terça-feira, maio 05, 2009

GLAUCO MATTOSO


MOTE BOCAGIANO

Num pais onde todos fodem tudo,
Onde leis não conhece a porra tesa!

MOTE

O peido que a nega deu
Quase não cabe no cu!

GLOSA

Muita merda já fedeu
Glosada de mote em mote,
Mas não há glosa que esgote
O peido que a nega deu.
Outro cheiro é mote meu:
Chulé macho, um tabu
Que afugenta até urubu!
Chupo o pé, cresce-lhe a pica
E, de tão grossa que fica,
Quase não cabe no cu!

LIMEIRIQUES

Em Fernando de Noronha
Mora um batedor de bronha
Tão longo de pica
Que, quando ela estica,
Seu gogó que é cona sonha.

Sei de um certo patriota
Cujo peido se suporta.
Quando tira a meia
A turma tonteia,
Mas de morte é quando arrota!

Uma puta de Brasilia
Empregou toda família:
Prima na Esplanada;
Na Praça, a cunhada;
No Planalto, pôs a filha.

Teve um general no Rio
Que era curto de pavio.
Jurou, rabugento:
“Eu prendo e arrebento!”
Mas era seu cu no cio.

HAICAIS

Se o governo trai,
Vai pra puta que o pariu!
Voto não tem pai.

Uma nação séria
Não faz pilhéria das outras:
Ri da sua miséria.

SONETO 306 – PUTANHEIRO

Putaria, prostituta, marafona,
Rameira, pistoleira, meretriz....
Além do que o sinônimo nos diz,
Existe uma perita em cada zona.
Nem tudo na mulher é mera cona:
Há a bunda, o seio, a rótula, o nariz...
Cliente mais exótico, feliz,
A velha zona erógena abandona.
É o caso do podólatra, que quer
O pé dela em sua boca e no seu falo
Ou por seu pé na boca da mulher.
Do fetichista cego já nem falo,
Pois seu desejo não é pé qualquer,
Mas o que tem chulé, frieira e calo.

SONETO 112 – OBSTIPADO

Prisão de ventre é um drama não descrito
Em prosa ou poesia, desde Homero.
Por isso meter meu bedelho eu quero
No bojo deste tão tácito mito.
Quem tem seu intestino assim constrito
Defeca sob esforço tão severo
Que rompe internamente o tido entero
Para externar um copro que é já lito.
Cagada semanal ou quinzenal
É como um parto sem anestesia
Em que o bebê não quer nascer normal.
Enquanto a tripa inchada se alivia
O pobre constipado lê o jornal,
Absorto na seção de economia.

SONETO 866 – CANIBAL

“A carne humana é doce!” – acha, contente,
O naufrago antropógafo (e o guerreiro
Silvícola) que, após o derradeiro
Pedaço, inda palita, rindo, o dente.
A parte mais gostosa é justamente
Aquela...” – complementa o carniceiro
Glutão, que, referindo-se ao traseiro,
Vontade de trinchá-lo à mesa sente.
A bunda assada entrou na culinária
Faz muito tempo, basta que atentemos:
Dourada e com batata, há quem compare-a
Aos bifes suculentos mais supremos.
Não é dia de bebê que falo, e vária
É a forma de encará-la, se a comemos.

SONETO 929 – PREJUDICIAL

Na bolsa de valores se baseia
Um animo excessivo e uma euforia
Chamada de otimismo, que irradia
Tentáculos na mais global aldeia.
Mas quando alguém descobre que bambeia
O frágil castelão de nota fria,
O pânico se instala e, mal o dia
Desponta, está vazia a que era cheia.
Fortunas se evaporam que nem fumo
E sólidas empresas pro buraco
Lá vão, pra dar da crise só resumo.
Foi ontem, mas parece ser tão fraco
Na mente esse episodio, que eu espumo
De raiva, tanto o assunto me enche o saco!

