segunda-feira, agosto 10, 2009

FERNANDO PESSOA, JUDITH BUTLER, ESTER NAOMI PERQUIN, ANTONIO CÂNDIDO, GÁNDARA, HERMANN GROSSER, KATIE ST. IVES, FECAMEPA & LITERÓTICA


 
Portrait de Madame Rémy Salvator (1900/02), do ilustrador e pintor francês Antonio de la Gándara (1861-1917).

LITERÓTICA: ESSA MENINA - Volupte, do ilustrador e pintor francês Antonio de la Gándara (1861-1917). - Essa menina é feita de lua. Ela voa na rua prontinha querubin. E me apronta tlin tlin no alto da campina onde tudo é cantina feita só de si. Ah, essa menina que dança com jeito, somente a gingar. Qual estrela lá mansa na unha matutina, desde sonsa ilumina onde antes supunha nunca existir. Ela está sempre aqui como chama na retina, como a grama que mina todo o quintal. E se faz de vestal de todos os presságios. Ela alucina ao contágio. E ela só vale ágio na sina do apelo a brilhar nos cabelos toda magia. O que eu mais queria: roubar o seu cheiro, seu secreto terreiro de tangerina. Ah, fulmina iminente – ela não é gente – é deusa a mendigar. Essa menina é feita de mar, intensa, quiçá, real mais divina. Quando vem cabotina só me desmantela. Ela vira a janela pronta pr´eu abrir. Essa menina chega com o olhar ardendo de vida. Quase desvalida com a boca nas asas que vaza e é guia perdidas esquinas, toda emoção repentina com o sopro de aguerrida na pele. O paladar que repele na maior febre, que tudo se quebre ao sol posto - a saliva com gosto de boa cajuína. Ela é tão traquina: o seio da boca sedenta. E venta maior ventania. E, todavia, se põe a chover: o corpo queimando o prazer. Essa menina é feita do rio que escorre ao quadril pra me afogar. Patati, patatá, é ela que me abriga como se eu fosse a viga que ela quer sustentar. Essa menina, bailarina da noite, em carne viva, vitalina, essa flor menina a me servir sucessivas entregas, peças que prega nos meus cinco sentidos. Essa menina é feita de peso: a coxa tatua o desejo que as pernas eqüinas rolam sobejo do sexo azul. Eu todo taful com seus pés nos meus braços que o abraço fulmina e lateja, água que poreja tão pequenina e vira ribeirão na luz feminina. Vingo-lhe a nuca que me ilumina e ela me sorri encantada, franzina com a gula que vai da glória à ruína. Essa menina e a mão culpada de amor. Ela brota, ereta, me socorre, me empesta. Salta da grota, na greta, virada na breca, capeta, na alvura exalta, cristalina. E tudo se arrasta, arrebata, contamina. E me larga no sopro. Meu corpo oficina. Maior serpentina de carnaval. E me faz imortal. Vem e ilumina a vida toda esquecida no meio da paixão. É quando, então, ela cisma do mundo e reduz quase tudo na palma da mão onde ela mais que altaneira me deita na esteira e me nina um milênio de paixão. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOS - A vida é oca, a alma é oca, o mundo é oco. Todos os deuses morrem de uma morte maior que a morte. Tudo está mais vazio que o vácuo. É tudo um caos de coisas nenhumas. Pensamento de Bernardo Soares, um dos heterônimos do poeta e filósofo português Fernando Pessoa (1888-1935). Veja mais aqui.

O HOMEM CONTEMPORÂNEO - [...] O homem contemporâneo não parece mais reconhecer como naturais e humanos os lugares e contextos sociais em que vive, assim como não consegue mais realizar, de modo natural, os gestos e os atos mais comuns da vida cotidiana e “normal” (o motivo da inaptidão, da incapacidade de viver normalmente) [...]. Trecho extraído da obra Narrativa (Casa Editrice G. Principiato, 1986), do professor Hermann Grosser (1892-1953).

SEXO/GÊNERO – [...] A distinção sexo/gênero e a própria categoria sexual parecem pressupor uma generalização do “corpo” que preexiste à aquisição de seu significado sexuado. Amiúde esse “corpo” parece ser um meio passivo, o que é significado por uma inscrição a partir de uma fonte cultural representada como “externa” em relação a ele. Contudo, quando “o corpo” é apresentado como passivo e anterior ao discurso, qualquer teoria do corpo culturalmente construído tem a obrigação de questioná-lo como um construto cuja generalidade é suspeita [...]. Trecho de Variações sobre sexo e gênero: Beauvoir, Wittig e Foucault, da filósofa pós-estruturalista estadunidense Judith Butler, extraído da obra Feminismo como crítica da modernidade (Rosa dos Tempos, 1987), organizado por Seyla Benhabib e Drucilla Cornell.

ARTE & LITERATURA – [...] A arte, e portanto a literatura, é uma transposição do real para o ilusório por meio de uma estilização formal, que propõe um tipo arbitrário de ordem para as coisas, os seres, os sentimentos. Nela se combinam um elemento de vinculação à realidade natural ou social, e um elemento de manipulação técnica indispensável à sua configuração, e implicando uma atitude de gratuidade [...]. Trecho extraído da obra Literatura e Sociedade (Ouro sobre Azul, 2000), do poeta, ensaísta, professor universitário e crítico literário Antonio Cândido (1918-2017). Veja mais aqui.

