segunda-feira, julho 26, 2010

MELVILLE, SOPHIE DE SÉGUR, KLOPSTOCK, SÖDERBERG, GERDA TARO, LITERÓTICA: VADE-MÉCUM DO AMOR

A arte da fotógrafa, jornalista e anarquista alemã Gerda Taro (1910-1937), a primeira mulher fotojornalista que morreu enquanto fazia cobertura de guerra, documentando o cotidiano e as batalhas do front em vários momentos perigosos e, ao ficar sem filme para sua câmera, arrumou carona no carro de um general que estava sendo usado para transportar os feridos, um tanque desgovernado do exército republicano colidiu com eles e Gerda foi mortalmente ferida no estômago.

  
LITERÓTICA: VADE-MÉCUM-ENQUIRÍDIO, UM PREÂMBULO PARA O AMOR -(Imagem: arte de Tara McPherson). - Uma vez e ela apareceu. Primeiro como a indomável Lilith que saiu irada e nunca mais voltou. Depois, como a servil Eva, que emergiu da minha costela para roubar da maçã o pecado original e causar todos os males humanos. Uma vez e outra, ela decaída Madalena e ao mesmo tempo a serpente Nachásh. Ou ela uma das nove musas, ou como a sanguinária Anath, em Canaã. Ou como a cantada na Ars Amatória de Ovídio. Ou mesmo como uma das ninfas, ou a paciente Isis no Egito, ou Ishtar, a sagaz deusa do amor na Babilônia. Ela a mãe da terra como Dêmeter, bela e cruel como Semíramis, ou como uma serva de Afrodite. Nem outra vez se dera, ela já hetaira, exímia cortesã bem-sucedida e influente na Grécia. Ou ela a sabotadora Messalina, a auianime no México, harimtu na Babilônia ou a jovem dos aposentos verdes da China. Uma outra vez e de outra vez ela, a Esfinge que devora quem não decifra. Ela praticante da arte da Câmara de Dormir ou mesmo dama da corte, ou adúltera descarada. Vez e outra ela a giyán em Bagdá ou como madona bizantina na mariolatria. Ou mesmo como tríbade, ou eríneas, ou parcas, moiras, harpias, prostituta do templo ou filha do prazer. Outra de outra vez, ela a virgem descarnada e amedrontada ou uma daquelas vingativas femmes fatales. Ela, como a fuga de Helena de Tróia, como o sacrifício de Ifigênia, como o suicídio de Fedra, como a tragédia de Medeia, desejada Barbarela, ousada Norma Benguel, desencantada Maysa, leve e linda Joyce, filósofa Marilena Chauí, ou Claudia Bomtempo no devaneio da minha loucura noturna, ou Íris Bustamante na miragem da minha ilha deserta, ou mesmo como uma dessas celebridades efêmeras das bundas fugazes do reality show. Uma vez, outra e mais outra ela a trabalhadora insone com todas as horas de batente extrapolando a vida. Ou mesmo como uma desolada pra titia se espremendo em rezas pro Santo Antonio. Ela, a resignada esposa cristã reclusa e privada de gozar. Ou aquela que se cansou de ser apenas objeto para reprodução. Ela, a concubina maldita com o sexo disponível na mancebia pro amante, destruindo lares e famílias. Ou aquela adolescente privada de afeto seduzida pelo primeiro carinho. Ela que sangra, ri e chora e que no seio aplaca a fome do menino. Nas coxas, segura o prazer do homem. No corpo, carrega o açúcar e o fel do que é. Na alma, a premonição e a compreensão superior. Ela que traz a vida e por ela se deixa levar. De outra, ela comprada na feira, abominada por misóginos, propriedade paterna, do marido e dos filhos, subjugada, cantada, cuspida, adorada. Ela ninfomaníaca acendendo a vida, ela viúva ardendo na noite. Ela, Mata-Hari, ela Evita Perón. Ela a mais singular pedinte da esquina, ela rainha na Inglaterra. E de vez outra ela, caça do macho adorada como estatueta de Vênus. Ela que já foi o mar parindo céu e terra, semeando ventres e heroína de todos os encômios. Ela vítima de crimes passionais, tal lâmina que depila como a navalha nos pulsos, o fogo no ventre, a dor de parir, o vir a menstruar. É ela. E digo que é ela a minha vida e o meu amor. É ela. Cuidado. Muito cuidado. Todo cuidado é pouco. Primeira advertência: se não bate um coração (o amor é via de mão dupla), não use. Por favor, não abuse: é frágil. Não é descartável, nem vem com manual de instrução. Atente para as exigências, ela encanta pela maravilha que é: mulher com toda pujança divina nas linhas do rosto, todo fausto e glória da beleza na sua herança de deusa que eu venero com a minha língua em riste no seu corpo nu espalmado no meu desejo, como espetáculo da natureza que faço versos com meu sexo na sua alma assaltada, onde tudo é belo, tudo é verdadeiro e me acrescenta e em dobro vive no meu canto: mulher. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui, aqui, aqui & aqui.


