quarta-feira, agosto 14, 2013

PSICOPATOLOGIA & ORIENTAÇÃO, PSICOLOGIA JURÍDICA & AGÊNCIAS REGULADORAS


PSICOPATOLOGIA & ORIENTAÇÃO – Conforme Paim (1993), orientação é um complexo de funções psíquicas em virtude das quais temos consciência, em cada momento de nossa vida, da situação real em que nos encontramos. Ela se encontra intimamente ligada às noções de espaço e tempo. Para Dalgalarrondo (2008) é a capacidade de situar-se quanto a si mesmo e quanto ao ambiente é elemento básico da atividade mental. O espaço ou a violação da distância individual representa a violação das leis sociais e consequentemente, constitui a invasão do espaço pessoal ou uma intrusão nas fronteiras do eu individual. As pessoas não toleram sem um certo grau de ansiedade a invasão do seu espaço pessoal. O hospital psiquiátrico se tornou uma instituição condenada justamente porque os pacientes não dispõem de espaço pessoal. O primeiro ato de degradação no hospital psiquiátrico é a perda de identidade. O próprio ato de internação já representa uma violação da distancia individual. Os enfermos se queixam de que o seu espaço pessoal é a todo instante invadido por enfermeiras, auxiliares acadêmicos e médicos, que não têm o menor respeito pela individualidade dos pacientes. Normalmente o ato de internação supõe já o passo definitivo mediante o qual a sociedade repudia um dos seus membros e o coloca em mãos do psiquiatra. Nessas condições, o denominado louco não retornará à sociedade enquanto não for considerado adaptado às normas vigentes. Por isso mesmo, o hospital psiquiátrico sempre inspirou temor em decorrência não só das restrições impostas, mas, sobretudo, por causa dos portões fechados a cadeados, que isolam o paciente da sociedade. O tempo, com base em Jaspers, envolve o saber sobre o tempo (refere-se ao tempo objetivo e ao rendimento na avaliação correta ou falsa dos períodos de tempo), a vivência do tempo (consequência total do tempo), tratar o tempo (situação básica de temporalidade, na espera, no amadurecimento da decisão). A orientação no tempo e no espaço depende estritamente da percepção, da memoria e da continua elaboração psíquica dos acontecimentos. É através da memória que se forma a ligação entre o momento presente e o passado, estabelecendo-se a noção exata do tempo ou da época em que nos encontramos. A alopsiquica é a orientação no tempo e no espaço. Para Dalgalarrondo (2008), a orientação alopsíquica diz respeito à capacidade de orientar-se em relação ao mundo, isto é, quanto ao espaço (orientação espacial) e quanto ao tempo (orientação temporal). A autopsiquica é a indicação muito precisa sobre o estado global do psiquismo do paciente. Dalgalarrondo (2008) assinala que aorientação autopsíquica é a orientação do indivíduo em relação a si mesmo. Revela se o sujeito sabe quem é: nome, idade, data de nascimento, profissão, estado civil, etc. ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO – Para Paim (1993), nas alterações da orientação estudam-se a desorientação auto e alopsiquica, e as falsas noções sobre a enfermidade e sobre as relações do enfermo com as demais pessoas do ambiente. Essas alterações dependem estritamente do tipo de perturbação das funções psíquicas a que se acham subordinadas a orientação no tempo, no espaço e referente à própria personalidade. Para Dalgalarrondo (2008), as alterações da orientação também podem ser decorrentes de déficits de memória (como nas demências) e de qualquer transtorno mental grave que desorganize o funcionamento mental global. A desorientação apática apresente o paciente completamente lucido e perceba com clareza e nitidez sensorial o que se passa no mundo exterior, existe falta de interesse, inibição psíquica ou insuficiente energia psíquica para elaboração das percepções e do raciocínio. O enfermo percebe todas as particularidades do ambiente, mas não tem capacidade para formar um juízo sobre a própria situação. Para Dalgalarrondo (2008) essa desorientação ocorre por apatia ou desinteresse profundos. Aqui, o indivíduo torna-se desorientado devido a uma marcante alteração do humor e da volição, comumente em quadro depressivo. Por falta de motivação e interesse, o indivíduo, geralmente muito deprimido, não investe sua energia no mundo, não se atém aos estímulos ambientais e, portanto, torna-se desorientado. A desorientação amnésica caracteriza-se pela incapacidade que o enfermo demonstra para fixar os acontecimentos e, consequentemente, para orientar-se no tempo, no espaço e em suas relações com as pessoas do ambiente. A desorientação amencial advém dos casos de obnubilação da consciência acompanhada de dificuldades da compreensão e por consequência, de alterações da síntese perceptiva. Influem também no aparecimento da desorientação amencial – perturbação observada em sua forma característica no delirium de abstinência alcoólica -, onde se verificam alucinações e transtornos da compreensão que dificultam a orientação. A desorientação delirante, apesar da completa lucidez da consciência, conservação da orientação e inexistência de alterações sensoperceptivas, observa-se em alguns enfermos mentais um tipo de desorientação, resultado da adulteração da situação no tempo e no espaço. Nesses casos, é muito frequente observar uma dupla orientação, a delirante ao lado da orientação normal, de sorte que os doentes, embora orientados no tempo e no espaço, acreditam que se encontram numa prisão ou no inferno. Dalgalarrondo (2008) observa que esse tipo de desorientação ocorre em indivíduos que se encontram imersos em profundo estado delirante, vivenciando ideias delirantes muito intensas, crendo com convicção plena que estão “habitando” o lugar (e/ou o tempo) de seus delírios. Nesses casos, é comum a chamada dupla orientação, na qual a orientação falsa, de delirante, coexiste com a orientação correta. O paciente afirma que está no inferno, cercado por demônios, mas também pode reconhecer que está em uma enfermaria do hospital ou em um CAPS. Pode, ainda, ocorrer de o paciente dizer, em um momento, que está na cadeia e que os enfermeiros são carcereiros, e afirmar, logo em seguida, que são enfermeiros do hospital (alternando sequencialmente os dois tipos de orientação). DESDOBRAMENTO DA PERSONALIDADE – Segundo Paim (1993), os casos de desdobramento da personalidade, admite-se a possibilidade de apresentação alternativa, num mesmo individuo, de duas personalidade em que a primeira ignorava completamente a existência da segunda. A investigação científica do assunto mostrou a falta de consciência de tais observações. DESPERSONALIZAÇÃO – Conforme Paim (1993), caracteriza-se por um inconcebível e inexplicável sentimento de estranheza que, inicialmente relacionado com o meio exterior, estende-se progressivamente à própria personalidade. O paciente assiste como um espectador, indiferente e inerte ao desenrolar de sua vida psíquica, como se tudo aquilo não estivesse relacionado com sua própria pessoa. Conserva um invencível estado de apatia. As percepções, as ideias, assim como os atos que porventura realize lhe são completamente estranhos. Veja mais aqui.