PREVIAMENTE - Na primeira existência aprendes logo o formato, / célula após célula desenrola-se em meadas organizadas, planta membros, / és reduzido lentamente a um conceito de seis letras. / Esqueces-te de como era ser perfeito. Permaneces assim brevemente, / reconheces as oportunidades no decorrer do tempo, roças-te à / coincidência, armas-te com a razão e o tempo, / até demarcas uma vida anterior. / No momento em que te divides / desapareces simultaneamente / em dois amantes. / Muitas vezes é esse o fim, vêem-se demasiado tarde, / é como se houvesse um estranho obstáculo ou / as suas míseras vidas se desenrolassem em cidades incompatíveis. / Por vezes, revelas-te contumaz, encontras com exatidão / a fenda, deixas-te repentina e imprevisivelmente / voltar a fundir-te num só. Poema da premiada poeta holandesa Ester Naomi Perquin. Veja mais aqui.

 A beleza erótica da atriz estadunidense Katie St. Ives.


SACADAS & TUITADAS:

FECAMEPA: O Brasil surgiu como terra prometida e se tornou a tragédia e na calamidade camufladas para o povo brasileiro!!!!

Paradoxo do Fecamepa: as redes de TVs que deviam ser abertas por serem públicas estão na TV paga, pode?

FECAMEPA: No Brasil, o Executivo, o Legislativo e o Judiciário vivem só de ré-pra-trás atrapalhando a vida da gente e privilegiando só os compadres, tubibas, gatunildos e ladronaldos!

Advogado é aquele que aprende a ganhar de todos os lados no litígio para derrota de ambas as partes.

Briga no Congresso Nacional é como jogo marmelada: só perde quem tá na platéia!!

Voto no Brasil é como alvo no penico: o tiro só sai pela culatra!

Paradoxo do Fecamepa II: a Música Popular Brasileira é a música que o povo desconhece!

No Brasil, de popular mesmo só lubrificação de gaia na dor de corno de todo brasileito.

No Brasil, os poucos que têm tudo não dormem de tão vigilantes, porque temem que a maioria esmagadora que não tem nada roube tudo deles.

Paradoxo do Fecamepa II: quanto mais merda o cara faz, mais o povo dá corda pra cagada dele.

EITA, PORRA!!!! Essa agora recebi por mail: Um certo cidadão passa pela porta do plenário do Congresso Nacional e só ouve a barulheira da gritaria lá dentro: “Filho da Puta!! Ladrão!!!! Salafrário, Corrupto, Falsário, Oportunista, Chantagista, Assassino, Traficante, Mentiroso, Vagabundo, Sem-Vergonha, Trambiqueiro, Preguiçoso de Merda, Vendido, Alagoano, Assaltante...”. Vixe, eita porra! Assustado, ele pergunta ao segurança que está vigilante na porta: “- O que está acontecendo ai dentro? Estão brigando?” Vai o guarda da vigilância e responde: - “Não, meu senhor, estão fazendo a chamada.". Ah, ta!
PS: uma perguntinha que não quer calar: isso que os parlamentares do Congresso Nacional fazem é ou não falta de decoro? Vamos aprumar a conversa & tataritaritatá!!! Veja mais o Fecamepa aqui & mais tuitadas aqui.



Veja mais sobre:
Vamos aprumar a conversa, Ariano Suassuna, Elomar Figueira de Mello & Camerata Kaleidoscópio, Luís da Câmara Cascudo, Leandro Gomes de Barros, Cantadores de Leonardo Mota, Lauro Palhano, Sylvie Debs, Mariana Pabst Martins & Ciro Fernandes aqui.

E mais:
Responsabilidade social aqui.
A teoria política do individualismo possessivo de Hobbes a Locke aqui.
Direito: teorias, interpretação e aplicação aqui.
A qualidade na gestão escolar aqui.
Inclusão social pelo trabalho, Pitágoras, José Louzeiro, Samir Yazbek, Jacques Rivette, Xue Yanqun, Ednalva Tavares, Lisa Lyon, Música Folclórica Pernambucana & A imprensa na atualidade aqui.
Literatura de Cordel: Quadrilha junina, de Francisco Diniz aqui.
Literatura de Cordel: Sidrião e Maristela ou A goiaba da discórdia, de José Honório aqui.
Velta, a heroína brasileira aqui.
Método Científico aqui.
História & Literatura do Teatro aqui.
Literatura de Cordel: As flô de puxinanã, de Zé da Luz aqui.
Papel do professor na aprendizagem aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

IMAGEM DO DIA

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora/fã/ouvinte manifestando seus parabéns pelo programa/blog Tataritaritatá! Obrigado, lindamiga, um presentaço!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.



GEORGIA O'KEEFFE, RUBEM ALVES, AL-CHAER, ANGELITA CARDOSO, ANTÔNIO PAULO REZENDE & PRESTAR CONTAS AO AMOR

PRESTANDO CONTAS AO AMOR – Ah, bela mulher-menina de Sun Prairie, o vivo olhar, ah, os olhos, cada detalhe de flor nas aquarelas das ca...