sábado, abril 01, 2017

GOGOL, ROBERTO FERRI, TORI AMOS, GEORGES LÉVIS, GRACY GAUSMANN, DORO & A MALDIÇÃO DE PINÓQUIO

O DORO E A MALDIÇÃO DO PINÓQUIO – Quando o Doro decidiu entrar pra militância política, apanhou que só para aprender a como fazer tudo direitinho e no fim dar tudo certo. O primeiro inconveniente da sua candidatura a vereador foi não ter a menor credibilidade: quanto mais prometesse o melhor ou falasse a verdade, ninguém dava ouvido; findava era falando pras paredes mesmo. Que coisa! Ele só conseguiu juntar um tiquinho de gente que fosse ao seu redor, no dia que acordou com a língua coçando e as ideias tudo revirando de bundacanasca no seu juízo, do cara mentir aos peidos até o cu apitar: eita, eu minto e o cu me denuncia, é? Maior mal-estar, cada peta, uma apitada; duas endrôminas, dois silvos; três ludríbios, três sibilos; teve uma hora que arreou uma penca de pinoias pra cima dos alesados, do procto virar sirene de plantão de quase não parar mais: Deus me acuda, meu santo Jesuisis Cristinho! Será o Benedito um negócio desse? E lá ia ele com a cloaca ouououououououououou, até desaparecer trocentas e tantas esquinas depois. E agora, meu? Botou a cachola pra funcionar. Como é que pode? Foi fazer o teste da goma para ver se alguma das pregas havia despregado, hummm. Conferência amiudada, re-conferência e nada; aí danou o indicador ânus adentro para ver se descobria alguma maleita ou jura de serviço; depois enfiou o maior-de-todos, quase rasgando tudo, dando conta, afinal, de um pitoco pequeno que aparecera no de repente lá no mais fundo dos seus fundilhos. A-há! O que é isso, rapaz? Destá. Vou dar um jeito nesse frebento que quer me desmoralizar. Às escondidas providenciou uma rolha medida e geometrizada, certinha no cabimento e enfiou lá no oiti-goroba dele, ah, chega aliviou-se com um meio sorriso, coube certinho – acreditava ele piamente resolvido o problema depois da certidão de não passar nenhum ventinho pelas brechas do furico -, e foi pro corpo a corpo com o eleitorado. Pôs a domingueira no maior vinco e foi largar ideia nas ouças dos bestões. Lá pras tantas, patranhas nas alturas, ele ancho e atrepado num tamborete na maior das empolgações, quando, sem mais nem menos, um pipoco estrondou dele sentir o tampo das costas ir pro beleleu. Minha Nossa Senhora do caralho a quatro, que porra foi que houve? Não queira saber: a rolha não só ploft zuuummmm voou na pressão, como saiu levando pregas, couro da bunda, pele das costas, com roupa e tudo no meio do maior merdeiro e fedentina. A sorte dele é que todo mundo correu, senão seria o flagrante da mais vexatória das situações. E o pior: certificou-se que estava com a maldição de Pinóquio – é que no boneco crescia o nariz, no caso dele era o cotoco do rabo. Imagine só o vexame desse rapaz! Será Deus o impossível? Hospitalizado, cada cirurgia