quarta-feira, agosto 14, 2013

BOCCACCIO, ROSALYN YALOW, MORATÍN, YOLANDA DULCHÉ, ALF PRØYSEN & RICOEUR

 


FIAMETTA, ETERNA AMADA – Nada mais importante que ela, nem mesmo o mistério do nascimento e da maternidade, a madrasta parente da Beatriz de Dante, as fábulas da infância, as finanças e negócios. O que valeu foi o encanto pelas mulheres e a soberba paisagem de Nápoles, a corte, o direito canônico, a leitura dos manuscritos raros, os romances franceses e a poesia trovadoresca. Nela era tudo o mais: a filha do rei, Giovana Maria d’Aquino, a rainha Fiammetta do seu coração: L'Elegia di Madonna Fiammetta, que nasceu da lenda de Flório, do qual também surge Il Filocolo, a história das aventuras, infortúnios e reencontro de Florio e Biancifiore. Era pouco e o poema Il Filostrato – não um tributo ao filósofo ateniense e mesmo que baseado em Le Roman de Troie, de Sainte-Maure, nada mais era que o prostrado pelo amor de Troilo e a viúva enlutada Criseida. Também Teseida delle nozze di Emilia, na travessia de Nápoles ao retorno de Florença. Era a vez da guerra entre França e Inglaterra, a crise, a pobreza, o retorno à Florença. Entregou à escrita de Ameto e, depois, Amorosa Visão, seguida da Elegia de Madonna Fiammetta, imortalizando a amada reiteradamente. Era a vez da peste e a morte prematura da filha Violante, refugiando-se em Nápoles. Estava tudo pronto para o Decameron, os dez dias e as cem histórias de amor entre as sete damas e os três cavaleiros, clérigos dissolutos e mulheres adúlteras. Outros tempos com a embaixada em Ravena, Il Carbaccio, o retorno para Certaldo, as conferências sobre a Comédia de Dante, a doença, a morte de Petrarca, a verdadeira cidade desconhecida onde nasceu, o último suspiro e um grande amor. – Tributo ao poeta italiano Boccaccio (1313-1375), o cronista do mundo palpável, da sensualidade dos sentidos e dos prazeres e dores carnais, precursor do Humanismo renascentista. Veja mais abaixo, e mais aqui e aqui.

 

DITOS & DESDITOS - Inicialmente, novas ideias são rejeitadas. Mais tarde, eles se tornam dogmas, se você estiver certo. E se você tiver muita sorte, pode publicar suas rejeições como parte de sua apresentação do Nobel... Pensamento da médica e física estadunidense Rosalyn Yalow (1921-2011), a primeira a receber o Prêmio Nobel de Ciências, em 1977.

 

ALGUÉM FALOU: Quase todas as novelas começam e já mataram fulano, aí o outro se vinga e mata outro e, bom, é um massacre! Se estamos vivendo em tempos tão caóticos, não vejo por que o vilão tem que existir. Nesse aspecto, acho que não estamos indo bem. Devemos pensar nas pessoas que nos veem, é quase um ensinamento. Por que não ensinar coisas melhores? Tanta beleza no ser humano e sempre mostramos as piores partes!...Pensamento da escritora, roteirista, quadrinista e roteirista mexicana Yolanda Vargas Dulché (1926-1999). Veja mais aqui.

 

ALGUÉM DISSE MAIS: O apetite do ser humano não se contenta dentro de nenhum limite; deseja sempre ultrapassar o ponto em que se encontra... Pensamento do poeta e critico literário italiano Giovanni Boccaccio (1313-1375). Veja mais aqui e aqui.

 

FILOSOFIA DA VONTADE – [...] Fundamental o desejo erótico, porque é por Eros que estamos na vida e, com um toque spinoziano, é pela atração dos corpos que preservamos a existência [...] Raiz oculta do grande jogo metafórico, o qual imp~e uma troca generalizada entre todas as figuras do amor. [...] A vida é única e universal, toda em todos. [...]. Trechos extraídos da obra Philosophie de la volonté (Aubier, 1960), do filósofo francês Paul Ricoeur (1913-2005). Veja mais aqui e aqui.

 

A PEQUENA SENHORA - [...] De novo ela começou a murmurar: 'Eu vivi muito tempo, mas em todos os meus dias de vida nunca vi o sol dar tão pouco calor em pleno verão. Parece que perdeu todo o seu poder, isso é fato. [...] Embora a ideia de uma mulher encolhendo até o tamanho de um pimenteiro seja empolgante por si só, não acho que a história precisava dos enfeites adicionais de sua voz sendo poderosa o suficiente para forçar o sol a brilhar e as nuvens a criar chuva. [...]. Trechos extraídos da obra  Little Old Mrs. Pepperpot (Galaxy, 2002), do escritor e músico norueguês Alf Prøysen (1914-1970).

