quinta-feira, março 13, 2014

A BALSA DA MEDUSA



A BALSA DA MEDUSA - Um acontecimento trágico na história da humanidade foi registrado no ano de 1816, mais precisamente na manhã do dia 2 julho, quando a fragata Medusa, a mais moderna e mais rápida embarcação de então, comandada por Hugues Chaumareys, um protegido do rei francês Luis XVIII, naufragou na costa oeste da África, nas proximidades do Marrocos. O naufrágio tornou-se um escândalo político, principalmente porque o navio pertencia à chancela governamental com o objetivo de transportar colonos franceses para o Senegal. Atribuem as causas de tal naufrágio à superlotação e à imperícia do comandante. É que a navegação contava com aproximadamente 400 passageiros a bordo, quando cabiam, na verdade, bem menos que isso. E como não havia botes salva-vidas suficiente para todos, os destroços serviram de embarcação, transportando cerca dos 149 sobreviventes que singraram precariamente à mercê da sorte. Com o naufrágio, vários sobreviventes começaram a se digladiar motivados pela fome e pela sede. Na primeira noite, 20 deles caíram e se afogaram nas águas do oceano. No segundo dia, 65 deles foram abatidos a tiros por oficiais por se encontrarem ensandecidos. Era preciso ordem naquele momento crucial. A liderança entre os náufragos foi assumida pelo médico francês Jean-Baptiste Henry Savigny que passou a administrar os sobreviventes, ministrando água do mar com urina para combater a desidratação. Os que não resistiram, tiveram seus corpos dissecados e suas carnes dependuradas para secagem ao sol e, posteriormente, serem consumidos para suprir a carência alimentar. Mais 13 dias depois, restaram apenas os 15 sobreviventes que, à deriva, foram salvos por um pequeno navio mercante, o Argus.
O evento trágico inspirou o pintor e litógrafo do Romantismo francês Théodore Gericault (1791-1824) a criar a obra à óleo sobre tela, a sua obra-prima: “A balsa da Medusa” (em francês, La Radeau de La Méduse), hoje exposta no Museu do Louvre, em Paris. Esta obra nasceu depois da pesquisa e investigação realizada pelo próprio artista plástico, entrevistando sobreviventes que foram submetidos às mais lastimáveis situações, como a fome, a sede, o canibalismo e a loucura. Também incluiu nos seus estudos corpos e destroços que foram pesquisados minuciosamente pelo artista. Nessa tela romântica, o desespero e a esperança estão expostas, atitude característica dos que se rebelavam contra o predomínio do período racionalista neoclássico, instaurando o Romantismo como movimento proeminente e estético que surgiria na Europa e alcançaria todo Ocidente. A obra marca o inicio da Era da Sensibilidade onde a classe artística recheava sua obra carregada de intuição e emoção, perseguindo paixões e uma vida intensa de ideais.
Na luta pela sobrevivência, várias adversidades são enfrentadas. Nos momentos mais deprimentes, as atitudes humanas surpreendem pela possibilidade da barbárie, onde a selvageria se sobrepõe à racionalidade humana. São nos momentos cruciais da vida que as atitudes e comportamentos mais imprevisíveis vêm à tona. Uma dramática experiência na vida leva a condução humana ao extremo de desespero, desilusão e pânico. Por resultado, surgem os desânimos, traumas, desesperança e sofrimento, quando não se deixam abater pela desmotivação. Diante das dificuldades da vida, muitos se dão por vencido e se deixam levar à mercê da negatividade dos caminhos tortuosos da tristeza, angústia e sofreguidão. Não vêem saídas e por isso sucumbem ou praticam os mais absurdos atos. No entanto, a lição que fica desses acontecimentos é que os momentos difíceis da vida são ensinamentos inestimáveis. E estes servem para a resiliência, a motivação da superação. Por isso a resiliência está tão em voga, porque é preciso que cada um enfrente garbosamente seus desafios, independente da vitória ou da derrota dos objetivos, superando todas as adversidades com altiva determinação. Afinal, a vida prossegue para os que insistem, resistem e perseveram.


Veja mais sobre:
O cis, o efêmero & eu aqui.

E mais:
Cancioneiro da imigração de Anna Maria Kieffer & Ecologia Social de Murray Bookchin aqui.
A poesia de Sylvia Plath & a Filosofia da Miséria de Proudhon aqui.
Antonio Gramsci & Blinded Beast de Yasuzo Masumura & Mako Midori aqui.
Mabel Collins & Jiddu Krishnamurti aqui.
Christiane Torloni & a Clínica de Freud aqui.
Paulo Moura, Pedro Onofre, Gustavo Adolfo Bécquer, Marcos Rey, Mihaly von Zick, Marta Moyano, Virna Teixeira aqui.
A irmã da noite aqui.
A obra de Tomás de Aquino & Comunicação em prosa moderna de Othon M. Garcia aqui.
Essa menina é o amor aqui.
Uma gota de sangue de Demétrio Magnoli & mais de 300 mil no YouTube aqui.
A filosofia & Psicologia Integral de Ken Wilber & o Natal do Nitolino aqui.
Possessão do prazer aqui.
Roberto Damatta & o Seminário do Desejo de Lacan aqui.
A febre do desejo aqui.
A nova paixão do Biritoaldo: quando o cara erra a porta de entrada, a saída é que são elas aqui.
A ambição do prazer aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...