sexta-feira, maio 30, 2008

PROEZAS DO BIRITOALDO - XIX



XIX

Quando o cara num rega direito, o amanhã parece mais o aperto do dia de ontem


Anos se passaram. Não tantos assim. Uns cinco ou seis anos. Peraí... ah! exatos oito anos.
Na rodoviária, um dia de domingo ensolarado, desce Birito todo engomado, palitó e gravata, bigode saliente embaixo da venta, bíblia no sovaco, ereto, sisudo e pisando com firmeza.
A cidade para ele estava mudada, também, tanto tempo sem visitá-la, quase que sequer conhecia mais ninguém. Fitava nas fisionomias, outras tantas desconhecidas. Até que em sua caminhada sem ter, feito galinha choca, como achar canto para se aboletar, divisou um pavilhão antes de há muito conhecido e pediu um café pequeno. Esse pavilhão ele conhecia de perto, não muito, mas de vez em quando achegava-se ressacado para tirar a barriga da miséria lá. O dono estava mais velho, bem mais velho que esperava encontrá-lo. Não ousou falar, o homem estava ocupadíssimo, o pavilhão cheio de gente, entupido como sempre fora.
A lorota rolava solta: futebol, política, cachaça, tapa e gaia. Esses os principais assuntos matutinos, normalmente dos usos e abusos cometidos por algum munícipe na noite anterior. Era assim que atualizavam os disse-me-disse, as fofocas, a candinhagem, a queimação do filme de alguém. Não havia vacilo que eles não jogassem uma pedra certeira e com escárnio bravo.
Alguns ele conhecia de longe, não tinha aproximação. Outros, nunca vira nem doido em noite de lua cheia. Percebendo que ali não haveria futuro, decidiu sair. Pagou e rumou para a casa dos pais.
Quando adentrou na rua em que os genitores residiam, o coração apressou o passo, bateu-lhe um misto de pânico e prazer, chega quase desmaiar, trupicando no calçamento.
Chegando no local desejado, parou no portão, respirou fundo, retirou o ferrolho, chegou na grade da varanda e fez bater o cadeado com ela, avisando a chegada de alguém no recinto.
- Já vai! Já vai!
Era a voz de d. Táquia, sua mãe. Ela quando abriu a porta que se dirigiu para a varanda perguntou o que desejava, ao que ao vê-lo, ela freou-se, franziu o cenho, mirou-lhe direitinho e, finalmente, balbuciou meio trêmula.
- Onde você andava, seu cabra-safado?
- Na paz do senhor, minha mãe!
- Que paz do senhor que nada, a polícia ainda não se cansou de um dia pegar você.
- Sangue de Cristo tem poder!
Intrigada com a maneira como o filho se expressava, todo arrumado, abriu-lhe o cadeado e permitiu que entrasse ainda meio que sem jeito.
- Como vai, minha mãe? -, disse ele adentrando.
- De mal a pior! Seu pai, aboletado na cama, não pode sair do lugar desde o dia em que os capangas do seu sogro, aquele diabo, veio aqui atrás de você.
- O que houve?
- O que houve? Você ainda pergunta?
- Diga, mãe, o que houve?
- Ôxe, os caras vieram com o maior bafafá, deram uns catabís no seu pai dele ficar troncho até hoje. Eu mesmo num consigo mais parar de tremer. Mãe Nega trancou-se no quarto do quintal desde aquele dia, até hoje tá lá enfurnada.
- E meu filho?
- Aquilo é mais presepeiro que tudo no mundo. Depois que o avô foi preso, que tudo acabou-se, o menino tá por aí de calça rasgada e bunda de fora. Não quer saber de ninguém. Todo bandoleiro mais parece uma mortalha rasgada de tanta arterice que apronta. Puxou a quem? Puxou a quem, hem?
- E Munga?
- Ôxe, ela abestalhou-se pelo padre Bidião, deixou tudo e virou freira seguindo os passos dele. O maior escândalo na igreja. Aquele padre sempre foi safado e ela desarreda...
- E o pai dela?
- O velho? Inventou de ir pros Estadosunidos e quando chegou lá, mandaram ele volta e quando chegou no aeroporto de onde ele havia saído foi preso pela Chica e pela políça federal. Descobriram que o home que era podre de rico era bandido, ladrão, roubava caminhões de carga, traficava drogas, vendia armas por debaixo dos panos, só vendia roubo, tudo roubado, inda hoje apodrece na cadeia do fim do mundo.
- Eita!
- E tão atrás de você também. Faz oito anos que a Chica jurou botar você no xadrez. Ela é a delegada e a comandante da polícia daqui e só vive acoloiada com as políça federal. Seu pai mesmo já levou tanto imprensão para dizer onde você andava que hoje num pode levar um susto que se caga todo!
