sábado, fevereiro 25, 2012

TODO DIA É DIA DA MULHER - CIDINHA MADEIRO


CIDINHA MADEIRO – A homenageada da vez, tanto é uma aplaudida Musa Tataritaritatá, como também uma festejadíssima personalidade da campanha Todo dia é dia da mulher. Trata-se, simplesmente, da alagoana Cidinha Madeiro.


 Ela é médica.


 Ela é crítica literária.


 Ela é fotógrafa.


Além de tudo isso, é um ser humano fascinante.


 Uma amiga.


 Uma pessoa daquelas que a gente quer sempre ter do lado.


Tudo isso e muito mais: ela é Cidinha Madeiro.


Aqui a nossa homenagem.

Veja mais Musa Tataritaritatá e homenageadas na Campanha Todo dia é dia da Mulher




Veja mais sobre:
Infância, imagem e literatura, Hermilo Borba Filho, Ixchel, Diego Rivera, Jean Sibelius, Epicuro de Samos, Horácio, Anne-Sophie Mutter, Irene Ravache, Ziraldo & Maria Luísa Mendonça aqui.

E mais:
Dia Branco aqui.
A mulher da Renascença ao Marxismo aqui.
A mulher, o Movimento Sufragista, o Feminismo & Vida de Artista aqui.
A trajetória da mulher por seus direitos no sec. XX aqui.
Precisando de secretária, uma homenagem aqui.
A mulher no Brasil Colônia aqui.
A mulher no Brasil Império aqui.
Josiele Castro, a musa Tataritaritatá aqui.
A mulher na República e na campanha sufragista do Brasil aqui.
Fecamepa: corrupção x cláusula da reserva do possível aqui.
Feminismo no Brasil, Vera Indignada & Nitolino aqui.
O pisoteio noturno & Anátema aqui.
Combate à violência contra a mulher aqui.
Paroxismo do desejo aqui.
A arte de Mariana Mascheroni aqui.
A mulher Lutas & Conquistas & Festa Brincarte do Nitolino aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




A MULHER & BOM PASTOR, JEAN DE LÉRY, BARDAWIL, GALBRAITH, DESIGUALDADE, PICA-PAU & ARRELIQUE DE OZI

Livro, curso & consultas aqui . ARRELIQUE - Arrelique é coisa de menino, dona Judith, de menino levado da breca que sai bandolei...