipnotizado com os últimos acontecimentos no Timor Leste, no Paquistão, na Bósnia, no Afeganistão, o assanhamento dos neonazistas, a carestia, as CPIs do narcotráfico, dos medicamentos, das corrupções, de tudo; o desemprego grassando, o povo perdido, polícia roubando, ladrão mandando em tudo, o governo falido, meio mundo de menino chorando pelas portas pedindo esmola, os ricos quebrando, lojas e mais lojas fechando as portas, o fiado comendo no centro, todo mundo sem dinheiro, o Sol torrando a paciência, os rios secando, os bichos morrendo, gente nascendo todo dia explodindo o planeta de gente e mais gente, árvore nenhuma, puta-merda, é o fim do mundo mesmo! Foi aí que Ocride apossou-se da caneta e narrou todos esses fatos, nos mínimos detalhes, para o fabricante da máquina de lavar. Todo o teor da carta ele mandou uma cópia para as autoridades todas que tivesse conhecimento. Na missiva estava uma esculhambação velada ao seu Marquim, chamando a responsabilidade de todos em vender produtos sérios e perfeitos, reclamando por onde andaria o controle de qualidade naquela hora? Onde guardar a lucidez numa loucura dessas? E não economizou clamando por Deus por tanta ignomínia, tanta embromação, tanta enrolação, tudo sacrificando um crente em Deus e nos seus poderes, numa hora dessas de fim de mundo, - Salvai a mim que sou santo! Como isso, ele não se deu por vencido, esgueirou-se até sua casa, arrancou Tozilda à força, saiu com ela pendurada pelos braços, todo mundo acompanhando a loucura dele, chegou no parapeito da margem do rio seco e jogou-la dentro da última poça restante da antes caudalosa riqueza pluvial. Depois disso trancou-se na casa de Neuma por dois dias e ficou matutando a situação. As palavras do tal pastor martelavam na sua cabeça. Ele pensou, perscrutou, meditou, fundiu a cuca e planejou uma forma de se salvar. Ficou horrorizado mais com a televisão que anunciava de instante em instante o dia do fim do mundo se aproximando rápido. Era notícia de repórteres do mundo todo anunciando o final dos tempos. Como isso ele apavorou-se, foi até o banco e exigiu que o gerente dobrasse o cheque especial dele que era de mil reais, o que o gerente, pela honradez de sua conduta naquela instituição financeira, atendeu prontamente, não só dobrando, como estipulando um limite no cheque especial para dez mil reais. Depois desceu no setor de cadastro, requereu um papagaio de dez mil reais com vencimento previsto para trinta dias, foi aprovado na hora, zarpou. O abstêmio de sempre chegou num bar, todo mundo empolgou-se, pediu uma lapada de aguardente, tomou meia dúzia; uma cerveja para lavar, tomou quinze, ficou bêbado e recolheu-se em casa falando besteiras. Faltavam vinte dias para o fim do mundo.


No outro dia, foi até o banco, requisitou todos os talões de cheques que possuia, vinte; sacou tudo com apenas um cheque e guardou os restantes, levou o saldo disponível, limite de cheque especial e o papagaio, foi até a agência de um concorrente, abriu outra conta com o dinheiro, solicitou cheque especial, foi atendido; requereu outro papagaio para mais trinta dias, aprovado. Saiu todo ancho, tomou uma lapada, ingeriu meia dúzia; lavou com uma cerveja e bebeu quinze, ficou bêbado e rumou para casa. Voou. Faltavam quinze dias para o fim do mundo.

No dia seguinte foi na loja do seu Marquim onde este, para se livrar da bronca exagerada dele, deu-lhe uma tuia de cartões de crédito, azougou-se e meteu tudo no bolso. Foi até a agência onde abrira a conta, requisitou talão de cheques, pegou dez; sacou tudo de novo, o saldo, o limite do cheque especial e o crédito, botou tudo num saco, saiu arrastando e quando chegou num caixa eletrônico meteu um cartão de crédito, saiu mil reais, ele achou bom, beijou o caixa, ficou gamado à primeira vista pelo sistema. Empurrou outro cartão, sacou mais mil reais, saiu empurrando um a um os quinze cartões que ele havia recebido de seu Marquim, homem probo feito Ocrídio, gozava de um crédito ilimitado. Meteu-se depois com uns agiotas, num calote danado. Rapou fogo. Foi até outro bar, pediu uma lapada, tomou meia dúzia; lavou com uma cerveja, tomou vinte. Ficou bêbado, passou um cheque pré-datado para trinta dias e foi-se. O tempo passa rápido. Faltavam apenas dez dias para o fim do mundo.

Na manhã do outro dia, namorou um tempão o caixa eletrônico, empurrou os cartões de crédito, sacou o limite do dia de cada um, jogou noutro saco, escondeu em casa junto com os outros. Foi prum supermercado, fez um estandarte de compras, pagou com cartão de crédito, saiu empurrando dez carrinhos pelo meio da rua e botou em casa. No bar, pediu uma lapada, tomou meia dúzia; lavou com uma cerveja, tomou vinte e duas. Ficou bêbado e se recolheu em casa. Faltavam apenas cinco dias para o fim do mundo.

Ocorre que numa cidade interiorana, quando o sujeito inventa de se meter a extravagâncias, chama logo a atenção. Eis que uns espertalhões e interesseiros deram de azucrinar Ocrídio. Estava ele numa condição monopsonística. Livros, santinhos, indulgências, uma nave espacial, o raio que o parta, a bexiga lixa, o escambau, de tudo estavam aqueles intoleráveis tentando vender ao coitado. Arre! O nego aboticou os olhos e largou uns bregues. Escafederam.

