sexta-feira, agosto 26, 2011

ROBERTO BOLAÑO, KURZ, PAULO CÉSAR PINHEIRO, MINO MACCARI & A MULHER NO IMPÉRIO

 

A arte do pintor italiano Mino Maccari (1898–1989). Veja mais abaixo.

 



 

LAVRATURA – Eu lavrei a minha vida com sangue e lágrima, luzes e trevas, sementes de nada e de tudo. E o insidioso surpreendente mais acrescentou sangue e lágrima, luzes e trevas e muito mais sementes de nada e de tudo. E o bom é surpreendente, tudo é surpreendente no meu coração, Hy Breazil. Eu lavrei como quem planta chuvas no coração e recolhe terras secas da carne de guerra no meio das decepções. Eu lavrei o meu canto entre acenos de adeus e recepções no meio do meu momento futuro em plena pretérita agonia. E restou tudo e nada. E eu fiquei ruminando nas pedrarias de Pirangi onde as águas borbulham nos meus olhos e fazem a correnteza braba que deságua de mim no incerto preciso. Eu lavrei o meu poema no quebrar da barra quando eu varria os sonhos que as borboletas levavam do meu coração incerto. E quadro cruzaram o arco-íris trouxeram meus sonhos com as tormentas da vida queimando meus pés na hora chegada em Pirangi. Eu lavrei o meu canto e o meu poema no aceno dos rostos presos na tarde da província onde a noite é insidiosa, as pessoas são insidiosas, tudo é insidioso e a pressão da vida é imperativa nas mortes que desabam para não fornecer vantagem para quem fala na calada da noite queimando o pavio da esperança. Eu lavrei o meu canto e o meu poema queimando o pavio da esperança quando eu perdia os sentidos no meio dos diálogos sombrios com as minhas estrelas que quedavam muitas na minha cabeça pela estrada de volta. Eu lavrei o meu canto no poema que se estirou na estrada do canavial onde eu estava perdido no meu coração, Hy Breazil, e planalto central dos anhangás vociferavam a morte de sempre nas palavras suaves que não são a tônica para quem vagueia errante. Eu lavrei o meu canto no poema do silêncio de armas, o silêncio de vida, o silêncio capaz de revolver luzes porque não conhece a primavera na confusão de inverno e verão quando maio é uma estrada empoeirada com os filhos do barro são incólumes escravos que não sabem o calor das pedrarias solidárias na fineza de Pirangi. Eu lavrei o meu canto que caiu no chão como um poema de chaga aberta no meio do esconjuro que o vento soprou no suor do meu dedo sem direção. E no meu canto o poema exorcizou a América do meu peito e conheci a direção de nada porque os sonhos de Bolívar estavam na América do Soul dessas paragens que são a viela da América do Sul que sou. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

 


A arte do pintor italiano Mino Maccari (1898–1989). Veja mais abaixo.

 

DITOS & DESDITOS - O desejo de ser outro, diferente daquilo que somos: não pode arder um desejo mais doloroso no coração humano. Pensamento do escritor e jornalista húngaro Sándor Márai (1900-1989). Veja mais aqui.

 

ALGUÉM FALOU: O amor que desabrocha tão rapidamente esvai-se com a mesma rapidez. Pensamento do escritor turco e Prêmio Nobel de 2006, Orhan Pamuk. Veja mais aqui.

 

AS DORES DO MARXOFEMINISMO – [...] O sujeito moderno, como é sabido, está tão morto pelo menos como Deus, mas ainda parece viver uma existência zombie, tão irreal como triste e mecânica. Pois afinal também ele faz parte, naturalmente, da constituição vudu da sociedade fetichista ocidental e da sua razão iluminista. E em lado nenhum esse carácter patético do sujeito ilusório há muito falecido parece tornar-se mais evidente do que no debate de gênero. [...] A libertação sexual apenas se tornou um peep show ou um nudismo inibido na televisão familiar; a pseudo-emancipação capitalista acabou por nos trazer a empresária ou a juíza de comarca em minissaia e meias de rede. O debate feminista sobre "igualdade" e "diferença" move-se neste círculo vicioso do mecanismo de dissociação e, portanto, da lógica da mercadoria. A "igualdade" é precariamente realizada nas formas de subjetividade feminina do mercado, e ao mesmo tempo desmente-se precisamente nesta "instrução para a produção feminina de signos no meio que é a corporeidade". Inversamente, a "diferença" fetichistamente constituída e assim socializada, que aparece no mesmo "meio", não pode constituir uma alavanca para a sua superação [...] não só os homens, mas também as mulheres se transformaram em pós-modernos cadáveres de autovalorização, hedonistas e pseudo-soberanos, em cujos contorcidos sorrisos urbanos permanentes já não se encaixa nenhuma crítica da sociedade das mercadorias. É claro que daqui ninguém vai sair de maneira tão barata). Não se pode voltar à comunidade pré-moderna de homens e mulheres, à produção social da cultura agrária do quotidiano [...]. Trechos de Fetichismo Sexual: Notas sobre a lógica de feminilidade e masculinidade (Krisis, 1992), do filósofo alemão Robert Kurz (1943-2012). Veja mais aqui.

