terça-feira, dezembro 18, 2007

GARCÍA MARQUEZ, BAKHTIN, RILKE, AFFONSO SANT’ANNA, ANDREW SAMUELS, MARITA ZACHARIAS, TOLINHO & BESTINHA


A arte da pintora alemã Marita Zacharias. Veja mais abaixo.

TOLINHO & BESTINHA - II - Quando Tolinho deu uma de bundão e quase bate as botas - Tolinho inda nem conhecia Bestinha quando quase esticou as canelas indo pro-que-vai-num-torna. Era tempo ainda de rapazote, molecote das horas arrepiadas no meio das freiras, no convento das irmãs Carmelitas, pintando e bordando no meio das pingüins de Jesuisis. Elas davam maior folga pro tinhoso, largadão de dar bundacanasca no meio do oratório. Era mesmo! Perdoavam até a coleção de páginas arrancadas com fotos de mulher com as chebas arreganhadas dos livros e revistas que apareciam às escondidas assanhando os meninos do internato e apregadas aos montes nas paredes do seu quarto, além de fazerem vista grossa com os seus profundos conhecimentos sobre a natureza da cloaca alheia. Não, de orifício o bicho entendia: sabia de cor e salteado o número de pregas no anel dos outros, mangando quando checava no teste da goma, a ausência de uma delas. E num era pra menos, os que gostavam de agasalhar uma brachola sempre zanzavam afoitas e se achegavam nele com uma coceira no papeiro, a fim de que ele diagnosticasse o que se passava no seu frande e, consequentemente, sanasse a comichão no seu escaninho. Num perdia tempo, no prurido do alesado, ele enfiava a macaca de chega dormir de braguilha aberta a noite toda. E ainda saía dizendo que o colo ileopélvico onde passa a tripa gaiteira estava com uma infecção só sanável com supositório de chapéu-de-vaqueiro de tantas polegadas de diâmetro, injetável três vezes ao dia, antes da descarga dos borborígmos eventuais. Isso acrescido de umas boas garrafadas ingeridas em jejum que ele fabricava no porão da capela e causava flatulências abundantes de ouvir-se na redondeza o maior peidorreiro da paróquia. Era póim! poim! poim! azucrinando a paciência dos cristões dali. E estufava o peito quando falava de fita cólica distal, de proctos, de retos, de sigmóide, de ramos epiplóicos, do anel anoretal e catimbofá e furicos e retilínios e analógicos, patati patatá, comprovando a sua profunda sapiência no assunto, vez que desviara um montão de marmanjo para assumição pesada da pederastia. Nego que num tivesse firmeza na homência, ele encaminhava para a pirobagem. Era só chegar um sorrateiro desmunhecando, ele pei buft! Mais uma gazela saltitante na floresta. E para azoar os homofóbicos, dizia, usando da sapiência do Trajano de Araripina que era amigo do seu primo Lombreta-boca-de-frô: - todo calango fudedor tem a rodela do cu vermelho! Arrepia, Mané! A vida ali no convento das freiras era muito boa e só passava aperto quando o dia já arreava pra noite que num via uma caçola de qualquer delas. Ôxe, era um aperreio do nego sair dando dentada, arrancando um taco do que tivesse pela frente. Ah! E quando chegava a ver qualquer que fosse a cor das intimidades delas, vôte, dava um carreirão pro matagal e só lhe encontrava tarde da noite com os olhos revirando na bronha. Eram dez encarreadas. De mesmo. Bicho raçudo, esse. Tirante este aperto, era para cima e para baixo na Rural, carregando as esposas de Jesuisis e aguentando a pecha dos desafetos: - Eita, lá vai o macho das freiras! Já vai né? Tô vendo! Virgem, que ele ficava injuriado. Comprava briga de instante em instante por causa disso, e a negada caindo na maior gozação. Piorou, aí é que a mundiça quando notou que ele esquentava o juízo com isso, caboetou para todos que agora só tratavam-no como "macho-de-freira". Acabou-se, pronto, bicudo, invocado, mordido com a gota, espezinhando de num adiantar em nada. Macho-de-freira foi e