quarta-feira, dezembro 01, 2010

ROL DAS PAIXÕES - ANIVERSÁRIO DELA, A PROTAGONISTA



ROL DAS PAIXÕES - ANIVERSÁRIO DELA, A PROTAGONISTA - A gente era ainda criança quando o amor passou a conviver fagueira e inquietantemente no meu coração.
Tinha eu lá a idade dos 10 anos amparado pelo bigodinho ralo embaixo da venta, magricela, inquieto e com muita meninice no coração, quando ela surgiu lépida com suas sardas encantadoras, seu olhar agudamente vivo e o sorriso duma sedução envolvente.
Eu já era um precoce presepeiro licencioso dado às trêfegas libidinosas sucumbindo às tentações da carne diante da voluptuosidade das deidades fêmeas que me desafiava o sexo pela antecipada busca em desvelar os mistérios ocultos que as saias escondiam, esfomeado pelos seios mais generosos, achegado às ajeitadas mais safadas entre as coxas roliças das pernas femininas e com uma azáfama constante que me levava a amolegar o pingolin a todo momento nas tocas mais recônditas das minhas querências.
Ela surgiu num dia ensolarado como um impacto sideral de colisão das galáxias, paralisando o tempo e todas as coisas para me deixar num estupor de perder a noção de tudo.
Ao mesmo tempo ela se mostrou pra mim como uma dádiva além do meu quinhão, um repasto suntuoso além do mérito para indigno reles atarantado, já que ela brilhou nos meus olhos como uma Tália fazendo festa na minha idéia, uma Euterpe que me deleitava a alma, uma apaixonante Erato que me envolvia num idílio impetuoso, uma Clio que celebrava todos os meus prazeres, uma ninfa que me enfeitiçava pra loucura juvenil, uma piéride que me encantava rodopiante e virava numa urraca para grasnar no futuro com seu gozo no meu mastro, uma sereia saltitante na minha libido, uma Energeia para minha adoração D´Annunzio, uma pitonisa que me realizaria homem acima das expectativas, uma sibila que me faria rei do seu reinado, uma amazona que me faria superior sobre todas as mulheres.
Só conseguia eu recobrar meus sentidos quando ela dobrava a esquina para encher o mundo de pernas às gargalhadas. E mesmo sumida, ela permanecia incólume povoando todos os meus pensamentos. Por isso, doravante eu seria o lunático quixotesco entregue à fortuna das vicissitudes, mergulhado no amor que nunca morre de Bram Stoker. Na verdade, foi aí que eu endoidei. A coisa pegou. Eu só queria estar com ela, falar com ela, escrever versos para ela, construir um universo só pra ela. Ela a princesa eternamente assentada no trono idílico do meu coração e no pedestal de ser a minha exclusiva rainha. Era que eu respirava ela, eu vivia e a minha vida era ela.
Éramos partícipes de uma infância muito buliçosa. Eu com 10 anos turbulentos precoces e amostrados; ela com 9, linda, risonha e espalhafatosa. Eu, um geminiano insaciável perdido na curiosidade e querendo sempre muito mais; ela, uma ariana inatingível e serelepe aguçada emanando vida.
Brincávamos de tudo: ciranda, cirandinha, pega-esconde, adivinhas, queimado e academia pelas salas, quartos, quintais. Eu cantava me esgoelando canções apaixonadas pra ela ao solo de uma guitarra invisível no bucho e uma vontade imensa de impressioná-la. Ela só se ria de mim, enquanto eu me achava abafando. De certa forma ela correspondia no jeito menina de sempre.
Muitas vezes embolamos na cama, riso solto, inocência viva. Mas ela era atirada e eu, perto dela, era só timidez. Afinal, ela era minha deusa. E por isso muitas noites amanheci em claro só pensando como eu teria coragem de agarrá-la, sapecar-lhe os muitos beijos mais arrebatados, apertá-la com meus braços para gritar-lhe a plenos pulmões o quanto a amava com toda a força da minha vida. E me doía ter que deflorá-la na hora ardente de nossos desejos, não isso eu não podia fazer porque ela era a minha princesa. Mas eu ardia de volúpia e não me permitia enfiar-lhe toda a força do meu sexo, isso eu não podia fazer na minha exaltada veneração. Eu podia arrancar qualquer cabaço, invadir qualquer vagina e me envolver na safadeza com qualquer mulher, ela não, ela era a minha rainha, a minha santa, a minha devoção. E nisso foi até o tempo de 3 anos depois, quando ela cansou da minha timidez. Morri mil vezes a cada segundo com a sua ausência. Renascia e tornava a falecer mais de mil vezes a cada lembrança dela. Assim foram e persegui essa dor por 18 anos de uma paixão que insistia em morar atormentadamente nos meus sentimentos. Foram 18 anos de angústia. Até que um dia tudo dá uma reviravolta e eu sou jogado de novo no meio de um revertério com a vida de pernas pro ar. Foi quando o rumor da infância entrou com força de bramido no mar revolto da minha adulteza que virou adolescência despranaviada, e o seu olhar pousou no meu depois de todo esse tempo suspenso e o que estava na mentira da dormência e que teimava insistir vigente virou insone.