que demovesse a protuberância aparecida, bastava ele escorregar na verdade, reaparecia. Não podia mais se sentar, parecia que estava com um rabo duro a coibir seu descanso. Da cama nem podia sair, a candidatura estava indo pro brejo, pedia pelo amor de Deus os médicos darem um jeito daquilo nunca mais aparecer, quando um outro que buscava a re-eleição apareceu para conquistar seu voto. Deixou-se levar no lero, horas de amolação e o cara lá só patati patatá, ele já perdendo a paciência, mirou de soslaio e sapecou: ô, mermão, você mentindo desse jeito, num lhe aparece nenhuma saliência pelo corpo, não? Eu não minto, sou político profissional buscando pela nona vez consecutiva ser re-eleito! Danou-se! Será que só eu sou o desgraçado? E a embromação persistia, o cara incansável, Doro apelou, pediu pra ele abrir o jogo, como é que é, hem? O sujeito lábias frouxas embolava tudo, não passava o serviço, até que com ajeitados, molha mão e outras subserviências, segredou: você tem que ir no Covil da Temerança tomar umas lições. Adonde é que fica isso? Deu-lhe um mapa e quando se viu completamente recuperado, foi de cadeira de rodas pro estabelecimento. Chegando lá, quase nem dava pra entrar de tanta gente, rádio, jornal, televisão, polícia de todo tipo, autoridades, funcionários, militantes, eleitores e cheleleus, até o presidente Nosferatu estava comandando a temerança toda: não ganhei, mas venci! Pra que existe golpe? E dava suas lições de trocentos anos de experiência nos maiores cambalachos do planeta. Ah, agora sim! Agora o Doro estava no trilho da casa da peste, quase pronto para engalobar quem aparecesse. Foi quando procurou por um dos promotores, perguntando o que haveria depois: ah, um regabofe com leituras e exercícios. Cuma? Achegue-se. E ele foi levado para um anexo, no qual ele não sabia como cabia tanta gente ali. Ah, todos estavam reunidos em torno do culto a Loki, tudo para armar todas as trapaças assumindo a forma que quisesse, aprendendo estratagemas traiçoeiros, truques, artimanhas, astúcias de mil estratégias para promover intrigas e fabricar mentiras, leituras dos versos do Edda, d’O príncipe de Maquiavel, Arte de Furtar do padre Manuel da Costa, História universal da infâmia de Borges, República de ladrões de Scott Lynch, afora lições de ilusionismo, hipnose, prestidigitação e todo tipo de charlatanismo - menino, o negócio é sério mesmo! Quando findou o banquete o Doro quase não conseguia pregar o sono de tão ávido para o dia amanhecer e aplicar nos beócios todo aprendizado recebido. Assim foi. E o primeiro que encontrou, deitou a maior loa e conferia os fundilhos. Aumentava na carga da cabeluda, passava a mão no papeiro e tudo tranquilo. A-há! Agora sim, agora vou ser o maior dos políticos do mundo! E foi. Melhor, está aprontando pra ser. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

