terça-feira, outubro 18, 2016

POEMA EM VOZ ALTA


INEDITORIAL: POEMA EM VOZ ALTA – Imagem: Só vim devolver as flores, do artista plástico, designer, grafiteiro e tatuador Mozart Fernandes. Epígrafe: et comme dieu je vais nu (Mallarmé) - Eu sou um deus. Um deus vivo, presente, criado na mentira do mundo e dos homens, indesculpavelmente humano - efígie imperfeita da perfeição que se amedronta dos porões da floresta indigente e que engole gente e todo tipo de ser vivente como ente que mente e mente mente e mente e que se refugia na poesia de viver para compensar a sua contumácia de manifestar-se desatino, imperfeito, perecível diante de todas as paradoxalidades indesvencilháveis com suas mil garras cheias de anúncios e gritos e choros e lamúrias eternas dentro dos edifícios bêbados de ostensiva imobilidade e pasmaceira e catatonia no meio dos relâmpagos que faíscam acordes naturais e imprimem alarmes e ameaças da toca o breu do concreto bruto do asfalto desvelando o sigilo absurdo dos rostos em pânicos ou felizes com seus pacotes das compras que se danam atônitas pelos semáforos e limites dos cartões de crédito que se vencem nas esquinas e alvoroços como cães famintos na lata de lixo, como um maçarico doido no coração do consumo onde a fugacidade do riso é perene na satisfação efêmera do lodo capitalista! Eu sou fruto que é raiz e que é semente. O tempo me asfixia. E tudo quanto eu disse era uma lâmina cega na raiz do meu coração imberbe que ousa ser menino na flor da idade. De que me resta ser herói aos vinte e três anos no meio da minha melancolia que já e suficiente na minha farsa e não sou nada além do que cai e se levanta aos tombos todo dia e o dia todo nas errâncias da vida. Agora carrego ainda mais o meu amor essênio e procurando a minha túnica de uma só peça ao encontro dos homens de palavras suaves. Ao mundo oferto o meu sonho herético: Maa kHeru! Maa kHeru! Eu sou um deus, eu sou um deus vivo presente crucificado em seu próprio verbo, em seu próprio flagelo e tristemente vivo feliz! Não tenho gênesis nem registros acásicos nem júbilos nem hosanas nas alturas ou aleluias nas funduras. Estou cercado em mim mesmo, mil partido com todos os fragmentos compactados num vácuo tão intenso no meio da loucura coletiva e dentro da emboscada do futuro, crendo na vida mesmo que sirva de experimento para os que fabricam catacumbas, mesmo que eu saiba dos que fazem a experiência bélica com a vida dos outros, mesmo que sirva de cenário para as neuroses dos que povoam as ruínas de tudo na esclerose do veneno que asfixia o sol na multidão de anjos estúpidos luzindo com suas olheiras nos estandartes dos algozes: que tudo seja feito pelo amor aos dólares vis! Eu sou um deus, um deus vivo presente crucificado em seu próprio verbo e à mercê da sina impressa no assoalho dos tempos. E constato ao tato o fato da minha crença na vida ser a minha festa e fecho-me em minha deificação débil e inútil e sou todo um mar revolto. (Poema em voz volta. In: Primeira Reunião. Recife: Bagaço, 1992). Agora vamos aprumar a conversa nas novidades do dia: Na edição de hoje destaque para a arte de Mozart Fernandes, a Mulher Suméria, o erotismo de Georges Bataille, a literatura de Marquês de Sade, o Decameron de Pasolini, a entrevista de Frederico Barbosa, as Núpcias do teatro do Nua, o ativismo de Maryam Namazie, a música de Karina Buhr, a dança do Estado Imediato, o Congresso Brasileiro de Sexualidade Humana, a pintura de Cézanne & Olivia de Berardinis, a escultura de Leroy Transfield, & a palestra Cidadania & Meio Ambiente. No mais confira aqui.

Veja mais sobre:
Rio Uua, Henri Bergson, Heitor Villa-Lobos, José Lins do Rego, Cora Coralina, Nelson Freire, Viola Spolin, Grande Otelo, Manuel da Costa Ataíde, Humor e alegria na educação & Dia do Pintor aqui.

E mais:
A mulher fenícia & Big Shit Bôbras: Inhame cura aqui.
As trelas do Doro: A vingança aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando o bicho leva um puxavanque da vida, para baixo todo santo ajuda numa queda só: tei bei! Era uma vez, hem hem.... aqui.
A biblioteca nossa de cada dia, Nicole Krauss, Carles Riba, Lloyd Motz, Filipe Miguez, Yasujirō Ozu, Carla Bruni, Shima Iwashita, Mauro Soares, Tributo & capacidade contributiva, Diagnóstico e tratamento na aprendizagem aqui.
A música e a poesia de Bee Scott aqui.

DESTAQUE: 
Aqueles que tinham alguma vergonha estão mortos.
Provérbio egípcio da Era Ottoman, dando conta de que certa vez o Cairo estava lotado de banhos turcos nas áreas centrais da cidade. Certa feita, ocorreu um grande incêndio em um desses famosos banhos turcos, durante o horário feminino; as mulheres que correram nuas sobreviveram, mas as que tiveram vergonha de expor sua nudez morreram lá. Imagem: Les grandes baigneuses (1900-1906), do pintor pós-impressionista francês Paul Cézanne (1839-1906).

