sábado, junho 05, 2010

JUNE JORDAN, EVELYN LAU, KORZYBSKI, KLOPSTOCK, KATE WINSLET, FRANZ VON BAYROS & LITERÓTICA: POR VOCÊ

 
A arte do pintor e ilustrador austríaco Franz von Bayros (1866-1924). Veja mais abaixo.


Imagem: Foto de Kate Winslet

POR VOCÊ

M´amour, m´amour o que é que eu amo e onde estás?” (Ezra Pound)

“...por você vou roubar os anéis de Saturno” (Rita Lee)

Por você tenho estado a levitar incólume pelas nuvens mágicas do amor, a cantar o Exagerado de Cazuza para orbitar contumaz toda flor de sua emanação. Por você tenho dedicado todo infrene teor do meu verso lascivo, toda meta da minha perseguição da felicidade, todo meu corpo, minha alma, idéias e pensamentos e já não consigo distinguir o que é meu de seu nessa correspondência para lá de imantada pelos nossos mais aderentes desejos. Por você sigo perseverante a desafiar de deus, do mundo e de tudo, a fazer da minha crença apenas a sua deificação. Por você vou rompendo barreiras porque recito de cor um a um dos cinco mil versos d´Os Cantos de Pound enquanto aliso a corcova de suas ancas miríficas onde perco todos os pontos cardeais afiançando a valia de todos os seus atributos. Por você subestimo convenções porque quero passear de mãos dadas e trocando beijos apaixonados no meio do espetáculo da aurora boreal até a austral e vê-la seguir com o meu monograma tatuado no seio como o distintivo do nosso amor. Por você vasculho o universo de sua compleição, faço surf no tsunami de suas carnes, viro goleador no Maracanã do seu ventre, percorro a nado todo Amazonas de suas águas profundas, faço happy hour na lua dos seus seios, enfrento a fera do seu desejo exaltado e recolho de sua mais absoluta e íntima graciosidade todos os acepipes exatos da minha esfomeada vontade de você. Por você todo limite usurpado no fogo insano do prazer a ponto de não haver extintor de incêndio capaz de apagar a feroz volúpia de possuí-la a mais das suas dimensões angulares. Por você toda exata e possessa como uma naja de capuz estufado, premida pela necessidade excitante de ver-me enveredar por seu olho pidão, por seus lábios bons de beijar, pelos seios de todos os sabores, pelas pernas carnudas, nádegas voluptuosas até o ventre ávido com nuto pro concúbito. Por você terei o muito de todo tudo, porque na paixão, o que for demais além da infinitude, para o querer, ainda é muito pouco. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.


DITOS & DESDITOSHá duas maneiras fáceis de se mover pela vida: acreditar em tudo ou duvidar de tudo. Ambos nos evitam de pensar. Uma das origens óbvias do desacordo entre os humanos é o uso de ruídos em lugar das palavras. Deus pode perdoar seus pecados, mas seu sistema nervoso não. Pensamento do filósofo, cientista e engenheiro polonês Alfred Korzybski (1879-1950).

ALGUÉM FALOU: O que não tem mais vontade nem mais gosto do que a vontade e o gosto alheios, pode ser tido como verdadeiro escravo. Fazer poesia é confessar-se. Pensamento do poeta e dramaturgo alemão Friedrich Gottlieb Klopstock (1724-1803).

A FUGITIVA – [...] Você se tornou aquilo que todos os assistentes sociais que sempre se preocuparam com você temiam. Seu temor mais profundo. Uma prostituta viciada. [...] A verdade dói, não dói? [...] Sou como aquelas bonecas russas. Têm o formato feminino, são feitas de madeira e têm motivos pintados nelas. Uma linha as corta ao meio. Você tira as duas metades e dentro encontra uma outra boneca, com exatamente os mesmos motivos, apenas menores. Você as desmonta, uma a uma, e sempre encontra uma por baixo – até que chegue ao miolo, a sólida mulher de madeira com seus motivos agora obscuros. Sempre me surpreendo e me desaponto quando não há mais bonecas multiplicando-se, sem fim, até a última, tão pequena que se tornaria microscópica. [...]. Trechos extraídos da obra A fugitiva: o diário de uma menina de rua (Scipione,1997), da escritora canadense Evelyn Lau. Veja mais aqui.

