segunda-feira, junho 05, 2017

A POESIA DE LORCA, A PINTURA DE VICENTE MONTEIRO, O GRAFITE DE MARIO BAND’S & MEIO AMBIENTE!

A TERRA QUE SOU - Piso esse chão da minha carne vermelha primitiva, porque dela sou e ela é em mim como as águas, o fogo e os ventos, a seguir ambulante e visionário pela música da vida e por ela levado de mãos dadas aos amigos invisíveis e desconhecidos, sobre a terra que sou da minha pele fria e pálida que é o solo da minha epiderme escura condenada, para que eu seja muitos senão todos no abrigo da minha mãe que sou na comunhão dos afetos. Vou por esse chão que é meu céu ensolarado de nuvem rara e zis estrelas, como quem não tem história e esqueceu o passado ao acordar de manhã livre pássaro pelas estações, pra saber só do agora na alma ancestral reinventada no sorriso incoerente e insensato pela perplexidade dos meus olhos que tudo vêem no caos da areia movediça dos interesses que levam vivos e mortos à exaustão. Sigo nesse chão que me alimenta e sou nele a raiz que desabrocha e cresce planta pra doação dos frutos, porque sou eu e o outro mais tantos que são em mim o que sou, o meu duplo multíplice no meio do turbilhão. É nesse chão que vou e me perco a tomar e retomar a direção entre tantas na trilha de sons e tons que me levam pro silêncio das respostas ocultas e que são nossas porque pertencem a nós e só nos dizem respeito pelas perguntas que não calam e nos espreitam como enigmas difusos e insólitos na unidade de tudo. Sou o que vai nesse chão como quem leva no coração tudo que ele é e abriga. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

TERRA E LUA, DE FEDERICO GARCÍA LORCA
Fico com o transparente homenzinho
Que come os ovos da andorinha,
Fico com o menino desnudo
Que pisoteiam os bêbados de Brooklyn,
Com as criaturas mudas que passam sob os arcos.
Com arroio de velas ansioso por abrir suas mãozinhas.
Terra tão-somente. Terra.
Terra para as toalhas estremecidas,
Para a pupila viciosa da nuvem,
Para as feridas recentes e o úmido pensamento.
Terra para tudo o que foge da terra.
Não é a cinza suspensa das coisas queimadas,
Nem os mortos que movem suas línguas sob as árvores.
É a terra desnuda que bale pelo céu
E deixa atrás os grupos ligeiros de baleias.
É a terra alegríssima, imperturbável nadadora,
A que eu encontro no menino e nas criaturas que passam os arcos.
Viva a terra de meu pulso e do baile dos fetos,
Que deixa às vezes no ar um duro perfil de Faraó!
Fico com a mulher fria
Onde se queimam os musgos inocentes,
Fico com os bêbados de Brooklyn
Que pisam o menino nu;
Fico com os signos desgarrados
Da lenta comida dos ursos.
Mas então baixa a lua despenhada pelas escadas,
Enfeitando as cidades de oleada celeste e talco sensitivo
Enchendo os pés de mármore a planície sem ângulos,
E esquecendo, sob as cadeiras, diminutas gargalhadas de algodão.
Oh! Diana, Diana, Diana vazia!
Conexa ressonância em que a abelha enlouquece.
Meu amor de passagem, trânsito, longa morte degustada,
Nunca a pele ilesa de tua nudez fugidia.
É terra, meu Deus!, terra, o que venho buscando.
Embuço o horizonte, latejo e sepultura.
É dor que se acaba e amor que se consome,
Torre de sangue aberto com as mãos queimadas.
Porém a lua subia e baixava as escadas,
Repartindo lentinhas dessangradas nos olhos,
Dando vassouradas de prata nos meninos dos cais
E apagando minha aparência no término do ar.
Terra e Lua, poema extraído da Obra Poética Completa (Martins Fontes/EdUnB, 1989), de Federico Garcia Lorca. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Domingo do que fui e não sou, O erotismo de Georges Bataille, a poesia de Federico Garcia Lorca, Os segredos da ficção de Raimundo Carrero, a música de Laurie Anderson, a pintura de Marta Nael & Cecily Brown, a xilogravura de MS, a arte de Benedict Olorunnisomo & Paula Valéria de Andrade aqui.

