terça-feira, março 10, 2009

ALBERT CAMUS, SHELLEY, JULIANA DE NORWICH, ANTONIO CÂNDIDO, LITERÓTICA & ENTREVISTA MULHER COSTUREIRA


A arte do pintor, diretor de cinema e novelista alemão Peter Weiss (1916-1982)

LITERÓTICA: DELA - Como sempre ela me ganha! Numa façanha de paixão tamanha. Só porque ela me faz a maior manha e me alisa entre as mãos. E me escraviza em sua prisão: sua tesão gulosa, dela ficar cor de rosa de tanta possessão. Maior sedução. E mais fricção quando fecha os olhos, é quando eu me molho e ela me beija, lambe e boceja toda alagada. E de uma só talagada, ela me engole e me agita e me bole quando tudo palpita porque mais se ajeita, mais ela se enfeita com o meu suor. Eu fico zoró e ela, com teimosia, me dá toda regalia de ser todo seu sem dó. PRESENTE - O seu amor, ela me dá. Nuínha em flor? Mas, tá! E toda mandona, de tudo pidona porque tudo dá. O seu sorriso, ela me dá. Ô coisa linda da gente endoidar. É maior que a vitória que se possa ganhar. Maior que bolada que se quer premiar. Destá. O seu carinho, ela me dá. E faz burburinho preu não me aquietar. Ô bicha danada, arteira, que diz que não presto pra nada, que sou porqueira e em mim faz sua pirãozada, faz a sua feira. Isso porque ela é dona e quer sempre mais. E me quer na sua cona todo cheio de gás. Depois vira a Madona toda brincalhona de frente pra trás. O seu beijo, ela me dá. Quando vai lá e me traz a luz do dia. Faz que vai lá no cais e minha vida arrodia só pra fazer diferente no meio da noite quente quando a gente se arrepia. É quando sou seu quibebe, ela minha abóbora. Atrepada ou de cócoras, ela mata minha sede e a gente se irradia. É muito demais, coisa de arrasar. Tudo ela me dá. aniversario sempre porque todo dia ela me de dá tudo dela de presente. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOS - Desejas aprender a intenção do teu Senhor nesta coisa toda? Aprende-o bem: o amor foi sua intenção. Quem o mostrou a ti? Amor. O que mostrou a ti? Amor. Por que o mostrou? Por amor. Permanece assim e aprenderás e saberás mais deste amor, mas nunca, eternamente, saberás nem aprenderás que o amor é outra coisa diferente. Pensamento da escritora mística inglesa Juliana de Norwich (1342-1416).

SÍSIFO - [...] O mundo em que vivo repugna-me, mas sinto-me solidário com todos os homens que nele sofrem. [...] numa esquina qualquer, o sentimento de absurdo pode bater no rosto de um homem qualquer [...] Todas as grandes ações e todos os grandes pensamentos têm um começo ridículo. Muitas vezes as grandes obras nascem na esquina de uma rua ou na porta giratória de um restaurante. Absurdo assim. O mundo absurdo, mais do que outro, obtém sua nobreza desse nascimento miserável [...] Cenários desabarem é coisa que acontece. Acordar, bonde, quatro horas no escritório ou na fábrica, almoço, bonde, quatro horas de trabalho, jantar, sono e segunda terça quarta quinta sexta e sábado no mesmo ritmo, um percurso que transcorre sem problemas a maior parte do tempo. Um dia apenas, surge o “por que” e tudo começa a entrar numa lassidão tingida de assombro [...] Se o pensamento descobrisse nos espelhos giratórios dos fenômenos relações eternas que os pudessem resumir e resumir a si mesmas num princípio único, poderíamos falar de uma felicidade do espírito da qual o mito dos bem-aventurados seria uma ridícula falsificação. Essa nostalgia de unidade, esse apetite de absoluto ilustra o movimento essencial do drama humano [...] Eu dizia que o mundo é absurdo, mas ia muito depressa. Este mundo não é razoável em si mesmo, eis tudo o que se pode dizer. Porém o mais absurdo é o confronto entre o irracional e o desejo desvairado de clareza cujo apelo ressoa no mais profundo do homem. O absurdo depende tanto do homem quanto do mundo [...] Se há absurdo, é no universo humano. Desde o momento em que sua noção se transforma em trampolim de eternidade, não está mais relacionada com a lucidez humana. O absurdo não é mais aquela evidência que o homem constata sem admitir. A luta é evitada. O homem integra o absurdo e nessa comunhão faz desaparecer seu caráter essencial que é oposição, dilaceramento e divórcio. Esse salto é uma escapatória [...] Não se trata de dissertar sobre a moral. Tenho visto pessoas bem moralistas agindo errado e todos os dias comprovo que a honestidade não precisa de regras. O homem absurdo só pode admitir uma moral, aquela que não se separa de Deus: a que se dita. [...]. Trechos extraídos da obra O Mito de Sísifo: ensaio sobre o absurdo (Janeiro: Record, 2004), do escritor, dramaturgo e filósofo francês Albert Camus (1913-1960). Veja mais aqui.

