quarta-feira, julho 31, 2013

PSICOPATOLOGIA & SEMIOLOGIA: SENSAÇÃO, PERCEPÇÃO E CONSCIÊNCIA


PSICOPATOLOGIA - O termo psicopatologia é de origem grega, reunindo os termos psikhé, alma, e patologia, objetivando o estudo da vida psíquica anormal independente dos problemas clínicos, com a função de esclarecimento, ordenação e cultura, visando conhecer os fenômenos psíquicos patológicos e oferecer à psiquiatria as bases para a compreensão de sua origem, mecanismo intimo e futuro desenvolve. A psicopatologia é o ramo da ciência que trata da natureza essencial da doença mental – suas causas, as mudanças estruturais e funcionais associadas a ela e suas formas de manifestação. Pode ser definida como o conjunto de conhecimentos referentes ao adoecimento mental do ser humano. O campo da psicopatologia inclui um grande número de fenômenos humanos especiais, associados ao que se denominou historicamente de doença mental. São vivências, estados mentais e padrões comportamentais que apresentam, por um lado, uma especificidade psicológica (as vivências dos doentes mentais possuem dimensão própria, genuína, não sendo apenas “exageros” do normal) e, por outro, conexões complexas com a psicologia do normal (o mundo da doença mental não é um mundo totalmente estranho ao mundo das experiências psicológicas “normais”). A psicopatologia não se confunde com a neurologia das chamadas funções corticais superiores (não se resume, portanto, a uma ciência natural dos fenômenos relacionados às zonas associativas do cérebro lesado), nem à hipotética psicologia das funções mentais desviadas. A psicopatologia é, pois, uma ciência autônoma, e não um prolongamento da neurologia ou da psicologia. Dessa forma, é uma ciência básica, que serve de auxílio à psiquiatria, a qual é, por sua vez, um conhecimento aplicado a uma prática profissional e social concreta. O domínio da psicopatologia estende-se a todo fenômeno psíquico que possa apreender-se em conceitos de significação constantes e com possibilidade de comunicação. Assim, a psicopatologia, como ciência, exige um pensamento rigorosamente conceptual, que seja sistemático e que possa ser comunicado de modo inequívoco. Na prática profissional, entretanto, participam ainda opiniões instintivas, uma intuição pessoal que nunca se pode comunicar. Dessa forma, a ciência psicopatológica é tida como uma das abordagens possíveis do homem mentalmente doente, mas não a única.
PSICOPATOLOGIA DESCRITIVA VERSUS PSICOPATOLOGIA DINÂMICA - Para a psiquiatria descritiva, interessa fundamentalmente a forma das alterações psíquicas, a estrutura dos sintomas, aquilo que caracteriza a vivência patológica como sintoma mais ou menos típico. Já para a psiquiatria dinâmica, interessa o conteúdo da vivência, os movimentos internos de afetos, desejos e temores do indivíduo, sua experiência particular, pessoal, não necessariamente classificável em sintomas previamente descritos. A boa prática em saúde mental implica a combinação hábil e equilibrada de uma abordagem descritiva, diagnóstica e objetiva e uma abordagem dinâmica, pessoal e subjetiva do doente e de sua doença.
PSICOPATOLOGIA MÉDICA VERSUS PSICOPATOLOGIA EXISTENCIAL - A perspectiva médico-naturalista trabalha com uma noção de homem centrada no corpo, no ser biológico como espécie natural e universal. Assim, o adoecimento mental é visto como um mau funcionamento do cérebro, uma desregulação, uma disfunção de alguma parte do “aparelho biológico”. Já na perspectiva existencial, o doente é visto principalmente como “existência singular”, como ser lançado a um mundo que é apenas natural e biológico na sua dimensão elementar, mas que é fundamentalmente histórico e humano.
PSICOPATOLOGIA COMPORTAMENTAL-COGNITIVISTA VERSUS PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA - Na visão comportamental, o homem é visto como um conjunto de comportamentos observáveis, verificáveis, que são regulados por estímulos específicos e gerais, e por certas leis e determinantes do aprendizado. Associada a essa visão, a perspectiva cognitivista centra atenção sobre as representações cognitivas conscientes de cada indivíduo. Na visão psicanalítica, os sintomas e síndromes mentais são considerados formas de expressão de conflitos, predominantemente inconscientes, de desejos que não podem ser realizados, de temores aos quais o indivíduo não tem acesso. O sintoma é encarado, nesse caso, como uma “forma ção de compromisso”, um certo arranjo entre o desejo inconsciente, as normas e as permissões culturais e as possibilidades reais de satisfação desse desejo.