SONETO 344 – FEMINISTA

“Mulher tem que chupar sem reclamar!”
A banda de Brasilia não perdoa.
Seu rock a fêmea humilha, e o que apregoa
Reflete algum machismo em cada lar.
“Mulher tem que gemer! Tem que apanhar!”
Insiste o rock, e zoa, inda que doa
Na seria consciência da pessoa
Humana, que não cabe em seu lugar.
Parir, amamentar, dar gozo, é tudo
Que os homens lhe concedem, grita a dita,
Afora o afã domestico, que é mudo.
Às vezes, uma ou outra se habilita
Nas artes, no poder, no amor, no estudo...
Mas só se faz capaz se for bonita.

SONETO 286 – ARGENTINO

Durante a ditadura de Videla,
Patota seqüestrava o cidadão
Mantido, clandestino, num porão,
Ali, menina virgem é cadela.
“Picana” ou felação? A escolha é dela.
Pudica, escolhe o choque, mas em vão:
Seu corpo não resiste a uma sessão.
Acaba suplicando o pau na goela.
Quando ela chupa, ri o torturador
E xinga a moça até de pelotuda
Porque prefere a pica em vez de dor.
A porra jorra sobre a voz miúda
Da pobre adolescente, cuja cor
Parece inda mais branca, assim desnuda.

SONETO 895 – NÃO-GOVERNAMENTAL

O que é o que é? Responda antes que eu gongue!
Tem cara, ora de creche, ora de hospital,
Às vezes até de banco, e o capital
Tem credito que encurte, ora que alongue.
Nem clube de gamão, nem pingue-pongue,
Nem mutirão, nem multinacional,
Nem fundo de quintal, nem estatal!
Não adivinha? É simplesmente ONG!
Mais extra-oficial é o combativo
Estilo do Greenpeace ou dos anarcos,
Que enfrentam as potencias sem motivo.
Meu caso é bem atípico: com parcos
Recursos conto, e da visão me privo,
Mas contra os baleeiros vão meus barcos!

SONETO 923 – ANTIGOVERNAMENTAL

Estado organizado é como o inferno!
Assim acha que vê no Executivo
A síntese do abuso proibitivo
E o oposto a tudo quanto for moderno.
Se no Legislativo um simples terno
Distingue o ladrão preso do eletivo,
Justiça é dos impunes um arquivo.
Quem contra eles está diz: “Hay gobierno?”
Porém mais radical que um anarquista
Sou eu, que outro poder contesto e enfrento
O arbitrio que me fez perder a vista.
A Ele, o mais tirano e truculento,
Questiono e ponho em duvida que assista
Aos vivos como um Pai, já que é um sargento.

SONETO 405 – SINGULAR

Quem gosta de igualar o ser humano
Compara o magro ao gordo na virtude,
O mongolóide ao gênio na saúde,
Os corpos nus, e não a cor do pano.
Quem diz que algum político é meu mano
Ou que bandido é gente não me ilude.
Será que entre a velhice e a juventude
Existe sintonia? Ledo engano!!!
Fazer comparações não alivia
A fome, as privações, a perda, a dor.
Apenas o sofisma cria a via.
Pois creio que a distancia é bem menor
Entre uma pobre prosa e a poesia
Que aquela entre o poeta e o prosador.

SONETO 258 – DESFRUTADO

Viúvas são mulheres sem caroço,
Maduras, descascadas, já servidas,
Prontinhas para serem deglutidas
Na farta sobremesa dum almoço.
Eximia cozinheiras, nada insosso
Lhes passa pela mão de tantas lidas.
São ótimas nas ótimas comidas,
E pegam no pesado, do mais grosso.
As uvas estão verdes, mas as peras,
Maçãs, bananas, mangas e laranjas,
No ponto, já transbordam das fruteiras.
Portanto, ninfetinha, tu que esbanjas
Teu jovem charme, nem de longe queiras
Chegar aos pés de quem me faz as canjas!