DITOS & DESDITOS - A liberdade é mais vezes destruída pelos seus excessos do que pelos seus inimigos. Os homens sentem mais a necessidade de curar as suas doenças do que os seus erros. A história é uma apelação dos erros contemporâneos para os juízes da posteridade. O império da beleza não conhece rebeldes. Pensamento da escritora russa condessa Sophie de Ségur (1799-1874).

ALGUÉM FALOU: Existem coisas em que se tem de ser especialista para as não compreender. Eu acredito no prazer da carne e na solidão irremediável da alma. Pensamento do escritor sueco Hjalmar Söderberg (1869-1941).

DA VIDA & O VIVERNão podemos viver apenas para nós mesmos. Mil fibras nos conectam com outras pessoas; e por essas fibras nossas ações vão como causas e voltam pra nós como efeitos. Ninguém pode salvar ninguém. Temos de nos salvar a nós próprios. Aprendi que amigos a gente ganha mostrando quem somos. Eu não sei tudo o que está chegando, mas seja o que for, eu vou até lá rindo. Pensamento do escritor estadunidense Herman Melville (1819-1891). Veja mais aqui.

SEU SONHO - Ela dorme. Ou derrame seu sonho, asas / vida suave através do seu coração gentil! / Fonte sem nuvens do Éden / Colher de sopa de branco, krystallnen a cair! / E deixá-lo na bochecha, ele fugiu do Röth / Há hinthaun perfumado! E você, ou melhor, / A virtude e o amor da paz, / Grazie suas capas Olympus, / Com seu Fittig Cidli. Como latente, / Como silencioso! Fique em silêncio, oh cadeia silenciosa! / Ele mostra que seu Lorbersprößling, / Se eu sussurrar para você da letargia Cidli! Poema do poeta alemão Friedrich Gottlieb Klopstock (1724-1803).




Veja mais sobre:
Salgadinho & Psicologia Ambiental, Eça de Queiroz, Franz Schubert, Harvey Spencer Lewis, Alberto da Cunha Melo, Lope de Vega, Wilhelm Kempff, Guel Arraes, Paul Murry, Antonius Bernardus Kelder & Sonia Mello aqui.

E mais:
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Entrevista com a Nutricionista do Japão, Simone Hayashi aqui.
Lev Vygotsky, Jean Piaget, Skinner & David Ausubel aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Por você aqui.
Eros & Erotismo, Johnny Alf, Mário Souto Maior & o Dicionário da Cachaça, Ricardo Ramos, Max Frisch, Marcelo Piñeyro, Letícia Bretice, Frank Frazetta, Ricardo Paula, Pero Vaz Caminha, Gilmar Leite & Literatura Erótica aqui.
Neurociências, Plinio Marcos, Laura Voutilainen, Max Nunes, Neil LaBute, Stacy Edwards, Octávio Araújo & Sonia Pallone aqui.
Plutarco, Yasmina Reza, Ulf Adåker, Assis Brasil, Luis Alberto Abreu, Kevin Reynolds, Yasmine Lafitte, Miguel Ángel López Melgarejo & José Adão Filho aqui.
Estratégias de aprendizagem aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.



CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitora parabenizando o Tataritaritatá!
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.

MARUJA TORRES, EMILY ESFAHANI SMITH, MARUŠA KRESE, SUSANA SZWARC & ZABÉ DA LOCA

      TRÍPTICO DQP: Valuna, estaca zero. Imagem: COLAM , ao som dos álbuns Da idade da pedra (2002), Zabé da Loca (MDA, 2003) e Bom todo...