sexta-feira, janeiro 11, 2008

AUDEN, STANISLAW, DAHLMAN, FRIEDL KUBELKA, BIOÉTICA, LAKSHIMI & BIRITOALDO


 
A arte da fotógrafa, cineasta e artista visual inglesa Friedl Kubelka. Veja mais abaixo.


PROEZAS DO BIRITOALDO - VIII - Quando o Balde Tá Entupido, a Topada Leva a Merda Pro Ventilador - Não aliviando um só centímetro nas suas aprontações, Biritoaldo foi atanazando quem surgisse pela frente, até bater o seu próprio recorde reinando durante as comemorações do aniversário de Zé-cabelo-de-cu-de-pato, um famoso festeiro da região. Gostar de pagode como Birito gostava, ôxe, era folgar anistia para apenado. A festança do Zé-cabelo só perdia prestígio para a festa da padroeira do lugar e o anfitrião reunia economias e donativos durante o ano inteiro para com, a chegada da data, a cada ano, a aglomeração aumentasse para chegar ao Guiness Book. Eita! Num era prá menos não, era um estrondo prestigiado mesmo, pois, justamente por ser o patrocinador do evento um afamado pai-de-santo requisitado pelas necessidades de gente até do exterior. Até a televisão da capital cobria ao vivo o mais inusitado dos aniversários, carregado de um ritual fora de qualquer compreensão humana. Para se ter idéia das proporções que tomava, todo mundo havia sido convidado para a efeméride, de se mensurar que era gente saindo pelo ladrão, mesmo. Gente encangado, espremido, tinha hora até de um não saber o que era dele ou do outro. - Eita! Sou eu ou tu? Num sei mais... - Êpa! Essa pêia é minha, larga!!! - Vôte! Quem foi o nojento que me tirou uma dedada agora no furico, hem? Apareça se for homem, vá! - Ôxe, perdi a virgindade num arroxado desse, meu! - Danou-se! Minhas pregas voaram, alguém achou? Era mesmo: gente como a praga! A residência do ineivado estava verdadeiramente tomada por uma mundiça oriunda de todas as partes da cidade e doutras até. Um cenário reluzente para uma doidice esquisita que, com certeza, ficaria nos anais da fofocagem por séculos e milênios. Todo ano o regabofe passava das medidas e deixava um motivo para falácias de causar inveja a qualquer escândalo nacional ou extravagância de bilionário. Havia até uma preparação de ânimos e indumentárias para se amostrar, iniciado meses antes pelos mais insólitos sujeitos. Até quem destestava, sem menos esperar, tava lá escafedido. De autoridade a esmoler, tudo na maior presepada. Durante a lambança se sacrificavam animais ingerindo o sangue dele em honra de um orixá lá que protegia a tesão dos marmanjos, num permitindo do sujeito ficar caiando na hora agá; se descabaçavam donzelas escolhidas a dedo pelo babalorixá e, depois, comiam tira-gosto com o cabaço das imoladas; expunham-se coleção de pregas dos cús presentes, bem como, ao lado, o respectivo teste da goma, comprovando a veracidade testemunhal da homência dos dali, excetuando-se os pirôbos que se resguardavam da competição mode não serem execrados pela corja. No carnaval todo, a mundiça rezava durante mais de hora todas as orações conhecidas e enigmáticas inventadas na hora, não sei quantas vezes o pai nosso era exigido com os devotos todos de cú pra cima para que o devotado pudesse completar a proteção. Depois disso, incitavam uns aos outros a beber de todo tipo de bebida e ingerir comida vária, de insetos até filé mignon, a ponto de, sem poder se segurar em pé na comemoração, entoarem, completamente desafinados o hino do bloco deles, o Arrocha Putada! Hino criado para homenagear o santo, garantindo uma pêia dura do sujeito pro resto da vida toda. Nossa, era um verdadeiro cerca-Lourenço, só babel! A festa era de arrombar a noite, varando a madrugada, entrando pelo dia e, com fôlego, de novo noite adentro só se findando quando ninguém mais ficava em pé, o que demorava acontecer. Era tanta gente chegando e renovando os presentes, tendo, um ano desse dos passados, virar tres dias e tres noites encarreadas, sem intervalos nem refugo. É uma cachaceira do mijado brabo virar cachoeira de afogar neguinho abstêmio. - Eita, aquele bebeu mijo. Se viver, num terá doença nenhuma; se morrer, tá lascado, vai feder mais que cachorro sarnento! E tome mé! Era copo lambuzado, garrafas esvaziadas e desmaiadas pelos cantos; olhos trocados, meio-mundo estrábico, conversa mole sem-pé-nem-cabeça; soluço, arroto e cusparada. A vigilância sanitária sempre intervinha fiscalizando a gororoba servida, mas findava imergindo com o corpo de bombeiros no meio da troça lavada. Mesmo quando um passava da conta incendiado com a carraspana, era afogado num tonel de mijo para apagar o fogo. Ficava novinho e botava o jipe pra pegar de novo com tração nas quatro rodas, numa talagada de cinco dedos da branquinha. Bebiam com vontade mesmo. Nego embeiçava no gargalo da queimadenta! No auge da comilança surgem os despropósitos só justificáveis pela zonzice da bebedeira, até inventarem uma porrinha entre os adeptos etílicos, pra ver quem agüentava tomar quantas doses fosse possível com respectivo tira-gosto. O pior era o determinador da vitória, vez que os participantes começavam ao mesmo tempo e entre eles próprios quem quisesse que fosse o julgador. Nunca havia. Uma bagunça! Foi aí que a certa altura da pândega, ocorrera a suspensão no fornecimento de energia elétrica. Ouviu-se, pois um estrondoso grito. Quem tava bêbo ficou bom na hora, completamente arrepiado. - Puta-que-o-pariu! Tão querendo comer a minha mão! - Quem foi o desinfeliz que foi capaz duma coisa dessa? - Que infeliz das costas ocas deu na mãe pra acabar com a festa, hem? - Isso é um vitupério! Foi um deus-nos-acuda. Logo a mão do anfitrião. Por causa disso uns quinhentos Sherlock Holmes se incumbiram de encontrar o culpado daquela desgraça. Era resmungo para todo lado, tendo em vista que de tal vexame se anunciava nunca mais realizar a festa por tal desfeita de convidado em querer deixar maneta logo o patrocinador! Todos reprovaram tal deselegância. Que desmesura insana! - Quem terá sido esse fio-d'égua? - Esse fiodaputa vai pagar, se vai! A raiva se generalizava tomando conta de todos no recinto. Normalizada a energia pela diligente equipe de eletricistas emergenciais que não queriam perder um só minuto do folguedo, tudo agora às claras, fitou-se olho no olho, um por um, para encontrar o réu famigerado. Uma verdadeira caça à raposa. Cadê-lo! Um desconfiado do outro aumentava a suspeita. Mas, não se precisou de muita olhadela na conferição e Biritoaldo já vestia a carapuça, baixando a cabeça para reprovação geral. - Uhhhhh! -, um repúdio geral. - Vai morder o pinguelo da tua mãe, fiodapeste! - Corno safado! Um chute na bunda jogou-lhe no meio da rua, só conseguindo se livrar da ira popular por causa do pé na bunda desembestado por fuga. Nisso ele era bom, desde meninim que se evadia de pisa ou castigo desferido pelos pais e algozes. Assim, a festa fora, deveras, uma verdadeira fatalidade na sua vida. Chica Doida mesmo já lhe ameaçara antes, se fosse lá estaria tudo acabado. Foi e terminou achincalhado por todos. Ele já imaginava a turma de peso lhe amaldiçoando. E agora, meu? - Num amole não que tô com o freio travado! Amarrei o maior bode! E quando engancho o cu na porta, ou fica o cu, ou vem a porta! Na maior bobeira Biritoaldo saiu pelas ruas, a esmo, perscrutando qual seria seu futuro a partir de tal desavença. Misantropo, atravessou a cidade, só se dando conta da distância que percorrera ao ouvir um fungado cadenciado saindo duma moita atrás do convento das freiras. Parou. Viu que o gemido feminino era prazeroso e o fungado do cara provava que o sujeito estava enfiado até a alma nas intimidades dela. - Arregaça a pomba no caneco da piniqueira, pôrra! Desintala nego! -, gritara tentando espantar os sebosos. Ora, qual não foi sua surpresa: era Didi-papa-cu com a macaca inchada na boceta arreganhada de Chica Doida, sua ditosa namorada. Que fatalidade! Num agüentou o baque e desmaiou ali mesmo. - A gaia fudeu com ele! -, sentenciou Didi. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. VEJA MAISPROEZAS DO BIRITOALDO


PENSAMENTO DO DIAUsar o conhecimento disponível é tão ou mais importante que a produção de novos conhecimentos. O desafio é depurar o que tem valor real no mar de informações existentes hoje. Pensamento do professor da Universidade de Georgetown, Carl Dahlman. Veja mais aqui.

