quarta-feira, setembro 03, 2008

RIMBAUD, MÉSZARÓS, CORNEILLE, MAX ERNST, MARYNA TIMCHENKO, LITERÓTICA & KARYME HASS

 
Art by Maryna Timchenko

LITERÓTICA: ENGATINHANDO NA NOITE AZUL – De repente tudo fica deliciosamente excedente entre nós. A dimensão dela deixa tudo com ar de fantasia cosmogônica num idílio para lá de transcendental. E isso era mais que um sonho real. Toda a via-láctea ali, ao nosso dispor. E ei-la linda mameluca com sua angélica brancura na noite azul, com sua franzinice primaveril e uma gula gigantesca no seu olhar Sinéad O´Conoor, com as querências inauditas dos seus desejos mais secretos. Tímida com o querer maior que o mundo. Parceira de ir além da última curva do universo. Por um lapso de tempo nos espreitamos atraídos pelo mútuo ardor das carnes incendiadas de paixão. Quase não ser possível manter-me distante da sua provocação corpórea nua, com seus peitinhos de goiaba-boa que me enche a boca d´água e deságua no meu sexo como lança pronta para desferir o golpe certeiro. Impossível desgrudar daquele corpo que é um verdadeiro aconchego de gozo. Para minha grata surpresa, ela arqueia e sai engatinhando na minha direção: língua lambendo os beiços, olhos imantados no meu sexo. Ousei uma artimanha: recuei dificultando sua chegada. Mas ela engatinhou e sorriu safada como quem se dispunha a bordejar genuflexa entre as estrelas oníricas do nosso cenário jubiloso. Perseguiu firme ela por todos os cantos da cama, perseverou com desassossego até que com seu jeito Cristina Kirchner, fermento do meu desejo a me envolver e se apoderar da minha emanação total, levando-me pelos limites do prazer. É quando ela jura todo o seu amor eterno e perjurando das suas para batizar-se nas minhas crenças, a se entregar por inteiro como quem vai pro carrasco no cadafalso da sua última hora. Ah, como tudo é tão bom! Bom demais. Muito demais. É quando todas as delícias degustadas, exauridas e satisfeitas, ela tão Marina Lima sela o nosso amor com um beijo de paixão. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui e aqui.


DITOS & DESDITOSQuando a razão dorme, as sereias cantam. Pensamento do pintor e escultor do Surrealismo alemão Max Ernst (1891-1976). Veja mais aqui.

ALIENAÇÃO – [...] É função essencial das mitologias transferir problemas sócio-históricos fundamentais do desenvolvimento humano para um plano atemporal, e o tratamento judaico-cristão da problemática da alienação não é exceção à regra geral. Ideologicamente mais típico é o caso de certas teorias da alienação do século XX, nas quais conceitos como “alienação do mundo” têm a função de negar categorias históricas autênticas e substituí-las pela pura mistificação [...]. Trecho da obra A teoria da alienação em Marx (Boitempo, 2006), do filósofo húngaro e um dos mais importantes intelectuais marxistas da atualidade István Mészarós. Veja mais aqui.

LA SUIVANTE[...] Amo seguir as regras; mas longe de mim tornar-me escravo delas, eu as afrouxo e as estreito de acordo com a necessidade que tem o meu tema, e quebro mesmo sem escrúpulos aquela concernente à duração da ação, quando a sua severidade parece-me absolutamente incompatível com as belezas dos acontecimentos que descrevo. Saber as regras e entender o segredo de manejá-las habilmente em nosso teatro são duas ciências bem diferentes; e talvez agora, para alcançar êxito em uma peça, não seja suficiente estudar os livros de Aristóteles e de Horácio. [...] Contudo o meu parecer é o de Terêncio: dado que fazemos poemas para serem representados, o nosso primeiro objetivo deve ser o de agradar a corte e o povo e de atrair um grande número de pessoas para as representações. É necessário, se possível for, nelas acrescentar as regras, a fim de não desgostar os doutos e receber um aplauso universal; mas, sobretudo, ganhemos a voz pública; de outro modo, a nossa peça em vão será regular; se ela sucumbir no teatro, os doutos não ousarão se declarar a nosso favor, e preferirão dizer que nós entendemos mal as regras, que oferecer-nos elogios quando somos desacreditados pelo consentimento geral dos que veem a comédia apenas para divertir-se. [...]. Extraído da obra Théâtre complet (Bordas, 1993), do dramaturgo do Neoclassicismo francês Pierre Corneille (1606-1684). Veja mais aqui.