PSICOPATOLOGIA CATEGORIAL VERSUS PSICOPATOLOGIA DIMENSIONAL - As entidades nosológicas ou transtornos mentais específicos podem ser compreendidos como entidades completamente individualizadas, com contornos e fronteiras bem-demarcados. Assim, entre a esquizofrenia e os transtornos afetivos bipolares e os delirantes, haveria, por exemplo, uma fronteira nítida, configurando-os como entidades ou categorias diagnósticas diferentes e discerníveis na sua natureza básica. Em contraposição a essa visão “categorial”, alguns autores propõem uma perspectiva “dimensional” em psicopatologia, que seria hipoteticamente mais adequada à realidade clínica. Haveria, então, dimensões como, por exemplo, o espectro esquizofrênico, que incluiria desde formas muito graves, tipo “demência precoce” (com grave deterioração da personalidade, embotamento afetivo, muitos sintomas residuais), formas menos deteriorantes de esquizofrenia, formas com sintomas afetivos, chegando até um outro pólo, de transtornos afetivos, incluindo formas com sintomas psicóticos até formas puras de depressão e mania (hipótese esta que se relaciona à antiga noção de psicose unitária).
PSICOPATOLOGIA BIOLÓGICA VERSUS PSICOPATOLOGIA SOCIOCULTURAL - A psicopatologia biológica enfatiza os aspectos cerebrais, neuroquímicos ou neurofisiológicos das doenças e dos sintomas mentais. Em contraposição, a perspectiva sociocultural visa estudar os transtornos mentais como comportamentos desviantes que surgem a partir de certos fatores socioculturais, como discriminação, pobreza, migração, estresse ocupacional, desmoralização sociofamiliar, etc. Os sintomas e os transtornos devem ser estudados, segundo essa visão, no seu contexto eminentemente sociocultural, simbólico e histórico.
PSICOPATOLOGIA OPERACIONALPRAGMÁTICA VERSUS PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL - Na visão operacional-pragmática, as definições básicas de transtornos mentais e sintomas são formuladas e tomadas de modo arbitrário, em função de sua utilidade pragmática, clínica ou orientada à pesquisa. Por sua vez, o projeto de psicopatologia fundamental, proposto pelo psicanalista francês Pierre Fedida, visa centrar a atenção da pesquisa psicopatológica sobre os fundamentos de cada conceito psicopatológico, com ênfase à noção de doença mental como pathos, que significa sofrimento, paixão e passividade.
A SEMIOLOGIA – A semiologia é a ciência dos signos e campo de grande importância para o estudo da linguagem (semiótica linguística), da música (semiologia musical), das artes em geral e de todos os campos de conhecimento e de atividades humanas que incluam a interação e a comunicação entre dois interlocutores por meio de um sistema de signos. Entende-se por semiologia médica o estudo dos sintomas e dos sinais das doenças, estudo este que permite ao profissional de saúde identificar alterações físicas e mentais, ordenar os fenômenos observados, formular diagnósticos e empreender terapêuticas. Semiologia psicopatológica é, por sua vez, o estudo dos sinais e sintomas dos transtornos mentais. Três campos distintos no interior da semiologia: a semântica, responsável pelo estudo das relações entre os signos e os objetos a que tais signos se referem; a sintaxe, que compreende as regras e as leis que regem as relações entre os vários signos de um sistema de signos; e, finalmente, a pragmática, que se ocupa das relações entre os signos e os usuários, os sujeitos que os utilizam concretamente. O signo é o elemento nuclear da semiologia; ele está para a semiologia assim como a célula está para a biologia e o átomo para a física. O signo é um tipo de sinal. Define-se sinal como qualquer estímulo emitido pelos objetos do mundo. A semiologia médica e a psicopatológica tratam particularmente dos signos que indicam a existência de sofrimento mental, transtornos e patologias. A semiologia (tanto a médica como a psicopatológica) pode ser dividida em duas grandes subáreas: semiotécnica e semiogênese. A semiotécnica refere-se a técnicas e procedimentos específicos de observação e coleta de sinais e sintomas, assim como à descrição de tais sintomas. No caso dos transtornos mentais, a semiotécnica concentra-se na entrevista direta com o paciente, seus familiares e demais pessoas com as quais convive. Fundamental, sobretudo para a semiotécnica em psicopatologia, é a observação minuciosa, atenta e perspicaz do comportamento do paciente, do conteúdo de seu discurso e do seu modo de falar, da sua mímica, da postura, da vestimenta, da forma como reage e do seu estilo de relacionamento com o entrevistador, com outros pacientes e com seus familiares. A semiogênese é o campo de investigação da origem, dos mecanismos, do significado e do valor diagnóstico e clínico dos sinais e sintomas.