BIOÉTICA - [...] A Bioética é uma ciência da sobrevivência, uma forma de saber que deveria ser também uma sabedoria, capaz de assegurar a preservação da biosfera global, que tratasse da moralidade das relações humanas com o ambiente natural, que estabelecesse uma ponte entre o saber científico e o saber humanístico. [...]. Trecho extraído da obra Bioética da proteção: ferramenta válida para enfrentar problemas morais na era da globalização (Bioética, 2008), do bioquímico estadunidense e pesquisador na área de oncologia, Van Rensselaer Potter (1911-2001). Veja mais aqui e aqui.

CORDÃO DOS COME-SACO - Em Londres, que ultimamente não tem sido uma capital das mais britânicas (ou talvez os britânicos é que não sejam tão londrinos assim, sei lá), vai se inaugurar uma exposição internacional de embalagem. Até aí, tudo normal, como dizem os anormais. Há, no entanto, uma nova indústria que se fará representar nessa exposição que está causando a maior curiosidade: a dos sacos comestíveis. Como, minha senhora, de quem é que é o saco? Calma, madama, eu já chego lá. A indústria foi inspirada na salsicha e isto dito assim fica meio sobre o jocoso, mas torno a explicar que, com vagar, se chega ao saco. É o seguinte: não sei se vocês já repararam que as salsichas, ultimamente, não têm mais aquela pele indigesta que a gente comia antigamente e ficava trocando seu reino por um bicarbonato. Hoje em dia, a pele das salsichas é fininha e a gente come sem o menor remorso estomacal posterior. Pois essa pelinha, irmãos, é de matéria plástica comestível. Foi inventada por um Thomas Edison das salsichas e aprovou num instante. E baseada nessa aprovação é que uma fábrica de embalagens estudou a possibilidade de fazer sacos para carregar comida das mercearias para o lar, capazes de serem também comidos, isto é, um saco de matéria plástica parecida com a das salsichas, que seriam vendidos aos armazéns e utilizados pelos fregueses para transportar a mercadoria comprada. Entenderam, ou tem leitor retardado mental? Agora, que fica bacaninha, isto fica. Num instante vão aparecer os estetas dos refogados, para melhor aproveitamento do saco. As Myrthes Paranhos do mundo inteiro vão publicar receitas de como se prepara um saco de matéria plástica para o almoço e os jornais, nas suas seções dominicais de culinária, terão títulos como este: "Saquinho de siri", "Saco au champignon", "Saco à la façon du chef", etc., etc. E parece até que aqui o neto do Dr. Armindo está vendo uma dessas grã-finas, sempre mais preocupadas com o aspecto exterior do que com o aspecto interior, fazendo um rigoroso regime alimentar e dizendo para a empregada, quando esta volta do mercadinho com as compras: Para mim não precisa preparar almoço, não. Eu como só o saco. Extraído da obra Rosamundo e os outros (Circulo do Livro, 1989), de Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo usado pelo cronista, radialista e compositor Sérgio Porto (1923-1968). Veja mais aqui.

