sexta-feira, março 25, 2011

NIETZSCHE, EDUCAÇÃO, ANTONIO CÂNDIDO, KRISTIN HERZOG, FECAMEPA & HUMOR FICHA LIMPA


 
Art by Kristin Herzog

DITOS & DESDITOSNa nossa cultura há uma ambiguidade fundamental: a de sermos um povo latino, de herança cultural europeia, mas etnicamente mestiço, situado no trópico, influenciado por culturas primitivas, ameríndias e africanas. Pensamento do sociólogo e crítico literário Antonio Cândido (1918-2017). Veja mais aqui.

ECCE HOMO - [...] No fato de um homem bem constituído ser agradável aos nossos sentidos; em ser talhado de uma madeira que é, ao mesmo tempo, dura, suave e olorosa. Apetece-lhe apenas o que lhe é benéfico; o seu agrado, o seu prazer cessa quando é ultrapassada a medida do suportável. Adivinha remédios contra o que causa danos, utiliza casos nocivos em sua própria vantagem; o que não o mata torna-o mais forte. Compila instintivamente a sua suma a partir de tudo o que vê, ouve, vive: é um princípio selectivo, e deixa de lado muitas coisas. Está sempre na sua sociedade, lide ele com livros, com homens ou com paisagens; honra ao escolher, ao admitir, ao confiar. Reage lentamente a todo o estímulo, com aquela lentidão que lhe ensinaram uma longa circunspecção e um orgulho deliberado – perscruta o fascínio que dele se aproxima, mas está longe de lhe sair ao encontro. Não crê nem na “infelicidade”, nem na “culpa”: sente-se realizado, consigo, com os outros, sabe esquecer – é suficientemente forte para que tudo redunde em seu maior proveito. [...]. Trecho extraído da obra Ecce homo: como se chega a ser o que se é (Covilhã, 2008), do filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900). Veja mais aqui e aqui.

EDUCAR – [...] educar é contribuir na humanização do homem. Essa formulação implica uma dupla compreensão do humano. Sem dúvida,quando o homem nasce, ele já é um ser humano, no sentido de que ele pertence à espécie humana e traz por si só elementos de crescimento biológico, de amadurecimento psíquico e de desenvolvimento cognitivo, aos quais, no seu conjunto, podemos chamar de hominização, que de forma alguma esgota a realização das suas potencialidades humanas. A intenção educacionalé tornar o homem homem, nesse segundo sentido, de desenvolver nele o que tem de mais humano e que não é simplesmente resultado da sua maturação natural. Isso não implica a crença de que a plena realização de todas as potencialidades humanas seja possível. Trata-se de um processo de aproximação [...]. Trechos extraídos de Reflexões em torno de um possível objeto epistêmico próprio da Educação (Pro-Posições, jan./abr. 2007), do professor e pesquisador Ferdinand Röhr. Veja mais aqui e aqui.


FECAMEPA – Quando eu brinquei na demonstração de que o Brasil seria um país que poderia ser levado a sério, eu não tinha menor noção pregulóide de que um dia eu poderia ficar indignado com uma cagadona jactante do Supremo Tribunal Federal (STF), acrescentando mais cropólitos na nossa claudicante trajetória de republiqueta de gatunildos e ladronaldos. Sempre tive a esperança beócia de que a justiça tardaria, mas que, mesmo atrasada que só o trem de Cortês, um dia lá nas esferas da eternidade, vingasse. Eu sempre achei melhor aquela do antes tarde do que nunca, muito embora achasse que nunca era o definitivo.



FICHA LIMPA – Confesso que fiquei maravilhado com a campanha Ficha Limpa, promovida por 1,3 milhões de cidadãos brasileiros. Na hora eu disse: tô dentro. E timbunguei do jeito que estava. Afinal era uma campanha levantada pela sociedade civil brasileira legitimada constitucionalmente, objetivando a melhoria das nossas instituições políticas e envolvendo a vida pregressa dos candidatos para inelegibilidade de Fabos (fabricantes de bosta) e Fabobas (Fabos que são usuários do óleo de peroba). Resultado: em 2010, virou a Lei Complementar 135/2010 – a lei da Ficha Limpa.




Aí entra em cena o eleitor e o juridiquês, ou seja: vamos ver no que dá para ver como é que fica.




Como o juridiquês é um português na maior remoeta – faz que vai, nem vai, nem fica (?!?) -, ou como diz Thoreau: “[..] Valem tanto quanto cavalos e cachorros [...] como a maioria dos legisladores, políticos, advogados, funcionários e dirigentes, que servem ao Estado principalmente com a cabeça, e é bem provável que sirvam tanto ao Diabo quanto a Deus [...]”. E o eleitor é um fabo em pequenas proporções. Aí, babau.