A ORDENAÇÃO DOS FENÔMENOS EM PSICOPATOLOGIA – O estudo da doença mental, como o de qualquer outro objeto, inicia pela observação cuidadosa de suas manifestações. A observação articula-se dialeticamente com a ordenação dos fenômenos. Isso significa que, para observar, também é preciso produzir, definir, classificar, interpretar e ordenar o observado em determinada perspectiva, seguindo certa lógica. Classicamente, distinguem-se três tipos de fenômenos humanos para a psicopatologia: 1. Fenômenos semelhantes em todas as pessoas; 2. Fenômenos em parte semelhantes e em parte diferentes. São fenômenos que o homem comum experimenta, mas apenas em parte são semelhantes aos que o doente mental vivencia;
CONCEITO DE NORMALIDADE - O conceito de normalidade em psicopatologia também implica a própria definição do que é saúde e doença mental. Psiquiatria legal ou forense: a determinação de anormalidade psicopatológica pode ter importantes implicações legais, criminais e éticas, podendo definir o destino social, institucional e legal de uma pessoa. Epidemiologia psiquiátrica: a definição de normalidade é tanto um problema como um objeto de trabalho e pesquisa. A epidemiologia, inclusive, pode contribuir para a discussão e o aprofundamento do conceito de normalidade em saúde. Psiquiatria cultural e etnopsiquiatria: o conceito de normalidade em psicopatologia impõe a análise do contexto sociocultural; exige necessariamente o estudo da relação entre o fenômeno supostamente patológico e o contexto social no qual tal fenômeno emerge e recebe este ou aquele significado cultural. Planejamento em saúde mental e políticas de saúde: estabelece critérios de normalidade, principalmente no sentido de verificar as demandas assistenciais de determinado grupo populacional, as necessidades de serviços, quais e quantos serviços devem ser colocados à disposição desse grupo, etc. Orientação e capacitação profissional: são importantes na definição de capacidade e adequação de um indivíduo para exercer certa profissão, manipular máquinas, usar armas, dirigir veículos, etc. Prática clínica: capacidade de discriminar, no processo de avaliação e intervenção clínica, se tal ou qual fenômeno é patológico ou normal, se faz parte de um momento existencial do indivíduo ou é algo francamente patológico. Os principais critérios de normalidade utilizados em psicopatologia são: 1. Normalidade como ausência de doença; 2. Normalidade ideal: a normalidade aqui é tomada como uma certa “utopia”. depende, portanto, de critérios socioculturais e ideológicos arbitrários, e, às vezes, dogmáticos e doutrinários; 3. Normalidade estatística: identifica norma e frequência que se aplica especialmente a fenômenos quantitativos, com determinada distribuição estatística na população geral (como peso, altura, tensão arterial, horas de sono, quantidade de sintomas ansiosos, etc.); 4. Normalidade como bem-estar: definida pela OMS a saúde como o completo bem-estar físico, mental e social, e não simplesmente como ausência de doença; 5. Normalidade funcional: baseada em aspectos funcionais e não necessariamente quantitativos; 6. Normalidade como processo: considera os aspectos dinâmicos do desenvolvimento psicossocial, das desestruturações e das reestruturações ao longo do tempo, de crises, de mudanças próprias a certos períodos etários; 7. Normalidade subjetiva: ênfase à percepção subjetiva do próprio indivíduo em relação a seu estado de saúde, às suas vivências subjetivas; 8. Normalidade como liberdade: a doença mental é a perda da liberdade existencial e a saúde mental se vincularia às possibilidades de transitar com graus distintos de liberdade sobre o mundo e sobre o próprio destino; 9. Normalidade operacional: critério assumidamente arbitrário, com finalidades pragmáticas explícitas.
SÍNDROMES E ENTIDADES NOSOLÓGICAS - As síndromes são agrupamentos relativamente constantes e estáveis de determinados sinais e sintomas. A síndrome é puramente uma definição descritiva de um conjunto momentâneo e recorrente de sinais e sintomas. Denominam-se entidades nosológicas, doenças ou transtornos específicos os fenômenos mórbidos nos quais podem se identificar (ou pelo menos presumir com certa consistência) certos fatores causais (etiologia), um curso relativamente homogêneo, estados terminais típicos, mecanismos psicológicos e psicopatológicos característicos, antecedentes genético-familiares algo específicos e respostas a tratamentos mais ou menos previsíveis.
FORMA E CONTEÚDO DOS SINTOMAS - Em geral, quando se estudam os sintomas psicopatológicos, dois aspectos básicos costumam ser enfocados: a forma dos sintomas, isto é, sua estrutura básica, relativamente semelhante nos diversos pacientes (alucinação, delírio, ideia obsessiva, labilidade afetiva, etc.), e seu conteúdo, ou seja, aquilo que preenche a alteração estrutural (conteúdo de culpa, religioso, de perseguição, etc.). De modo geral, os conteúdos dos sintomas estão relacionados aos temas centrais da existência humana, tais como sobrevivência e segurança, sexualidade, temores básicos (morte, doença, miséria, etc.), religiosidade, entre outros.