NOTURNO - Aparecendo sem aviso, a lua / Contra os picos evita se arranhar / E para o céu aos poucos escorrega, / assim como quem sabe o seu lugar. / De imediato, me diz meu coração: / “Adora-A, Virgem, Mãe, Musa, Cabeça / Digna de ver, mas Que há de construir-te / Ou destruir-te, conforme lhe apeteça.” / E então a minha mente, num reflexo: / “Não me dirás, presumo, que lhe doa / A esse montão estéril de crateras / Quem com quem dorme e quem a quem magoa.” / Nesta noite, tal como em muitas outras, / A mais óbvia franqueza vence a rixa, / A minha mente, dura, ousa admitir / Que ambos na força apostam sua ficha. / Dado aquilo em que ambos acreditam, / A Deusa tem, por certo, de partir, / E sua majestade é só a máscara / Que um dínamo sem rosto vem cobrir; / Mas nenhuma das minhas naturezas / Pode queixar-se se eu for rebaixado / A um reles funcionário cujo sonho / É vasto, sem escrúpulo, encrencado. / Supondo, entanto, que meu rosto é real / E não um mito ou máquina que visto, / Devia a lua assemelhar-se a x, / Com feições que eu de fato tenha visto, / Como as de meu vizinho, ou uma face – / Não um status, um sexo – como a sua, / Constante para mim, não me importando / Qual o valor que a x eu atribua; / Essa efusiva dama, porventura, / Que uns versos seus me veio aqui trazer; / Esse pobre que volta novamente / Em busca de um empréstimo qualquer; / Contraimagens, enfim, que balanceiam / Com o que nelas é falta de peso / Meu mundo, esse veículo privado / E os motores inúmeros do Estado. Poema do poeta, dramaturgo e editor britânico Wystan Hugh Auden (1907-1973). Veja mais aqui.

