sexta-feira, abril 07, 2017

COPPOLA, JONATHA BROOKE, KELLY DI BERTOLLI, LUCIAH LOPEZ & SYDIA ARAÚJO LOPES

A GRUTA DO AMOR – Imagem/foto: Ilha do Mel, da poeta, artista visual e blogueira Luciah Lopez. - Desde a hora de romper o dia, atravessando a tarde noite adentro, madrugada afora, eu errava sozinho de mim pelos quatro cantos do mundo, a buscar do pouso aconchegante de um grande amor. Andejo de muitas léguas, cansado de tudo, batia pernas solado vivo chão do mundo, até exaurir arranchado nalgum lugar que fosse. Paradeiro de mesmo, não havia, onde desse e pudesse, caçava, pescava, vivia ao canto das belas aves em derredor, ao doce das frutas nos campos, raízes ao sabor da fome, o que tivesse na redondeza das paragens. No meio das andanças, um belo dia acordo nas proximidades de uma gruta que não havia percebido ali e sobre ela, uma linda e formosa moça a cantar em lágrimas a sua sina e vida. Vinte vezes vi o dia todo e ouvi aquela moça tão formosa aos prantos, voz terna sonora, a encantar meu coração e tudo de vivo ali existente, até findar a tarde e ela se recolher no interior da gruta escura e silenciosa para desaparecer sem deixar o menor vestígio. Passei o dia inteiro ouvindo o seu pranto e a admirar suas belas formas, até cair a noite e dela o silêncio imperar para às ouças chegar apenas os silvos e ruídos da mata espessa com seus seres desenvultados em farra até o raiar do dia. Uma nova manhã e ela amanhecia lá sempre bela a cativar meu coração e nem dera fé da minha existência dera para que eu pudesse alentar a viva emoção de amar. Tomei coragem e fui até o seu esconderijo, quando me viu, seus olhos ardentes e dardejantes incendiaram minhas faces com labaredas por todo meu corpo, até vê-la inteira, coração em flor, um sorriso lavado pelas lágrimas que recolhi de seu canto terno, a sua doce amargura que nos meus lábios eram venenos que não matam, temperos de esperança, vidas que crescem. Alisei as suas faces e cabelos, ela olhos enxutos abriu-me os braços e abracei demoradamente para sentir o perfume de sua carne fresca de mulher feita. Tomou-me as mãos, desceu os degraus a me levar até a entrada da gruta, a me dispor da sombra de frondosa árvore. Ali ela me mostrou todos os caminhos que vão e vêm das matas, até a fonte que sai da gruta para aguar a terra e nascem os rios lá longe. Quando tive sede, ela me trouxe da fonte dos seus olhos, quando tive fome, ela me serviu do que tinha de suas posses. Sentou-se à beira da fonte e lá, muitas vezes juntei as mãos e bebi, era o gosto dela, a vida dela. Anoitecera e ela se despedira com leve adeus. E eu, olhos vivos na solidão, à espera dela noutro dia, até que fatigado, entrei na gruta, ela não estava, adormeci num leito de verde relva, sono pesado. Acordei com o pingado de duas gotas da fonte do rochedo, caíram-me sobre as pálpebras, outras ao ouvido e mais outras no meu coração. Levantei-me quase manhã, cadê, nem sinal dela, saí como desesperado a procurar, ao encalço de suas pegadas que o vento tratou de apagar e eu me perder pelo mato para, de repente, ouvir-lhe o canto, ela estava lá, voltei correndo, lá sobre o rochedo, a linda e bela. Tomei impulso e corri pra lá, olhei firme para ela, agora escravo dela, abraço demorado. A gruta era ela e eu todo seu. Ela me levou pelas mãos enquanto o seu amor corria no meu sangue por todas as minhas veias até me deixar em febre de amor. Toquei seu corpo e ela me sorriu, beijei-lhe os lábios e ela a mim se entregou inteira e úmida até sermos unos na paixão da gruta do amor. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

 Curtindo os álbuns Jonatha Brooke Live (Bad Dog Records, 1999), Steady Pull (Bad Dog Records,2001), Live in New York (Bad Dog Records, 2006) e The Works (Bad Dog Records, 2008), da cantora, escritora e compositora de rock folk estadunidense
Jonatha Brooke.

Veja mais sobre:
Gabriela Mistral, Gregório de Matos Guerra & Ana Miranda, William Wordsworth, Ravi Shankar, Krzysztof Kieslowski, Almada-Negreiros & Irène Jacob aqui.