POEMA SOBRE OS MEUS DIREITOS - Mesmo hoje eu preciso dar uma volta e arejar / minha cabeça em relação a esse poema que é sobre porque eu não posso / sair sem trocar de roupa de sapato / a postura do meu corpo meu gênero minha identidade minha idade / meu status como mulher sozinha à noite/ sozinha na rua/ sozinha não é o problema/ o problema é que eu não posso fazer o que eu quero / fazer com meu próprio corpo porque eu tenho o gênero / errado a idade errada a pele errada e / suponha que isso não fosse aqui na cidade mas lá na praia / ou longe no interior e eu quisesse ir / pra esses lugares sozinha pensando em Deus/ ou pensando / sobre filhos ou pensando sobre o mundo/ tudo isso / revelado pelas estrelas e pelo silêncio: / eu não poderia ir e eu não poderia pensar e eu não poderia / ficar lá / sozinha / como eu precisava estar / sozinha porque eu não posso fazer o que eu quero com meu próprio / corpo e / quem neste caralho arrumou as coisas / desta forma? / e na França eles dizem que se o cara penetrar / mas não ejacular então ele não me / estuprou / mesmo se eu der uma facada nele e gritar / e implorar pro filho da puta e mesmo depois que eu esmagar / a cabeça dele com um martelo e mesmo se depois disso ele / e seus bróder me estuprarem mesmo depois disso / dizem que eu consenti e não houve / estupro porque finalmente você entende finalmente / ele me foderam porque eu estava errada eu estava / errada de novo por estar ali/ errada / por ser quem eu sou / o que é exatamente como na África do Sul / penetrando na Namíbia penetrando em / Angola e isso significa quero dizer... como você sabe se / Pretória ejacula como vai ser a evidência a / prova da monstruosa e ditatorial ejaculação na Terra Preta? / e se / depois da Namíbia e depois de Angola e depois do Zimbábue / e se depois de todos meus antepassados e antepassadas resistirem até mesmo / à autoimolação das vilas e se mesmo assim / depois disso perdermos o que os garotões vão dizer? eles vão / alegar que consenti?: / Você tá me entendendo?: nós somos as pessoas erradas / com a pele errada no continente errado e por que / caralhos as pessoas estão sendo razoáveis sobre isso? / e de acordo com o Times essa semana / lá em 1966 o Serviço Secreto Americano decidiu que eles tinham um problema / e o problema era um homem chamado Nkrumah então eles / mataram ele e antes dele teve Patrice Lumumba / e antes dele teve meu pai no campus / da universidade de elite que eu fazia e meu pai com medo / de entrar no refeitório porque ele disse que ele / estava errado a idade errada a pele errada a identidade / de gênero errada e ele estava pagando minhas mensalidades e / antes disso / era meu pai quem dizia que eu estava errada que / eu devia ter nascido menino porque ele queria um/ um / menino e que eu devia ter a pele mais clara / e que eu devia ter um cabelo mais liso e que / eu não devia ser tão paqueradora e em vez disso eu devia / ser apenas/ um menino e antes disso / era minha mãe sugerindo cirurgia plástica pro / meu nariz e aparelho pros meus dentes e me dizendo / pra deixar esses livros pra lá para deixá-los pra lá em outras / palavras / Eu estou muito ciente dos problemas do Serviço Secreto Americano / e dos problemas da África do Sul e dos problemas / das empresas petroleiras e os problemas da América / branca em geral e os problemas dos professores / e dos religiosos e da polícia e dos assistentes / sociais e em particular de Mamãe e de Papai/ eu estou muito / ciente dos problemas porque esses problemas / tornam-se / eu / Eu sou a história do estupro / Eu sou a história da rejeição de quem eu sou / Eu sou a história do aterrorizante encarceramento da / minha pessoa / Eu sou a história de ameaças espancamentos e infinitos / exércitos que são contra qualquer coisa que eu queira fazer com minha mente / e meu corpo e minha alma e / quer isso seja sobre andar de noite / ou sobre o amor que eu sinto ou / sobre a santidade da minha vagina ou / a santidade das minhas fronteiras nacionais / ou a santidade dos meus líderes ou a santidade / de cada um dos meus desejos / que eu conheço por causa do meu particular idiossincrático / inquestionavelmente solteiro e extraordinário coração / Eu fui estuprada / por- / que eu tenho tido o gênero errado a idade errada / a pele errada o nariz errado o cabelo errado a / necessidade errada o sonho errado a geografia errada / a roupa errada eu / Eu tenho sido o que estupro significa / Eu tenho sido o problema que todo mundo tenta / eliminar por penetração / forçada com ou sem evidência de secreção mas/ que esse poema seja inconfundível / ele não é consentimento – eu não dou consentimento / a minha mãe a meu pai aos meus professores / à polícia à África do Sul à periferia / ao bairro rico à empresa aérea aos vagabundos / com pau-duro nas esquinas aos tarados espiando de dentro dos / carros / Eu não estou errada: Errada não é meu nome / Meu nome é meu meu meu / e eu não posso te dizer quem fez as coisas assim nessa porra / mas eu posso te dizer que de agora em diante minha resistência / minha simples, diurna e noturna autodeterminação / pode muito bem custar a sua vida. Poema da premiada poeta, professora e ativista afro-caribenha June Jordan.