A MULHER SUMÉRIA - Imagem: Estela funerária suméria com imagem erótica (1800 a.C.).OS SUMÉRIOS: UM PAÍS ENTRE DOIS RIOS – A civilização suméria é uma das mais antigas que apareceu no V milênio a.C., no território da Mesopotâmia, muito antes dos egípcios e chineses e desapareceu no II milênio. Sua língua é de origem étnica desconhecida. Para os sumérios existir, simplesmente, era expiação bastante no terrível universo. A MULHER SUMÉRIA – A mulher suméria era responsável pela coleta de grãos e cereais, razão pela qual descobriu a cerveja quando estes grãos, sob a água da chuva, fermentaram ao ar livre, tornando-se um importante alimento no período. Ainda que reduzida ao fabrico da bebida no ambiente doméstico, desde a antiguidade a mulher ficou encarregada de produzir esta bebida para o consumo próprio e familiar. As mulheres eram excluídas de educação, exceto Enheduana, a filha de Sargão, que passava por uma moça letrada. Na legislação sumeriana as mulheres possuíam independência do marido, podendo separar-se por decisão judicial. O adultério era crime, só absolvido com perdão do marido. Na família, era ela responsável pelas dívidas. Era costume a prostituição das mulheres uma única vez com estrangeiros, oferecendo ao templo o dinheiro recebido pela prostituição. A que morresse virgem ou de parto era considerada demônio. O papel das mulheres na armazenagem era reconhecido e tem sua marca no idioma sumério, os aposentos da mulher da casa. Os cereais e outros produtos eram em geral armazenados nos aposentos das mulheres, e as mulheres administravam e eram as guardiãs destes bens armazenados. A necessidade das mães estarem próximas às suas crianças exigia que as mulheres ficassem ao redor de suas casas. Mas, mesmo em casa, as mulheres não restringiam suas atividades aos afazeres domésticos ou a cuidar somente de crianças. Pelo contrário, o papel feminino no lar incluía a produção de bens básicos e a gerência dos produtos domésticos. O direito das mulheres sumerianas variava de acordo com o status social de cada uma. Por exemplo, as mulheres da realeza gozavam de um certo poder político e econômico enquanto que as mulheres comuns não participavam da vida política e literária. As mulheres que gozavam de status, como as sacerdotisas, membros da realeza tinham o direito de aprender a ler e a escrever e daí adquiriam autoridade para administrar, e as mulheres menos prestigiadas, com menos status social ocupavam-se da criação dos filhos e das atividades domésticas. Apesar de na Mesopotâmia as mulheres, de uma maneira geral, não terem sido tratadas como iguais aos homens, a posição delas variavam muito entre as cidades-estados. Mulheres e homens mantinham-se sempre perfumados. Pesquisadores descobriram traços de aromaterapia revelando que mulheres utilizavam cones de ervas aromáticos em suas cabeças, que durante o dia, derretiam deixando os cabelos aromáticos. A touca real era composta de pregas, com babados na parte traseira, continham enfeites, joias de alta qualidade e eram muito pesadas. Entre as mulheres, algumas tantas se destacam, a exemplo de Kubaka, a mulher da cerveja, que era uma senhora taverneira de Kish, esperta e robusta que tornou-se rainha em 2500 a.C., por 100 anos, sendo sucedida por seus filhos. Também Sabtien, a mulher cervejeira. KUN-BAU DE KISH, A GUARDIÃ DA TAVERNA – Kun-Bau ou Kubaba foi a única mulher governante suméria, que reinou por 100 anos e aparece na Lista Real Sumeriana que contem a relação de todos os reis da Suméria, registrando o local da realeza e governantes oficiais com o período de seus governos. Antes de ser governante, era uma famosa proprietária de cabaré que amealhou fortuna e, por isso, subiu ao trono. A MULHER SÁBIA - Em Enmerkar e o Senhor de Aratta, um relato heróico sobre um dos primeiros reis sumérios, quando Enmerkar vai até a cidade de Aratta (cidade esta a qual ele submeteu a cerco para obter suas pedras e minerais preciosos), sua conselheira vai até ele em elegante esplendor para aconselhá-lo e ao rei de Aratta que eles deveriam trocar alimentos por minerais preciosos. Dessa forma, as mulheres serviam como sábias e conselheiras. Assim, as mulheres eram consideradas sábias e eram aquelas que desempenhavam as funções do cuidado das crianças. Isso queria dizer que a criança desenvolvia desde os primórdios da infância a imagem da toda-poderosa e sábia "deusa do quarto de dormir e brincar". Por outro lado, criavam produtos básicos através da culinária, tecelagem e preparo da cerveja. Tais atividades são sofisticadas em termos tecnológicos, e também são complexas, devendo parecer particularmente mais difíceis do que aquelas atividades nas quais os homens participavam. A natureza elaborada das atividades femininas devem ter reforçado desde os primórdios da infância a impressão da mulher sábia. Estes dois fatores contribuem para a imagem da mulher como aquela que acumula conhecimento, e que dispensa também conhecimento especializado. A POETA ENHEDUANNA – Os mais antigos poemas foram escritos por uma mulher: Enheduanna, filha de Sargão. Ela foi instalada por seu pai como Alta Sacerdotisa (En) do deus da Lua, Nanna em Ur. Nessa capacidade, ela escreveu os grandes poemas Ninmesharra e Nininshagurra, um ciclo de hinos aos templos da Suméria, e talvez também, Inana e Ebih. Era vista como mulher solitária escrevendo numa área que pertencia aos homens. Ela não foi a primeira Alta Sacerdotisa. A POETA KUBATUM – Também outra mulher, Kibatum, esposa de Sushin, durante o período da Terceira Dinastia de Ur, compôs canções de amor. HIERODULAS, AS FUNCIONÁRIAS DA DEUSA DO AMOR – O grande-sacerdote do deus da cidade devia praticar o ritual da hierogamia, casamento com a grande-sacerdotisa de Innana, materializando o casamento entre os deuses, de que dependia a prosperidade dos humanos. Quanto às hierodulas subalternas, estavam à disposição dos crentes, mediante pagamento que o povo não negligenciava em ritual, porque os recursos que o templo obtinha graças às Jovens do Amor, estavam longe de ser desprezíveis. Na Suméria havia um bordel divino. O SÉQUITO DAS