ficou. Até hoje. Um dia lá, deu uma escapulida do internato e encheu a cara na carraspana. Umas e outras até tarde da noite, quando se recolhendo, escondido, de volta pro internato, no meio do caminho, às escuras, se encontrou com uma manceba que caminhava a esmo entre as árvores do parque ecológico vizinho e deitou maior chavecada nas ouças da moça, a ponto de, depois de muita lengalenga, deixar o rapaz fuçar suas intimidades, enterrando nela semente de fazer gente. Foi uma agonia porque besouros, muriçocas, maruins, pernilongos vários, insetos de todo o tipo queriam participar da orgia ritualística que ocorria a céu aberto. Era um impado vexado a cada estocada que ocorria sincronicamente a cada picada dos indesejáveis invertebrados nas partes mais variadas do corpo dos sedentos, a ponto de sair todo pinicado de vermelho, mais parecendo acometido de sarampo ou rubeola. Um deus nos acuda no dia seguinte, retirado do convívio dos outros para não contagiar ninguém. Mas foi muita manha que elas deram pro safado. Botaram o menino a perder, mesmo. Uns dias na cama, uns meses sem botar a venta na rua mode castigo delas, quase dois meses depois, Tolinho inventa de dar outra escapulida, durante a qual teve uma inusitada surpresa. - Sumiu, né, minino? - Que é? - Táis isquecido d eu, né? - Qui foi? - É assim mermo, depois que arrevira e remexe, fica todo metido a desentendido! - E eu sei lá quem é você, mulé! - É, dois meses atrás, tarde da noite, você me conhecia desde o dia que nasci, até plantou semente nova em mim e hoje espero um filho seu! Tolinho teve um baque do coração querer sair pela boca. Olhou direito para as feições da moça: zarôlha, banguela, zambeta, ocrídia e grávida. Tudo isso junto, dava um carnaval da porra! A mulher não era feia não, era horrível! Um ET era mais simpático que aquela estrovenga de mulher ali, toda troncha, beiço arrebitado de dar dobra embaixo do nariz, cabelo espichado à pulso mais parecendo vassoura de piaçava enfiada na testa, os olhos aboticados parecendo mais que vão soltar fora, meio mundo de peito estufado numa blusa apertada e encardida, os quartos avantajados mais parecendo pára-lama de fusca amocegado, um traste! O bicho deu um carreirão de se esconder embaixo da cama. Notícia ruim, como se sabe, espalha rápido. Os pais dele, seu Beliato e Dona Conça-tranca-rua, souberam e foram catá-lo nos quintos dos infernos. - Vai casá, maloqueiro! - Mas, mãe... - Mas, mas, nada! Mexeu com a moça, vai casar! - Mãe, aquilo num é moça, é um bicho, mãe, tenha pena d´eu.... - Nada disso, cabeça num pensou, cu pagou! - Aquilo é um monstro, vai me comer vivo, mãe, tenha pena d´eu, mãe... Num teve jeito, a mãe irredutível. O seu Beliato ali, a tudo olhando, piscando os olhos, mudo, assentindo com tudo que a mulher resolvesse. Num dava um pio; nem fedia, nem cheirava. Dona Conça-tranca-rua que resolvesse as broncas dos filhos maleducados deles. E não adiantou nada Tolinho espernear, suplicar pela intervenção do pai, pedir por clemência à mãe, jurar inocência pelos santos do céu e do inferno, se ajoelhar choroso, plantar bananeira, contorcer-se, estrupiar-se, desmilinguir-se, prantear-se, nada. Num tinha quem demovesse a decisão inexorável da mãe. Tolinho estava entregue, a sina queimava o seu filme. Sem saída, todo macambúzio, precisou tomar qualquer decisão, menos casar com aquela assombração. Até que foi chorando pro quarto dos pais, remexeu umas gavetas, pegou o revólver do pai e pei! - E aí, doutor, como é que está o desgraçado? - perguntou a mãe entre aflita e revoltada. - Nada não, dona Conça, está bem... - Ele perdeu ou num perdeu o pingulim? - Não, não, o pingulim tá salvo, ele só ficou rancôlho. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui



PENSAMENTO DO DIAEscrevo para que meus amigos me amem ainda mais. Pensamento do escritor, jornalista e ativista político colombiano Prêmio Nobel de Literatura de 1982, Gabriel García Marquez (1927-2014). Veja mais aqui.

PSIQUE PLURAL - [...] no nível pessoal, deparamo-nos com a tarefa pluralista de reconciliar nossas muitas vozes e imagens no interior de nós mesmos com o desejo e a necessidade de nos sentirmos integrados e de podermos falar uma única voz. Esse processo intrapsiquico é uma questão que envolve intensamente o sentimento. [...] extraído de A psique plural: personalidade moralidade e o pai (Imago, 1992), do psicoterapeuta, professor, ativista e escritor inglês Andrew Samuels.

PALAVRA & LINGUAGEM - [...] a palavra penetra literalmente em todas as relações entre indivíduos, nas relações de colaboração, nas de base ideológica, nos encontros fortuitos da vida cotidiana, nas relações de caráter político, etc. As palavras são tecidas a partir de uma multidão de fios ideológicos e servem de trama a todas as relações sociais em todos os domínios. É portanto claro que a palavra será sempre o indicador ma is sensível de todas as transformações sociais, mesmo daquelas que apenas despontam, que ainda não to mara m forma, que a inda não abrira m ca minho para sistemas ideológicos estruturados e bem formados.  A palavra constitui o meio no qual se produzem lentas acumulações quantitativas de mudanças que ainda não tiveram tempo de adquirir uma nova qualidade ideológica, que ainda não tiveram tempo de engrendrar uma forma ideológica nova e acabada. A palavra é capaz de registrar as fases transitórias mais íntimas, mais efêmeras das mudanças sociais. [...] Na realidade, não são palavras o que pronunciamos ou escutamos, mas verdades ou mentiras, coisas boas ou más, importantes ou triviais, agradáveis ou desagradáveis, etc. A palavra está sempre carregada de um conteúdo ou de um sentido ideológico ou vivencial. É assim que co mpreendemos as palavras e somente reagimos àquelas que despertam e m nós ressonâncias ideológicas ou concernentes à vida. [...]. Trecho extraído da obra Marxismo e Filosofia da Linguagem (Hucitec, 1999), do filósofo e pensador russo teórico da cultura e das artes Mikhail Bakhtin (1895-1975). Veja mais aqui.

A POESIA & VERSOS - [...] Para escrever um verso, é necessário ver muitas cidades, homens e coisas; é necessário conhecer os animais, sentir como voam os pássasros e conhecer os movimentos com os quais as flores se abrem pela manhã. É necessário pensar de novo nos caminhos das paragens desconhecidas, em encontros inesperados e em despedidas que pareciam estender-se por longo tempo... É necessário ter recordações... mas não é suficiente ter recordações. É preciso esquecer quando são muitas e é necessário ter muita paciência para esperar que voltem. Porque as próprias recordações não são ainda poesia. somente quando se tornam sangue, olhar e gesto, sem nome e já sem que se consiga diferenciá-las de nós mesmos, só então pode suceder que,em um momento muito especial, surja a primeira palavra de um verso no meio delas e a partir delas [...]. Trecho extraído da obra Teoria Poética (Júcar, 1987), do escritor alemão Rainer Maria Rilke (1875-1926). Veja mais aqui.

