sábado, dezembro 27, 2014

FREUD, BORGES, IÇAMI TIBA, GIANNETTI, SAÚDE & XICO SÁ



FREUD E O SISTEMA PENAL – Vamos aprumar a conversa! Nesse tempo de falência das instituições penais, como também de extrema violência, roubalheira e indelicadeza, quase não sabemos mais quem é o amigo e quem o algoz. Abordando sobre transgressão e punição no seu livro Totem e tabu, Freud traz a seguinte reflexão: “[...] Existe, entre os povos primitivos, o temor de que a violação de um tabu seja seguida de uma punição, em geral alguma doença grave ou a morte. A punição ameaça cair sobre quem quer que tenha sido responsável pela violação do tabu. [...] Somente quando a violação de um tabu não é automaticamente vingada na pessoa do transgressor é que surge entre os selvagens um sentimento coletivo de que todos eles estão ameaçados pelo ultraje; e em seguida, apressam-se em efetuar eles próprios a punição omitida. Não há dificuldade em explicar o mecanismo desta solidariedade. O que está em questão é o medo do exemplo infeccioso, da tentação a imitar, ou seja, do caráter contagioso do tabu. Se uma só pessoa consegue gratificar o desejo reprimido, o mesmo desejo está fadado a ser despertado em todos os outros membros da comunidade. A fim de sofrear a tentação o transgressor invejado tem de ser despojado dos frutos de seu empreendimento e o castigo, não raramente, proporcionará àqueles que o executam uma oportunidade de cometer o mesmo ultraje, sob a aparência de um ato de expiação. Na verdade, este é um dos fundamentos do sistema penal humano e baseia-se, sem dúvida corretamente, na pressuposição de que os impulsos proibidos encontram-se presentes tanto no criminoso como na comunidade que se vinga. Nisto, a psicanálise apenas confirma o costumeiro pronunciamento dos piedosos: todos nós não passamos de miseráveis pecadores”. (Sigmund Freud, Totem e tabu). Veja mais aqui.


A LENDA DE BORGES – Inserido no seu livro Elogio da sombra/perfis, o escritor argentino Jorge Luis Borges traz o conto Lenda, narrando um encontro inusitado: “Abel e Caim encontraram-se depois da morte de Abel. Caminhavam pelo deserto e reconheceram-se de longe, porque os dois eram muito altos. Os irmãos sentarem-se na terra, acenderam um fogo e comeram. Guardavam silêncio, à maneira da pessoa cansada quando declina o dia. No céu assomava alguma estrela, que ainda não havia recebido seu nome. À luz das chamas, Caim percebeu na fronte de Abel a marca da pedra e deixou cair o pão que levava à boca e pediu que lhe fosse perdoado seu crime. Abel respondeu: - Tu me mataste ou eu te matei? Já não me lembro; aqui estamos juntos como antes. – Agora sei que em verdade me perdoaste – disse Caim – porque esquecer é perdoar. Eu procurarei também esquecer. Abel falou devagar: - Assim é. Enquanto durar o remorso, dura a culpa”. (JorgeLuis Borges, Lenda, in: Elogio da sombra/perfis). Veja mais aqui.


O PAI, A MÃE E OS FILHOS – A importância da família no desenvolvimento da criança é inegável, exigindo uma preparação adequada dos pais para tal tarefa. O psiquiatra Içami Tiba faz uma análise de como se comportam pais e mães na atenção com a criança: “[...] Numa refeição em casa, se o filho não quer comer “que não coma”, pensa o pai. A mãe logo se dispõe a encher o estômago dele de qualquer jeito: “Quer que eu prepare aquele sanduíche que você adora?”. Quando o filho apanha de um colega, o pai se irrita e briga com ele, quando não chega a agredi-lo, para que aprenda a se defender na rua. A mãe também fica furiosa e quer dar uns tapas... mas em quem agrediu seu filho. Pais perdem os filhos em shoppings, praias, festas juninas. Mães não desgrudam os olhos de seus pimpolhos. Enfim, na família, o pai tem dois filhos, enquanto que a mãe tem três: o filho temporão é o marido!” (Içami Tiba, Quem ama, educa!). Veja mais aqui.


DA COMPULSÃO DO CONSUMO: ONIOMANIA & SHOPAHOLIC – Já nesse tempo de desenfreada compulsão de devorar as vitrines do consumo, à luz da Neuroeconomia, Eduardo Gianetti traz o seguinte esclarecimento: “No embate de forças subjacente às nossas escolhas, o sistema límbico e o córtex frontal são os principais vetores: os impulsos e desejos oriundos do primeiro gozam da prerrogativa de iniciar os lances da peleja, mas têm de abrir caminho e negociar a passagem pelo crivo modulador do segundo; só assim serão capazes de empolgar o sistema motor e acionar os músculos relevantes [...] Na prática, o córtex funciona como uma espécie de filtro ou gerente-contador, adepto do cálculo de custos e da prudência. É ele o vigia severo que, quando o primata límbico diz num repente – “Eu quero”!, responde – “Não!”; ou ao menos, dependendo do caso e da pessoa, é claro, balança a cabeça e propõe – “Calma lá, agora não!”. (Eduardo Giannetti, Ilusão da alma: biografia de uma ideia fixa). Veja mais aqui e aqui.