SONETO DO BURACO DO CUFranzida e obscura flor, como um cravo violeta, / Respira, humildemente aninhado na turva / Relva úmida de amor que segue a doce curva / Das nádegas até ao coração da greta. / Filamentos iguais a lágrimas de leite / Choraram sob o vento ingrato que as descarna / E as impele através de coágulos de marna / Para enfim se perder na rampa do deleite. / Meu sonho tanta vez se achegou a essa venta; / Do coito material, minha alma ciumenta / Fez dele um lacrimal e um ninho de gemidos. / É a oliva extasiada e a flauta embaladora, / O tubo pelo qual desce o maná de outrora, / Canaã feminil dos mostos escondidos. Poema do poeta Arthur Rimbaud (1854-1891). Veja mais aqui.


Art by Maryna Timchenko


MUSA DA SEMANA: KARYME HASS
KARYME HASS – A linda cantora, interprete e compositora paranaense Karyme Hass é uma artista das mais promissoras.Ela lançou seu primeiro cd “Tempo de gritar”, álbum independente aos 21 anos de idade. Depois lançou o cd “Amor solene”, realizando shows e levando ao público o seu trabalho que mistura pop, bossa, MPB e eletrônica. Eis algumas letras das canções dela.




CARNE VERMELHA

EI!Feche a porta e venha fazer um carinho em mim;
Fique a vontade, pois só esta noite é que vai ter sim;
A vida ao teu lado não está nada fácil;
Meus planos, meus sonhos escorrem pelas mãos;
Te provei vai embora, você é só carne eu não to com fome não;
Você pensa que eu não vou embora, que eu não sumo;
Que não sei viver no rumo;
Sem o teu dinheiro entrar;
Minha cama não mais nossa, não há quem possa;
Agüentar essa cachaça todo dia;
De manhã quando o sol vai levantar;
Sei lá, sei lá, sei lá não sei;
To indo embora pra bem longe eu te falei!
Sei lá, sei lá, sei lá, não sei, não;
Na tua vida eu vou faltar, mas passe bem!
Sei lá, sei lá, meu bem eu sei sim;
To indo embora da tua vida e passe bem!


ESTRADA DE FLORES

Não me encontro neste dia;
O meu nome não é o mesmo;
A cidade está vazia;
A minha vida está tão cheia;
Ouço a voz de uma montanha;
Me dizendo pra partir;
Dessa gente que não explode;
Que não sabe sorrir;
Eu vou, vou pegar uma estrada estranha;
Eu vou me perder de vez no meu país;
Eu vou mergulhar no mar os meus problemas;
Eu vou respirar.
Tomo vento no meu corpo;
Sinto o sol e a maresia;
Me completo pouco a pouco;
Eu me enxergo neste dia;
Eu agora vejo flores;
Já sou parte desse mundo;
Faço pouco do meu tempo;


ESTRANHO ESTAR

Eu aqui sem sorrir;
Num mudo mundo;
Não ouço mais;
Sentimento me trai;
Fico longe de tudo;
Longa noite que acorda meu sono;
Sempre aberta minha mente está;
Mas eu não entendo estar;
Você ontem me prometeu quase tudo;
E teu corpo se uniu ao meu, fato profundo;
Beijou saiu, deixou meu quarto vazio;
A solidão me incomoda então, de manhã espero você ligar


Veja mais Karyme Hass no MySpace.

VEJA MAIS:
MUSA DA SEMANA



Veja mais sobre:

Jung & Holística, André Malraux, Leilah Assumpção, Haroldo Marinho Barbosa, Antonín Mánes, Coletivo Chama, Viúvas de marido vivo, Maria de Fátima Monteiro, Pedro Cabral Filho & Goretti Pompe aqui.


E mais:
Quintal dos milagres aqui e aqui.
Cordel Aos poetas clássicos, de Patativa do Assaré aqui.
A poesia de Clauky Boom aqui.
Moro num pais tropicaos, de Marcio Baraldi aqui.
Cordel Eu vi o brasí jogá, de Zé Brejêro aqui.
As olimpíadas do Fecamepa aqui.
A arte de Ana Luisa Kaminski aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora comemorando no Tataritaritatá.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
  

MARUJA TORRES, EMILY ESFAHANI SMITH, MARUŠA KRESE, SUSANA SZWARC & ZABÉ DA LOCA

      TRÍPTICO DQP: Valuna, estaca zero. Imagem: COLAM , ao som dos álbuns Da idade da pedra (2002), Zabé da Loca (MDA, 2003) e Bom todo...