LAKSHIMI, A SENHORA DO AMOR, DA BELEZA E DA PROSPERIDADE - Lakshmi é uma divindade hindu e esposa do deus Vishnu, um dos responsáveis pela manutenção do Universo junto com Shiva e Brahma. Lakshmi personifica a beleza, a fartura, a generosidade, a riqueza e a fortuna. Quando está representada sem o lótus, ao sair do Oceano, a deusa é chamada de Padma. Suas representações também incluem um cesto cheio de arroz ou brotos. A planta sagrada de Lakshmi e o Manjericão. Costumava-se plantá-la próximo aos templos e casas como sinal de proteção. De acordo com o mito, Lakshmi sempre existiu, mesmo antes da criação. Ela estaria flutuando em lótus. Daí vem o nome de Padma, que quer dizer deusa do Lótus. A palavra "Lakhsmi" é derivada da palavra "Laksya" do sânscrito, significando o "alvo", o "objetivo". NASCIMENTO DE LAKSHMI: Como todas as Deusas no panteão Hindu, Lakshmi tem muitas histórias sobre sua origem. Uma delas conta, que o Rei dos Reis, Indra, um certo dia, perdeu seus poderes e envelheceu. Um sábio nomeou um Deva menor para ir até Brahma em busca de uma solução. Entretanto,esse último o conduziu até Mahavishnu (avatar de Vishnu) para um melhor aconselhamento. Vishnu sorriu ao ouvir o problema dos Devas (Deuses Menores) e deu-lhes uma solução. Disse que deveriam agitar o poderoso oceano de leite e beber amrita, o elixir que os faria recuperar a juventude e a força. Mas tal feito não era nada fácil. Como chocalhar o oceano? Usando a montanha Mandara e a serpente Vasuki. Os Devas então foram providenciar tudo. Mas a montanha Mandara necessitava de uma base para puxá-la. Então Vishnu transformou-se em uma tartaruga poderosa e serviu de base para a montanha. Colocaram ainda, a serpente Vasuki em torno da montanha para protegê-la. Os demônios acordados com tanta agitação, também quiseram compartilhar o elixir. Os Devas, como sabiam que não conseguiriam realizar a tarefa sozinhos, aceitaram a ajuda dos Asuras (demônios). Agitaram tanto o oceano até que seus braços se feriram e receberam então, quatorze presentes preciosos para à humanidade. A Deusa Lakshmi foi a última a emergir. Sentada sobre um lótus,era extremamente bela e encantou a todos. Os elefantes do céu derramavam gotas de água para refrescá-la. De acordo com a mitologia hindu, a terra inteira é mantida por quatro elefantes chamados Dik-gaj, onde "dik" significa o sentido e "gaj", o elefante. Lakshmi trouxe consigo o elixir, que faria reviver a força dos Deuses. Escolheu então, para ser seu consorte, Vishnu. Vishnu carregou Lakshmi do oceano até o céu e cada vez que ele desce na terra como um avatar, é acompanhado por um avatar de Lakshmi. A VIDA DE RAMA (VISHNU) E SITA (LAKSHMI): Quando Vishnu atravessou suas reencarnações, Lakhmi reencarnava com ele. Quando Vishnu se tornou Rama, Lakhmi tornou-se Sita. Quando ele virou Krishna, ela passou a ser Radha, a menina-vaca. Tais encarnações são chamadas de avatares.Calque será o nome do décimo avatar,no qual Vishnu aparecerá no fim da época presente no mundo, para destruir todos os vícios e malvadezas e restituir à humanidade a virtude e pureza. O herói mais importante da mitologia hindu é o príncipe Rama. A história da busca de sua esposa Sita, que foi raptada pelo demônio Ravana, se conta por toda a Índia. Foi escrito pela primeira vez na épica sânscrita de 50000 linhas, o Ramayana (200 aC. - 200 d. C.). No reino Ayodhya (hoje norte da Índia) há milhares de anos atrás, vivia um rei chamado Dasaratha, o qual estava casado com três esposas (algo habitual entre os reis) chamadas Kaushalya, Kaikeyi e Sumitra. Nenhuma das três havia podido lhe dar filhos. Desaratha aconselhado pelos sacerdotes brahmanas, organizou um grande sacrifício de fogo para conseguir um filho. Durante o sacrifício surgiu um ser místico que lhe entregou um tigela com arroz (se tratava de um alimento santificado) para suas esposas comerem. A Kaushalya por ser a mais importante das rainhas, comeu a metade do arroz,e dividiu o que restou entre as outras duas. Com o passar do tempo, Kaushaya deu à luz a um filho chamado Rama, Kaikeyi teve Bharata e de Sumitra nasceram os filhos chamados Lakshmana e Shatrughana. Rama tinha uma