LITERATURA & SOCIEDADE – [...] Tomando o fator social, procuraríamos determinar se ele fornece apenas matéria (ambiente, costumes, traços grupais, idéias), que serve de veículo para conduzir a corrente criadora (nos termos de Lúkacs, se apenas possibilita a realização do valor estético); ou se, além disso, é elemento que atua na constituição do que há de essencial na obra do valor estetico. [...] um sistema vivo de obras, agindo umas sobre as outras e sobre os leitores: e sóvive na medida em que estes a vivem, decifrando-a, aceitando-a, deformando­a. A obra não é produto fixo, unívoco ante qualquer público: nem este é passivo, homogêneo, registrando uniformemente o seu efeito. [...]. Trechos extraídos da obra Literatura e Sociedade: estudo de teoria e história literária (Companhia Editora Nacional, 1985), do poeta, ensaísta, professor universitário e crítico literário Antonio Cândido (1918-2017). Veja mais aqui.

SONETO - Ao vir de antiga terra, disse-me um viajante: / Duas pernas de pedra, enormes e sem corpo, / Acham-se no deserto. E jaz, pouco distante, / Afundando na areia, um rosto já quebrado, / De lábio desdenhoso, olhar frio e arrogante: / Mostra esse aspecto que o escultor bem conhecia / Quantas paixões lá sobrevivem, nos fragmentos, / À mão que as imitava e ao peito que as nutria / No pedestal estas palavras notareis: / “Meu nome é Ozimândias, e sou Rei dos Reis: / Desesperai, ó Grandes, vendo as minhas obras!” / Nada subsiste ali. Em torno à derrocada / Da ruína colossal, a areia ilimitada / Se estende ao longe, rasa, nua, abandonada. Poema de do poeta inglês Percy Bysshe Shelley (1792-1822). Veja mais aqui.

A arte do pintor, diretor de cinema e novelista alemão Peter Weiss (1916-1982)


JAQUELINE ALVES PINTO – A linda jovem ariana e paulista Jaqueline tem apenas 21 anos de idade e é costureira em Ubá, Minas Gerais. Ela se diz uma pessoa alegre, sincera e que fala o que pensa.

LAM - Jaqueline, vamos começar pelo lugar que você nasceu: o que você acha do lugar onde nasceu? É só uma lembrança ou tem importancia e faz com que você se orgulhe do lugar onde nasceu?

Eu amo Mauá. Tenho poucas lembranças de lá, mas eu amo esse lugar chamado São Paulo.

LAM - Qual a importância da familia para você? Seus pais acompanham e dialogam com você? E seus irmãos e parentes?

Minha familia é tudo pra mim e em primeiro lugar.
Sim, muito tambem .

LAM - O que você pretende ser e alcançar profissionalmente na vida? Você tem algum objetivo na vida?

Gostaria muito de ser modelo ou dançarina, mas espero que um dia o papai do céu me dê essa oportunidade...
Meu objetvo? Vencer todos os obstáculos da vida...

LAM - O que você espera da vida? Você espera um milagre ou está pronta para batalhar pelo que deseja e anseia?

Da vida a gente espera tudo por que a vida é uma caixinha de surpresas.
Pra trabalhar eu estou disposta qualquer hora ....

LAM - Quais as suas principais preferências musicais, nutricionais, sociais e pessoais? O que você gosta de fazer nas horas vagas?

Gosto de todo tipo de musica e gosto de tirar fotos. Eu amo tirar fotos...

LAM - Que experiência positiva você tem do seu período escolar? A escola contribuiu para a sua formação e tem preparado você para vida, para o trabalho e para o exercicio da sua cidadania?

Olha, eu parei de estudar parei na oitava serie, mas pretendo voltar a estudar...

LAM - O que você mais detesta na escola? Existe algo que deveria mudar na escola?

Como ja disse, não estudo, mas eu adorava quando eu estudava..

LAM - Como você ver seus amigos? O que voce espera deles? As pessoas valem a pena ser consideradas ou a vida é uma onda mesmo?

Meus amigos são as coisas que eu mais adoro, eu espero deles muito carinho.
Sim, acho que é muito importante a gente considerar alguem....

LAM - O que você acha do Brasil? É o melhor país do mundo ou precisa dar um jeito nessa troçada toda?

Eu amo o Brasil. É tudo pra mim, mas acho que tem muita coisa a ser mudada por que ainda tem coisa que precisa mudar mais. O Brasil é o melhor pais pra se morar...

LAM - Qual a mensagem que já teve oportunidade de tomar conhecimento e gostaria de dividir com outras pessoas?

A inveja é a arma do incompetente!


VEJA MAIS:
MUSA TATARITARITATÁ
TODO DIA É DIA DA MULHER



Veja mais sobre:
Salgadinho: de riacho pra esgoto, Boaventura de Sousa Santos, Imre Kertész, Friedrich Schiller, Millôr Fernandes, Ennio Morricone, Gustav Machatý, Emílio Fiaschi, Joseph Mallord William Turner & Hedy Lamarr aqui.

E mais:
A musica de Monique Kessous aqui.
Dicionário Tataritaritatá aqui.
Cidadania e dignidade humana aqui.
Literatura de Cordel: O cavalo que defecava dinheiro, de Leandro Gomes de Barros aqui.
Direitos adquiridos aqui.
A arte de Tatiana Cobbett aqui.
Tortura, penas cruéis e penas previstas na Constituição Federal de 1988 aqui.
Literatura de Cordel: Emissários do inferno na terra da promissão, de Gonçalo Ferreira da Silva aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.




CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.
  




HUMBERTO MATURANA, SAMANTA SCHWEBLIN, NÚRIA AÑÓ & LÍVIA FALCÃO

    TRÍPTICO DQP: Sobrevivo... – Imagem: AcervoLAM: Antes do Verbo havia o antes e era Néstogas, a o som do Concert Barbakan Festival Brat...