TOCADORAS DE MÚSICA – em Ur, por volta de 2.550 a.C., encontrou-se no cemitério da localidade, 1.800 túmulos, entre eles, as tocadoras de músicas que ainda estavam com seus dedos dedilhando as cordas dos seus instrumentos. Foram vítimas de um suicídio coletivo para seguir o seu senhor no outro mundo, transformado em deus. ISHTAR, A RAÍNHA DO CÉU, DEUSA LUNAR- Era uma das manifestações da Magna Dea, a Grande Mãe, personificando a força criadora e destruidora da vida nas fases lunar. Deusa da fertilidade que concedia a reprodução e crescimento aos seres humanos, animais e campos. Deusa do amor que desceu de Vênus com seu séquito de sacerdotisas Ishtaritu, ensinando aos homens a arte do êxtase. Rainha do Céu regia as estrelas, formando o cinturão de Ishtar. Percorria o céu todas as noites em uma carruagem puxada por leões, controlando o movimento dos astros e as mudanças do tempo. É representada pela mãe que segura os seios fartos, a virgem guerreira, a insinuante sedutora. Também era a Mãe Terrível, Senhora dos Terrores, quando descia ao mundo subterrâneo causando desespero na terra. Quando se ausentava, nada podia ser concebido, tudo mergulhava numa inércia. Personifica o principio feminino e nas celebrações de Shapatu as mulheres a veneravam invocando suas bênçãos. A DEUSA INNANA - A deusa Ishtar-Innana no templo de Eanna, em Uruk, a capital da religião suméria. Era a deusa do amor, da fecundidade e da prosperidade. Dumuzi foi o primeiro esposo terrestre de Innana, com ele é inventada a escrita na mesopotâmia. Essa deusa era presa de disputas amorosas, mas também era intrigante, ambiciosa e sedenta de poder. Um dia ela decide aumentar o seu poder e influencia na cidade e fazer dela o centro do mundo. Para consegui-lo só há uma solução: apossar-se, não importando por que meios, dos famosos Me, encerrados no fundo seu palácio de Apsu, por Enki, em Eridu. A bela ambiciosa desembarca com grande pompa na cidade de Enki. Sedutora, carnuda, provocante. O pai Enki, o sábio, com isso atravessado na garganta, imediatamente chama o seu mordomo, o deus Isimud, a quem dita as suas ordens: a jovem deve ser recebida e tratada regiamente, é preciso fasciná-la, conquistá-la. Então, a mesa é imediatamente servida. Enki apaixonado, febril e tímido, profere elogios lisonjeiros e langorosos. A cerveja corre abundantemente. Mas a embriaguez toma posse do espírito do sábio. Levanta-se em um momento de exaltação, brandindo a taça, com o olhar lúbrico e proclama: “Pelo meu poder, pelo meu poder, à santa Innana, minha filha, eu quero presentear os Me”. A pequena astuta não tinha perdido a cabeça e tarde da noite, enquanto o sábio Enki estava na bebedeira, a bela acabou o carregamento dos Me na sua barca celeste e parte para Uruk, orgulhosa e altiva. Quando o sábio acordou sóbrio percebeu com horror que os Me desapareceram. O fiel Isimud lembra-lhe então o gesto grandioso da véspera, feito em plena embriaguês. Aí ele envia Isimud ajudado por um destacamento do monstros marinhos, em perseguição da fugitiva com a ordem imperiosa de recuperar a preciosa carga. Isimud alcança Innana mencionando o seu objetivo, quando ela fica indignada berrando traição e recusando-se de restituir o presente. Dá-se, então, os assaltos furiosos da esquadra de monstros, mas a deusa desembarca em Uruk, sã e salva, com a sua preciosa carga intata no meio de uma enorme quermesse popular. No seu templo, o sacerdote-rei seguia regulamente para a consumação da hierogamia, pratica que consistia no cumprimento dos deveres conjugais do rei para com a deusa Innana, representada por uma das suas sacerdotisas. Da sua união dependia a prosperidade do país. Em sua homenagem teve inicio o sacerdócio feminino iniciado Enheduana e seu pai Sargão de Akkad. O papel das sacerdotisas nos templos sumérios era o de prostitutas sagradas que eram usadas nos rituais do casamento sagrado, responsáveis por aplacar a fúria dos deuses, pelas boas colheitas e fertilidade de homens e mulheres, mantendo a paz na Suméria. Essas mulheres eram as intermediárias entre os deuses, os governantes e o povo. As sacerdotisas possuíam o hábito de beber cerveja, mesmo sendo proibidas por lei que coibiam essas práticas por ela com a pena de morte. LILITH – Lilith era chamada de a Grande Deusa, a Lua Negra, a Raínha do Céu e era associada a coruja. É no Alfabeto de Bem-Sira, do século VII, que Lilith é considerada a predecessora de Eva. Para os hebreus, a primeira esposa de Adão que se recusou a se deitar por baixo no ato sexual, exigindo sexo de igual para igual. Por isso abandonou Adão, não acatando ao domínio do homem sobre a mulher. Justou-se aos anjos caídos, se casando com Samael. Depois ela foi eliminada pelos hebreus no Velho Testamento. Na mitologia judaica é o demônio, acusada de ser a serpente que levou Eva a comer o fruto proibido. Na Mesopotâmia é associada a um demônio feminino da noite, portadora de doenças e da morte. Na Suméria ele surgiu por volta de 3 mil aC., como demônios e espíritos malignos de ventos e tormentas. Na Babilônia simbolizava a lua, deusa das fases boas e ruins. Nas lendas vampíricas ela paria 100 filhos, súcubus e lilims, se alimentando da energia do sexo e do sangue humano. Outras expressões de Lilith são identifcadas como manipuladora dos sonhos humanos gerando poluções noturnas que cortava o pênis com a vagina e matava com aperto esmagador ao peito. Representa a liberdade sexual feminina e a castração masculina. A DEUSA NUBARSHEGUNU – Essa deusa tinha uma filha, a bela e viva Ninlil. A mãe já tinha notado o belo jovem que era Enlil, o ser de olhos brilhantes. Considerando que ele era um bom partido, encorajou a filha a seduzir o efebo, com vista no casamento. Ninlil escutou os sábios conselhos de sua mãe e a armadilha funcionou às maravilhas. Mas no momento de consumar a união, Ninlil protestou e recusou satisfazer os ardores do jovem deus. Este, mortificado, voltou como uma fera para a cidade, decidido a todos os extremos. Depois convocou o seu conselheiro Nusku que arranjou-lhe uma barca para que ele e Ninlil, os dois apaixonados, de novo