É que o juridiquês discutia o princípio da anterioridade, indubitavelmente arranchado nas pilas dos ficha suja. E o eleitor tinha a oportunidade de sacramentar a volta do enterro, defenestrando as trepeças. No que deu? O juridiquês empancou e o eleitor cagou na rabichola e deu brecha. O litígio foi parar no STF, jogo duro: 5x5. Aí, no de repente aparece um de minerva aos 49 minutos do segundo tempo e pei bufe: 6x5 pros empestados.




Perdemos o jogo e a revanche tinha ficado para 2012.

Aí o juridiquês foi mais longe feito chato de galocha numa manhã chuvosa: a lei é inconstitucional.




Que é que é isso, meu? Aí a OAB sinalizou que pode acionar o STF para garantir a Ficha Limpa em 2012. Pode não, deve. Se não for, não me espantarei; afinal a corda de guaiamum sempre se espicha, né não?




Enquanto isso: e agora? Ou a gente leva ao pé da letra o que dizia Thoreau “[...] A lei nunca fez os homens sequer um pouco mais justos; e o respeito reverente pela lei tem levado até mesmo os bem-intecionados a agir cotidianamente como mensageiros da injustiça”, ou então vamos apenas sacramentar nossa sina de palermas. Enfim a lei foi aprovada, bonitinha como manda o recado, porém, o que tem de ficha podre eleito governando, sacaneando, votando, discutindo e parlamentando não está no gibi. Eu insisto e canto a Carta à República do Milton Nascimento e do Fernando Brant:


Sim é verdade, a vida é mais livre
O medo já não convive nas casas, nos bares, nas ruas
Com o povo daqui
E até dá pra pensar no futuro e ver nossos filhos crescendo e sorrindo
Mas eu não posso esconder a amargura
Ao ver que o sonho anda pra trás
E a mentira voltou
Ou será mesmo que não nos deixara?
A esperança que a gente carrega é um sorvete em pleno sol
O que fizeram da nossa fé?
Eu briguei, apanhei, eu sofri, aprendi,
Eu cantei, eu berrei, eu chorei, eu sorri,
Eu saí pra sonhar meu país
E foi tão bom, não estava sozinho
A praça era alegria sadia
O povo era senhor
E só uma voz, numa só canção
E foi por ter posto a mão no futuro
Que no presente preciso ser duro
E eu não posso me acomodar
Quero um país melhor

Vamos aprumar a conversa & tataritaritatá!!!!



Veja mais sobre:
O olhar de Ísis Nefelibata, Baruch Espinoza, Arundhati Roy, Julieta Venegas, Vera Pedrosa, Christian Carion, Antonio Canova, Henri de Toulouse-Lautrec, Diane Krüger, Cicero Melo & A tragédia grega aqui.

E mais:
Aprendi com a vida, John Cleland, Wolfgang Amadeus Mozart, Maria João Pires, Iara Iavelberg, Flávio Frederico, Maria Melilo, Lucian Freud, Jorge Calheiros & Railton Teixeira aqui.
A fila da Caixa pro caixote da Fecamepa, Raimond Bernard, Jean-Jacques Rousseau, Hideo Nakata, Barbara Hendricks, Yūko Takeuchi, Denis Mandarino, Os sonhos e a morte & Música na escola aqui.
Fecamepa à República, Sigmund Freud & Fundamentos da técnica psicanalítica, Leopold Nosek, Björk, Lars von Trier, Catherine Deneuve, Renée O’Connor & Ísis Nefelibata aqui.
Antígona de Sófocles, Emily Dicksinson, Sérgio Augusto & outras tuitadas das biblias do voyeurismo mundano aqui.
Educação, PNE & inclusão aqui.
A trajetória da mulher, Manuel Bandeira, Abade Vogler, Bastos Tigre, Augusto Boal, Cristina Gallardo-Domas, Silveira Bueno, Heather Graham, Steve Hanks, Herbalismo & Califasia aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Adoção no Brasil aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa do Tataritaritatá!
Arte by Ísis Nefelibata
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



ANNE-MARIE DE BACKER, EUGENIO MONTEJO, JASON STANLEY & ROALD DAHL

    TRÍPTICO DQP: A certidão da sobrevivência... Ao som do concerto Delicate Sound of Thunder - Live in New York (1988), da banda britâni...