Curtindo álbuns da discografia e talento da cantora, compositora e pianista estadunidense Tori Amos. Veja mais aqui.

Veja mais sobre:
Educação Infantil, Nauro Machado, Sergei Rachmaninoff, Abraham Maslow, Luz del Fuego, Edgar Leeteg, Lucélia Santos, A pesca das mulheres & J. Lanzelotti aqui.

E mais:
As trelas do Doro aqui.
Entre as pinoias duns dias de antanho & John La Farge aqui.
As trelas do Doro: o desmantelo da paixonite arrebentadora aqui.
A menina morta, o pai assassino, Dalton Trevisan, Caetano Veloso, Ute Lemper, Jemima Kirke, Jeff Koons, Dani Acioli & Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é aqui.
A avareza perde valia quando a vida vai pro saco, Saúde no Brasil, Vik Muniz, Júnior Almeida & Nada satisfaz e a querer sempre mais e mais aqui.
Entre o científico-racional e o estético-emocional, Gert Eilenberger, Wesley Duke Lee, Chico Mário, Delphin Enjolras & Otto Stupakoff aqui.
Quem vai pra chuva é pra se molhar, Pierre Weil, Jasper Johns, José Miguel Wisnik, George Segal & Na lei da competição só se colabora pra vencer, o resto é conversa pra boi dormir aqui.
Sobrevivente de dezembro a dezembro, Björk, Michael Haneke, Odawa Sagami, Elfriede Jelinek, Isabelle Huppert, Márcia Porto & Quem sabe tudo dará certo até certo ponto ou não aqui.
O xote no auto de natal, Rubem Braga, Ernesto Nazareth & Maria Teresa Madeira, Wilhelm Marstrand & Aprendendo a viver com a lição do natal aqui.
História sem fim, William Holman Hunt & Max Ernst aqui.
William Shakespeare, Hans Christian Andersen, Émile Zola, Giovani Casanova, Emmylou Harris, Harriet Hosmer, Rainha Zenóbia, Max Ernst & Contos de Magreb aqui.
A poesia de Maria Esther Maciel aqui.
Uma arenga de escritores: qualquer criança pode fazer, Bernard Shaw, Anton Walter Smetak, Costa-Gavras, Burrhus Frederic Skinner, Ivan Pavlov, Olga Benário, Kazimir Malevich, Irene Pappás, Herbert George Wells, Camila Morgado & Pegada de Carbono aqui.
Gilles Deleuze & Félix Guattari, Catarina Eufémia, Peter Gabriel, Sam Mendes & Mena Suvari, Vicente Caruso, História do Rádio, Sandra Fayad, Janne Eyre Melo Sarmento, Psicopatologia & memória aqui.
A Utopia Humana, Alfred Adler, Carybé, Rogério Duprat, Charles Dickens, Hector Babenco, Sônia Braga & Tchello D´Barros aqui.
Martin Buber, Saló & Pier Paolo Pasolini, Vangelis, Abelardo & Heloisa, Julio Verne & Rick Wakeman, Gustave Courbert & Arriete Vilela aqui.
Quando te vi, Christopher Marlowe, Mary Leakey, Duofel, François Truffaut, Dona Zica, Darren Aronofsky & Natalie Portman, Ewa Kienko Gawlik & Haim G. Ginott aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A arte do desenhista e quadrinista francês Georges Lévis (1924-1988).

DESTAQUE: ALMAS MORTAS, DE NOKOLAI GÓGOL
[...] Mas deixemos agora de lado o problema de quem é o mais culpado. O problema que se nos defronta agora é que chegou a hora de salvarmos a nossa pátria. Que a nossa pátria está parecendo, não pela invasão de vinte tribos estrangeiras, mas por nossas próprias mãos. Que já se formou ao lado do governo legítimo, um outro governo, muito mais forte que o governo legal. Estabeleceram-se condições próprias, tudo tem preço marcado, e os preços já foram até levados ao conhecimento público. E estadista algum, embora seja o mais sábio de todos os legisladores e governantes, tem forças suficientes para remediar o mal, por mais que tente limitar a ação nefasta dos maus funcionários, nomeando para vigiá-los outros funcionários. Tudo será inútil enquanto cada um de nós não sentir que, assim como na época da revolta dos povos ele se armou contra os inimigos, assim ele dever armar-se e levantar-se contra a corrupção e a falsidade. É como homem, como irmão, ligado aos senhores pelos laços indissolúveis do sangue, que eu me dirijo agora a todos. Dirijo-me àqueles dentre os presentes que têm algum resquício de compreensão do que seja nobreza de ideias. Convido-os todos a se lembrarem do dever, que é o destino do homem, onde quer que ele se encontre. Convido-os a examinarem mais de perto o seu dever e a obrigação do seu cargo na terra, porque isto já se nos afigura de maneira distante e obscura, e mal e mal...
Trecho final da obra Almas Mortas (Abril Cultural, 1979), do escritor ucraniano Nikolai Gogol (1809-1852). Veja mais aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte do artista plástico italiano Roberto Ferri.
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

DEDICATÓRIA:
A edição de hoje é dedicada à cantora e compositora Gracy Gausmann.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

DRUMMOND, RIMBAUD, LEMINSKI, MARITAIN, GILVAN LEMOS, JACOB DHEIN, GENÉSIO CAVALCANTI, CARIJÓ & SÃO BENTO DO UNA

CARIJÓ, SÃO BENTO DO UNA – Imagem: Céu de São Bento do Una , de Renatinha @Renatalcaet – Carijó, meu amigo, minhas mãos limpas e esta mis...