DUAS DICAS EM UMA: SAÚDE EM PRIMEIRO LUGAR


ALQUIMIA DA SAÚDE – A primeira dica é de James Elder que defende a alquimia dos quatro elementos nos cuidados com o corpo: “Fogo – Metabolismo e digestão: equilibrar o metabolismo para conseguir harmonia. Trabalhar bastante física e mentalmente para tornar o fogo elétrico do sistema nervoso mais sadio pelo uso. Ar – Respiração: deixar as janelas abertas sempre que possível. Inalar profundamente e exalar plenamente. Exercício intensivo é essencial para respiração e circulação eficientes. Terra – Dieta e exercício: procurar manter o peso correto. Fazer exercícios para fortalecer os órgãos, desenvolver os músculos e manter o tônus. Manter dieta equilibrada. Água – Líquidos: beber bastante líquido, principalmente água. Oito copos de água por dia é o ideal”. (James Elder, Alquimia da saúde).

SAÚDE UMBIGOCENTRISTA – Já o escritor e jornalista Xico Sá traz uma dieta mais acessível e eficiente da apolínea moda atualíssima para umbigocentristas glamourosas: “1. Francês por francês, sai Proust e entra toda a linha Lancôme. 2. Em vez de queimar pestanas e orgulhar-se de românticas olheiras, o milagre elíptico do Botox. 3. No lugar da cinemateca, sessões de bronzeamento artificial. 4. Os cortes epistemológicos serão substituídos pelo efeito de uma boa lipoaspiração. 5. Frequentar exposições de arte somente em pavilhões gigantes, como o da Bienal, que permitam queimar pneuzinhos ao longo da contemplação. 6. Em vez de amor platônicos, trepadas homéricas, como na receita do poeta da saudável marginalia. 7. Homem ou se pega pelo estômago, como na prenda culinária mais antiga, ou  pelos dotes da academia de ginástica. Desconfie sempre da sexualidade de um macho que se deixa prender pelo intelecto. Trata-se , para dizer o mínimo, de um tremendo pervertido. Ou você acha que Simone de Beauvoir vale mais do que uma cachorra do funk? 8. De humano demasiadamente humano, aceitarei apenas aquela pequena cota de celulite da qual uma gazela, mesmo de passarela, não consegue se livrar. 9. As almas se entendem, os corpos não. 10. Nada de ficar aí parada, absorta e nebulosa, olhando as interrogações de fumaça do velho e cancerígeno king-size existencial. Em vez da engorda no pasto inútil da metafísica, faça pelo menos meia hora de ginástica passiva”. (Xico Sá, Decálogo para queimar gorduras e neurônios). Vamos aprumar a conversa e tataritaritatá!


Veja mais sobre:
Literatura: Modernidade x Pós-Modernidade aqui.

E mais:
Crença, Gabrielle D´Annunzio, Jack Kerouac, Al Jarreau, José Antônio da Silva, Edgar Rice Burroughs, Benício, Kristen Stewart & A princesa que amava insetos aqui.
Celso Furtado & O capitalismo global, Lucia Santaella & Linguagens Líquidas, Pierre Lévy & O Virtual, Cibercultura & Narrativas midiáticas contemporâneas aqui.
Al-Chaer, José Terra Correia, Vanice Zimerman Ferreira, Marisa Queiroz, Psicologia da Saúde, Elisabeth Kubler-Rossa & a morte e o morrer, Direito Ambiental & Simone Lessa aqui.
Caudal do Una de Pelópidas Soares, Cartilha do cantador de Aleixo Leite Filho, Afonso Paulo Lins, Carmen Silvia Presotto, Natanael Lima Filho, Adriano Nunes & Eliane Auer aqui.
O trabalho: escravidão, subordinação e desemprego aqui.
Erich Fromm, Sigmund Freud, Roland Gori, Alan Watts & Eduardo Gianetti aqui.
Octavio Paz, Gestão Ambiental do Trabalho, Psicodrama & Role-Playing aqui.
Big Shit Bôbras: e num é que o Padre Cícero matou duas aqui.
A fenomenologia de Edmund Hurrserl, O bacanal do Boechat, Jacques Demolay & Programa Tataritaritatá aqui.
Brincar para aprender, Sistema Endócrino, Argemiro Correa, Nó na Garganta: Jan Claúdio & Eduardo Proffa aqui.
Dos destroços pra solidão criativa aqui.
É ela a soberania do mar na foz do meu rio aqui.
Cenário em ebulição aqui.
Os dois mundos de quem vive de um lado só aqui.
Reflexões de jornada à sombra da amendoeira aqui.
Desdita de Tripa, Maria Helena Vieira da Silva & Walter S. Parker aqui.
Trajeto Fatal, Bajado, Ascenso Ferreira & Jessiva Sabino de Oliveira aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando Deus Num Quer, Santo Num Voga aqui.
Fecamepa: Quando o nó se desata, bote banca porque o afolosado é a maior moleza, viu aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...