Veja mais sobre:
Segunda feira & as notícias do dia , Carl Sagan, Diná Silveira de Queirós, Giacomo Carissimi, Domenico Mazzocchi, Luigi Rossi, Torquato Neto, Martin Esslin, Joseph Newman, Leatrice Joy, Dita Von Teese & George Spencer Watson aqui.

E mais:
Perfume de mulher aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
A mulher da sombrinha, Paul Celan, Cláudio Santoro, Carmine Gallone, Suzy Smith, Elizabeth Savalla, Maria Félix, Pierre-Paul Prud'hon, Carmen Silvia Presotto & Vidráguas, Como sair da marginalidade & A lenda de Alamoa aqui.
Direitos Humanos aqui e aqui.
Direito à Educação aqui, aqui e aqui.
A música de Drica Novo aqui.
A salada geral no Big Shit Bôbras aqui.
Desabafos de um perna-de-pau aqui.
Literatura de Cordel: O casamento da porca com Zé da lasca, de Manoel Caboclo e Silva aqui.
Zé-corninho & Oropa, França e Bahia aqui.
A música de Rogéria Holtz aqui.
O Direito das Coisas aqui.
Gustave Courbet, Consuelo de Castro, Robert Altman, Marcela Roggeri, Sérgio Augusto de Andrade, Vieira Vivo, Rose Abdallah, Liv Tyler, Direito Constitucional & efetividade de suas normas aqui.
Literatura de Cordel: A peleja de Bernardo Nogueira com Preto Limão, de João Martins de Athayde aqui.
O olhar de Ísis Nefelibata, Baruch Espinoza, Arundhati Roy, Julieta Venegas, Vera Pedrosa, Christian Carion, Antonio Canova, Henri de Toulouse-Lautrec, Diane Krüger, Cicero Melo & A tragédia grega aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.



CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: arte do pintor e ilustrador austríaco Franz von Bayros (1866-1924).
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.
 

ANNE-MARIE DE BACKER, EUGENIO MONTEJO, JASON STANLEY & ROALD DAHL

    TRÍPTICO DQP: A certidão da sobrevivência... Ao som do concerto Delicate Sound of Thunder - Live in New York (1988), da banda britâni...