SENSAÇÃO – A sensação é o fenômeno psíquico elementar que resulta da ação da luz, do som, do calor sobre os órgãos dos sentidos. Existe uma relação causal entre o estimulo exterior e o estado psicológico no qual se designa a sensação. As sensações são classificadas em dois grupos: externas e internas. As sensações externas correspondem as sensações que refletem as propriedades e aspectos isolados das coisas e fenômenos que se encontram no mundo exterior. São chamadas de sensibilidade especial pelo fato d que essas sensações se originam de aparelhos especiais (receptores), os órgãos dos sentidos. Nesse grupo estão incluídas as sensações visuais, auditivas, gustativas, olfativas e táteis. As sensações internas são aquelas que refletem os movimentos de partes isoladas do corpo e o estado dos órgãos internos. Ao conjunto dessas sensações se denomina sensibilidade geral. Os receptores dessas sensações se encontram nos músculos, nos tendões e na superfície dos diferentes órgãos, englobando três tipos de sensações: motoras, de equilíbrio e orgânicas. Denomina-se estímulo à causa física – som, luz – que atua sobre os órgãos dos sentidos para produzir a sensação e excitação, à modificação física que a ação do excitante produz no órgão sensorial. Existem quatro tipos de excitantes: mecânicos, físicos (luz, som, calor), químicos e elétricos. Para que se processe uma sensação são indispensáveis> 1 – a excitação de um órgão sensorial (receptor; 2 – a transmissão da excitação através de vias sensitivas ao centro cortical; 3 –a recepção pelo centro cortical. Os analisadores são o conjunto anátomo-fisiológico que constitui os aparelhos sensoriais necessários à recepção das sensações. Os analisadores são formados de três partes essenciais: receptor periférico, que recebe os estímulos; nervos aferentes, que conduzem a excitação aos centros nervosos; centros corticais, correspondentes à terminação das fibras nervosas, onde se processa a elaboração dos impulsos nervosos procedentes do exterior. No processo do conhecimento, as sensações ocupam o primeiro grau, elas efetuam as relações com o mundo exterior a conhecer os aspectos e as propriedades excitantes das que rodeiam o ser humano. Em suma, as sensações são os elementos estruturais simples da forma da percepção.
ALTERAÇÕES DA SENSAÇÃO – As alterações na intensidade das sensações referem-se ao aumento e à diminuição do numero e da intensidade dos estímulos procedentes dos diversos campos da sensibilidade. A hiperestesia é o aumento da intensidade das sensações. A hiperestesia sensorial é frequente nos neuróticos, nos estados de excitação maníaca de fraca intensidade, no hipertireoidismo, nos acessos de enxaqueca e, ocasionalmente, em casos de epilepsia. A hipoestesia é a diminuição da sensibilidade especial. A diminuição da sensibilidade aos estímulos sensoriais é observada em todos os casos que se acompanham de depressão. Coincidem com a diminuição dos reflexos tendinosos, elevação da sensibilidade fisiológica e lentidão dos processos psíquicos. Observa-se a hipoestesia nos estados depressivos, no estupor, nas síndromes que se acompanham de obnubilação da consciência, nas depressões pós-infecciosas e pós-traumáticas. A anestesia é o termo empregado para designar a abolição de todas as formas de sensibilidade. A analgesia é a perda da sensibilidade à dor, com a conservação de outras formas de sensiblidade – tátil, térmica e discriminatória. Ela pode ser observada na clinica psiquiátrica em casos de paralisia geral, catatonia, histeria e no estupor. As anomalias da intensidade das sensações são observadas frequentemente nos neuróticos. Os doentes se queixam de excesso de sensibilidade e procuram defender-se do acréscimo patológico das excitações procedentes no meio exterior. Em alguns casos de depressão é possível observar a redução da sensibilidade aos estímulos sensoriais, de graus diversos, até seu desaparecimento momentâneo completo. Na histeria é possível verificação a debilitação e, até mesmo a abolição da capacidade de experimentar sensações em determinada região corporal. Na excitação maníaca, os enfermos não se preocupam com as impressões sensoriais procedentes do meio exterior, não percebem ou percebem de maneira incompleta as impressões intensas e, menos ainda, os estímulos sensoriais de fraca intensidade. Na obnubilação da consciência, as sensações perdem a nitidez; o estado de inconsciência inibe a reação das sensações. No estupor nem sempre há elevação do limiar da sensibilidade aos diferentes estímulos sensoriais. Nos estados crepusculares as sensações são imprecisas e, na maior parte das vezes, falseadas. As alterações da sensibilidade tem uma importância extraordinária na catatonia. Os catatônicos apresentam diminuição de sensibilidade geral, com analgesia mais ou menos completa nos estados de estupor. Na deficiência mental e nos estados demenciais os enfermos não podem sentir tão vivamente, nem perceber com a mesma nitidez do individuo são. Os traumatismos encefálicos determinam, de modo geral, o aparecimento de transtornos psíquicos de gravidade e duração variáveis de acordo com a intensidade do traumatismo e a extensão das lesões cerebrais.