 

ARTE DE LAS PUTAS - I - Bela Vênus, presidida pelo amor, e suas delícias e conteúdo você mede, dando a seus filhos com as mãos abertas neste mundo bens soberanos: Bem, você vê como minha nobre intenção é justa Dê a minha música sua respiração, para que o orbe saiba com qual arte as pessoas terão que solicitar a você, quando entenderem o que minha voz ensina uma ciência tão grande quanto a prostituição. E você, /Dorisa/, meu amor constante dignaste-te ouvir, talvez amante, ouça agora em versos em negrito como instruo o jovem perdido, e ouvir as lições muito galantes quinze que dou às famosas cortesãs. Mas já avisado meu medo prevê que ao ouvir propostas semelhantes escandaliza-se a tua modesta franqueza; bem não, linda Dorisa, não tenha medo vinte que não é o que parece no título, em substância esta obra abominável. Para mim falam as séries dos tempos; seguiram as mesmas opiniões todos os séculos, todas as nações, e eles vão encontrar no mundo praticado meus dogmas para as pessoas mais ilustres de ambos os sexos; não permita o destino que o mal obsceno ninguém aprende sendo eu seu professor; aquele que ainda não entendeu do apetite rígido, não me leia a menos que os avisos pretendidos do mal para evitá-lo, bem pego pode um crédulo ser muito facilmente, caso contrário, não é bem conhecido. Assim como os pedantes são informados do Galego e Lárraga, alunos assassinato, estupro e adultério, de pletora, aneurisma e esquinência para afastá-lo, como dizem, com um rosário e com misturas amargas, Eu não finjo com longas arengas dissuadir o amor puro e constante de solo em solo, nem quebrar o desejo a coyunda que liga o Himeneo. Quatro cinco Sofre o pescoço magnânimo e robusto seu jugo é tão pesado quanto justo, e evitará o horror de minhas lições; mas que empecilho, ó Fortuna, você colocou para alcançar! o dinheiro bruto cinquenta um falta, o outro a licença do superior ou do pai muito severo. Quem bastará para adornar a resistência para que o outro sofra eternamente a uma mulher fantástica e insolente, que confiaram no vínculo indissolúvel usurpa tiranicamente o despotismo do homem, desprezando sua prudência? De quantos infortúnios libertou fosse a humanidade se este contrato Eles vão cancelar as condições violadas! Apesar de não ser permitido, praticado vício que ainda hoje não se esconde mais; quantos suspiros, quantas aflições oculto será silenciado se a suspeita perturbe as posses seguras! Eu então daria lições inúteis; Mas como o mundo segue esse sistema, não há razão para eu temer meu conjunto. Certamente Era melhor que o mundo acreditasse em mim e seu amor cada um deu ao amado para sempre em uma articulação muito sagrada, ou na mais pura castidade vivida. Castidade! grande virtude que o céu adora, virtude de todas as espécies destrutivas, e se os brutos e pássaros a observassem Comemos na sexta-feira o ano todo: mas por que abraçar o Himeneu? Muitos nos outros castigados eles o odeiam tenazmente, porque temperado Eles não são homens, nem podem ser temperados se eles não quebram a natureza com castigos muito duros e severos, o que é desumanidade se não é ferocidade, dogma da lei natural inimigo e não pode haver homem se ele é humano que deixa de ser com maneiras feias e horrendo, satisfaz-se com mão vil o apetite brutal por seus desejos; Não é falso por não tornar público este crime, nenhum, mesmo que se cale sobre isso, se isenta. Outro incauto na complacência noturna sem a realização de sonhos pode resistir acordar umedecido, a brancura de roupas íntimas contaminadas, sem vidro próprio, enfim, desperdiçado a substância vital capaz de vida: e não sendo possível impedir o que a natureza clama em voz alta justa ou injustamente, inevitável É o amor apagar a chama ardente. Tanto Christian Demóstenes falou ameaças flagrantes do púlpito ao lascivo; mas o que eles avançaram? O mundo ainda é como era hoje; a prova é que suas razões não foram suficientes. Bem, que crime minha musa inocente comete, quando um mal inevitável não podendo extingui-lo, modera-o malícia fatal? Já que existe o mal, a maneira menos boa é e o mal seja feito bem. se eu evitasse tanto desperdício na juventude perdida, Quão felizes contemplarão meus versos! quantos alienados, mal vendidos, grandes propriedades mendigando Eles são vigiados pelas prostitutas insaciáveis! Se fosse a doçura do meu canto capaz de impressionar o horrível gaulês impuro e sua extinção alcançada, Este foi um dos meus feitos de canto. A primeira frota que nos trouxe a