metade da divindade de Vishnu e seus irmãos compartem o resto. Os irmãos cresceram desconhecendo sua origem divina. Os hindus adoram Rama como uma encarnação do Deus Vishnu. Rama apaixonou-se por Sita, a filha do rei Janaka de Mithila, que é a reencarnação da fiel esposa de Vishnu, Lakshmi. Devido a um incidente na corte, Rama, Lakshmana e Sita foram viver tranqüilamente no bosque. Tudo ia bem até o demônio Ravana seqüestrar a Sita, que gritou a todas as árvores do bosque para dizerem a Rama que estava sendo levada contra sua vontade. Também tirou suas jóias e seu véu de ouro a cinco macacos e Hanumen, seu general. Então o sábio Agastya o aconselhou a adorar o sol, a fonte da vida. Assim o fez e também pediu emprestado uma carruagem e um cocheiro do Deus do Céu, Indra. Logo Rama foi atrás de Ravana e de seus exército de rakshashas demoníacos, que estava cheio de guerreiros ferozes com nomes como Morte-aos-homens. Rama juntou seu exército composto de macacos e ursos e atacou o demônio, depois de haver cruzado a ponte das pedras flutuantes sobre o oceano. Após diversas batalhas, Ravana, o demônio de dez cabeças foi morto pelas flechas de Rama, e Sita foi finalmente libertada. Rama junto de sua esposa Sita, e seu irmão Lakshmana acompanhados de devotos, regressaram a Ayodhya, depois de haverem passado 14 anos em exílio. Quando os habitantes de Ayodhya escutaram a notícia da chegada do rei amado, se vestiram com as melhores roupas e as mulheres se maquiaram e vestiram suas preciosas jóias. Justo aquele dia era de lua nova, tudo estava muito escuro, assim para iluminar o caminho do rei Rama, foram colocadas numerosas lamparinas de azeite por todo o trajeto, assim como no palácio e em todas as casas do reino. A palavra Diwalli significa literalmente "fileira de luzes", e foi assim, portanto, que se originou essa festa ancestral que se celebra em toda a Índia e em todo mundo onde vivem os hindus. A história de Rama e Sita é muito difundida muito além da Índia. É popular na Indonésia, na Malásia e na Tailândia. O casal Vishnu e Lakshmi regem o sentimento erótico, além de governar o elemento água. A mitologia hindu revela que desta união nasceu Kama, o Deus do amor. Kama é extremamente belo, retratado como um lindo pássaro. Em algumas ocasiões, é reverenciado durante o ato de amor. O tema principal do Ramayna é a eterna luta do bem contra o mal, da luz contra a escuridão e das conseqüências dos nossos atos passados. Em Ramayana nos encontramos com o sacrifício da liberdade em nome do dever e da honra. Assim, como nos ensina que o amor, demanda um serviço,pois ele transcende qualquer status social. Rama não vive sem sua Sita, por isso, os grandes mestres espirituais sabem, que nunca deve-se adorar o Deus sozinho, mas sempre com sua consorte, ou seja, junto com sua energia feminina. Lakshmi é considerada como modelo da esposa hindu, unida em completa harmonia com o marido e sua família. Sempre que invoca Lakshmi, deve-se recordar que ela não é só a Deusa da Fortuna material, mas sim também da espiritual que é a que realmente perdura e sobre tudo, não devemos esquecer que Lakshmi é ainda, uma Deusa do Amor. REENCARNAÇÕES DA DEUSA: A Deusa-Mãe Lakshmi é consultada pela população hindu, buscando algum tipo de riqueza. Há oito modalidades de se adorar Lakshmi, levando em conta o resultado desejado. A imagem abaixo também ilustra as oito reencarnações da Deusa Lakshmi: Santhana lakshmi Ela protege toda a Riqueza a Família, principalmente as crianças. Gaja laksmi Ela surge como Rainha Universal com seus dois elefantes que atendem todas as preces e orações. Aishwarya lakshmi Só Ela encerra a totalidade do conhecimento, tanto material quanto espiritual. Dhanya lakshmi É Ela que alimenta o mundo nos concedendo a Riqueza da boa colheita dos grãos. Adhi lakshmi Ela é a Mãe Divina e fonte dedo o poder de Vishnu. Vijaya lakshmi É Ela que nos concede a vitória sobre obstáculos e problemas (vitória tb, no trabalho e aspectos legais) Dhana lakshmi Ela é a doadora do todo tipo de riqueza DEUSA DO AMOR, DA BELEZA E DA PROSPERIDADE: Lakshmi é uma Deusa do amor e da beleza, da sorte, da prosperidade e do sucesso. No hindu