PERCEPÇÃO – O termo recepção é empregado correntemente para designar, em Psicologia, o ato pelo qual tomamos conhecimento de um objeto do meio exterior, considerado como real, isto é, como existente fora da própria atividade perceptiva. A percepção é considerada como a apreensão de uma situação objetiva baseada em sensações, acompanhada de representações e frequentemente de juízos, num ato único, o qual somente pode ser decomposto por meio de análise. O ato perceptivo consiste na apreensão de uma totalidade, de natureza especifica, verificando-se que sua organização, do ponto de vista funcional, não representa a simples adição de elementos locais e temporais captados pelos órgãos dos sentidos. Sem o material das sensações não existiram as percepções. Os objetivos da percepção comportam duas especiais de qualidades: as qualidades sensíveis e as qualidades formais. As percepções aparecem como totalidades estruturantes, porque também a pessoa na sua totalidade apenas é capaz de compreender o mundo em totalidades mais restritas. ALTERAÇÕES DA PERCEPÇÃO – Nas alterações da percepção são incluídas as agnosias, as alterações da síntese perceptiva, as ilusões sensoriais e as aberrações perceptivas. As agnosias é a lesão de um órgão sensorial periférico, do nervo aferente ou da zona cortical de projeção correspondente determinando o desaparecimento das sensações. Produz-se anestesia, surdez ou cegueira, segundo o órgão sensorial atingido. Consiste numa alteração intermediária entre as sensações e a percepção. Em alguns casos, observa-se a perda da diferenciação da intensidade e da extensão das sensações, permanecendo inalteradas as sensações elementares. Ela se manifesta de diversas formas e de acordo com as funções sensoriais atingidas pela lesão: visual, auditiva e táteis. A agnosia visual é distinguida por objetos, formas, cor e espaço. Nos dois primeiros casos, o paciente se mostra incapacitado para identificar o objeto ou a forma que se lhe apresenta, em virtude de se encontrar alterada a integração das sensações elementares. Na agnosia visual os conteúdos da esfera ótica constituem para o paciente muito mais contornos, superfícies e cores, luzes e sombras, do que as coisas dotadas de realidade, comprovação da existência de defeitos sensoriais fisiológicos, os quais dependiam de lesões do lobo occipital na região da cissura calcariana. Os defeitos indicavam que as vias ópticas ou suas projeções tinham sido atingidas. A agnosia tátil refere-se à incapacidade para reconhecer objetos mediante o sentido do tato, apesar da sensibilidade se encontrar conservada no fundamental. Existem duas formas: agnosia primaria ou perceptiva, quando o transtorno recai sobre as qualidades dos objetos, ou seja, quando perde a sensibilidade de discriminar as diferenças de intensidade e extensão das sensações táteis; e agnosia semântica, quando constitui verdadeira astereognosia, ou seja, a análise da forma é correta, porém o doente não pode identificar o objeto quanto ao seu valor e utilização, só conseguindo através de deduções e suposições. A síntese perceptiva é o resultado das ligações funcionais dos elementos nervosos, as quais refletem os aspectos particulares dos objetos e fenômenos da natureza. As perturbações da síntese perceptiva determinam alterações primitivas na percepção dos objetos e fenômenos do mundo exterior e do próprio corpo. As alterações da síntese perceptiva são observadas nas fases iniciais da esquizofrenia, na perplexidade e em casos de despersonalização. Os doentes se queixam, por exemplo, de uma sensação de irrealidade, de estranheza, de transformação do mundo exterior, de que as pessoas e os objetos estão modificados. A ilusão é a percepção deformada de um objeto real e presente. Por si mesma, a ilusão não se constitui sintoma de doença mental. Nos doentes mentais, as ilusões são devidas à perturbação da atenção, às influencias emocionais e às alterações da consciência. As ilusões apresentam-se com frequência nos estados maníacos, em virtude das oscilações da atenção; nos imbecis, nos quais a capacidade de compreensão é muito reduzida; nas alterações da consciência; nas enfermidades cerebrais orgânicas; nos estados de inquietação da melancolia e em todas as formas clinicas de esquizofrenia. No delirium tremens as ilusões visuais são frequentes. As aberrações perceptivas ou cromática ou sensorial, que consiste no fato de se emprestar cores inusitadas aos objetos exteriores. O fenômeno é observado na alteração perceptiva provocada pela mescalina, quando os objetos adquirem cores aberrantes, que não existem realmente. A aberração perceptiva é observada nos casos de intoxicação pelas drogas psicodelépticas e em formas iniciais de esquizofrenia.