REFERÊNCIAS
DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed, 2008.
PAIM, Isaías. Curso de psicopatologia. São Paulo: EPU, 1993.

PSICOLOGIA JURÍDICA NAS VARAS DE FAMÍLIA – Para desenvolver estudo acadêmico acerca desta temática, faz-se necessário abordar inicialmente um histórico visando a fundamentação conceitual de Psicologia Jurídica para, em seguida, tratar acerca do processo evolutivo e histórico da família, articulando-se, em seguida com as formas de atuação da psicologia jurídica na área, considerando-se os fundamentos legais, encaminhamento, entrevista, testes e laudos psicológicos, audiências e mediação. Veja mais aqui.

AGÊNCIAS REGULADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS – Para abordar a temática proposta faz-se necessário efetuar uma revisão da literatura para fundamentação conceitual e jurídica do serviço público, a distribuição de competência para pestação do serviço, abordagem acerca da regulação e seus propósitos, natureza jurídica das agências reguladoras, sua estrutura, atuação, funções reguladoras, fiscalizadora e controladora, atribuições e competências, as agências federais e estaduais, finalidades e serviços regulados, problemas existentes na regulação dos serviços públicos, conflitos entre a regulação e a prestação de serviços e as experiências, observando-se a legislação pertinente e as discussões doutrinárias. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
O teatro e a poesia de Bertolt Brecht aqui.

E mais:
Bacalhau do Batata aqui.
Padre Bidião, o retiro & o séquito das vestais aqui.
Quarta-feira do Trâmite da Solidão aqui.
Mais que nunca é preciso cantar aqui.
Bertolt Brecht, Boris Pasternak, Vanessa da Mata, Bigas Luna, Francesco Hayez, Penélope Cruz & Abigail de Souza aqui.
Clarice Lispector, Luis Buñuel, Björk, Yedda Gaspar Borges, Brunilda, Vicente do Rego Monteiro, Téa Leoni, Doro & Absurdo aqui.
O amor é o reino da surpresa aqui.
O príncipe de Maquiavel aqui.
Personalidade, Psicopatologia & Anexim do Umbigocentrismo, um ditado impopular aqui.
A entrega total do amor aqui.
Psicologia da Personalidade aqui.
Psicanálise aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui& maisaqui e aqui.



VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...