moderno é representada como uma jovem de longos cabelos negros brilhantes e soltos, vestindo um sari (vestido típico das mulheres da Índia) vermelho com bordados dourados e usando diversas jóias como: colares, braceletes, pingentes e um aro no nariz com incrustações. Em sua cabeça ostenta uma coroa (Mitra) que representa o Monte Meru, a "Morada dos Deuses", que se vê circundada por um aro de luz que simboliza a Luz Solar. Em suas diferentes representações, pode mostrar-se com uma tez escura, ressaltando seu caráter de consorte de Vishnu; quando sua tez é da cor dourada, simboliza fonte de riqueza; se é branca, é a forma mais pura de Prakriti (da natureza); se a tez é rosada, se mostra como a Mãe de todas as criaturas. Apesar dela aparecer em inúmeras ilustrações com quatro braços, é normalmente representada apenas com dois, segurando uma flor de lótus, ou sentada sobre ela com um cântaro que jorra moedas de ouro e flanqueada por dois elefantes. Normalmente nos templos da Índia, Lakhshmi está em pé ao lado de seu consorte, o Deus Vishnu, o segundo membro da trimurti hindu. A Trimurti ("tripla estátua"), ou trindade, da divindade hindu consiste de: Brahma, Vishnu e Shiva. Quando é representada por quatro braços, os dois posteriores carregam flores de lótus (conhecimento desenvolvido); os braços anteriores mostram suas mãos doadoras de pepitas de ouro ou gemas, símbolos da fortuna que entrega aos homens: ouro e a gema do conhecimento. As quatro mãos significam os quatro fins da vida humana: dharma (atos de justiça e dever), kama (prazeres sensuais), artha (riqueza) e moksha (libertação espiritual final). As mãos da frente representam a atividade de mundo físico e as detrás, indicam as atividades espirituais que conduzem à perfeição espiritual. A posição das mãos: em Abhaya até Mudrá ou postura de Proteção no caminho da devoção, e em Varada até Mudra ou Doadora de dons. O assento de lótus, onde a Deusa se posiciona em cima, significa dizer que devemos apreciar a riqueza, mas não devemos nos tornar obsessivos por ela. Nossa vida deve ser análoga a um lótus, que cresce na água, mas não é molhada por ela. Os lótus, quando mostrados em vários estágios de florescimento, representam os mundos e os seres em vários estágios de evolução. A flor de lótus sustentada pela mão direita posterior nos dá a idéia de que devemos executar todos os nossos deveres de acordo com o dharma. Isso nos conduzirá ao moksha (libertação espiritual final) que está simbolizado por um lótus na mão esquerda posterior. As moedas de ouro que caem na terra da mão anterior de Lakshmi ilustram o seu poder de doar riqueza e prosperidade para seus devotos. Os dois elefantes ao fundo simbolizam o nome e a fama associados a riqueza temporal. A idéia passada é que o devoto que obtiver a graça da riqueza não é tão somente para adquirir nome e fama ou para satisfazer seu próprio desejo material, mas deve compartilhar com o outro a fim de também propiciar-lhe felicidade. As trompas dos elefantes que sustentam cânforas das quais jorram água, representam as águas do Sagrado Ganges ou também o Amrita obtido através do "Batimento ou Agitamento" do oceano do qual Lakshmi surgiu esplendorosa, com uma beleza sem par. Muitas vezes Laskhmi é mostrada portando uma cânfora com Amrita (elixir da imortalidade do espírito), coberta de Kusa (erva ritualística). Como Deusa da prosperidade Lakshmi, é chamada também como Dharidranashini (a que destrói toda a pobreza) e Dharidradvamshini (àquela que se opõe a pobreza). Às vezes, se faz referência a ambos (Lakshmi-Vishnu) pelo nome Lakshmi-Narayan, sendo Narayan outro nome de Vishnu. Outros nomes que são dados para Laksmi incluem Hira (jóia), Indira (A Poderosa) e Lokamata (A Mãe do Mundo). Entretanto, é chamada também de Chanchala que significa "volúvel", ou aquela que não fica em um lugar por muito tempo. Isso significa que a fortuna e a riqueza não permanecem por tempo prolongado nas mãos de qualquer um. Somente aqueles que são merecedores do respeito da Deusa terão esse privilégio. Portanto, não devemos somente adorá-la, mas também não devemos desperdiçar dinheiro em artigos ou projetos desnecessários.