RESUMO: SENSSOPERCEPÇÃO - Todas as informações do ambiente, necessárias à sobrevivência do indivíduo, chegam até o organismo por meio das sensações. Os diferentes estímulos físicos (luz, som, calor, pressão, etc.) ou químicos (substâncias com sabor ou odor, estímulos sobre as mucosas, a pele, etc.) agem sobre os órgãos dos sentidos, estimulando os diversos receptores e, assim, produzindo as sensações. Define-se sensação como o fenômeno elementar gerado por estímulos físicos, químicos ou biológicos variados, originados fora ou dentro do organismo, que produzem alterações nos órgãos receptores, estimulando-os. Os estímulos sensoriais fornecem a alimentação sensorial aos sistemas de informação do organismo. As diferentes formas de sensação são geradas por estímulos sensoriais específicos, como visuais, táteis, auditivos, olfativos, gustativos, proprioceptivos e cinestésicos. Por percepção, entende-se a tomada de consciência, pelo indivíduo, do estímulo sensorial. A percepção diz respeito à dimensão propriamente neuropsicológica e psicológica do processo, à transformação de estímulos puramente sensoriais em fenômenos perceptivos conscientes.
CONSCIÊNCIA – O termo consciência origina-se da junção de dois vocábulos latinos: cum (com) e scio (conhecer), indicando o conhecimento compartilhado com outro e, por extensão, o conhecimento “compartilhado consigo mesmo”, apropriado pelo indivíduo. O estudo da consciência mostra como é artificial a fragmentação da atividade psíquica em diferentes partes ou em funções isoladas. Não existem funções intelectuais, afetivas e volitivas independentes na contextura da vida psíquica. A decomposição analítica da consciência em fenômenos particulares é feita apenas, por necessidade da exposição, para facilitar o estudo da atividade da mente. Na realidade, os processos psíquicos se apresentam de imediato quando se coloca em atitude de observação da consciência como uma totalidade, como atividade sintética em que os fenômenos se encontram vinculados uns aos outros, estabelecendo-se entre eles uma relação de causa e efeito. A consciência é definida como um complexo de fenômenos psíquicos elementares ou complicados, afetivos e intelectivos, que se apresentam na unidade de tempo e que permitem o conhecimento do próprio eu e do mundo exterior. A consciência é a zona clara da vida psíquica que se encontra em situação oposta à zona escura, de dimensões mais amplas, chamada de inconsciente. Assim, a consciência representa a atividade nervosa de determinada área dos grandes hemisférios, em dado momento, sob dadas condições, possuindo determinada excitabilidade ótima. Nesse momento, toda a parte restante dos grandes hemisférios encontra-se em estado de maior ou menor redução da excitabilidade. Os focos com excitabilidade ótima estão mesclados na massa dos grandes hemisférios cerebrais e se acham na dependência dos laços temporários que se formam nos centros corticais. A existência de um mecanismo responsável pelo estado de vigília e de sono é um fato de observação já antiga e, mais recentemente, as pesquisas neurofisiológicas demonstraram que o sistema reticular ativador, em conexão intima com os centros hipotalâmicos da vigília e do sono, é o responsável pela regulação do nível de vigilância. Nesse particular, as diferentes gradações da vigilância correspondem a diferentes graus de consciência que podem ir gradativamente da completa lucidez da consciência à inconsciência. A consciência pode se encarada sob dois aspectos: o subjetivo e o objetivo. A consciência subjetiva é a propriedade de serem os fenômenos conscientes conhecidos pelo individuo. A consciência é objetiva por seu conteúdo que se reflete no plano subjetivo sob a forma de percepções, representações, conceitos. A consciência pode ser considerada, do ponto de vista psicológico, como um processo de coordenação e de síntese da atividade psíquica. Nesse processo podem-se destacar que: a consciência do eu, como conhecimento que se tem de existir como individualidade distinta das demais coisas do mundo; e a consciência dos objetos, significando que tudo que é apreendido ou se encontra no campo da consciência, seja uma percepção, uma representação ou um conceito. O inconsciente possui três diferentes significados: 1 – designa os processos nervosos que escapam inteiramente ao conhecimento pessoal, como a maior das regulações orgânicas, reflexos, automatismos, dos quais somente os efeitos podem tornar-se conscientes; 2 – em sentido mais amplo, é tudo quanto num determinado momento escapa à consciência, sem diferenciar entre o subconsciente e o inconsciente; 3 – para Freud ao qualificar os processos dinâmicos que atuam eficazmente sobre a conduta sem que atinjam a consciência. Em psicologia o inconsciente é empregado como adjetivo para qualificar determinado fato psicológico que escapa ao conhecimento do individuo. Para Jung o inconsciente contém apenas as