- Sangue de Cristo tem poder!
- Sangue de Cristo tem poder prá gente direita, não para salafrário, viu? E agora é bode crente, é?
- Na paz do Senhor, minha mãe!
- Vixi, que é cada malabanhado que entra para a lei de crente que é um horror!
- Encontrei o caminho da Salvação, Jesus tocou no meu coração e mostrou o caminho, minha mãe.
- Vai dizer isso prá Comandante Chica que ela te arrebenta as fuças.
- Irei. Irei me apresentar e pagar pelos meus pecados. Hoje eu sou um cidadão do bem e só para Jesus eu vivo.
- O agiota da venda também é crente, vai se entender com ele, vai!
- Se assim é, ele está amarrado em nome de Jesus.
- Olhe, não embrome não, vá logo esticando a canela por aí que não quero que teu pai caia morto quando te ver. Bora, bora, a conversa tá boa, mas eu tenho o que fazer. E se teu pai se acordar, ele te quebra todinho de pau de tanta raiva.
- A bênção, minha mãe.
- Que deus te dê juízo, desgraçado e vê se sai logo que num quero pobrema com teu pai logo cedo não.
Quando ia sair, resolveu abrir os braços segurando a bíblia aberta numa das mãos e começou a orar em voz alta, berrando com toda a força dos pulmões e pedindo a deus para guardar aquele recinto sagrado dos seus pais, que nada acontecesse para eles e por aí vai....
- Isso não é hora de berrar alto assim, vai-te, sai-te, bora, bora!
- Adeus.
Com a exigência materna, deus as costas e saiu. Estava com os olhos rasos d'água. Saiu desmoronado, parecia mais que ele agora tinha sentimentos. Ele sai cabisbaixo tentando colocar alguma idéia fixa na cabeça.
- Onde fica a delegacia? - perguntou a alguém.
- Por ali.
- Obrigado. Que o irmão siga na paz do Senhor!
- Que o senhor seja sempre louvado.
Caminhou mais e depois de quase uma hora e meia de caminhada, perguntando onde ficava a delegacia, conseguiu atraverssar a porta e perguntar pela comandante.
- A comandante chega já. Só com ela?
- Sim, senhor. Eu aguardo.
- Se encoste logo ali que eu quero lhe revistar, bora!
- Eu só quero falar com a comandante.
- Ela pode demorar, do que se trata?
- É um recado que me mandaram entregar a ela sobre um certo Biritoaldo.
- Pode dizer. Você sabe onde ele está? Diga que vou prendê-lo agora!
- Desculpe, a mensagem foi mandada em código para ela e se eu lhe disser você não entenderá. Só ela saberá o que me disseram.
- Hum. Tem pantim no meio, tô sentindo. Tudo bem, sente ali e aguarde que ela chega já. Ei, menino, ajeita a cadeira aí pro indivíduo aqui se sentar que ele vai dar o paradeiro de presunto novo.
Foi aí que ele aboletou-se e levou o maior chá de cadeira de sua vida. Quase meio dia, a mulher chega mandona, virada no cão e bufando pelas ventas e saidências. Quando vê Birito, esbugalha os olhos, saca da arma e berra:
- Teje preso, seu safado! Mãos ao alto! Revista ele, logo! Vamos! Muitos anos que estou no encalço desse safado, sabia que ia pegá-lo. Abre a bíblia, deve ter arma dentro!
- Tem não, doutora. Eu vim me entregar.
- Recolhe ele no xadrez, logo, vai! Bora!
Sacudiram o cara numa cela apertada com mais de trinta presidiários. Tudo jagunçada de folha corrida para mais de quilômetros. Tudo meninos bons. Lá, se muito coubesse, caberiam dez. Haviam trinta. Quase que não cabe ele dentro de tão intupida. Foi jogado por cima dos que já estavam lá. O cacete comeu. Só ouvia o traque de lapada na carne. Tei bei! Tabefes ressoavam. Os que estavam dentro arriaram a lenha no Birito de quase matá-lo se a Chica num resolve tirá-lo da pendenga. Do jeito que entrou foi expectorado. Num se podia ficar nem em pé, arreado no canto.
- Esse já tá quase morto, arreia ele ali no corredor que fugir ele num pode! -, berrou Chica.
Estirado ali ficou um dia e meio até que acordou-se todo cheio de hematomas.
- Acordou-se? Vamos pro interrogatório lá dentro. Tragam-no!
Pegaram ele como quem pega coisa indesejável. Ela fitou-se dos pés à cabeça.
- Fala! Desembucha logo que num tenho muita paciência.
- Estou me entregando na paz do senhor!
- Deixa de pacutia, abre o jogo, conta a marmota que aprontasse e delata logo o safado do teu sogro que ele tá mofando na cadeia. Vai!