E mais:
Padre Bidião, extraterrestres & novo Messias, Gino Severini & Liu Yuanshou aqui.
Ginofagia da chegada dela pro amor aqui.
Revista Villa Caeté, Eduardo Proffa & entrevista aqui.
Lavando pano & aprumando a conversa aqui.
Egumbigos no país dos invisíveis, Tzvetan Todorov, Frédéric Chopin & Artur Moreira Lima, Epigramas de Marcial, Oduvaldo Vianna Filho, Sandro Botticelli, Jacques Rivette & Carmen Silvia Presotto aqui.
Fecamepa: no reino dos coprólitos, Marilena Chauí & Ideologia, Robert Lowell, Bendrich Smetana, Louis-Michel van Loo, Tizuka Yamasaki, Tânia Alves & Anayde Beiriz, Zilda Mayo, Eduardo Proffa & Hospedaria aqui.
Aurora, a canção, Silvia Lane & Psicologia Social, Ranata Pallottini, Os sonhos & a morte de Marie-Louise von Franz, Louis Malle, Jards Macalé, Franz Hanfstaengl,Miranda Richardson & Programa Tataritaritatá aqui.
O melhor do dia do homem é saber que todo dia é dia da mulher, Gilvan Samico, Francisco Milani & Cordel Tataritaritatá aqui.
O mundo todo cabe em um ato de paz, René Magritte, Ricardo Brennan, Claudio Nucci, Paul Vilinski & Literatura Infantil aqui.
Sonhos graúdos na diversão da mocidade, Mario Perniola, Akino Kondoh, Alfred Cheney Johnston, Sandra Cinto & A mulher do médico aqui.
O que esperar do amanhã, Montserrat Figueras, Araki Nobuyoshi, José Joaquim da Silva, Gerda Wegener, Rajkumar Sthabathy & Angel Popovitz aqui.
Na calçada da tarde, António Botto, Festival de Dioniso & William-Adolphe Bouguereau, Yara Bernette, Maria Lynch, Rosa Bonheu & Patricia de Cassia Porto aqui.
O mergulho das manhãs e noites nas águas profundas do amor, Luchino Visconti, Constança Capdeville, Aubrey Beardsley, Spencer Tunick, Luciah Lopez & Escola Estadual Joaquim Fernando Paes de Barros Neto aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A arte da atriz e escritora Kelli di Bertolli, por sua atuação na peça teatral Valsa nº 6, de Nélson Rodrigues, em 2001, monólogo com pensamentos retrospectivos e delirantes de uma jovem no instante que precede sua morte, assassinada enquanto executa a música de Chopin. Veja mais aqui.

DESTAQUE:
Entre os filmes que já destaquei aqui e assisti do premiado cineasta, roteirista e produtor estadunidense Francis Ford Coppola, outros quatro quero destacar: o primeiro deles, o musical romântico One from the Heart (1982), que conta a história de um mecânico e uma agente de viagem numa noite de julho, cada qual com seus parceiros idealizados, quando, depois de suas noites de paixão, chegam a se encontrar, discutem e seguem caminhos opostos. O destaque fica por conta da atuação da atriz, cantora, comediante e dançarina Terry Garr. O segundo, o drama The Outsiders (1983), baseado no romance homônimo de Susan E. Hinton, contando a história de órfãos que tentam sobreviver com subempregos, perseguição da polícia e preconceito da sociedade, tentando amadurecer e enfrentando os ricos. O terceiro, o drama policial Cotton Club (1984), contando várias estórias que se entrelaçam entre os freqüentadores e contratados de um clube. O destaque fica por conta da atuação da atriz estadunidense Diane Lane. Por fim, o quarto o drama Gardens of Stone (1987), contando a história de um veterano de guerra que quer treinar soldados para o Vietnam, mas é designado para outra missão, findando com as honras militares dos que foram para a guerra. O destaque fica por conta da atriz, diretora e modelo estadunidense Anjelica Huston. Veja mais aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Poema/foto/arte da poeta, artista visual e blogueira Luciah Lopez.
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

DEDICATÓRIA:
A edição de hoje é dedicada à amiga veterinária e zootecnista Sydia Araújo Lopes.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

A MULHER & BOM PASTOR, JEAN DE LÉRY, BARDAWIL, GALBRAITH, DESIGUALDADE, PICA-PAU & ARRELIQUE DE OZI

Livro, curso & consultas aqui . ARRELIQUE - Arrelique é coisa de menino, dona Judith, de menino levado da breca que sai bandolei...