Espanha Colombo das Índias, a quem deram em Nápoles seu nome o francês, se ao menos oh Musa! você tem evite escândalos!... Por via das dúvidas facilitando a passagem para o bordel você vai fechar os quartos conjugais e as castas purezas virginais você vai garantir, como você seria feliz! Quem teria minha doce poesia notaria impiedade vendo que neles a honra das donzelas está assegurada. Se eles moderam as despesas excessivas que perdem a juventude lasciva, e o contágio venéreo é banido do inglês ardente e, com certeza o tálamo nupcial, o futuro frutos de bênção aguardam certos; e o infame adultério aniquilado na Espanha torna-se desconhecido, e o sempre odiado escândalo do céu, já não atinge os olhos castos mau exemplo, pequenos danos devem sofrido por ignorar mais danos. Então o Coliseu profano, o forte circo para lutar contra os bravos touros por apenas entreter tantos preguiçosos, com mil casas de jogo eles consentem. Leis, política branda aos concubinatos deu licença por salvar o consorte do leito nupcial. Cidades cultas dão com teto alto à magnificência do bordel público e as castas virgens e matronas sem honra invadida atravessam as ruas, e então oh! qualquer um que perder você compensa, a sagrada imensidão da nobreza não profanar sacrílego, ousado, O ouvido luxurioso retorna ao meu verso, que nele é o bordel imundo que ao escrever à tua lascívia descobri. E não pense que eu invento essas coisas más: de você eles são aprendidos; não que você faça Eu te mando, se não eu escrevo o que você faz e talvez ele encontre incontinência de ambos os sexos remédio quando informado de astúcia, fraude e impudência que reciprocamente em enganar praticar uns aos outros, e é possível que esta era a alteração alcançável, e todo mundo que se conhece tem medo e se odeiam e fazem as pazes pelo mundo: mas já tocado por uma profunda tristeza Considero meu crédito em escalas; você me julga uma prostituta perdida Bem, eu dou notícias sobre arte e prostitutas. Consideração ou justiça não engendra tal conceito, é uma criança espúria do humor satírico de sua malícia; nem a sugestão escrita da mente, com conduta modesta e vida reta, minha musa é brincalhona e divertida; Virgílio, assim, e Homero, o excelente eles teriam sido atrozes e guerreiros armas e canto /de raiva /; nem nomear são indicações verdadeiras de tratar a pessoa. De Alexandre, Curcio, seu historiador não viu o semblante; não admira que minha musa cante uma arte aparentemente do pior: males foram escritos muito maiores de todos aplaudidos. um escreve na terrível arte da guerra preceitos para devastar toda a terra, pernicioso e horrível para os humanos, outro finge habilitar as mãos ao fundir o metal dos canhões para derrubar homens aos milhões e alcázares que o tempo não daria ao estrondo da artilharia horrenda. A arte de derramar sangue humano com a espada fatal se aprende de príncipes e nobres, e é lido livro política suja oprimir a liberdade do povo sem que ele perceba. são bem mais leves meus crimes: não incito a desolação, destruições nem mortes horríveis: apenas facilitar o delicioso indulgências indesculpáveis de amor por caminhos para nenhum imaginável Eu solicito, e da arte meretricista Eu reivindico minha astúcia e meu descuido ser novo Tiphis e outro Maquiavel. E não vou defender que é bom, mas só sei que homens ilustres os que estavam inclinados o seguiram e aqueles que estavam com frio não; e não é uma virtude deixar o que não se gosta. Alguns vão para a Rocha, outros ficam trazer exilados para Manila: os brutos querem ser despedaçados primeiro a abrir mão desse direito. A malícia e a inveja só fizeram este vício o maior dos males, mas quão piores são as falsidades, roubo, ingratidão e tirania!; e isso acontece e ainda hoje é aplaudido. Para cerimônia apenas para não nos nomear o que fazemos: você vai ver um casado quem dirá primeiro mil impiedades que o que ele faz cada vez mais o agrada; e uma mulher honesta acha injusto que estando frio tudo é lícito; e os homens não pensam de outra forma; Bem, muitos você descobrirá que sem constrangimento eles se gabam de matar (ação horrível) e eles não ousarão dizer que geraram. Apenas uma maneira foi encontrada fazer homens; mais do que desfazê-los quantas indústrias a morte inventou! E o instrumento que os mata forte vai para gala e brasão pendente ao lado e aquele que os faz, escondido e desonrado; e os perversos dão louros aquele que mata um milhão de seus irmãos e eles desonram aquele que ama as mulheres. Quanto