 

2666 – [...] Fizeram amor no quarto de Ansky e quem os houvesse visto teria dito que fodiam como se dali a umas horas fossem morrer. Na realidade, Nádia Yurenieva fodia como fazia grande parte das moscovitas durante aquele ano de 1936, e Boris Ansky fodia como se de repente, e já perdia toda a esperança, houvesse encontrado seu único e verdadeiro amor. Nenhum dos dois pensava (ou queria pensar) na morte, mas ambos se mexiam, ou se trançavam, ou dialogavam, como se estivessem à beira do abismo [...] As metáfora são a maneira de nos perdermos nas aparências ou de ficarmos imóveis no mar das aparências. Nesse sentido, uma metáfora é como um salva-vidas. E não se deve esquecer que há salva-vidas que boiam e salva-vidas que vão direto para o fundo. É bom nunca esquecer isso. [...] Tentou dizer alguma coisa num par de ocasiões, mas não conseguiu, o silêncio dela, porém, não era desagradável nem implicava rancor ou tristeza. Não era denso mas transparente. Quase não ocupava espaço. Inclusive, pensou Espinoza, você poderia se acostumar a esse silêncio e ser feliz. Mas ele não se acostumaria nunca, isso ele também sabia. [...]. Trechos extraídos da obra 2666 (Companhia das Letras, 2010), do escritor chileno Roberto Bolaño Ávalos (1953-2003).

 

CANTIGA DO MUNDO - O vento não nasce de nada. / Também ninguém sabe onde finda. / Cheguei com esse vento na estrada. / E vou muito mais longe ainda. / Eu moro no meio da rua, / Do rio, do mar e do mundo. / Se a brisa passar, ela é sua. / Se é o vento, eu mergulho no fundo. / Pra mim não tem vento bravio / Que venha apagar minha brasa, / Pois é com a corrente do rio / Que eu tranco o portão lá de casa. / Tem gente que ouve o meu nome / Gravado em rajada de vento / Porque furacão e ciclone / Me servem de cama e assento. / O vento que faz rodopio / Desata o cordão da sacola. / E uso do seu assovio / A fim de afinar a viola. / Por isso é que eu sou vagabundo. / E o vento que quer que eu prossiga. / Que eu faço a cantiga do mundo / E o vento é que canta a cantiga. Poema do poeta, letrista e compositor Paulo César Pinheiro. Veja mais aqui.

 


A arte do pintor italiano Mino Maccari (1898–1989). 

 

