domingo, julho 31, 2011

CIDA PEDROSA, RAYMOND BERNARD, TOMÁS DE KEMPIS, LUNÁRIO PERPÉTUO, VIDA DE ARTISTA, FEMINISMO & SUFRAGISMO.


A arte do artista visual e arquiteto romeno Marcel Janco (1895-1984). Veja mais abaixo.

 

DÃO CHICOTE, BATUBANGA & LORILEIA BOCO-MOCO – Dão Chicote vivia no mundo das nuvens, sonhava de olho aberto. De tanto ler folheto de cordel, acreditava um dia virar super-herói – no caso dele, Lampião. E assim se deu: botou um gibão cheio de brebotes bizarros– adornos de tampas duns frascos a farrapos, tiras, fitas e bregueços; um chapéu meia lua de couro com penduricalhos e uma estrela de Davi com uma flor de lis; uma alpercata com solado de pneu de caminhão, uma camisa quadriculada com remendos coloridos e espelhos e medalhões, uma calça coronha encardida e cheia de manchas; óculos de aro e lentes redondas; uma garrucha enferrujada na cartucheira, um punhal vergado de madeira, embornal bordado com moedas, metais, chimbras, botões e recortes multicores, estava pronto seu uniforme recheado de doidices para suas desventuras andantes na defesa de pobres e injustiçados. Faltavam um escudeiro, uma mulher musa amada e um ritual de consagração. Pôs-se em providências e logo achou Batubanga – aquele que foi parido num batuque de xangô da Maria Banga, a mesma que endoideceu na hora dos passos e de susto com a feiúra gerada na hora do parto inusitado, deu seu último suspiro e desceu aos infernos. Era o seu escudeiro cagado e cuspido. Partiu para a musa inspiradora e bateu de frente com Lorileia Boco-Moco, uma paixão antiga, da infância, a sua Dulcineia. Agora sim, era só convencê-los com lábias e tudo resolvido. Não foi bem assim, teve de se esforçar e muito para vencer o alheamento de ambos, até que conseguiu tangê-los estrada afora. No meio do caminho, entre umas e outras viradas de copo, se arreta com os dois, mete as mãos pelas pernas, troca tapa com o seu nada fiel escudeiro que insistia em botar gosto ruim no seu idílio, retrucando com a maior má-vontade e a coisa quase desanda de vez. Bastou uma topada e, na lata, um desenho do Alonso Quijano de joelhos diante da Aldonza Lorenzo. Inspirou-se e às pressas remoeu sua paixão, ela nem aí pro chaleirado dele nos calcanhares dela. Eram juras e aranzéis dum lado e o Batubanga queimando seu filme no outro ouvido da amada. Como era o rumo da fazenda de um conhecido, animou-se para convidá-la à quadrilha do casamento: En avant, tout, anarriê. Meiotas, goles e engasgos, se animaram. Ele já ouvia na ideia o coro: anavantú, anarriê. E pronto para ser ordenado na jagunçada, ora. Lá chegando ele com alvoroço, ela: Eu, hem? Os cabras vendo-lhe cheio dos quequeos, jogam-lhe uma lata cheia de mijo e ele bebaço se dá por batizado. Peito inflado com a sagração, chama o parceiro com promessas de fortuna e glória, determinado que trouxesse a sua dama para a cerimônia matrimonial. Ela tinha escapulido, nem sinal de seus rastros. Então, entraram na molecagem: enfeitaram uma vassoura como se fosse ela e celebraram o casamento. Na hora do beijo, Dão trupica e bate o quengo no poste, rela a venta no chão e, na sarjeta, anuncia duelo com Frescão, seu algoz! Puto da vida, ataca o inimigo com toda fúria e finda inchado de hematomas, arreado inconsciente no meio fio. Nem mel, nem cabaço. Amanhece de ressaca sem saber onde está nem o que fez na noite anterior, procurando por Batubanga que o coloca a par da chacota toda. Tendo suas investidas todas malogradas, ganhou o apelido de Véio Gala Rala. Murchou e saiu cabisbaixo. Dias depois já recuperado tornava a insistir ma coisa. Apesar de dissuadido, insistia provar seu amor à amada que deu nos calos e babau. Revoltado com o abandono e a greia dos pariceiros, saiu como quem ia pra guerra se arvorando herói contra todos os inimigos que lhe surgiam pela frente: mandacarus, cercas, chãs, touceiras, porteira, para ele todos são demônios encantados por Frescão. Eis que de repente, leva um bofetão de deixá-lo estirado, foi ver melhor: Será a minha doce amada Lorileia? Não, não era, era a sobrinha Doidamares xingando-o furiosa! Que foi? Ela descascou a reputação do tio, deixando-o mais raso que poeira no subsolo. Foi a maior lengalenga de juntar gente. O pior é que foi acusado de estuprador por ela. A própria sobrinha? Eita! Findou preso. Lascou. Solitário condoído, resolveu redigir uma carta de amor para Lorileia. Às mangações de outros presos, o fez duelar com todos até ser sacudido todo estropiado. Hem, hem. Estava humilhado de todos os achincalhes enquanto ainda sonhava glorificado por centenas de capítulos nas loas do Desgraçado Cangaceiro Dão Chicote, com seus feitos cantados em sextilhas inventadas por supostos cantadores afamados, ganhando de mesmo só o escárnio de um coquista anônimo desaforado que, para piorar a situação, fugia da mira sem pagar o verso e a obrigação. Para lascar tudo ainda deram de recitar o Epitáfio de Dulcineia de Cervantes: Repousa aqui Dulcinéia; / de carnes roliça outrora, / mas só pó e cinza agora / na morte espantosa e feia. / Da ralé vinha sua veia / e com indícios de dama, / do grão Quixote foi chama,/ e a glória de sua aldeia. Ela morreu? Não, nunca existiu, bestão! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.