melhor, ou quanto menos ruim, que o grande Motezuma três mil deles, nas redes ele curtia seus belos membros que não o feroz Escanderbek mate com seu terrível cutelo três mil deles! Espero que os homens não forniquem, se isso for possível, mas se não houver remédio, espero que os vícios sejam limitados apenas para isso; perecem os traidores traiçoeiros, sem lei e usurpadores e será visto se o mundo perde ou ganha! Mas o princípio sobre o qual minha arte foi fundada Quem dirá que destrói o que ensina? ouvir. Para a mulher mais exigente Eu ensino a não pagar o trabalho vil. Se esta lição levou tudo de bom, caridade, sem dúvida, porque cada um com tanta decepção viu que o putaísmo é inútil, senão a fome, as lacerações e o abismo. /Se houver algum meio de extinguir as prostitutas/ é só não pagar: mil negócios/ e fábricas famosas foram perdidas/depois de seu trabalho sem prêmio, eles viram./ Mas se eles virem isso abrindo as pernas os sacos duros são abertos e amaciados, o que eles devem fazer senão levantar os protetores de pé pegar o ouro que não cai no chão, e vergonhoso ou cortês tente cobrir com a camisa o rosto como alguns frades santos? As façanhas da feroz Masinissa, o que são eles mais do que crimes execráveis? César, Mário e Eneias deificados, o que eram senão criminosos ilustres? e isso lhes rendeu versos e tradições que os deuses (se possível) invejaram. Quem causou mais danos? a terrível Macedônia? para Roxanne? quando na cama oriental ele a acariciou e à Rainha Talistres que procura Ele veio descansar treze noites, Ou para Dario, cujo reino foi despojado Causaram mortes, e bilhões mais, e o robusto Poro, que, arrogante, ele caiu de seu elefante imponente, sem força e sem reino e sem brasão e sem ver mais a luz das estrelas? Eles respondem e respondem. A falta de consideração chama manchas de sua história amando mulheres, e grandeza para matar milhares de homens, e o furioso Don Pedro de Castilla, Ele foi cruel por matar Don Fadrique, mas não para engravidar o Padilla. Mas se houvesse alguém para responder que seria melhor ser minha língua muda, que para dar-lhe chicotadas muito cruéis Não é certo que eu mostre Vênus tão nua, Saiba que não escrevo contra as leis. Se isso for visto com boa intenção, nas Cortes de Soria nossos reis com mantilhas escarlates distinguidas para as prostitutas, e assim eles permitiram. Todas as coisas almas perversas eles sempre corrompem: tiram as partes de touros, as devotas romarias e os teatros; o que há em comédias mas dissolução? artes que alertam com discrição suave e traiçoeira a maneira de enganar os corações. Oh! quantas honras o Portão destruiu del Sol!, quantos escândalos são chorados na profanação das igrejas! quem pode remover todas essas coisas? Não é à toa que meu verso adverte os riscos que o navegador marca porque os ignorantes fogem, nem o voo perderá a fantasia licencioso talvez, aquele que não ignora o que é zombaria, invenção e poesia. E aquela que minha arte extravia é culpa dele: favos de mel e veneno Eles saem do suco das mesmas flores. O caminhante cauteloso e aquele que rouba eles cingem o lado da espada amigo todos com intenções muito diferentes. O que é mais útil do que o fogo? Mas se ele tentar alguns queimam templos e cidades, O que há que produz mais mal? Você tem medo de que as almas ternas pervertido de crianças inocentes com meu verso? Ah, misericórdias imprudentes! Ó vigilante pai de família! Oh Yo, talvez sopista e ignorante! Você não vai tirar de sua mão delicada pontas de tesoura e faca, pistolas e as arestas de Toledo, não por causa do mal em si, mas por causa do medo de dano ao que é útil depois? Bem, essas artes ensinam eu vejo você, da mesma forma para a criança pequena até que em virtude já esteja firme. Saiba educá-lo bem e não reduza a certas fórmulas externas vãs o nome adulterado da virtude. Aos jovens, que se deve, já educados nada vai ofendê-lo, nem ele pode ignorar uso para cada membro pretendido. Se você se inclina para as artes, pintura vai te mostrar os membros femininos fazendo força nua Andrômeda. A arte do divino Policteto Ele vai te ensinar a copiar na Academia, sem véu nem modéstia, a bela Vênus; e assim moldou o cinzel em uma uva a Baco de Aranjuez na cuba. Vai parecer horrível ver pintado para meus versos um frade e uma freira que eles estão se regozijando com prazer; pois quanto mais terrível é ver pintado a horrível e cruel carnificina que em vítimas inocentes foi feito por Herodes; as raças companheiras com Ursula