A MULHER NO BRASIL IMPÉRIO - No Império, segundo Bauer (2001) se deu o cenário de profundas mudanças econômicas, políticas e sociais, nas quais a situação social da mulher praticamente manteve-se inalterada na sociedade brasileira durante todo período. Para ele, “[...] operaram-se pequenas e pouco visíveis transformações. Houve, inclusive, mulheres que destacaram-se e enfrentando toda sorte de dificuldades, inscreveram o seu nome na história do país” (BAUER, 2001, p, 127). É que o reafirma Teles (2003), ao considerar que nesta fase histórica, a condição da mulher permaneceu imutável no seu papel de mãe, esposa e dona-de-casa. Os centros de decisão política eram exclusivos dos homens. Mesmo assim, houve mulheres que se destacaram, ao lado de escravos e intelectuais, em lutas sangrentas pela Independência e pela abolição da escravatura. Foi no séc. XIX que as mulheres começaram a reivindicar seu direito à educação. Isso porque em 1827 só era admitido para as meninas a escola de 1º grau, proibida de níveis mais altos. Estas meninas eram preparadas para trabalhos de agulha só podendo aprender as 4 operações. As professoras ganhavam sempre menos. O ingresso da primeira mulher no curso superior se deu em 1881, quando foi graduada doutora em medicina Rita Lobato Velho Lopes, contrariamente a este evento, a mulher competia o papel de dona-de-casa, esposa e mãe. Neste cenário é devido destacar o papel da revolucionária brasileira Anita Garibaldi, que lutou na Guerra dos Farrapos e tombou, ao lado do seu marido Giuseppe, combatendo pela Unificação Italiana, transformando-se em heroína e glorificada naquele pais. É considerável também destacar a figura de Nísia Floresta Brasileira Augusta que defendia a abolição da escravatura ao lado de propostas como educação e a emancipação da mulher, e instauração da República. Dedicou-se ao magistério, publicou e traduziu livros, fundou um colégio para meninas no Rio de Janeiro, mudou-se para Europa, tornando-se adepta e amiga de Auguste Comte. Merece também registro neste período, segundo Teles (2003), o aparecimento do primeiro jornal feminino no Brasil: foi o Jornal das Senhoras, lançado em 1852, editado pela argentina Joana de Paulo Manso, em Santos. Depois outra publicação denominada Belo Sexo, em 1862, editada por Julia Albuquerque Sandy Aguiar. Deu-se também o surgimento da publicação O Sexo Feminino, dirigido por Francisca Senhorinha da Motta Diniz, em Minas Gerais, em 1873, que era destacada lutadora pelo direito ao voto e pela abolição da escravatura. Em 1889, Sexo Feminino vira Quinze Novembro do Sexo Feminino. Veja mais aqui, aquiaqui.
REFERÊNCIAS
ADORNO, Sérgio. Sistema penitenciário no Brasil. Revista USP, n.. 9, p. 65-78., mar./maio, 1991.
ALBUQUERQUE, Rossana Maria Marinho. A análise do Estado na perspectiva marxiana. Revista de Estudos Sociojurídcos da SEUNE, Maceió, ano 3, n. 5, p. 285=318, jan/dez, 2008.
ARAÚJO, M. F. Casamento e sexualidade. A revisão dos mitos na perspectiva de gênero. Tese de doutorado programa de pós-gradução em psicologia social. Universidade de São Paulo, 1999.
AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferença, poemas e corpos. São Paulo: Cortez, 2007.
BARBOSA, Sérgio. Ciência política. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
BAUER, Carlos. Breve história da mulher no mundo ocidental. São Paulo: Pulsar, 2001.
BIANCHETTI, Roberto. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.
BLAY, Eva Alterman. Violência contra a mulher e políticas públicas. Scielo Brasil, 10 jun 2010.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2002.
_____. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.
____. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.
_____. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM). Lei 7353/85 alterado pela Lei 8028/90. Atmosfera Feminina, 2010.
_____. Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMARGO, Marcia; AQUINO, Silvia. Redes de cidadania e parcerias: enfrentando a rota crítica. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
_____. Políticas públicas estratégicas na proteção às mulheres. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton Lobo. Todas as constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1976.
CARLOTO, Cássi Maria. O Conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. PUC, São Paulo.
CARVALHO, Fabricia. A mulher na Idade Média: a construção de um modelo de submissão. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.
CASTILHO, Ela Wiecko. O Estatuto de Roma na perspectiva de gênero. Brasília, 2010.
CAVALCANTI, Stela Valéria de Farias. Violência doméstica: Análise da lei “Maria da Penha”, nº 11.340/06 3ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2010.
CAVALCANTI, Vanessa. Midia, políticas públicas e gênero: divulgando o mapa do tráfico de mulheres brasileiras. Saeculum – Revista de História, João Pessoa, jul/dez. 2005.
CHAUÍ, Marilena. Participando do debate mulher e violência, perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