juntos, embarcassem para  um cruzeiro sentimental pelo Eufrates. Mas, no caminho, a jovem recursou outra vez ceder. Enlil perdeu a cabeça e violentou-a. uma catástrofe! Os 50 deuses berraram contra a infâmia, não tolerando a violação, baniu Enlil. Mas Ninlil, moça honesta e nada rancorosa, acompanha-o aos infernos. Esta prova de amor inflama a imaginação do violador que arquiteta um estratagema muito complicado para sair do apuro. Na travessia dos infernos, por três vezes ele se transforma em divindades menores, guardiãs ou guias das Trevas: de cada vez ele aproveita para fecundar Ninlil. Assim, três crianças são engendradas e tornam-se divindades infernais que permitem ao seu irmão mais velho, Nanna, subir tranquilamente e instalar-se no trono lunar. O caso termina com os dois apaixonados reintegrados na cidade. A DEUSA NISABA - No sonho de Gudéia registrado no grande hino de seu templo, Nisaba é a donzela do estilete divino de prata (ou seja, o lápis ou caneta divinos) que consulta uma tábua estelar que tem aos seus joelhos. Na revisão do Ano Novo, Nisaba colocava as tábuas de lápis lazuli em seus joelhos, pegava o estilete dourado em suas mãos e alinhava os servos para Nanshe. Ela não era uma secretária. A feitura das listagens no Hino de Nanshe era feita por seu marido, Haya. Aqui, ela é aquela que matém os registros para Enlil. Conforme dito num hino para o rei Ishib-irra, "nos locais onde ela se aproxima, encontra-se a escrita". Ela é o paradigma da mulher sábia, de grande percepção e conhecimento, que tudo sabe. Ela é também a grande professora, que dá conselhos para toda terra e dá sabedoria aos reis. Segundo as palavras de um hino do rei Lipit-Ishtar: Nisaba, mulher radiante de alegria, Mulher fiel, escriba, deusa que tudo sabe, Guiou seus dedos sobre a argila, Embelezou a escrita nas tábuas, Fez a mão resplandecente com o estilete de ouro, a linha de medição, a linha de pesquisa, A régua que dá sabedoria,Nisaba deu a você da forma mais generosa. A escrita, a contabilidade e a tomada de notas são essenciais para a civilização urbana. Por isso, ela era a deusa da escrita, da contabilidade, da pesquisa. DEUSA NUNGAL – A deusa Nungal, a carcereira do Ekur, é a responsável pela guarda de pessoas em calabouços e prisões. Ao seu encargo estava o complexo de templos de Enlil, o jovem deus mais importante dos sumérios, situado em Nippur. Nungal é cantada em um hino, onde a própria deusa conta o papel terrível e de grande importância que esta parte do templo, quando ela descreve os grandes dias de julgamento e seu papel neles. Nestes dias, o acusado é julgado pelas águas do rio. Se ele boiar ou nadar, ele passa no teste. Mas mesmo se o acusado falhar no teste, não será permitido que este se afogue. O bastão divino de Nungal salva o condenado das águas, e ele é dado para ela que o irá colocar na prisão, chamada pela deusa de "casa da vida". Nungal descreve o calabouço com termos que lembram a definição poética do inferno. A prisão de deusa é um local para suspiros e queixas, na qual os infelizes passam os dias em lágrimas e lamentações. Nesse lugar, ela mantém os condenados sob sua guarda, até a hora em que ele ou ela tenham chegado ao "coração de seu deus(a)". Nesse momento,ela então irá purificar o condenado e retorná-lo (ou a ela) à boa "mão de seu deus(a)". Por isso, ela guarda e preserva o prisioneiro ou prisioneira, possibilitando que ele ou ela retornem à sociedade. NINKASI, AQUELA QUE ENCHE A BOCA – A deusa Ninkasi nasceu do fluxo de água brilhante, cultivando a cevada florida, pela mistura do malte com as especiarias e pelo condicionamento da cerveja no vasilhame. Era filha de Enki, deus das águas doces e do conhecimento, e de Ninti, deusa dos oceanos, que participaram da criação humana com seu próprio sangue e modelando o homem na argila. Um poema sumério foi escrito em sua homenagem por volta de 3.900 aC., contendo a primeira receita da cerveja, criada a partir do bappir que é o pão de cevada maltada e farinha de cevada, acrescido de água, malte, mel e tâmaras. É considerada a saciadora dos desejos e dos corações. A DEUSA NINGIRIM - Nos textos mais antigos do período histórico, o dos textos de Fara e Abu Salabikh (cerca de 2.500 Antes da Era Comum), havia uma deusa muito importante chamada Ningirim, que aparece de forma proeminente na literatura de encantamentos como exorcista dos deuses, a deusa das fórmulas mágicas e da purificação da água. Em tempos sumérios posteriores, exorcismos e encantamentos estão nas mãos de Enki e seu filho, Asarluhi; ainda mais tarde na literatura mesopotâmica, os papéis destes dois últimos deuses são tomados por Ea e Marduk. Ningirim nunca desaparece inteiramente da literatura mágica posterior da Mesopotâmia, mas ela fica detentora de um papel menor cuja função em exorcismos e encantamentos cede lugar a Enki e Asarluhi, sendo, portanto um pálido eco de sua importância anterior. A DEUSA NISABA - Protege o crescimento dos cereais, simbolizada pelo grão divino. A deusa Nisaba, a deusa da vegetação mais estreitamente associada com grãos, também é conhecida por arrumar os galpões de armazenagem de grãos, bem como é identificada com a sala de armazenagem. A área do templo chamada de giparu, a área para armazenagem de alimentos, também servia como ala onde morava a Alta Sacerdotisa ou Alto Sacerdote da cidade. DEUSA NINURRA – A mudança de gênero da deusa Ninurra para deus reflete a evolução da cerâmica desde seus tempos iniciais, ou seja, a transformação de tarefas desenvolvidas no lar por mulheres e que passam para a esfera profissional masculina. Por isso ela representa a arte de fazer cerâmica. Assim, a deusa da cerâmica foi transformada num deus e por último, tendo sido absorvida pela figura de Enki. Uma mudança semelhante ocorreu nas artes Mânticas. A DEUSA ARURU – a deusa criadora. Ela criou no deserto, com pouco de argila e de água, um ser excepcional que deveria vencer a presunção do fogoso rei de Uruk. Enkidu, uma criatura do silencio noturno, nasceu, criado entre as feras e coberto de pelos. Em combate, foi vencido por Gilgamesh. Outras deusas são representadas pela Deusa Uttu, o arquétipo da esposa. Já a deusa Nintu também é chamada A Grande Sábia de todas as Coisas. AS ESTÁTUAS FEMININAS – Nas estátuas femininas, as mulheres usam longos panos deapejados que deixam descobertos o ombro e o braço direitos. Observam0se vários traços comuns estas estátuas: ombros muito largos, peito trapezoidal afinando-se na cintura, cotovelos exageradamente pontiagudos, olhos e sobrancelhas incrustados com conchas ou betume, expressão do rosto parada.  