SONETO 233 – SONETADO

Já li Lope de Veja e li Gregório,
Pois ambos sonetaram do soneto,
Seara na qual minha foice meto,
Tentando fazer algo meritório.
Não quero usar o mesmo palavrório,
Mas pilho-me, no meio do quarteto,
Montando a anatomia do esqueleto.
No oitavo verso, o alivio é provisório.
Contagem regressiva: faltam cinco.
Mais quatro, e fico livro do problema.
Agora faltam três.... Deus, daí-me afinco!
Com dois acabo a porra do poema.
Caralho! Só mais um! Até já brinco!
Gozei. Matei a pau! Que puta tema!

SONETO 260 – CONSTRUTIVISTA

De fora quem lê versos não vê pleno.
Percebe a rima, só que, antes da dita,
Existe metro, aceno e uma restrita
Cesura que censura o meu veneno.
As rimas são as quinas do terreno.
O metro é cada lado, está na fita.
O aceno é o torreão de quem recita
E a pausa põe suspense no obsceno.
Tijolo é toda letra, toda nota.
Vogal ou consoante, tudo conta,
E cada virgulinha tem sua quota.
Castelo edificado, casa pronta.
Mas quando tem caralho, cu, xoxota,
A critica, que é vândala, o desmonta.

SONETO 573 - BARBARIZADO

Já se disse: sete é conta de mentira e lenda.
Também dizem que de azar o treze é cifra certa,
Isso explica a redondilha como porta aberta
No cantar dos repentistas, na feroz contenda,
À bazofia descarada, onde é melhor a emenda
Que o soneto decassílabo, no qual se enxerta
Entre termos eruditos a falácia esperta,
Lei de todo bom poeta que seu peixe venda.
Outrossim, também se explica por que nunca é visto
Um soneto alexandrino, mas de pé quebrado:
Este, a cuja tentação do treze não resisto.
Vou chamá-lo aleijadinho, pois em vez de errado,
Tem caráter de obra-prima, pelo menos nisto:
Completar catorze versos sem ficar quadrado! 
GLAUCO MATTOSO - O poeta, ensaísta, ficcionista e articulista paulista, Glauco Mattoso foi registrado civilmente Pedro José Ferreira da Silva, em 1951, formado em biblioteconomia e letras vernáculas. Mantem desde os anos 70 um perfil contracultural, embora prefira ser pos-maldito. Praticou experimentalmente diversos gêneros poéticos: poesia visual, haicai, limerick, glosa, soneto, também se dedicando à poesia de cordel. Tem vários livros publicados e inéditos. Entre suas obras está Poesia Digesta, publicado pela Landy Editora, em 2004. Está cego desde a década de 90.

FONTE:
MATTOSO, Glauco. Poesia digesta (1974-2004). São Paulo: Landy, 2004.




Veja mais sobre:
Nas voltas que o mundo dá, Carlos Drummond de Andrade, Jane Duboc, François Ozon, Catherine Abel, Sheila Matos, Valeria Bruni Tedeschi, Niceas Romeo Zanchett & direito ao meio ambiente saudável aqui.

E mais:
A literatura de José Saramago aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
Fecamepa à República aqui, aqui e aqui.
Vinicius de Morais, Choderlos de Laclos, Pier Paolo Pasolini, Vanja Orico, Chico Buarque & Ruy Guerra, Serge Marshennikov, Beverly D’Angelo & Responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos aqui.
Cantarau Tataritaritatá aqui.
Literatura de Cordel na Escola aqui.
Todo dia é dia da mulher - entrevista com uma viúva autônoma, Sandra da Silva, de Arapiraca – Alagoas aqui.
Entrevista com a costureira Jqueline, a musa da semana de Minas Gerais aqui.
Serviço Público & Nênia de Abril: o canto do cidadão aqui.
Entrevista com Clélia, uma estudante de Cacoal – Roraima aqui.
Literatura de Cordel: O papé da rapariga, de Bob Motta aqui.
Perfume de mulher aqui.
Credibilidade da imprensa brasileira aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.




CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.


ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...