Na ressaca seguinte, fez duzentos e tantos jogos na mega-sena; comprou vinte cartelas de poupa-ganha, trinta de telesena; fez trezentos jogos na quina, quatrocentos na supersena, meio mundo da loteria federal, jogou tudo no bicheiro da esquina, na banca da praça, apostou na loteria esportiva, todo tipo de jogo de azar, pagou tudo com cheques pré-datado para oito dias, pediu uma lapada de aguardente, tomou meia dúzia; lavou com uma cerveja, tomou vinte e cinco, tropeçou embriagado, foi para casa, dormiu o sono dos justos. Faltavam dois dias para o fim do mundo.

- Quero ganhar todo dinheiro do mundo e, depois, jogar fora pros pobres! Pelo menos no fim do mundo serão felizes! -, e continuou com sua doideira, foi até o hipermercado da capital, parece que acometido pela síndrome malthusiana, quando fez uma feira para dois anos, pagou dolosamente com cheques que deveriam ser resgatados no mês seguinte, arrastou tudo num caminhão fretado para a casa da matriz. Ainda saiu, arrastou as filiais pelo cabelo, com bruguelo e tudo, meteu dentro de casa, deu uns bregues nas mulheres, deixou tudo murcho, juntou tudo na sua arca de Noé. Já no bar, comprou várias grades de cervejas, caixas de uísques, aguardentes, vinhos, vodcas, gins, licores, conhaques, vermutes, tudo que endoidasse o danado. Pediu uma lapada, bebeu dez arrotando sua escatologia; lavou com uma cerveja, tomou trinta. Meio grogue, pagou tudo com cheques para mais adiante, juntou tudo no caminhão, caiu da caçamba, lascou a testa, rasgou o quengo, saiu se arrastando e se jogou na cama totalmente lavado. Faltava apenas um dia para o fim do mundo.

Quando se acordou já era quase nove horas da manhã, faltava apenas uma hora e quinze minutos para o mundo se findar. Até ali não chegou a ganhar nenhuma das apostas feitas. Os credores já desconfiavam de seu trambique ao que ele aos peidos revelou:

- Quando eu ganhar na loteria eu pago tudo, pago tudo mesmo! -, e remoía para si: “Ora, aquele que possuir recursos deste mundo e vir a seu irmão padecer necessidade, e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus?” Lembrou João 1, capítulo 3, versículo 17.

Acordou-se com o buá das crianças, olhou em volta, a matriz, as filiais, os dezesseis filhos, tudo junto olhando pra ele. Levantou-se se encaminhando até o banheiro e arrependeu-se de ter fabricado prole tão gigantesca. Daquele jeito, pensou em pegar o revólver e fazer feito Tião Amocrácio quando as três mulheres dele pariram e ele viu o choro das crianças, aborreceu-se, pegou de um revólver calibre 38 e disparou no caralho para não engravidar mais ninguém. Pensou mais um pouco, é, o mundo vai se acabar mesmo, pra quê isso?

Já se aproximava das dez horas da manhã havendo, assim, pouco tempo para espocar dos tempos. Utilizava sempre nas suas horas de dificuldades a oração por auxílio divino de David, Salmos 25. Levantou-se e do jeito que estava convocou as mulheres para o quarto de dormir, com os filhos, mandou todo mundo se deitar e começou a rezar. Depois leu a bíblia, o Apocalipse, os Salmos, dez padre-nosso, onze creio-em-Deus-pai, pegou um copo de água, colocou sobre uma mesa com uma toalha branca, quando ouviu o pipôco!

- É agora! Abaixem, vamos dormir para sempre.

Uma barulheira grande! Tiros! Fogos! Vôte, a zoada é grande. Meia hora depois aquele silêncio.

- Psiu. Ninguém fala. O mundo tá se acabando bem baixinho da gente nem ouvir. Vamos morrer de barriga cheia.

Foi aí que ele abriu o compartimento onde estavam depositados todos os víveres previstos, alimentou um a um, comendo do bom e do melhor, bebericando em silêncio de tudo, gargalharam, mangaram, lambuzaram, macularam, treparam juntos, maior trupé, ele no meio das mulheres, os filhos tudo olhando, tudo nu, maior doideira. O mundo vai se acabar! Ficou grogue de bebaço e...

Três dias depois bateram à sua porta. Assustado abriu, era um oficial de justiça com a polícia que vinham confiscar tudo.

- Que ligeireza!?! Ué, o mundo num se acabou não ou tem isso também no céu? © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


Imagem: arte da pintora, escultora, professora e artista gráfica e visual brasileira, Leda Catunda.

Veja mais O Lobisomem Zonzo, Antonio Vivaldi, Piotr Ouspensky, Marcio Souza, A mulher que reina, Adryan Lyne, Elizabeth McNeill, Kim Basinger, Ademilde Fonseca, Inezita Barroso & Ronald Searle aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.


ANNIE BESANT, RAMOS ROSA, ARTHUR MILLER, TORERO, LORI KIPLINGER PANDY & VLAHO BUKOVAC

IARAVI & A LUA – No dia que a apaixonada cunhã Iaravi perdeu o caminho de volta pra sua casa caingang e se desencontrou do seu amado F...