- Meu coração foi tocado pelo Senhor dos Céus, arrependi-me e vim pagar os meus pecados.
- Óoooooóooooo!
- Na justiça de Deus já fui perdoado, quero cumprir minha sina na lei dos homens.
- Iiiiiiiiihhhhhhhhh!
- O senhor é meu pastor, nada me faltará.
- Peraí, ô meninos, dá uma sarrabuiada nesse sujeito que ela engrolando o depoimento.
Ôxe, levaram o distinto para um quarto fechado de só se ouvir o gemido dos apertos. Educados de forma peculiar, despelaram, encarcaram e golpearam de tabique, cabo-de-aço e e imprensada de deixá-lo mais bambo que espantalho desapregado.
- Como é? -, gritou Chica.
O cara nem sinal de vida. Vôte, parece mais que morreu! Num bole nem os pêlos!
- Deixá-lo aí, mais tarde eu desenterro esse desgramado.
Saiu Chica e lá se foi a noite, um dia, dois dias, várias tardes e o cabra lá. Quando conseguiu mover uma palha, levantou-se e o primeiro que encontrou fez aquele sermão, pregando pelas almas perdidas, desencaminhas, desencontradas. Qualquer alma sebosa que aparecesse ele descambava nos salmos e nas exortações religiosas, apelando para Deus salvar alma perdida. Chica engicou-se com aquela discurseira e largou maior homilia para a banda dele.
- Um cafajeste da sua laia se passando por devoto abusado, tenha jeito, sujeito!
- Que o senhor esteja convosco! Ele está no meio de nós!
- Isso é estória-prá-boi-dormir! Você está desacatando autoridade, maloqueiro! Ô menino, num tem vaga em nenhuma cela, não? Pois bem, leva essa mula lá para minha casa e sacode ele naquele quarto do fundo quintal todo amarrado, que eu quero ver ele se mofar de nunca mais ter jeito na vida!
Os diligentes araques, cheleléus plantonistas e chumbetas arvorados, já espremiam o cara rua afora. Era tanta futucada dele não tocar uma só vez o solado do pé no chão. Só das infincadas ele ficava no vento. Piso mesmo só viu uns oitocentos metros depois quando caiu dum baque feio num quarto abandonado num quintal duma casa. Não teve nem tempo de averiguar o recinto, desmaiou por dias, semanas. Quando deu por si, foi quando uma aranha se divertia no seu furico. Era uma caranguejeira. Lembrou-se de Munga e do seu criatório. Teve que fazer esforço para se livrar da medonha. A das patas e a mulher. Balançou a cabeça que nem doido para que ela desaparecesse dos seus pensamentos. E foi quando caiu sobre um monte de vela. Mãe Nega veio-lhe à lembrança. Mãe Nega, boa, distinta, protetora. Sempre protegia-lhe das mandingas. Uma boa recordação. Enquanto repassava os bons momentos vividos com a avó, delineava o ambiente chegando a encontra uma mesa com pano bordado. Dona Taquia, a mãe dele, fazia bordados maravilhosos. E como cuidava dele, hoje envergonhada com suas trapaças. O pai, nossa, esse deveria estar mordendo de raiva. É muita falta de sorte. E se machucava, martelava forte sua repulsa com o que fizera ao longo da vida, desdizendo de tudo. Por que não nasci piloto de Fórmula 1? Artista de televisão? Filho de senador? Rico, por que não nasci rico? Nada disso teria acontecido. Não, nasci para penar, para ser essa nódoa feia na sociedade. E quanto mais se penalizava, mais rezava alto, orava aos céus, pedia perdão, babava todos os santos dos céus, todos os arcanjos, todos os anjos, e chorava e sorria e enlouquecia sem nem saber. Delirava na sua febre santificada.
A porta bateu de repente de um canto a outro com estardalhaço. Não sabia há quanto tempo estava ali. Quando a tudo se escancarou fechou os olhos por causa da claridade. Sabia que algo viria para castigá-lo mais ainda. Por um bom tempo nada aconteceu. Com os braços sobre os olhos não poderia identificar de quem se tratava. A luz que tanto lhe fazia falta, agora encandeava. Sabia que havia alguém ali, pronto, certo, já para dizimar-lhe o pelanco de vida que lhe restava. Mas seria a sua remissão, se morresse, com certeza, estaria pagando todos os seus pecados e gozaria nas hostes celestiais ao lado de todos os santos de sua predileção e de seu fanatismo exacerbado.
Um longo tempo e nada acontecera. Acostumando-se com a luz, foi abrindo os olhos e mirando Chica autoritária na sua frente.