A mais notável estátua é a da Grande Cantora Ur-Nina que está sentada sobre uma almofada de pernas cruzadas, charme aristocrático, sorriso calmo, olhos maliciosos, boca em biquinho, cabeleira delicadamente penteada e dividida no alto da cabeça e que desce em ondas negras até o meio do tronco, com um gracioso nó de cabelos sobre a têmpora, na altura das orelhas. Também a estátua da Mulher Melancólica do Rei Manishtusu: pequeno busto de mulher, rosto embonecado, cercado por cabelos ondulados presos por uma fita, olhos muito expressivos, serena. A Estátua da Mulher de Echarpe, a eposa de Gudéia, que usa um vestido de duas peças, ornamentado com franjas e rendas de argolinhas, pescoço enfeitado com um colar rígido de várias voltas sobrepostas, a cabeleira apertada sob um echarpe segura por uma fita na testa, nobre e altiva. CARPIDEIRAS: AS CANTORAS DOS LAMENTOS: O papel da deusa como carpideira estende-se para além da família, pois as deusas eram as principais cantoras dos lamentos na tradição literária suméria, as principais carpideiras sobre as cidades sumérias destruídas. Os lamentos congregacionais chamados balags: Nessas composições, o mais comum é ver a deusa Inana fazer lamentos sobre cidades destruídas. OS LAMENTOS DA DEUSA AMAGESHTINANNA –Os lamentos da deusa Amageshtinanna feitos para seu irmão Dumuzi, que havia morrido e então descido ao Reino dos Mortos. Esses lamentos eram tão incessantes que os deuses concordaram que ela tomasse o lugar de Dumuzi no Reino dos Mortos por certo período durante o ano. OS LAMENTO DE INANNA - São  reconhecidos os lamentos que Inana cantou pelo mesmo Dumuzi que tinha sido seu esposo. O lamento que Inana cantou sobre o cadáver do rei Ur-Nammu, a quem ela identificava como Dumuzi. O LAMENTO DE NINGAL - O lamento de Ningal sobre a cidade de Ur, foi escrita pouco após a destruição da cidade, ao final da terceira dinastia de Ur. Nesse poema, Ningal, a deusa de Ur, chora pela cidade. De forma significativa, ela é mostrada cantando dois lamentos, um antes da cidade ser destruída, na tentativa de impedir a destruição iminente; no segundo lamento, quando a cidade foi destruída, ela se queixa da perda da cidade e de seu lar. Ela se lamenta: "seus cabelos ela cortou como se fossem galhos; em seu peito, sobre o ornamento de moscas de prata, ela bateu e bradou "pobre de minha cidade!", com os olhos cheios de lágrimas, amargamente ela chorou". Com isso, ela pretendia convencer os deuses a não destruir a cidade de Ur. Neste caso, ela não teve sucesso. Mas após a destruição, ela continuou o lamento, a fim de despertar a misericórdia dos deuses. O LAMENTO DE ERIDU - Mostra a deusa Damgalnuna chorando a perda de sua cidade, Eridu. Ela começa o lamento: "Ela tocou seus seios como se fossem garras, ela levou suas mãos aos olhos, ela soltou um grito de dor em frenesi, ela segurou a adaga e a espada em suas duas mãos; as armas rangiram ao se tocar, e ela cortou seus cabelos como galhos, soltando um amargo lamento". LAMENTO DE NINSHUBUR - Quando Ninshubur, a assistente e conselheira de Inana, começa a fazer o lamento por sua senhora, que está presa no Reino dos Mortos, ela "esbugalhou seus olhos, ela tocou em seu nariz, ela tocou nas suas coxas com as mãos tal qual garras". O seu choro na Descida à Mansão dos Mortos tinha um objetivo específico: ela chorava frente aos deuses a fim de fazê-los agir para resgatar Inana, que estava sendo mantida como prisioneira no Reino dos Mortos. A HIEROGAMIA: O DIVINO FEMININO: SARGÃO DE ACAD – Sua mãe era uma sacerdotisa de uma pequena aldeia, Azupiranu, nas marges do Eufrates. Naquela época as sacerdotisas estavam proibidas de conceberem, mas não era obrigadas à castidade. A futura mãe encontrou um desconhecido e o que tinha de acontecer aconteceu. Quando a criança nasceu, ela colocou-a em uma cesta que confiou às águas negligentes do Eufrates: “Minha mãe, a grande-sacerdotisa, concebeu-me e pôs-me no mundo em segredo. Ela colocou-me dentro de um cesto de junco cuja abertura fechou com betume. Jogou-me no rio sem que eu pudesse sair. O rio levou-me até a casa de Aqqi, o aguadeiro, que me adotOu como seu filho e me criou, ensinando-me a profissão de jardineiro. Foi quando a deusa Ishtar se enamorou de mim e foi assim que durante 56 anos eu exerci a realeza”. Ele, então, destronou o Rei Urzababa e tornou-se o novo soberano, criando a cidade de Acad. Conta-se que ele venceu 34 batalhas, destruiu as muralhas até o mar, criando a monarquia unitária. Morre ele em 2379, sucedido por seu filho Rimush. A EPOPÉIA DE GILGAMESH - No Épico de Gilgamesh, a mãe divina, Ninsun, explica ao jovem monarca o significado de seu sonho. Meio milênio antes, num hino ao Rei Gudéia de Lagash (cerca de 2.200 Antes da Era Comum, ou cerca de 4.200 anos atrás), a deusa Nanshe é chamada da grande intérprete de sonhos dos deuses, uma especialista neste campo, sendo então quem irá interpretar o sonho de Gudéia para ele. Além de se poder pedir para Nanshe auxiliar na interpretação de sonhos, ela também podia auxiliar na incubação de um sonho, ou seja, fazer um sonho acontecer através de um conjunto de imagens previamente estudadas e trabalhadas às quais se pretende encontrar resposta no sonho. Este é o papel que Nanshe desempenha na Canção dos Bois do Arado, onde o fazendeiro vai sonhar com Nanshe e faz com que ela fique ao seu lado para induzir o sonho. No caso de Gilgamesh, onde a mãe do jovem rei de Uruk explica o significado dos dois sonhos que Gilgamesh teve, quando este vai até ela por este motivo. Como muitas destas artes, a interpretação dos sonhos moveu