para morrer; ou abatido do Salvador a estátua, sacrilégio atroz do feroz iconoclasta? E a essas pinturas você dá honra e preço. Se não é o jovem ignorante ou tolo como você vai ensinar-lhe filosofia, e a anatomia experimental, e até a própria religião, sem saber Quanto você pode saber sem ver minhas artes? A notícia que oh História! você nos distribui, São todos, por exemplo? Aquele que lê quantos homens ele matou na luta Aquiles, o do capacete emplumado, Ele é forçado a fazer o mesmo? E aquele que estuda mitologia sem fé, você não aprende a falsa religião ímpia? Quem fechará os olhos inocentes da criança quando olho pelas ruas os cachorros que flertam? sempre verá fluff o mesmo tálamo para seus pais e a natureza sempre trabalhará nele. Mas o que?, a vileza atingiu tanto que propagar a espécie era ultrajante troca? E é preciso e é saboroso. Quão melhor do que o cartão pernicioso não se esconda e não terá vergonha! Não há bem no mundo que vença o bem de desfrutar de um seu ente querido; por isso não existe coisa mais perseguida da inveja dos outros: e a desconfiança de ser interrompido por outros Foi a origem de fazê-lo em segredo, Não porque fosse embaraçoso. Assim a criança se esconde desconfiada da importunação dessas outras crianças para comer apenas o doce que você deu a ele, sem ser doce comer, em si, uma má ação; e acredite em mim, está apenas se escondendo quem causa malícia; e assim vemos quanto quando a gente vê uma mama a gente se mexe, de uma donzela honesta que a cobre; mas as donas de leite não incitam nada pois o hábito e a apreensão o salvam; e isso acontece nos nus indianos. Não pense que meu verso ensina vícios; Sou um espelho, não um escritório; minha música avisa, mas não aconselha como o teatro; tão gourmets a embriaguez tornada detestável primeiro intoxicando os escravos, vendo seus filhos vice tão infame. Sua luxúria inspirou esses versos; outros sérios eu cantei, você não me ouviu; Bem, ei, pensando em encantar você doutrina bebereis disfarçado, ou cruel, porque ela não te agrada; e assim a retidão dos juízes grave não interrompa meus sotaques, nem me condene a cantar seis vezes, e o mundo vai me agradecer porque tantos esse tempo é mal usado prostituem-se sem saber o que prostituem, por falta de um professor e de um bom livro Que ele ensine a arte que, só por piedade, para utilidade comum eu escrevo principalmente para evitar absurdos. Quando hoje há tantos metodistas estudar para curar frieiras e mil outras coisas, deve ser sem regras, confiando apenas em apressar as tradições, uma ciência tão grande quanto a prostituição? Minha Musa não consentiria com isso. Bem, há o inventor tão excelente de uma arte em todos os sentidos eminente, tão útil e saboroso. Quem seria? Que elogios, sabendo disso, eu daria a ele! Mas como você não percebe minha grosseria que o autor era apenas a natureza? Na lei natural não era crime para ser os homens mais justos prostitutos, Ele também não tinha apetite naquele momento. Do pai Abraão, o venerável cabelo grisalho com a mulata Agar voltaram a ficar verdes, e Jacó satisfez ambas as irmãs, e a bela Loth, depois de embriagada, de Segor nos seios mais secretos ele fez de suas filhas mães de seus netos. Do santo rei David violou o serralho o membro de Absalão. Eu também não estou em silêncio do Salomão científico, a ciência na escolha de meninas empregadas. Da história profana não acrescente exemplar, o que não prova nada sobre isso. Dificilmente um herói em letras e grandes armas é encontrado para prostitutas não inclinadas, nem é maravilhoso onde foi inventado conveniência maior do que putaísmo? Cada um vê por si mesmo. O sangue quente inflama num jovem robusto e muito ardente, num ancião, num clérigo ou num frade, e espremendo o lodo até os rins, para baixo através de canais sutis afofar os brincos acompanhantes, os músculos flexíveis estendendo-se, e o entorpecente instrumento humano, até o umbigo fica inchado, do sêmen abundante retestado, que, explodindo para sair, verifica ser venenoso enquanto detido, de acordo com o erudito Hipócrates disse. Um homem em tal ânsia constituído, mais do que qualquer outra coisa, move a piedade; pregar a temperança não é devida, por ser inútil. Para onde eu iria? Mesmo que fosse justo que ele invadisse mulheres honestas, ele iria encontrar quem satisfaria sua gula carnal? E haverá uma providência caritativa melhor do que encontrar uma garota que ao seu gosto lhe dê licença imediata, sem custar milhares de