OS HOMENS AMAM A GUERRA - Não sei com que armas os homens lutarão na Terceira Guerra, / mas na Quarta, será a pau e pedra – Einstein / Os homens amam a guerra. Por isso / se armam festivos em coro e cores / para o dúbio esporte da morte. / Amam e não disfarçam. / Alardeiam esse amor nas praças, / criam manuais e escolas, / alçando bandeiras e recolhendo caixões, / entoando slogans e sepultando canções. / Os homens amam a guerra. Mas não a amam / só com a coragem do atleta / e a empáfia militar, mas com a piedosa / voz do sacerdote, que antes do combate / serve a hóstia da morte. / Foi assim na Criméia e Tróia, / na Eritréia e Angola, / na Mongólia e Argélia, / no Saara e agora. / Os homens amam a guerra / E mal suportam a paz. / Os homens amam a guerra, / portanto, / não há perigo de paz. / Os homens amam a guerra, profana / ou santa, tanto faz. / Os homens têm a guerra como amante, / embora esposem a paz. / E que arroubos, meu Deus! nesse encontro voraz! / que prazeres! que uivos! que ais! / que sublimes perversões urdidas / na mortalha dos lençóis, lambuzando / a cama ou campo de batalha. / Durante séculos pensei / que a guerra fosse o desvio / e a paz a rota. Enganei-me. São paralelas / margens de um mesmo rio, a mão e a luva, / o pé e a bota. Mais que gêmeas / são xifópagas, par e ímpar, sorte e azar / são o ouroboro- cobra circular / eternamente a nos devorar. / A guerra não é um entreato. / É parte do espetáculo. E não é tragédia apenas / é comédia, real ou popular, / é algo melhor que circo: / — é onde o alegre trapezista / vestido de kamikase / salta sem rede e suporte, / quebram-se todos os pratos / e o contorcionista se parte / no kamasutra da morte. / A guerra não é o avesso da paz. / É seu berço e seio complementar. / E o horror não é o inverso do belo / - é seu par. Os homens amam o belo / mas gostam do horror na arte. O horror / não é escuro, é a contraparte da luz. / Lúcifer é Lubel, brilha como Gabriel / e o terror seduz. / Nada mais sedutor / que Cristo morto na cruz. / Portanto, a guerra não é só missa / que oficia o padre, ciência / que alucina o sábio, esporte / que fascina o forte. A guerra é arte. / E com o ardor dos vanguardistas / frequentamos a bienal do horror / e inauguramos a Bauhaus da morte. / Por isso, em cima da carniça não há urubu, / chacais, abutres, hienas. / Há lindas garças de alumínio, serenas, / num eletrônico balé. / Talvez fosse a dança da morte, patética. / Não é . É apenas outra lição de estética. / Daí que os soldados modernos / são como médico e engenheiro / e nenhum ministro da guerra / usa roupa de açougueiro. / Guerra é guerra! / dizia o invasor violento / violentando a freira no convento / Guerra é guerra! / dizia a estátua do almirante / com a boca de cimento. / Guerra é guerra! / dizemos no radar / desgustando o inimigo / ao norte do paladar. / Não é preciso disfarçar / o amor à guerra, com história de amor à pátria / e defesa do lar. Amamos a guerra / e a paz, em bigamia exemplar. / Eu, poeta moderno ou o eterno Baudelaire / eu e você, hypocrite lecteur, / mon semblable, mon frère. / Queremos a batalha, aviões em chamas / navios afundando, o espetacular confronto. / De manhã abrimos vísceras de peixes / com a ponta das baionetas / e ao som da culinária trombeta / enfiamos adagas em nossos porcos / e requintamos de medalha / - os mortos sobre a mesa. / Se possível, a carne limpa, sem sangue. / Que o míssil silente lançado à distância / não respingue em nossa roupa. / Mas se for preciso um banho de sangue / - como dizia Terêncio:-sou humano / e nada do que é humano me é estranho. / A morte e a guerra / não mais me pegam ao acaso. / Inscrevo sua dupla efígie na pedra / como se o dado de minha sorte / já não rolasse ao azar, / como se passasse do branco / ao preto e ao branco retornasse / sem nunca me sombrear. / Que venha a guerra! Cruel. Total. / O atômico clarim e a gênese do fim. / Cauto, como convém aos sábios, / primeiro bradarei contra esse fato. / Mas, voraz como convém à espécie, / ao ver que invadem meus quintais, / das folhas da bananeira inventarei / a ideológica bandeira e explodirei / o corpo do inimigo antes que ataque. / E se ele não atirar primeiro, aproveito / seu descuido de homem fraco, invado sua casa / realizando minha fome milenar de canibal / rugindo sob a máscara de homem. / — Terrível é o teu discurso, poeta! / Escuto alguém falar. / Terrível o foi elaborar. / Agora me sinto livre. / A morte e a guerra / já não podem me alarmar. / Como Édipo perplexo / decifrei-a em minhas vísceras / antes que a dúbia esfinge / pudesse me devorar. / Nem cínico nem triste. Animal / humano, vou em marcha, danças, preces / para o grande carnaval. / Soldado, penitente, poeta / — a paz e a guerra, a vida e a morte / me aguardam / — num atômico funeral. / — Acabará a espécie humana sobre a Terra? / Não. Hão de sobrar um novo Adão e Eva / a refazer o amor, e dois irmão: / — Caim e Abel / — a reinventar a guerra. Poema do poeta Affonso Romano de Sant’Anna. Veja mais aqui e aqui.


A arte da pintora alemã Marita Zacharias




Veja mais sobre Nascente & Beto Guedes, Théophile Gautier, Werner Herzog, Séraphine Louis, Pequeno Cidadão, Educação Ambiental, A mulher que veio do ovo, Psicodrama nas instituições & Egid Quirin Asam aqui.
E mais:
Walter Benjamim, Sandie Shaw, Luís da Câmara Cascudo, Têmis, Marie Dorval, José Roberto Torero, Patrícia Melo, Iracema Macedo, Julia Bond & Ísis Nefelibata aqui.
Educação & Êxtase, Drima dos Contos de Magreb, Gal Costa, Dorothea Sharp, Psicodrama, Marcelo Masagão, Eduardo Proffa & Literatura Infantil aqui.
Gandhi, Don DeLillo, Jacques Rivette, Padre Antonio Soler & Marcela Roggeri, Shelagh Stephenson, Jeanne Balibar, Andrea Beltrão, Émile Chambon, Probidade Administrativa, Organizações Mecânicas versus Orgânicas & Gena Maria aqui.
Paixão, Agostino Carracci, Ricardo Paula & as previsões do Doro aqui.
Fecamepa, Helen Keller, Pierre Mérot, Xico Sá, Sarah Vaughan, Lírio Ferreira, Margherita Fascione, Giulia Gam, Boris Vallejo, Teoria da Decisão & Urinoterapia aqui.
O amor, Agostino Carracci & as previsões do Doro aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora parabenizando o Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

 

CAIO ABREU, BOCCACCIO, CASSIRER, SUSANNE LANGER, JOSHI DANIEL, PAULO GAZZANEO & DIVA LYRA

CARTA PRA ENDEREÇO PERDIDO - Imagem: art by Joshi Daniel . - Um poema esmagado no interior de uma garrafa vazia e a imensidão do mar: trê...