para longe da casa, transformando-se também numa das especialidades da Alta Sacerdotisa de Ur. Gilgamesh construiu as gigantescas muralhas de Uruk, com 900 torres de vigia semi-circulares. Foi o quinto soberano da I dinastia de Uruk, reinando por 127 anos. Nunca foi vencido, arrogante, de temperamento vulcanico. O seu desejo insaciável não deixou uma virgem ao seu apaixonado, nem a filha do guerreira, nem a mulher do nobre. Era erotômano, provava a esposa antes do marido. Os abusos de Gilgamesh foram denunciados aos deuses que apelaram para Aruru, a deusa criadora que mesmo criando Enkidu. Conta-se que uma prostituta seduziu e civilizou Enkidu que conta os excessos de Gilgamesh, enfurecendo-se. Dá-se o confronto e Enkidu reconhece a realeza do adversário. Por sua vez, Gilgamesh modera-se, a cidade volta a ter paz e liberdade. Certa feita, Agga, o rei de Kish exigiu submissão de Gilgamesh. Este aconselhando-se com a Câmara Alta dos Anciãos, recebeu o aconselhamento de submeter-se a Kish. Então, ele convoca a Câmara Baixa que é composta por todos os cidadãos de Uruk, que apoiou Gilgamesh e marcha contra Kish, não havendo conflito pela existência de um acordo entre ambos. Doutra feita, Gilgamesh ouviu as queixas da bela deusa do Amor, Inanna-Ishtar que havia descoberto uma árvore meio enraizada pelo vento nas margens do Eufrates. A deusa apanhou-a e plantou-a no seu jardim em Uruk com a intenção de extrair dela a madeira para fabricar uma cama e uma cadeira. Mas quando a árvore cresceu, foi conquistada pela Serpente que fez nela um ninho, o pássaro Imdugud instalou-se nela, assim como o demênio Lilith. Foi aí então que Gilgamesh armou-se de sua lança e fez a serpente em pedaços, afugentando o pássaro Imdugud e Lilith. A deusa recuperando sua árvore, constriu um tambor pukku e uma varinha nikku que, um belo dia, caíram nas profundezas dos infernos. A deusa do Amor, Innana-Ishtar apaixona-se por Gilgamesh e descaradamente vale-se de provocá-lo. O rei que se tornou virtuoso, repele-a com brutalidade. Então a deusa, humilhada, apela ao pai dos deus Anu, seu pai, para que ele faça descer à terra o Touro Celeste, a fim de matar Gilgamesh e arrasar Uruk. Como o patriarca dos deuses demora, a deusa do Amor ameaça-o de abrir as portas dos infernos: os mortos então voltariam à terra. Na cede e Innana-Ishtar conduz o Touro até Uruk. O ataque mata centenas de guerreiros de Uruk, até que Enkidu se agarra aos chifres do Touro e com apoio de Gilgamesh matam-no. Mas os deuses condenaram Enkidu à morte, por ter participado do massacre de Humbaba e do Touro. Morre Enkidu doente. Gilgamesh vendo-se mortal, com apenas dois terços de essência divina, busca a imortalidade numa vida errante até chegar nas águas da morte. Ele encontra Utanapishtim, o salvador da humanidade no dilúvio que, atendendo aos pedidos da esposa, revela o segredo da planta da juventude eterna no fundo das águas. Gilgamesh mergulha e volta com a famosa erva. No regresso, ao banhar-se numa nascente, uma serpente surge e se apodera da preciosa planta. É o fracasso irremediável. ENKIDU - Os sumérios então levam até Enkidu uma cortesã, confiando que a atração dele por ela poderia trazê-lo para o mundo dos humanos. Ela se mostra para ele. Enkidu, deveras atraído, une-se a ela por seis noites e sete dias. Finalmente saciado, ele tenta retornar para seus animais. Mas três fatores intervém. Os animais agora fogem dele, pois Enkidu agora tem o cheiro de seres humanos. Enkidu tenta correr atrás dos animais, mas ele não consegue correr tanto quanto antes. E terceiro, seus olhos se abriram, e ele entende o que lhe aconteceu, dá-se conta de que ele pertence ao mundo dos homens e mulheres. Então, ele retorna à cortesã, que começa a dar a ele suas primeiras lições sobre civilização. Ela divide com ele suas roupas, ensina-lhe a comer, leva-o até os pastores, ensina-lhe a beber cerveja. Depois de tudo isso, Enkidu está pronto para realizar seu destino e razão pela qual foi criado, indo então à cidade para encontrar Gilgamesh. BIBLIOGRAFIA - AMIET, Pierre. As Civilizações Antigas do Médio Oriente. Lisboa: Publicações Europa-América, 1971. BARROS, Maria de Nazareth Alvim de. As Deusas, as Bruxas e a Igreja: Séculos de Perseguição. Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, 2001. BOUZON, Emanuel. Ensaios Babilônicos; sociedade, economia e cultura na Babilônia pré-cristã. Porto Alegre: Edpucrs, 1998. CAMPBELL, Joseph. Todos os Nomes da Deusa. Rio de Janeiro: Tempos, 1997. ______. O Herói de mil faces. São Paulo, Círculo do Livro, 1949. CARDOSO, Ciro Flamarion.Sociedades do Antigo Oriente Próximo. São Paulo: Ática, 1986. CARREIRA, José Nunes. Filosofia antes dos Gregos. Portugal: Europa-América, 1994. CROUZET, Maurice. O Oriente e a Grécia Antiga. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil SA, 1993. DALLEY, Stephanie, Myths from Mesopotamia: Creation, The Flood, Gilgamesh and others. Oxford, Oxford University Press, 1991 FALLS, Cyril Bentham. Os Primeiros Milênios de História. Lisboa: Editorial Aster, 1978. FUNARI, Pedro Paulo. As religiões que o mundo esqueceu. São Paulo, Editora Contexto, 2008. HALL, H. R. História Antiga do Oriente Próximo; desde os tempos mais remotos até a batalha de Salamina. TRio de Janeiro: Livraria-Editora de Casa de Estudante do Brasil, 1948. HAMDANI, Amar. Suméria, a primeira grande civilização. Rio de Janeiro: Otto Pierre, 1978. JAMES, E. O. Os Deuses Antigos. São Paulo: Arcádia Limitada, 1960. KRAMER, Samuel Noah. Os Sumérios. Rio de Janeiro: Bertrand, 1977. _____. A História Começa na Suméria. Lisboa: Europa-América,1963. 7McNEILL, William. História Universal; um estudo comparado das civilizações. São Paulo: USP, 1972.  MILES, Rosalind. A História do Mundo pela Mulher. Rio de Janeiro: Editorial Casa Maria, 1988. PETIT, Paul. As Primeiras Civilizações. São Paulo: Atual, 1987 PINSKY, Jaime. 100 Textos de História Antiga. 4.ed. São Paulo: Global, 1987. QUALLS-CORBETT, Nancy. A Prostituta Sagrada: a face eterna do feminino. São Paulo, Paulinas, 1990. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui

 Curtindo o álbum Selvática (YB Music, 2015), da cantora, compositora, percussionista e atriz Karina Buhr.

ENUDAR-SE E O DESNUDAMENTO - [...] A ação decisiva é o desnudamento. A nudez se opõe ao estado fechado, isto é, ao estado de existência contínua. É um estado de comunicação que revela a busca de uma continuidade possível do ser para além do voltar‑se sobre si mesmo. Os corpos se abrem para a continuidade através desses canais secretos que nos dão acesso ao sentimento da obscenidade. A obscenidade significa a desordem que perturba um estado dos corpos que estão conforme à posse de si, à posse da individualidade durável e afirmada. [...] O desnudar‑se, visto nas civilizações onde isso tem um sentido pleno, é, quando não um simulacro, pelo menos uma equivalência sem gravidade da imolação. [...]. Trechos extraídos da obra O erotismo (Arx, 2004), do polêmico escritor francês Georges Bataille (1897-1962). Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.


PENSAMENTO DO DIA: Meu corpo não é obsceno, ocultá-lo é que é”, pôster com frase expressa pela premiada ativista política britânica de origem iraniana Maryam Namazie, que passou a ter reconhecimento internacional por sua atuação em defesa dos direitos das mulheres, dos que procuram asilo político e dos homossexuais, bem como por sua luta contra a república teocrática islâmica. Ela é líder do Conselho dos Ex-Muçulmanos da Grã-Bretana, diretora do Comitê para Relações Internacionais do Partido Comunista dos Trabalhadores do Irã (WPI), membro do Conselho Central da Organização pela Libertação das Mulheres (Irã), entre outras atividades. 