Deu-se o flerte dos olhares. Eu cada vez mais arrastado pela provocação do seu jeito mais que desejado, da sua boca sedutora e do seu ar menina que me enlevava no meio de um redemoinho que eu me deixava levar para não sei onde. Tinha eu a impressão que tudo isso fazia parte de uma dívida solidária que tínhamos um com o outro. Tudo me levava a crer que precisávamos prestar contas daquele feitiço que nos envolveu na infância e que amaldiçoadamente atravessou a adolescência e nos atingia em cheio em plena maturidade. E eis que numa tarde mormaçada levado pela urgência insensata da paixão indômita, dei de cara com a circunstância, coloquei a timidez na regra três e encarei a horagá das instruções procedimentais de quem está com todas as obrigações vencidas, todas as exigências não cumpridas, todas as impugnações indevidas, todas as gestões insatisfeitas e todas as razões injustificadas para resolver uma pendência de muito requerida. Era tudo muito adiado na fome era de anos. Era tudo muito evitado e a atração incendiando nossas interações. Era tudo muito mal resolvido e o amor dominando no pedaço. Nisso os prós e os contras não resistiram aos desejos, arrebentando barreiras, intrigas e suscetibilidades, ao se meter num turbilhão que nasceu no meio de olhares, bocas, desejos, beijos, pernas e paixão. Não havia como evitar, estava iminente. Não havia como conter, tudo se derramou esborrando com o apetite das nossas ambições de usurparmos todos os nossos limites e sobrepujarmos todas as nossas mais vorazes necessidades de satisfação.
Essa foi a hora em que cobramos mutuamente uma dívida que jamais seria satisfeita ou quitada por nós dois porque o saldo devedor sempre se renovava mais e se avolumava com a força da inflação de todos os reajustes que careciam de novas prestações de contas e cumprimento na escala de zilhões de beijos não dados, de afagos pedintes, de abraços necessários, de fodas requerentes e de gozos que não provados concorriam para enriquecer o nosso endividamento recíproco. Éramos inadimplentes do amor, insolventes na paixão e que carecíamos de uma vida além de tantas e muitas re-encarnações para se poder mensurar o tamanho do débito a ser pago por nós dois, um ao outro. Foi aí que descobrimos que essa nossa dívida era uma maldição: a de termos de querer um ao outro para todo o sempre. E isso me fez arrastar por seus pés para escalar suas pernas e alcançar o relicário da sua intimidade mais deliciosa que eu lambi, chupei e me enfiei zilhões de vezes e que jamais poderei abdicar dessa gostosura imensa que me contaminou com uma doença incurável: o amor eterno. E flagrei seus olhos ávidos de vida e de prazer que me levaram aos beijos na sua boca ardente e poderosa que me dei aos ósculos desmedidos e que gozei e jamais poderei renunciar de beijar os seus lábios apetitosos do mais agradável gosto de todos os sabores porque sou sedento de sua faminta luxúria, sou caudatário da sua atirada e gulosa forma de querer inteiramente até a última gota espremida do meu sangue e suor, sou refém de sua determinada forma de se dar por inteiro e com a urgência dos enfermos terminais que anseiam estertorar na última gota de prazer. E me deitei nos seus seios que se fizeram mãe e puta para me fartar de todas as fomes e sedes de séculos e milênios de amor adiado que me atormentava a alma e que nunca foi suficiente ainda os tantos gozos vindouros, as tantas trepadas extravagantes, as tantas entregas mais enlouquecidas que já nos possuímos e que ainda exigimos possuir e eu ainda quero tudo de novo e outra vez e muito mais e sempre possuí-la poderosamente no jardim, no carro, no quarto, na sala, no chão, no canto da vida ou na beira da morte porque ainda não fui feliz, nem gozei o tanto do que preciso na sua carne apetitosa, nem tudo chegou ao ponto da satisfação plena da alma. Tudo foi escandalosamente revivido. E eu cantando Desejo no nosso aniversário. E os nossos prazeres atravessaram o dia e a noite, todo o tempo e todo espaço, e ainda ardo a todo momento incendiado pela requerência de tê-la aos meus braços, nua, linda, inteira e pronta pra ser devorada pela gula da reintegração de posse da minha louca ejaculação que preencherá os meus e os seus vazios, que transbordará os meus e os seus gozos e que premiará as minhas e as suas necessidades como o presente de aniversário que precisamos ambos ganhar um do outro. © Luiz Alberto Machado.. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Vamos aprumar a conversa, Ariano Suassuna, Elomar Figueira de Mello & Camerata Kaleidoscópio, Luís da Câmara Cascudo, Leandro Gomes de Barros, Cantadores de Leonardo Mota, Lauro Palhano, Sylvie Debs, Mariana Pabst Martins & Ciro Fernandes aqui.