 A arte do artista visual e arquiteto romeno Marcel Janco (1895-1984). Veja mais abaixo.

 

DITOS & DESDITOS - Aquele para quem tudo é unidade, que leva tudo à unidade, que vê o todo em um, pode ser firme em seu coração e viver pacífico em Deus. Nada há que po~ssa desviá-los ou abaixá-los, já que, cheios da vida eterna, eles queimam do fogo do amor, que nunca se apaga. Trechos extraídos da obra Imitação de Jesus (Loyola, 1992), do escritor alemão Tomás de Kempis (1379-1471), texto de literatura devocional auxiliar à oração e às práticas devocionais pessoais. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: [...] A p0olítica é assunto dos homens. Algumas vezes, ela serve aos nossos desígnios, outras, não.  [...] Cada um está no seu lugar, ligado, fundido nos outros, e cumpre sua missão como deve. [...] Numa sociedade onde tudo parece claro, observam-se tantas pessoas que, de maneira hábil, se envolvem com uma aureola misteriosa para dissimular o vazio que nelas existe, que não p0odemos evitar um certo mal-estar quando a mesma atitude é usada com uma finalidade extremamente importante e séria. [...] Que é a paz para quem nunca conheceu o tormento e a alegria, para quem nunca sofreu, a verdade para quem não compartilhou o erro e a unidade para quem ignorou a diversidade? [...]. Trechos extraídos da obra Encontros com o insólito (Renes, 1970), do escritor, advogado humanista e místico francês, Raymond Bernard. Veja mais aqui e aqui.

 

LUNÁRIO PERPÉTUO - A primeira edição d’O Non Plus Ultra do Lunário e Prognóstico Perpétuo, do matemático, astrônomo, naturalista e compilador espanhol, Jerônimo Cortez (1560-1611), data de 1703, da casa de Miguel Menescal, Lisboa, expressando a ciência contida, geral e particular, para todos os reinos e províncias, que foi emendado conforme expurgatório da Santa Inquisição e traduzido em português. A obra possu um pouco de tudo, desde astrologia, deuses mitológicos, horóscopos, receitas, calendários, aritmética, filosofia, astronomia, biografias, conhecimentos agrícolas, conselhos, entre outras. Entre seus trabalhos estão o Compendio de regras breves (1594), Fisionomia natural e vários segredos da natureza (1597), Aritmética prática (1604), entre outros. Veja mais aqui, aqui, aqui & aqui.