- Veio me interrogar denovo, pode me condenar. Eu sou culpado. - disse ele, mediante o mutismo dela. -, pode me arrastar, me ferrar, sacudir minha vida, estou entregue a deus e estou salvo. Na lei dos homens estou condenado e pagarei até a última dívida. Pode me esfolar, estarei pronto para o castigo.
Chica nada falava. Estava calada, altiva, fitando o desprezível ser que se arrastava pelo quarto. Ela acendeu a luz e pode ver-lhe melhor. Não disse nada. Arrastou uma cadeira e sentou-se enquanto ele se entregava ao chão como um indefeso. Dava para ouvir o bufado dela, a reprovação, o asco que sentia por ele. Ele chorava desmedidamente. Parece que aquele choro tocou fundo na alma dela. Inerte permaneceu enquanto ele se esgoelava. Sujeito fraco esse, disse à sua própria imaginação, não conseguindo pronunciar nada para desespero do condenado. Ele finalmente um local onde se recostar, sentou-se, ficou com a cabeça entre as pernas, encolhido a si próprio.
- E aí? -, disse rispidamente Chica.
- Nada a declarar. Tudo você já sabe. Use a lei, faça o que quiser.
O banana estava tão desolado que entregava a alma de bandeja. A ternura, pela primeira vez, passou num átimo nos sentimentos dela. Pensando só para si que aquele era o cara que morria de loucuras por ela, que jurava amor, que queria ser seu marido, um frangalhos daquele.
- Levante-se, cabra!
Nem forças ele tinha para se levantar. Ela, após esperar um longo tempo, resolveu espancar-lhe, arrastando-o pelos cantos do local. Ele não reagia, era empurrado para os lados até cair. Ela espancou-lhe, rasgando-lhe a camisa deixando o tronco dele à mostra. Arrancou-lhe as calças e a cueca samba-canção à força de resultar-se aos farrapos, deixando-o nu, deitado e de papo para cima. Chica batia-lhe com prazer; esmurrava-lhe como se por dentro o gozo a satisfizesse. Estirado no chão, os braços e as penas abertas, nenhuma força lhe restava.
- Olhe para mim, sujeito!
Birito fez um esforço e fitou-lhe. Chica, enraivecida, desabotou o primeiro botão da blusa demoradamente. Depois, o segundo. Até, lentamente aberta insinuando-lhe os seis apetitosos. Desafivelou o cinturão, correu o zíper até embaixo, afrouchou-se toda e já se insinuava na sua rispidez um jeito afracesado de cafanga, não escondendo o pé-de-pato que sempre lhe virara a pá. Ela se lhe mostrava estrosa, aquela roxura provocando um prurido nele do seu menbro dar sinal de vida. Ela com aquela farda horrorosa, conseguia naquele instante, ser ainda mais sensual. Não dava para adivinhar que embaixo daquela indumentária rude, haveria um corpo que ele sempre desejara e que tudo ainda estava no devido lugar. Mas rejeitou aquela feitura linda, malgalante começou a balbuciar umas orações nos lábios apertados, sussurrando. A cada verso dito da reza ela se insinuava desnudar: a jaqueta removida, a blusa desabotoada, a calça arreada. Num esforço pessoal ela se livrou das botas e só de calcinha se mostrava. Soltou os cabelos, mexendo a cabeça de um lado para outro, mostrando a beleza de sua cabeleira mais fêmea. De pau ereto, ele colocou as mãos sobre as vistas para não ver-lhe o corpo bem talhado, robusto, vitaminado. Ferrou-se, cara, empenou-se no seu peadouro. Aquilo, que antes era a sua cobiça, agora um só castigo. Era uma verdadeira corta-brocha num silêncio enviezado. Uma homilia para a sua agora santa alma. A brancura dela era superior à sua crença, enfeitosa, batibarba. Deus e o diabo em plena disputa. Ela se aproximou jeitosa e contornou-lhe o corpo com as pernas abertas até alcançar a altura. Ele deitado; ela em pé. Sentiu-lhe o perfume do corpo quando ela começou vagarosamente a se acocorar sobre o seu ventre. Talvez fosse, pensou ele, o último dos castigos. Ele desconfiava porque ela jurou capá-lo se o pegasse vivo. O que fazer? Que ela fizesse. Sentiu ela sentada no seu ventre com um remexido lento, jeitoso, esfregando suas intimidades na espada rija dele. Ela fechava as pernas com prendendo seu caralho. Ele enlouquecia, ela ensandeceu. Enquanto ele tremia nas orações, ela arrotava palavras de ordem. Enfim, travaram batalha. Capitularam. Renderam-se. Entregaram-se.

© Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.  

Veja mais sobre:
A comilança do Zé Corninho, Oscar Wilde, Leila Pinheiro, Henri Lebasque, Jacob Matham, A psyche japonesa, Psicossomática & a Psicologia da dor aqui.

E mais:
As ingresias de Robimagaive, Gaston Bachelard, Chiquinha Gonzaga, Fausto Wolff, António Ramos Rosa, Fafy Siqueira, Subindo a Ladeira, Alehandro Agresti, Marina Glezer, Rita Hayworth Michael John Angel & Educação aqui.
Aristóteles, Giordano Bruno, Edward Morgan Forster, Michelangelo Antonioni, Gino Severini, Zimbo Trio, Ana Lago de Luz, Eduardo Semerijan, Daria Halprin, Malcolm Pasley & a imparcialidade do juiz aqui.
Tolinho & Bestinha: Quando o mundo fica pequeno pros andejos de cabeça inchada aqui.
A poesia de Valéria Tarelho aqui.
Till Lindemann, Joe Wehner, Chagas Lourenço, Educação no Brasil, O capital intelectual, As políticas públicas & desenvolvimento sustentável, Arte-terapia & Dificuldades de aprendizagem aqui.
Educação, afetividade, transversalidade & homossexualidade aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora comemorando a festa do Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 

PRIMO LEVI, ALTHUSER, OSCAR WILDE, FERNANDA MONTENGRO, SÉRGIO AUGUSTO DE ANDRADE, NEUZA PARANHOS, APOLLONIA SAINTCLAIR & PADRE BIDÃO

OS MILAGRES DO PADRE BIDIÃO - Muito se tem falado a respeito dos milagres praticados pelo Padre Bidião. Eu mesmo nunca vi um sequer, mas...