pegadas, postes, suspiros, lágrimas, ternura, escrúpulos, dons e passeios, estar no banheiro todos os dias e passar a noite flertando, e finalmente acabar com essas obstinações com que sua honra os impede, ou quando não houver ocasião, após o outro seu gosto já alcançou mil vezes cem, e tudo ao custo de nada mais do que um pouco de dinheiro, preço vil a tanto gosto? Não sei ao certo como há quem não saia flertar do jeito quixotesco, nem como há espanhóis que cortejam contra seu caráter impaciente, fazendo do noviço o bastardo. Essa putaria não é muito ruim, eu argumento, não importa o quanto mil Matusalém gritem com testa enrugada e têmporas brancas, porque já não podem; suas razões não dão mais força, é impossível dar; risíveis são suas opiniões; acabou o tempo em que se acreditava para um homem velho tudo o que ele disse sem exame adicional; já foi banido das salas de aula a hipótese; se nega o que se vê, se não se prova. Julgue o mundo em comum esse desejo cego fofocar, acumular tesouros, ser um coração inexorável, não é mau, ou o que é mais abominável o fornicando o homem uma mozuela. Oh, vis autores da escola perversa, que você encontrou virtude em abster-se de uma coisa precisa e não prejudicial! Mas como o dano deixará de ser visto do infame político de arbitragem e outros dignos de uma lista de insultos? Eles não são os bons, não, tão perniciosos, nem devem ter vergonha de seu vício: derramar urina, o mesmo comércio torna-se quase e com a própria coisa, ninguém enfrenta mais uma ação tão forçada; e que o outro, estando em público deve, Se o mundo, como eu, fosse inocente, e a modéstia, enfim, não lhe fará falta. O Diógenes, filósofo de rara penetração, então ele pensou prudente. Mil vezes a lanterna piscando puxado para o lado, então durante o dia um homem Procurou e não o encontrou no meio de tanta gente; e a primeira garota que encontrei, com filosofia franca e muito marcial no meio de um quadrado ele o dispôs, e soltando os largos zaraguillos as respeitáveis sopalandas rosa e sem gastar respostas ou exigências, com filosofia experimental, se /ativo/ou se /passivo/concordou à geração o feminino, queria investigar; mas de repente ficou perturbado, tremores e esperanças chegando a ele; e dando-lhe beijos desdentados ansiosos, as barbas brancas cheias de lodo Eles nem deixaram ela mal respirar, e o filósofo canalha pressionou. Toda Atenas atenta o observava, e os vil ignorantes e religiosos e o Areópago escandalizou-se e o sábio, afiado como ele era, sem tirar, ergueu o rosto e disse: ó idiotas! não se admirem com riso e desprezo, Que coisa natural eu faço e o que é natureza é lícito. Do homem só simplicidade disse que isso era ruim, e outro dia Ele dirá, se quiser, que é pecado dormir e beber; e fé que haveria quem escrúpulos terá jantado. Eu não estou preso aos preceitos de outro homem; Isso não pode ser consertado como aquele que gosta de vinho; e então oh, belitres! não admira isso, pois só é ruim ser excessivamente: O que a mulher deve ser, como a espada, apenas para precisão exercitada! Se isto é pecar tão doce e tão preciso, vai o legislador que quis assim, e a natureza corrige o homem ou moderar a lei tão severamente, que não devemos ser menos que os brutos. Então o de Basto em Nápoles colocou em uma cama de cristais transparentes suas páginas com garotas diferentes, e ele, observando-os trabalhar, divertiu-se. Não por tais exemplos os Catos Eles me olham medidos e carrancudos. As donzelas mais castas e severas por aquelas ruas eles vão, seminus os corpos, desavergonhadamente, das prostitutas, e eles não o imitam; antes de odiar eles blasfemam de sua vil libertinagem. Você, então, oh ruim! a quem a tal lugar já levou meu verso, se mudou em ti está o espírito em chamas, se você está bem ciente, o que enviar a ele a um jovem bom e saudável continência é o mesmo que dar a sentença que não coma ou que não coma, duas coisas igualmente necessárias; Se você já espera, sua cintura parece virando os olhos lascivos bufando como um cavalo, se o seu não aguenta mais e de pé perde a obediência, que não há remédio, e de sua florida idade deixe-me aproveitar, vá tão nublado onde há menos maldade Visto que é necessário, descarregar em mata virgem ou serra alta; e então os dogmas que minha canção encerra eles indicam o lugar para onde ir a tempestade que vem ameaçando, desamarre-se e vamos começar... Trechos do poema Arte de las putas (Linkgua, 2013), do poeta e dramaturgo espanhol Nicolás Fernández de Moratín (1737-1780).