E mais:
Vamos aprumar a conversa: a questão ambiental, O retorno da deusa de Edward C. Whitmont, Baú de ossos de Pedro Nava, Pequeno poema infinito de l Federico García Lorca, Zuzu Angel & Sérgio Rezende, a pintura de Tereza Costa Rego, a música de Martha Argerich & Kenny G aqui.
Dia Branco, A jaca na cabeça de Isaac Newton, a literatura de Ítalo Calvino & Mark Twain, Meio Ambiente, a música de Geraldo Azevedo, A promessa do behaviorismo de John B. Watson & Programa Tataritaritatá aqui.
Todo dia é dia do meio ambiente aqui.
LAM no Bom Dia, Alagoas da TV Gazeta de Alagoas, Conteúdo, didática & educação aqui.
Por você, a fotografia de Kate Winslet & a gravura de Franz von Bayros aqui.
Inclusão social pelo trabalho & Washignton Novaes, o pensamento de Pitágoras, A imprensa de Ralph M. Lewis, O romance reportagem de José Louzeiro, Doces palavras de Ednalva Tavares, A entrevista de Samir Yazbek, o cinema de Jacques Rivette, a pintura de Xue Yanqun, a arte de Lisa Lyon, Conselho do Doro, Cantadores populares & Responde a roda outra vez aqui.
Miolo de pote na volta da teibei aqui.
O que tiver de ser, será, A sociedade dos indivíduos de Norbert Elias, A morte como efeito colateral de Ana Maria Shua, a coreografia de Nadja Sadakova, a escultura de Zhang Yaxi, o teatro do grupo Tá na Rua, o cinema de Cristoph Stark & Cristoph Stark, a pintura de Mino Lo Savio & Pavlos Samios, a arte de Gustav Klimt & Lola Astanova, Brincar para aprender, a entrevista de Clara Redig & A sedução da serpente aqui.
Literatura & pós-modernidade, Só desamparo no descompromisso social, Cidadania de Evelina Dagnino, Quadrinho de história de Gláucia Vieira Machado, a música de Viviane Hagner, a coreografia de Yi-chun Wu, a escultura de Michael Talbot, Outro cântico de Micheliny Verunschk, o teatro de Buraco d’Oráculo, o cinema de Niki Caro & Keisha Castle-Hughes, a pintura de Oresteia Papachristou & Hajime Sorayama, A menina do sorriso ensolarado, a arte de Márcio Baraldi & Luciah Lopez aqui.
Escapando & vingando sonhos, A imprensa & O colapso do neoliberalismo de Nilson Araújo de Souza, a música de Bob Dylan, Fenomenologia do olhar de Alfredo Bosi, A memória coletiva de Maurice Halbwachs, Dinheiro roubado de Ricardo Piglia, a coreografia de Sandro Borelli, Lume Teatro, o cinema de Álex de La Iglesia & Rosie Perez, a escultura de Johann Heinrich von Dannecker, a pintura de Pablo Picasso & Roberto Chichorro, a fotografia de Roberta Dabdab, a arte de Marcos Carrasquer & Eugene Reunier, a entrevista de Leila Miccolis, Cidadania na escola & O poeta chora aqui.
Só a poesia torna a vida suportável, Adeus ao trabalho de Ricardo Antunes, Trabalho & capital monopolista de Harry Braverman, a música de Nadja Salerno-Sonnenberg, a fotografia de Dane Shitagi, Escambo de Teatro Livre de Rua, Cinema de Rua, a escultura de Kvitka Anatoly, a entrevista de Cláudia Telles, a pintura de Eugene Huc, a arte do Eduardo Paolozzi & Coletivo Transverso, Quando Tomé mostrou ao que veio & Arte na rua dos municípios aqui.
Poema em voz alta, Cidadania & Meio Ambiente, Ciranda dos libertinos de Marquês de Sade, O corpo obsceno de Maryam Namazie, A mulher suméria, O erotismo de Georges Bataille, a pintura de Paul Cézanne & Olivia de Berardinis, a escultura de Leroy Transfield, Decameron de Pier Paolo Pasolini, a coreografia de Ângelo Madureira & Ana Catarina Vieira, a música de Karina Buhr, Núpcias do NUA, a entrevista de Frederico Barbosa & a arte de Mozart Fernandes aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

VIDA VERDE VIVA
Imagem: Graffiti Arte A Natureza Verde Vida, Viva!, pintura decorativa na Casa das Crianças, do artista interventor Mario Band's.
Convém lembrar da vida aos olhos de todas as manhãs.
Convém lembrar da terra dos pés de todas as cores, coisas, raças e crenças.
Convém lembrar de todos os ventos,
do rio de todos os peixes, todas as canoas, brejos, lagos e lagoas.
De todos os mares, oceanos e marés.
De todas as várzeas, todos os campos,
todos os quintais de todas as frutas e infâncias,
de todas as selvas dos bichos de todas as feras e mansas,
de todas as matas, de todas as flores e folhas,
de todas as aves, repteis e batráquios.
De tudo que brilha pra gente um outro sentido de vida.
Convém lembrar, acima de tudo, o direito de viver e deixar viver.

© Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. In: Primeira Reunião. Recife: Bagaço, 1992. Veja mais Meio Ambiente aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

PROGRAMA TATARITARITATÁ
Paz na Terra: destaque pra obra do pintor, desenhista, escultor, professor e poeta Vicente do Rego Monteiro.

 

VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...