partes da personalidade que poderiam ser conscientes se o processo da cultura não as tivesse reprimido. As características funcionais do inconsciente são atemporalidade, não existe tempo; ele é atemporal; isenção de contradição, não há lugar para negação ou dúvida, nem graus diversos de certeza ou incerteza; princípio do prazer, não segue as ordens da realidade, submete-se apenas ao princípio do prazer; e o processo primário, as cargas energéticas (catexias) acopladas às representações psíquicas, às ideias, são totalmente móveis. ALTERAÇÃO DA CONSCIÊNCIA – Só existe alteração da consciência quando os fenômenos psíquicos se acham modificados em sua totalidade. As alterações da consciência são devidas a perturbações da atividade fisiológica dos hemisférios cerebrais. Pode também resultar de alterações da interdependência entre as áreas corticais e as regiões subcorticais. Obnubilação da consciência é a designação de um desvio mórbido do curso normal dos processos psíquicos, caracterizados essencialmente pela diminuição do grau de clareza do sensório com lentidão da compreensão, dificuldade da percepção e da elaboração das impressões sensoriais. Na consciência do individuo obnubilado não surge nada de novo. Os processos psíquicos são fragmentários e os sentimentos muito imprecisos, sem que possam conduzir à execução de qualquer ato volitivo. O doente revela-se indiferente, apático, sem iniciativa e sem espontaneidade. A obnubilação da consciência representa um sintoma obrigatório na maior parte dos transtornos mentais sintomáticos. O coma é uma consequência da obnubilação da consciência. O termo provém do grego e significa sono profundo. Entende-se por coma o estado mais acentuado da perda da consciência, que se acompanha, geralmente, de perturbações neurológicas e somáticas gerais. Quando existe ainda um certo desassossego e uma atividade psíquica confusa, fala-se em coma vigil ou agripnico e, ao alcançar a profundidade extrema é chamado de carus. No estado comatoso a consciência se acha profundamente alterada ou quando abolida, tanto assim que o enfermo não dispõe da capacidade de se manter aberto ao mundo externo e, desse modo, ter consciência do vivo. Os estados de coma são observados em todas as formas diretas ou indiretas de lesão cerebral.
O delírio oniróide é uma síndrome observada no curso de doenças febris, intoxicações crônicas e enfermidades cerebrais orgânicas. Em sua fase de pleno desenvolvimento, caracteriza-se por estes sintomas fundamentais: obnubilação da consciência, desorientação e alucinações. Após uma fase premonitória, de curta duração, em que o doente apresenta mal-estar, sono inquieto, sensações imprecisas, intranquilidade, cefaleia e hiperestesia, surge no quadro clinico a excitação psicomotora. Em alguns caos, o quando é o de uma leve excitação maníaca, com estado de animo eufórico, excitabilidade fácil e tendência incessante à ocupação. Na maior parte dos casos, no quadro de delírio dominam as visões oníricas, acompanhadas algumas vezes de alucinações auditivas, cinestesias e neurovestibulares, pseudo-alucinações e ideias deliroides. A percepção do mundo exterior está completamente deformada pelas ilusões. O delírio oniroide apresenta-se no curso de enfermidades tóxicas e infecciosas. A amência ou confusão mental é uma perturbação mental caracterizada principalmente por turvação mais ou menos acentuada da consciência, acompanhada de fenômenos de excitação psicomotora. A síndrome está caracterizada por obnubilação mais ou menos acentuada da consciência, com incoerência do pensamento de natureza oniroide e perplexidade, que resulta na incapacidade de apreender o enfermo a realidade objetiva. Como corolário, existe desorientação no tempo e no espaço, dificuldade de compreender a situação, lentidão nas respostas, com predominância de vivencias alucinatórias oniroides. O estado efetivo é de caráter depressivo ansioso. Estes são os elementos fundamentais da confusão mental aguda. A amência aparece nas doenças infecciosas. Os estados crepusculares são estreitamentos transitórios da consciência, com a conservação de uma atividade mais ou menos coordenada. Acompanha-se de falsa compreensão da situação. Em geral, a percepção do mundo exterior é imperfeita ou de todo inexistente. Em alguns casos é possível observar a presença de alucinações e ideias deliroides. O onirismo é caracterizado pela predominância extraordinária das representações imaginadas sobre as perturbações sensoriais e sensitivas, que são acentuadamente deformadas e amplificadas. Os estados de onirismo costumam apresentar-se nas perturbações mentais exógenas e na esquizofrenia. Nas alterações da consciência do eu estão o êxtase, vivencia de transformação do eu, transitivismo, possessão, estados segundos e convicção da inexistência pessoal. O êxtase representa o mais elevado grau do sentimento vital. De acordo com a sua acepção etimológica, é