 

PSICOPATOLOGIA & ORIENTAÇÃO – Conforme Paim (1993), orientação é um complexo de funções psíquicas em virtude das quais temos consciência, em cada momento de nossa vida, da situação real em que nos encontramos. Ela se encontra intimamente ligada às noções de espaço e tempo. Para Dalgalarrondo (2008) é a capacidade de situar-se quanto a si mesmo e quanto ao ambiente é elemento básico da atividade mental. O espaço ou a violação da distância individual representa a violação das leis sociais e consequentemente, constitui a invasão do espaço pessoal ou uma intrusão nas fronteiras do eu individual. As pessoas não toleram sem um certo grau de ansiedade a invasão do seu espaço pessoal. O hospital psiquiátrico se tornou uma instituição condenada justamente porque os pacientes não dispõem de espaço pessoal. O primeiro ato de degradação no hospital psiquiátrico é a perda de identidade. O próprio ato de internação já representa uma violação da distancia individual. Os enfermos se queixam de que o seu espaço pessoal é a todo instante invadido por enfermeiras, auxiliares acadêmicos e médicos, que não têm o menor respeito pela individualidade dos pacientes. Normalmente o ato de internação supõe já o passo definitivo mediante o qual a sociedade repudia um dos seus membros e o coloca em mãos do psiquiatra. Nessas condições, o denominado louco não retornará à sociedade enquanto não for considerado adaptado às normas vigentes. Por isso mesmo, o hospital psiquiátrico sempre inspirou temor em decorrência não só das restrições impostas, mas, sobretudo, por causa dos portões fechados a cadeados, que isolam o paciente da sociedade. O tempo, com base em Jaspers, envolve o saber sobre o tempo (refere-se ao tempo objetivo e ao rendimento na avaliação correta ou falsa dos períodos de tempo), a vivência do tempo (consequência total do tempo), tratar o tempo (situação básica de temporalidade, na espera, no amadurecimento da decisão). A orientação no tempo e no espaço depende estritamente da percepção, da memoria e da continua elaboração psíquica dos acontecimentos. É através da memória que se forma a ligação entre o momento presente e o passado, estabelecendo-se a noção exata do tempo ou da época em que nos encontramos. A alopsiquica é a orientação no tempo e no espaço. Para Dalgalarrondo (2008), a orientação alopsíquica diz respeito à capacidade de orientar-se em relação ao mundo, isto é, quanto ao espaço (orientação espacial) e quanto ao tempo (orientação temporal). A autopsiquica é a indicação muito precisa sobre o estado global do psiquismo do paciente. Dalgalarrondo (2008) assinala que aorientação autopsíquica é a orientação do indivíduo em relação a si mesmo. Revela se o sujeito sabe quem é: nome, idade, data de nascimento, profissão, estado civil, etc. ALTERAÇÕES DA ORIENTAÇÃO – Para Paim (1993), nas alterações da orientação estudam-se a desorientação auto e alopsiquica, e as falsas noções sobre a enfermidade e sobre as relações do enfermo com as demais pessoas do ambiente. Essas alterações dependem estritamente do tipo de perturbação das funções psíquicas a que se acham subordinadas a orientação no tempo, no espaço e referente à própria personalidade. Para Dalgalarrondo (2008), as alterações da orientação também podem ser decorrentes de déficits de memória (como nas demências) e de qualquer transtorno mental grave que desorganize o funcionamento mental global. A desorientação apática apresente o paciente completamente lucido e perceba com clareza e nitidez sensorial o que se passa no mundo exterior, existe falta de interesse, inibição psíquica ou insuficiente energia psíquica para elaboração das percepções e do raciocínio. O enfermo percebe todas as particularidades do ambiente, mas não tem capacidade para formar um juízo sobre a própria situação. Para Dalgalarrondo (2008) essa desorientação ocorre por apatia ou desinteresse profundos. Aqui, o indivíduo torna-se desorientado devido a uma marcante alteração do humor e da volição, comumente em quadro depressivo. Por falta de motivação e interesse, o indivíduo, geralmente muito deprimido, não investe sua energia no mundo, não se atém aos estímulos ambientais e, portanto, torna-se desorientado. A desorientação amnésica caracteriza-se pela incapacidade que o enfermo demonstra para fixar os acontecimentos e, consequentemente, para orientar-se no tempo, no espaço e em suas relações com as pessoas do ambiente. A desorientação amencial advém dos casos de obnubilação da consciência acompanhada de dificuldades da compreensão e por consequência, de alterações da síntese perceptiva. Influem também no aparecimento da desorientação amencial – perturbação observada em sua forma característica no delirium de abstinência alcoólica -, onde se verificam alucinações e transtornos da compreensão que dificultam a orientação. A desorientação delirante, apesar da completa lucidez da consciência, conservação da orientação e inexistência de alterações sensoperceptivas, observa-se em alguns enfermos mentais um tipo de desorientação, resultado da adulteração da situação no tempo e no espaço. Nesses casos, é muito frequente observar uma dupla orientação, a delirante ao lado da orientação normal, de sorte que os doentes, embora orientados no tempo e no espaço, acreditam que se encontram numa prisão ou no inferno. Dalgalarrondo (2008) observa que esse tipo de desorientação ocorre em indivíduos que se encontram imersos em profundo estado delirante, vivenciando ideias delirantes muito intensas, crendo com convicção plena que estão “habitando” o lugar (e/ou o tempo) de seus delírios. Nesses casos, é comum a chamada dupla orientação, na qual a orientação falsa, de delirante, coexiste com a orientação correta. O paciente afirma que está no inferno, cercado por demônios, mas também pode reconhecer que está em uma enfermaria do hospital ou em um CAPS. Pode, ainda, ocorrer de o paciente dizer, em um momento, que está na cadeia e que os enfermeiros são carcereiros, e afirmar, logo em seguida, que são enfermeiros do hospital (alternando sequencialmente os dois tipos de orientação). DESDOBRAMENTO DA PERSONALIDADE – Segundo Paim (1993), os casos de desdobramento da personalidade, admite-se a possibilidade de apresentação alternativa, num mesmo individuo, de duas personalidade em que a primeira ignorava completamente a existência da segunda. A investigação científica do assunto mostrou a falta de consciência de tais observações. DESPERSONALIZAÇÃO – Conforme Paim (1993), caracteriza-se por um inconcebível e inexplicável sentimento de estranheza que, inicialmente relacionado com o meio exterior, estende-se progressivamente à própria personalidade. O paciente assiste como um espectador, indiferente e inerte ao desenrolar de sua vida psíquica, como se tudo aquilo não estivesse relacionado com sua própria pessoa. Conserva um invencível estado de apatia. As percepções, as ideias, assim como os atos que porventura realize lhe são completamente estranhos. Veja mais aqui.