A arte da fotógrafa, cineasta e artista visual inglesa Friedl Kubelka.




Veja mais sobre Nascente – Publicação Lítero Cultural, Bertolt Brecht, Steven Pinker, Luiz Ruffato, Rocio Jurado, Gilvan Pereira, Greta Garbo, Literatura Infantil, Teatro Infantil, Albert Marquet, Neila Tavares & Bruno Gaudêncio aqui.

E mais:
Paulo Freire, William Blake, José Louzeiro, Cesar Camargo Mariano, Joaquin Oristrell, Mitodrama, Olivia Molina, Literatura Infantil, Gilberto Geraldo & Infância, imagem e Literatura aqui.
As trelas do Doro aqui.
Vera indignada aqui.
Estopô calango aqui.
A Filosofia de Ascenso Ferreira aqui.
Fecamepa: o Brasil do século XVI aqui.
Começar e recomeçar todo dia e o dia todo, Caio Fernando Abreu, Palmares, Celso Furtado, Geraldo Vandré, Karl Marx & o suicídio, Auta Souza, Marisa Orth, James Foley, Elsa Schiaparelli, Huan Zheng Yang & Literatura Infantil aqui.
Fecamepa: de Pindorama à carta de Sardinha aqui.
Ratadas & atassalhaduras, Honoré de Balzac, Jean-Luc Godard, Montaigne, Direito de amar & danos de amor, Suzana Salles, Charlotte Wolter, Cécile Camp, Milo Moiré, Louis Maeterlinck, Louis Hersent & Pessoa de Araújo Lopes aqui.


CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora homenageando e parabenizando o Tataritaritatá
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

ŽIŽEK, GIROUX, HALLDÓR LAXNESS, JOSEPH BENNET, JACOB DE HAAN, CRIS OLIVEIRA, JANINE JANSEN, YVONNE JEANETTE KARLSE, CORLISS LESSER, DAY WILLIAMS & JUSTINITA

A SINA DE JUSTINITA – Imagem: Lady Justice under fire, art by Day Williams . - Desde o dia em que fora atropelada pela cabrita, ocorrera ...