a vivência de sentir-se fora de si, uma transformação da consciência do eu e da consciência do mundo, que, em estado normal, se caracteriza pelo conhecimento das limitações da própria existência pela individualização do confinamento em um corpo e em uma consciência individual. O êxtase é observado com maior frequência em enfermos histéricos e mais raramente na esquizofrenia. A vivência de transformação do eu ocorre no inicio dos transtornos mentais psicóticos ou depois da remissão dos sintomas, transformando intima e internamente, de metamorfoses dos pensamentos e sentimentos, como algo vago e indefinido do eu empírico e sente o seu eu mudado ou transformado. Sobrevém a vivência de transformação da própria pessoa que consiste no fato de que o enfermo já não pensa, não sente e nem age como antes, pois experimentou uma profunda mutação de sua personalidade. O transitivismo é o fenômeno que consiste em o enfermo sentir-se transformado em outra pessoa. Em psicopatologia, o termo serve para designar as alterações observadas em alguns enfermos, que consistem no desaparecimento da relação entre o corpo e os objetos do meio exterior. A possessão é a alteração da consciência do eu caracterizada pelo fato de o individuo sentir-se possuído por entidades sobrenaturais, especialmente espíritos e demônios. Os estados segundos são alterações especiais da consciência vigil que surgem em consequência de acontecimentos desagradáveis. O enfermo vivencia estados de consciência alternantes, correspondentes a duas personalidades distintas: a consciente e a inconsciente ou reprimida, sem que uma conserve lembrança da outra. Durante a fase inconsciente o paciente manifesta certo grau de estreitamento da consciência e se mantém lúcido durante a fase consciente. Os estados segundos são observados exclusivamente em enfermos neuróticos, sendo possível provoca-los pela hipnose ou pela sugestão. Uma de suas manifestações comuns é o sonambulismo. A convicção de inexistência da pessoa consiste na convicção de inexistência do próprio corpo ou de certos órgãos, ou de que o enfermo não se encontra vivo e sim morto. O paciente apresenta uma forma de aniquilamento da própria corporalidade. Na embriaguez patológica observam-se habitualmente alterações de consciência. Em casos graves verificam-se obnubilação e impulsos patológicos. Na epilepsia observam-se alterações características da consciência. A supressão rápida da consciência é uma das mais frequentes formas de inicio da crise generalizada. Nos casos de esquizofrenia observam-se alguns sintomas típicos como a vivencia de transformação do eu. Verifica-se, ainda, o transitivismo que representa um sintoma de primeira ordem para o diagnostico da enfermidade. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre : Artmed, 2008.
PAIM, Isaías. Curso de psicopatologia. São Paulo: EPU, 1993.



MÚSICA EM FIM DE TARDE –  O Centro Universitário CESMAC convida toda a comunidade acadêmica para a abertura do Projeto Música Em Fim de Tarde – Edição 2013, que se realizará no pátio do CAMPUS IV ( FECOM), nesta sexta-feira, dia 02, às 17h, com a apresentação do Coral CESMAC. A iniciativa é do Núcleo de Projeto de Extensão (NPE), vinculado à Pró-Reitoria Acadêmica Adjunta de Ação e Extensão Comunitária da IES. A atividade é aberta ao público e conta com apresentações da boa música clássica, executadas por professores e alunos dos cursos de música da Instituição. O Projeto se estende nos meses de agosto e setembro. Todos Convidados (Fonte: Assessoria de Imprensa).

SERVIÇO: O que: Música em fim de tarde no Cesmac Quando: 02/08 às 17hs Onde: no Pátio do Campus IV (Fecom) Veja mais Música.


Veja mais sobre:
Cecília Meireles, Gregório de Matos Guerra, Camargo Guarnieri, Heitor Shalia, Albert Marquet, Violência Doméstica, Argemiro Corrêa, Sarah Siddons, Guta Stresser, Graciela Rodrigues, Priscila Almeida & Folia Caeté aqui.

E mais:
Esclarmonde de Foix & Todo dia é dia da mulher aqui.
Denise Levertov, Johan Huizinga, Philippe Ariés, Camargo Guarnieri, Lauri Blank, Emil Nolde, Kim Thomson & o umbigo no cultuo da avareza aqui.
A pegação buliçosa do prazer aqui.
Direitos humanos aqui.
História do cinema aqui.
Os assassinos do frevo aqui.
Minha alma tupi-guarani, minha sina caeté aqui.
Folia Caeté, Ascenso Ferreira, Baco, Chiquinha Gonzaga, O Frevo & José Ramos Tinhorão, Nelson Ferreira, As Puaras, Dias de Momo, Adolphe William Bouguereau, Teatro & Carnaval, Circo & Peró Andrade aqui.
Alvoradinha, o curumim caeté, Manuel Bandeira, Fernando Botero, Qorpo Santo, Lygia Fagundes Teles, Psicologia Social, Jayne Mansfield, Marilyn Monroe & Roberto Carlos aqui.
Fecamepa: os caetés, Sardinha & a cana aqui.
Os aborígenes: das sociedades primitivas de Pindorama aos caetés, Monserrat Figueiras, Plauto, Miklos Mihalovits, Acmeísmo, Jennifer Lopez, Débora Novaes de Castro, Paulo & Virgínia aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.