 

QUATRO POEMASMORTE SOB CARBONO - a floresta (dentro / da sala) / espia o homem / que se apóia na caneta / nomes números nódoas / as velhas esperam / o ventilador gira / o café esfria o bigode do funcionário / — papel poeira pesares / — idades vãs / entre / um documento e outro / um carimbo e outro / uma certidão e outra / as velhas / acertam um grampo na alma / e pactuam um prazo com a morte. URBE - hoje na minha boca / não cabem girassóis / cabe um poemapodre / cheiro de mangue Capibaribe / um poemaponte / galeria esgoto chuvas de abril / um poemacidade / fumaça ferrugem fuligem / hoje na minha boca / cabe apenas o poema / o poema hóspede da agonia. DIFERENÇA - meu amor ouve fado / não rodopia / apenas baila e espreita. / eu gosto de tanto. / minha mãe sempre diz: / seus olhos são trágicos. O CAMINHO DA FACA - parte em arco / rumo ao corpo amado / flecha a fera, exposta / à chaga / cruza a dor, o sonho / escuta / zunindo a lâmina / flamejante alcança / artérias e vasos / aquedutos pontes / parte em seta / rumo ao corpo amado / serena ira, ao amor / alcança / desdobra a carne / desnuda a veia / instala certeira / a eternidade / pára qual âncora / dentro do corpo amado / ferina flor, ao corpo / planta. Poemas da poeta e advogada Cida Pedrosa, auto0ra dos livros As filhas de Lilith (2009) e Miúdos (2011). Veja mais aqui.