 Imagens: a arte do escultor Leroy Transfield.

CIRANDA DOS LIBERTINOS - [...] oram os primeiros cristãos, diariamente perseguidos por seu sistema imbecil, que gritaram a quem queria ouvi‑los: ‘Não nos queimem, não nos esfolem. A natureza diz que não se deve fazer aos outros o que não queremos que nos seja feito’. Imbecis! Como ela, aconselhando‑nos sempre ao deleite, e jamais imprimindo em nós outras inspirações, poderia, em seguida, numa inconseqüência sem limites, assegurar‑nos de que não devemos nos deleitar se isso pode causar pena nos outros? Ah! Crede, Eugênia, crede, a natureza, mãe de todos, só nos fala de nós mesmos; nada é tão egoísta quanto sua voz. [...]. Trecho extraído da obra Ciranda dos libertinos (Max Limonad, 1988), do escritor libertino francês Donatien Alphonse François de Sade, mais conhecido como Marquês de Sade (1740-1814). Veja mais aqui, aqui e aqui.


NÚPCIAS DO NUA - O espetáculo Núpcias, dirigido pelo professor Leônidas Portela, do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), é um excelente trabalho desenvolvido pelos alunos que integram o Núcleo Atmosfera (NUA), criado há 10 anos com o objetivo de desenvolver pesquisa na linha da dança-teatro, entre outras hibridizações de linguagem. Entre os artistas-criadores do espetáculo encontram-se Rosa Ewerton, Cláudia Cabral e Marinildes Brito. Veja mais aqui

 DECAMERON – O filme Decameron (1971), dirigido pelo poeta, escritor e cineasta Pier Paolo Pasolini (1922-1975), é uma adaptação de nove histórias do romance homônimo de Giovanni Bocaccio, obra que representa o marco literário de ruptura entre a moral medieval e o realismo, substituindo o divino pela natureza como móvel da conduta humana. O filme é recheado de humor satírico compondo um painel da vida social da Itália medieval. Veja mais sobre o livro aqui e sobre o cineasta aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.


Imagem: cena do espetáculo Estado imediato, do grupo paulista de dança Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira.

AGENDA: CONGRESSO BRASILEIRO DE SEXUALIDADE HUMANA – A Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana (SBRASH), anuncia o início do processo de trabalhos para realização do XVI Congresso Brasileiro de Sexualidade Humana, que se realizará em 2017, objetivando uma maior interação entre os profissionais que atuam na área. Veja mais aqui e aqui.


ENTREVISTA: FREDERICO BARBOSA – Quando eu me encontrava na condição de editor do Guia de Poesia do Projeto SobreSites, uma das entrevistas que realizei foi com o poeta e professor Frederico Barbosa, a qual está disponível para conferir aqui.

REGISTRO: CIDADANIA & MEIO AMBIENTE
Em 2009, atendendo convite efetuado pelo Projeto Protejo-Maceió, uma iniciativa da Fundação Darcy Ribeiro, Ministério da Justiça e Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), na pessoa da assistente social Tereza Savastano, realizei a palestra Cidadania & Meio Ambiente, no auditório do Colégio Teonilo Gama, no bairro do Jacintinho, Maceió-AL, envolvendo jovens e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, de risco ou de violência doméstica ou urbana. Veja detalhes aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte da pintora estadunidense Olivia de Berardinis.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Imagens: arte do artista plástico, designer, grafiteiro e tatuador Mozart Fernandes.
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...