CORREA, Sônia. Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. AgirAzul na Rede, 2010.
FAGUNDES, Leila. O trabalho da mulher. Direuto Net, 2010.
FARIA, Helena Omena; MELO, Monica. Convenção Sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação contra a Mulher e Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. São Paulo, 2010.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa. 11ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
GARCIA, Lucelene. Direito das mulheres e seu reconhecimento como direitos humanos. Jus Vigilantibus, 2010.
GOES, Adarly. Seminários temáticos II: Sistema Único de Assistencia Social (SUAS) – aspectos preliminares. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
GRUPPI, Luciano. Tudo começou com Maquiavel. 14ª Edição. Porto Alegre: L&PM, 1996.
LESSA, Sérgio. Para compreender a antologia de Lukács. 3ª Ed. Unijú, 2007.
LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução a filosofia de Marx – 1ª Ed. São Paulo: Expressão popular 2008, p. 128.
MACHADO, Ednéia. Políticas sociais I: concepções e história. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
MACHADO, Luiz Alberto. Violência. Pesquisa & Cia. Disponível em http://pesquisaecia.blogspot.com/2009/02/violencia.html. Acesso em 10 jun 2010.
MANDEL, Ernest. Introdução ao marxismo. Porto Alegre: Movimento, 1978.
MARX, Karl; ENGELS; Friedrich; LENIN, Vlaidmir. Sobre a mulher. São Paulo: Global, 1981.
MENDES, Soraia da Rosa. Os direitos fundamentais das mulheres e as políticas públicas de promoção da igualdade pelo combate à violência doméstica. Fórum PLPs do Distrito Federal, 2010.
MICHEL, Andreé. O feminismo uma abordagem histórico. Tradução de Angela Loureiro de Souza. Rio de Janeiro: Zahar,1979.
MORAES, Marcia. Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
MORAES, Maria Lygia de Quartim. Marxismo e feminismo no Brasil. Primeira versão. São Paulo: IFCH UNICAMP, 1996.
NADER, Maria Beatriz. Transformações do comportamento feminino em fins nos primeiros cinco anos do século XXI: violência e denúncia. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis – UFES, agosto de 2008.
NOGUEIRA, Marli. Uma aberração legal. Mídia sem Máscara, 2010.
OLIVEIRA, Fatima. A Convenção de Belém do Pará dez anos depois. O Tempo, 2010.
OLIVEIRA, Rosiska.  As Mulheres, os Direitos Humanos e a Democracia. Brasília, 2010.
PARODI, Ana Cecília. A responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos pós-modernos. Campinas: Russel, 2007.
PAULO NETTO, José Paulo. Economia política: uma introdução crítica. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.
PROMOTORAS LEGAIS POPULARES. Brasília, 2010.
RODRIGUES, Almira. Construindo a perspectiva de gênero na legislação e nas políticas públicas. Caderno 12, Estudos de Gênero, Goiânia, 2003.
SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
______. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.
SANTOS, José Vicente Tavares. A violência como dispositivo de excesso de poder. Brasília: Sociedade e Estado, 1995.
SANTOS, Juarez Cirino dos. O combate à violência contra a Mulher: Uma realidade ainda incipiente. Direito Penal – Parte Geral. Curitiba: Lúmen Júris IICPC, 2006.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2002.
SIKORSKI, Daniela. Trabalho profissional. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero: um depoimento? Cadernos Pagu (11), 1998, pp. 77-87.
SOUSA, Rainer. A situação da mulher na Idade Média. Brasil Escola, 2010.
TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.
TELES, Maria Amelia de Almeida; MELO, Monica. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2001.
TOLEDO, Cecilia. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Sunderman, 2008.
VALNÊDA, Cassia Santos Carneiro. Análise conjuntural dos Juizados Especiais de Proteção à mulher e a democratização do acesso à justiça. Brasília, 2010.
ZIMMERMANN, David. Violência: estudos sobre psicoterapia analítica de grupo. Porto Alegre: Artmed, 2001.
 


Veja mais sobre:
Nada como o sol raiando para um novo dia, Mary Del Priore, Mark Twain, George Frideric Handel, Kóstas Ouránis, Sarah Connolly, Mika Lins, Dora Carrington, Christopher Hampton, Emma Thompson, William-Adolphe Bouguereau, Melanie Lynskey, Mariza Lourenço, Sexualidade & Erotismo aqui.

E mais:
O presente na festa do amor aqui.
O serviço público & a responsabilidade do servidor público aqui.
Os crimes de sonegação & o Direito Penal & Tributário aqui.
O tango noturno molhando o desejo aqui.
Fecamepa no reino da ficha suja aqui.
Aids & Educação, John Dewey & Pesquisa em Educação aqui.
A psicologia, os adolescentes & as DST/AIDS aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoram Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.





HUMBERTO MATURANA, SAMANTA SCHWEBLIN, NÚRIA AÑÓ & LÍVIA FALCÃO

    TRÍPTICO DQP: Sobrevivo... – Imagem: AcervoLAM: Antes do Verbo havia o antes e era Néstogas, a o som do Concert Barbakan Festival Brat...