E mais:
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Close, Albert Einstein, Turíbio Santos & Silvio Barbato, Alcides Nogueira, Takeshi Kitano, Dahlia Thomas, Alain Bonnefoit, Neurociência, Enaura Quixabeira Rosa e Silva, Kayoko Kishimoto, Raul Longo, & Todo dia é dia da mulher aqui. 
Ânsia do prazer, Educação Sexual, Gustave Charpentier, Paulo Cesar Sandler, Beth Goular, Hironobu Sakaguchi, Ming-Na Wen, Jeremy A. Engleman, Existencialismo & Alienação na Literatura, Linguistica & Poética, Masturbação & auto-erotismo, Neuroanatomia, Voluntarismo & Ringue dos Bancos aqui.
Responsabilidade social aqui.
A teoria política do individualismo possessivo de Hobbes a Locke aqui.
Direito: teorias, interpretação e aplicação aqui.
A qualidade na gestão escolar aqui.
Inclusão social pelo trabalho, Pitágoras, José Louzeiro, Samir Yazbek, Jacques Rivette, Xue Yanqun, Ednalva Tavares, Lisa Lyon, Música Folclórica Pernambucana & A imprensa na atualidade aqui.
Literatura de Cordel: Quadrilha junina, de Francisco Diniz aqui.
Literatura de Cordel: Sidrião e Maristela ou A goiaba da discórdia, de José Honório aqui.
Velta, a heroína brasileira aqui.
Método Científico aqui.
História & Literatura do Teatro aqui.
Literatura de Cordel: As flô de puxinanã, de Zé da Luz aqui.
Papel do professor na aprendizagem aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa Tataritaritatá!
Arte Ísis Nefelibata
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:

Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

JAMES JOYCE, DELEUZE, JOAQUIM CARDOZO, AGAMBEN, RODOLFO AMOEDO, ARRIGO BARNABÉ & VÂNIA BASTOS, LUCIAH LOPEZ, NA ERA DO RADIO & BEZERROS

COMEÇAR, RECOMEÇAR & DOIS MILHÕES DE BEIJABRAÇÕES - Imagem: foto de Alexandre Buisse – A vida pra ser vivida é feita de ação, movimen...