domingo, janeiro 16, 2022

LUCIA ETXEBARRIA, IAN MCEWAN, ELVIRA NAVARRO PONFERRADA, JAVIER CERCAS & PELÓPIDAS SOARES

 

 

TRÍPTICO DQP – É de lástima a pele dos pusilânimes... – Imagem inspirada no livro homônimo de Vital Corrêa de Araújo, ao som do Piano Pieces for Children - Japanese Festival (1955), do compositor japonês Nakata Yoshinao (1923-2000). - Diacaso, entrechos... Nenhumoutra escolha. Olhalgaravias... Encontroutros no pasto dos infames com metano cru, insanos que duram mortes. Se dialvorecia tal noitescura não era apenas jogoxímoros: era vidagora, feito garotórfão & escolabandonado, trabalhexcessivo, mortesforço pra fortunaventura, inocentinsensato... Um futurilusório: empregrana poucurtíssima, flordidade degenerazões. E o cineastiraniano Jafar Panâhi em riste: Isto não é um filme. Não era mesmo! E eu aos homoteleutos de idos ados udos edos e odos. Tudo. Para onde foram todos? A resposta com o escritorespanhol Javier Cercas: O que as mentiras e calúnias têm de pior é que quase sempre acabam nos contaminando, porque é muito difícil não ceder à tentação de nos defendermos delas tornando-nos mentirosos e caluniadores. E não era só a sindemia e o desgoverno coisonário: era o reinado da estupidez e da morte. Não fosse a jornalistescritora espanhola Lucia Etxebarria: A ignorância é uma traidora que se aliou à imaginação... Eu me tornaria um quase talvez grego desesquecido de tudo e teimando posteridade.

 


A tragédia nossa de cada dia... - Imagem: a arte do artista bengalês Javed Jalil - E daí? Era o dilúvio. Os deuses lamentavam a criação da humanidade, levados pela resolução de exterminá-la definitivamente. Um deles, Ea, apiedou-se da raça humana e revelou a Umnapishtim o projeto, aconselhando-o confeccionar uma barca com medidas exatas e nela subisse com todos os seus, só assim escaparia da inundação do mundo: Tudo quanto tinha embarquei, toda semente de vida subiu, toda minha família e parentela, porque o senhor das trevas fará chover impurezas, entrei na embarcação e fechei a porta. Mesmo assim, a desordem. Eu e eles. E o predito se fez violento por seis dias e seis noites, os deuses se arrependeram; os nossos, não. Quase quatranos e a impunidade verdadeira, quantos aproveitadores, coniventes todos. E as águas romperam as margens, subestimaram as Pedreiras, inundaram a praça da matriz e os que haviam subido o Matadouro não foram poupados. Só me restou ouvir de Ian McEwan em Amsterdam: Sabemos tão pouco uns dos outros. Jazemos quase que submersos, como blocos de gelo, mostrando apenas a parte branca e fria de nossos eus sociais. Ali estava uma rara visão, por baixo das ondas, do tumulto e da privacidade de um homem, da sua dignidade posta de cabeça pra baixo pela necessidade avassaladora de fantasia pura, de pensamento puro, por aquele elemento humano irredutível – a mente. Não podia ser, não, jamais. Nem havia razão alguma de ser justamente eu o escolhido para assistir todessa aluvião.

 


Se tarde passou a hora... - Imagem: arte da artista argentina Helena Wierzbicki. - Prondecêfoi? Mundoco, imagemalogrou. Como foi mesmo, hem? Ela nua me levou para uma solenidade hierogâmica. Estava perdido e nada sabia. Era um simples mortal com o talismã da morada, ora diante do leão, ora da pomba. Ela havia chorado a desgraça como se sentisse as dores do parto e vociferou soberana, com sua bela voz para Ninlil sem Enlil, Ereshkigal sem Nergal, Babu sem Ningirsu, mais Nana, Ininni, Ninharsag, todas e as tríades delas: Acaso dei a luz ao meu povo para que seja dizimado entre si? Os deuses inexoráveis: todos fraquejaram e tentaram contra eles. Irritados com a ignominia, infligiram o golpe desditoso, torturando infortunados. Ela protestou: Estamos cercados de demônios para fazer os meus sua presa, são os sete da montanha do ocidente, crescidos na montanha do levante, habitantes dos buracos da terra, cobertos de brilho! Nadadiantou. A deusa-grão Nidaba braçabertos para me proteger e contou da Criação: Prepara-te. Que tu e eu combatamos. Perdi a razão e fiquei fora de mim, quase chorei. Ela recitou um encantamento da fórmula mágica que o Georges Conteneau escreveu sobre as mulheres de Assur e Babilônia. E depois me fez fugir para salvar nossas vidas. Em fuga cruzei com saudoso centenário Pelópidas Soares: Outro sol se levanta... E eu não via porque havia pressa em tudo, o mundo enlouquecido. E foi preciso que a escritorespanhola Elvira Navarro Ponferrada me avisasse: Não quero dizer que estou fazendo algo super novo, mas para mim é, estou passando por territórios que não tinha explorado antes, e isso é o que é divertido, o que é estimulante. É isso que me interessa como criadora, não concebo que a criação possa ser diferente. Tenho a impressão de que muitas coisas chamamos de periferia. Mas nossas próprias regiões de sombra também estão na periferia, tentamos não vê-las e encurralá-las. E me apontou para a Vitória Régia como se eu fosse o deus do seu panteão e não era: um desvalido a mais no pesadelo da existência. Até mais ver.

 

E mais:

CANTARAU & OUTRAS POETADAS

POEMAGENS & OUTRAS VERSAGENS

FAÇA SEU TCC SEM TRAUMAS – CURSO & CONSULTAS

 

Vem aí o Programa Tataritaritatá. Enquanto isso, em 2022: 40 anos de ArtLAM & 20 anos do TTTTT. Veja mais aqui.

 


STELLA NYANZI, NASTASSJA MARTIN, AGUSTINA BAZTERRICA & SEMANA HERMILO

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Liszt: Piano Sonata & other works (Hyperion Records, 2015), Bach: The Art of Fugue (Hy...