REFERÊNCIAS
DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed, 2008.
PAIM, Isaías. Curso de psicopatologia. São Paulo: EPU, 1993.

PSICOLOGIA JURÍDICA NAS VARAS DE FAMÍLIA – Para desenvolver estudo acadêmico acerca desta temática, faz-se necessário abordar inicialmente um histórico visando a fundamentação conceitual de Psicologia Jurídica para, em seguida, tratar acerca do processo evolutivo e histórico da família, articulando-se, em seguida com as formas de atuação da psicologia jurídica na área, considerando-se os fundamentos legais, encaminhamento, entrevista, testes e laudos psicológicos, audiências e mediação. Veja mais aqui.

AGÊNCIAS REGULADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS – Para abordar a temática proposta faz-se necessário efetuar uma revisão da literatura para fundamentação conceitual e jurídica do serviço público, a distribuição de competência para pestação do serviço, abordagem acerca da regulação e seus propósitos, natureza jurídica das agências reguladoras, sua estrutura, atuação, funções reguladoras, fiscalizadora e controladora, atribuições e competências, as agências federais e estaduais, finalidades e serviços regulados, problemas existentes na regulação dos serviços públicos, conflitos entre a regulação e a prestação de serviços e as experiências, observando-se a legislação pertinente e as discussões doutrinárias. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
O teatro e a poesia de Bertolt Brecht aqui.

E mais:
Bacalhau do Batata aqui.
Padre Bidião, o retiro & o séquito das vestais aqui.
Quarta-feira do Trâmite da Solidão aqui.
Mais que nunca é preciso cantar aqui.
Bertolt Brecht, Boris Pasternak, Vanessa da Mata, Bigas Luna, Francesco Hayez, Penélope Cruz & Abigail de Souza aqui.
Clarice Lispector, Luis Buñuel, Björk, Yedda Gaspar Borges, Brunilda, Vicente do Rego Monteiro, Téa Leoni, Doro & Absurdo aqui.
O amor é o reino da surpresa aqui.
O príncipe de Maquiavel aqui.
Personalidade, Psicopatologia & Anexim do Umbigocentrismo, um ditado impopular aqui.
A entrega total do amor aqui.
Psicologia da Personalidade aqui.
Psicanálise aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Leitora Tataritaritatá!
Veja mais aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui& maisaqui e aqui.



NATALIE GOLDBERG, ANA MARÍA RODAS, HELEIETH SAFFIOTI, HOMENS & CARANGUEJOS

    Imagem: Acervo ArtLAM. Ao som da Fantasia Sul América para violino solo (2022), do compositor Cláudio Santoro; do Canto dos Aroe (20...