sábado, junho 11, 2016

NA VOLTA DA JUREMA


NA VOLTA DA JUREMA – O céu azul de nenhuma nuvem na manhã ensolarada e eu a me perder muitas vezes até me desencontrar por inteiro muito mais vivo que nunca e de verdade no meio de um sonho que eu não queria acordar, só sei que vivo plena e tão completamente com a urgência em dia e pronto pro que viesse. Em cada rua eu era mais que transeunte, o peito aberto no asfalto da avenida que ia dar onde eu quisesse nos ventos que vinham de Mucuripe, que me levou pra Iracema e lá havia um mundo muito maior do que eu pudesse imaginar. Em cada esquina a música na cabeça do trio poético – Fagner, Ednardo, Belchior & todo o Pessoal do Ceará -, e a minha voz nos meus pés alados até o esbaldar na cachaçada da Barra do Ceará, a água subindo e a gente tendo de ir embora com tudo inudado e eu pendurado no ar para voar à Praia do Futuro onde eu vi que o amanhã é mais que agora e eu não tinha onde ficar entre a brisa e a Xuxinha linda surda-muda que queria fazer striptease pro meu prazer e a garota de programa dos 200 dólares que eu não tinha a me dá o que a rua oferecia, enquanto a cabeça rodava no voo com Baby Consuelo, na entrevista com Belchior, no bate papo com Betinho – Herbert de Souza, o irmão do Henfil – no hall do hotel, ah, quantos versos rabisquei fitando o mar da janela do quarto de hotel, uma semana que quase durou apenas nem um dia e passou rápido demais, perdendo a hora e a noção do tempo, só me dando conta de tudo quando cheguei em casa, desfiz a mala e voltei de cara pra vida de sempre. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


Imagem: arte da artista plástica, professora, curadora e escritora Ida Zami.

 Curtindo o álbum Roendopinho (Acoustic Music Records, 2014) do músico e compositor Guinga. Veja mais aqui.

PESQUISA
Semiologia e comunicação linguística (Cultrix, 1982), do linguista belga Eric Buyssens (1910-2000), estuda os sistemas de comunicação geral e tratando na primeira parte sobre semiologia e na segunda parte sobre linguística. Veja mais aqui.

LEITURA 
Arrowsmith (Harcourt, 1931 – Prêmio Pulitzer, 1926), do escritor estadunidense e prêmio Nobel de Literatura de 1930, Sinclair Lewis (1885-1930), contando a história de um brilhante médico e cientista que se vê enfrentando uma praga quando ocorre a morte de sua morte e ele perde o controle de si mesmo e de seus princípios. Veja mais aqui.

PENSAMENTO DO DIA: AS PALAVRAS SÁBIAS DE CONFÚCIO
- Quais são para ti, os três requisitos do governo perfeito? – perguntou-lhe certa vez um príncipe, em tom de chocarreira condescendência. –Bastantes provisões, tropas suficientes, e confiança popular. – E supondo que não se pudesse ter esses três fatores, - continuou o príncipe, - qual deles sacrificarias? – Primeiro, as tropas. Depois, as provisões. Mas nunca sacrificaria a confiança do povo. Sem confiança, um governo não se mantém. Outro régulo lhe perguntou: - Não deve o príncipe estimar a coragem acima de tudo? O sábio respondeu: - Deve colocar a probidade em primeiro lugar. O homem poderoso que tem coragem sem probidade é uma ameaça para o Estado; o homem comum que tem coragem sem probidade não é mais que um bandido.
Trecho extraído do livro O pensamento vivo de Confúcio (551aC-478aC), de Alfred Doeblin (Martins, 1942). Veja mais aqui e aqui.

IMAGEM DO DIA 
A vida na manhã ensolarada de nenhuma nuvem. (LAM)
Na Volta da Jurema – Bairro Meireles – Fortaleza – CE.

Veja mais sobre Friedrich Nietzsche, Fortuna, Arthur Schopenhauer, Yasunari Kawabata, Geraldo Carneiro, Francisco Brennand, Richard Strauss, Peter Paul Rubens, Eurípedes, John Constable, Arte-terapia & Mae West aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA

As heroínas do HQ
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
A arte do cartunista Laerte Coutinho.
Recital Musical Tataritaritatá.
Veja aqui.


JULIO VERNE, JOÃO GONÇALVES, EDUCAÇÃO INCLUSIVA & ACESSIBILIDADE NA BIBLIOTECA FENELON!

O ESPADACHIM DO CANAVIAL – Imagem do artista plástico João Gonçalves - O que Zedonho tinha de ocrídio, tinha de trabalhador. Pense num su...