A MULHER, O MOVIMENTO SUFRAGISTA & O FEMINISMO - O movimento sufragista, conforme Rodrigues (2010), emerge em meados do século XIX, quando as feministas se inserem ao assumir uma visão critica das contradições e das limitações das grandes transformações históricas, por meio das revoluções americanas e francesas que excluíram as mulheres dos parlamentos e dos governos, negando-lhes o direito básico de votar e serem votadas. É conveniente registrar que é exatamente neste momento que surgem os movimentos feministas que, em seus primórdios, conforme Bauer (2010), ficou centralizado na conquista do voto feminino sem desprezar outras reivindicações. E assinala Toledo (2008) que as primeiras lutas feministas da era burguesa foram por direitos democráticos, como o divorcio e o direito a receber uma educação completa, nos primórdios da revolução burguesa. Ao final dos anos 70, registra Bauer (2010), que surgiu uma grande quantidade de grupos feministas em todos os países capitalistas e, com eles, foram intensificadas as reflexões sobre a divisão sexual dos papeis, fonte de toda discriminação, as relações de poder entre os sexos, perpetuavam a situação imposta sobre as mulheres. Segundo Toledo (2008, p. 91): [...] nos Estados Unidos o movimento sufragista foi a primeira luta feminista de caráter internacionalista, porque envolveu mulheres de vários países do mundo e incorporou os métodos tradicionais de luta da classe trabalhadora, como passeatas massivas, assembléias, greves de fome e enfrentamentos brutais com a policia, nos quais muitas ativistas foram presas e assassinadas. Além da repressão física, as mulheres tiveram de enfrentar a repressão moral, os preconceitos e o ódio da sociedade patriarcal, que não suportava a idéia de ver mulheres abandonando o fogão para ir às ruas, marchar e gritar palavras de ordem. É com essas lutas que o feminismo, segundo Teles (2003, p. 12), refere-se às ações de mulheres dispostas a combater a discriminação e a subalternidade das mulheres e que buscam criar meios para que as próprias mulheres sejam protagonistas de sua vida e história. Para Saffioti (1987, p. 98): O feminismo é uma perspectiva político-científica na qual se identificaram as contradições fundamentais da sociedade e sua interação simbiótica, como um só sistema de dominação-exploração, que prejudica a maioria esmagadora dos membros da sociedade. Trata-se, pois, na luta política, de saber se se deseja uma democracia para poucos, uma democracia para muitos ou uma democracia para todos. Neste sentido, a autora identifica os modelos do feminismo radical e do feminismo socialista. Para Saffioti (1987), o feminismo radical demonstra sua intransigência quanto à não-aceitação das próprias diferenças sexuais biologicamente definidas. As adeptas desta corrente desejam alcançar total autonomia em relação ao homem, inclusive no terreno sexual. Já o feminismo socialista, para Saffioti (1987) é uma corrente que trata de lidar, simultaneamente, com todas as contradições básicas da sociedade regida pelo patriarcado-racismo-capitalismo. Depois de 1848, segundo Bauer (2010) o feminismo não adquiriu uma nova força, hegemônica e revolucionária no cotidiano da vida social no mundo contemporâneo. Porém, foi suficientemente capaz de cobrir dois importantes e significativos campos de luta: por um lado, a ação política e a difusão planetária de suas idéias e, por outro, a luta por melhores salários e condições satisfatórias de trabalho, articulando-se, neste caso, com o movimento socialista internacional. Por força dessas lutas, conforme Rodrigues (2010), as conquistas sufragistas só se consolidaram na primeira metade do século XX, século este em que as mulheres conquistaram esse direito praticamente em quase todos os país do mundo, permitindo que o direito do voto para elas fosse conquistado em 1920 nos EUA, em 1928 no Reino Unido, em 1944 na França e em 1976 em Portugal. O Decênio Internacional das Nações Unidas para a Mulher, iniciado em 1975, e a Conferência de Nairobi que, em 1985, encerrou suas atividades, serviram para estender um programa de igualdade de oportunidades entre os 157 países participantes de todo mundo. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
REFERÊNCIAS
ADORNO, Sérgio. Sistema penitenciário no Brasil. Revista USP, n.. 9, p. 65-78., mar./maio, 1991.
ALBUQUERQUE, Rossana Maria Marinho. A análise do Estado na perspectiva marxiana. Revista de Estudos Sociojurídcos da SEUNE, Maceió, ano 3, n. 5, p. 285=318, jan/dez, 2008.
ARAÚJO, M. F. Casamento e sexualidade. A revisão dos mitos na perspectiva de gênero. Tese de doutorado programa de pós-gradução em psicologia social. Universidade de São Paulo, 1999.
AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferença, poemas e corpos. São Paulo: Cortez, 2007.
BARBOSA, Sérgio. Ciência política. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
BAUER, Carlos. Breve história da mulher no mundo ocidental. São Paulo: Pulsar, 2001.
BIANCHETTI, Roberto. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.
BLAY, Eva Alterman. Violência contra a mulher e políticas públicas. Scielo Brasil, 10 jun 2010.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2002.
_____. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.
____. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.
_____. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM). Lei 7353/85 alterado pela Lei 8028/90. Atmosfera Feminina, 2010.
_____. Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMARGO, Marcia; AQUINO, Silvia. Redes de cidadania e parcerias: enfrentando a rota crítica. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
_____. Políticas públicas estratégicas na proteção às mulheres. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton Lobo. Todas as constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1976.
CARLOTO, Cássi Maria. O Conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. PUC, São Paulo.
CARVALHO, Fabricia. A mulher na Idade Média: a construção de um modelo de submissão. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.
CASTILHO, Ela Wiecko. O Estatuto de Roma na perspectiva de gênero. Brasília, 2010.
CAVALCANTI, Stela Valéria de Farias. Violência doméstica: Análise da lei “Maria da Penha”, nº 11.340/06 3ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2010.
CAVALCANTI, Vanessa. Midia, políticas públicas e gênero: divulgando o mapa do tráfico de mulheres brasileiras. Saeculum – Revista de História, João Pessoa, jul/dez. 2005.
CHAUÍ, Marilena. Participando do debate mulher e violência, perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
CORREA, Sônia. Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. AgirAzul na Rede, 2010.
FAGUNDES, Leila. O trabalho da mulher. Direuto Net, 2010.
FARIA, Helena Omena; MELO, Monica. Convenção Sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação contra a Mulher e Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. São Paulo, 2010.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa. 11ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
GARCIA, Lucelene. Direito das mulheres e seu reconhecimento como direitos humanos. Jus Vigilantibus, 2010.
GOES, Adarly. Seminários temáticos II: Sistema Único de Assistencia Social (SUAS) – aspectos preliminares. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
GRUPPI, Luciano. Tudo começou com Maquiavel. 14ª Edição. Porto Alegre: L&PM, 1996.
LESSA, Sérgio. Para compreender a antologia de Lukács. 3ª Ed. Unijú, 2007.
LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução a filosofia de Marx – 1ª Ed. São Paulo: Expressão popular 2008, p. 128.
MACHADO, Ednéia. Políticas sociais I: concepções e história. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
MACHADO, Luiz Alberto. Violência. Pesquisa & Cia. Disponível em http://pesquisaecia.blogspot.com/2009/02/violencia.html. Acesso em 10 jun 2010.
MANDEL, Ernest. Introdução ao marxismo. Porto Alegre: Movimento, 1978.
MARX, Karl; ENGELS; Friedrich; LENIN, Vlaidmir. Sobre a mulher. São Paulo: Global, 1981.
MENDES, Soraia da Rosa. Os direitos fundamentais das mulheres e as políticas públicas de promoção da igualdade pelo combate à violência doméstica. Fórum PLPs do Distrito Federal, 2010.
MICHEL, Andreé. O feminismo uma abordagem histórico. Tradução de Angela Loureiro de Souza. Rio de Janeiro: Zahar,1979.
MORAES, Marcia. Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
MORAES, Maria Lygia de Quartim. Marxismo e feminismo no Brasil. Primeira versão. São Paulo: IFCH UNICAMP, 1996.
NADER, Maria Beatriz. Transformações do comportamento feminino em fins nos primeiros cinco anos do século XXI: violência e denúncia. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis – UFES, agosto de 2008.
NOGUEIRA, Marli. Uma aberração legal. Mídia sem Máscara, 2010.
OLIVEIRA, Fatima. A Convenção de Belém do Pará dez anos depois. O Tempo, 2010.
OLIVEIRA, Rosiska.  As Mulheres, os Direitos Humanos e a Democracia. Brasília, 2010.
PARODI, Ana Cecília. A responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos pós-modernos. Campinas: Russel, 2007.
PAULO NETTO, José Paulo. Economia política: uma introdução crítica. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.
PROMOTORAS LEGAIS POPULARES. Brasília, 2010.
RODRIGUES, Almira. Construindo a perspectiva de gênero na legislação e nas políticas públicas. Caderno 12, Estudos de Gênero, Goiânia, 2003.
SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
______. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.
SANTOS, José Vicente Tavares. A violência como dispositivo de excesso de poder. Brasília: Sociedade e Estado, 1995.
SANTOS, Juarez Cirino dos. O combate à violência contra a Mulher: Uma realidade ainda incipiente. Direito Penal – Parte Geral. Curitiba: Lúmen Júris IICPC, 2006.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2002.
SIKORSKI, Daniela. Trabalho profissional. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero: um depoimento? Cadernos Pagu (11), 1998, pp. 77-87.
SOUSA, Rainer. A situação da mulher na Idade Média. Brasil Escola, 2010.
TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.
TELES, Maria Amelia de Almeida; MELO, Monica. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2001.
TOLEDO, Cecilia. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Sunderman, 2008.
VALNÊDA, Cassia Santos Carneiro. Análise conjuntural dos Juizados Especiais de Proteção à mulher e a democratização do acesso à justiça. Brasília, 2010.
ZIMMERMANN, David. Violência: estudos sobre psicoterapia analítica de grupo. Porto Alegre: Artmed, 2001.

VIDA DE ARTISTA: LUIZ ALBERTO MACHADO – Entrevista concedida ao programa Vida de Artista, comandado pela jornalista Gal Monteiro, na TVEducativa, Maceió, Alagoas, por ocasião de realização do show Tataritaritatá, no Projeto Palco Aberto, no dia 19 de maio, no Espaço Cultural Linda Mascarenhas.

Vida de Artista: Luiz Alberto Machado – Parte 1

Vida de Artista: Luiz Alberto Machado – Parte 2

Vida de Artista: Luiz Alberto Machado – Parte 3


Veja mais sobre:
Quando Papai Noel foi preso, Henryk Górecki, Demócrito de Abdera, Jane Campion, Alfred Eisenstaedt, Frédéric Bazille, Fernando Fabio Fiorese Furtado, A Comédia, Meg Ryan, A prisão de São Benedito & Luiz Berto aqui.

E mais:
Oniomania & Shopaholic, Píndaro, Mestre Eckhart, Maimônides, Paulo Leminski & Gilton Della Cella aqui.
A depressão aqui.
Ansiedade: elucubrações das horas corridas aqui.
O sabor da princesa que se faz serva na manhã aqui.
Orçamento & Finanças Públicas & os quadrinhos de Sandro Marcelo aqui.
Educação, Professor, Inclusão, Emir Ribeiro & Velta aqui.
A Lei de Responsabilidade Fiscal aqui.
Gilbela, é nela que a beleza se revela aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA

Leitora Tataritaritata
Veja aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

ANNE-MARIE DE BACKER, EUGENIO MONTEJO, JASON STANLEY & ROALD DAHL

    TRÍPTICO DQP: A certidão da sobrevivência... Ao som do concerto Delicate Sound of Thunder - Live in New York (1988), da banda britâni...