segunda-feira, agosto 27, 2007

RICOEUR, GABRIELLE ALTHEN, BACON, GEORGE PÓLYA HAMILTON WERNECK, DIREITOS HUMANOS, ERATO, ÍSIS, PINDORAMA & SARDINHA



DE PINDORAMA À CARTA DE CAMINHA - Prest´enção! Dando prosseguimento ao aprazível e engalobador Festival, aos não sei mais que dias do ano da graça de mil e quinhentos e cipapau primeiro, a farra comendo no centro corria solta na maior farofada em Pindorama, ao som do verso de Virgílio que já havia virado sucesso na voz de Caetano Veloso, “Navegar é preciso, viver não é preciso”, quando lembraram lá pras tantas que já deviam ter informado à sua majetade el rei de Portugal da descoberta da grande ilha, a Ilha de Santa Cruz. Não, não era uma ilha, era a Terra dos Papagaios. Isso. Não, não era, era a terra d´além mar, do pau-brasil! Eita! Não, não era. Peraí, afinal o que porra que era? Arre égua! Fala sério, que droga é nove? Era, depois de todas as nomeações cavoucadas possíveis e sequer imagináveis no quengo deles, enfim, o Monte Pascoal na Terra de Vera Cruz, pronto. Isto porque até o nome Brasil, muita água ainda vai heraclitamente rolar e depois eu conto, nessa não, só na outra, tá? Definida então como Terra de Vera Cruz, Cabral revestido dos poderes de deidade corporificada mais sisuda e autorizada, afiando a lucidez antes que tomasse na tarraqueta, ordenou seu escrivão juramentado, oficial bastante nomeado, Pero Vaz de Caminha, que escrevesse em bom termo e forma apropriada à boa nova ao rei, lavrando a certidão de nascimento da terra descoberta. Ih! O negócio começou a feder. Tanto é que com cara de poucos amigos e daquela expressão sei não, o tal Caminha fulo mais injuriado que as intrigas do Joaquim com Manuel, ficou matutando o que dizer, quase fundindo a cuca já imaginando os maus bofes do rei cheio das perguntas: - Sim, mas tem o que? Lá ia letárgica e desmunhecadamente escrevendo – ai que preguiça boa! -, que a terra chã com grandes arvoredos, grandes em tudo, povoada por ingênuos índios todos uns pardos tanto avermelhados com seus arcos e setas, nus de corpo e alma, de bons rostos (ui!), bons narizes, bem feitos (ai!), sem nada cobrindo as vergonhas e nem aí (uiuiuiuiui!!!).... - Sim e o que mais? -, já se imaginava que era assim que o rei peiticava. E ele prosseguia escrevendo caprichosamente que havia moças gentis dos cabelos compridos e muito pretos e que, cá pra nós, suas vergonhas são tão altas, tão cerradinhas e tão limpinhas das cabeleiras, cheirosinhas, gostosinhas, que, ave!... ah, são todas tingidas de baixo a cima de uma tintura colorida e certo era tão bem feitas e tão redondas das vergonhas tão graciosas... ah, maior trupé pro juízo do cristão!!!! - Ah, tá, sim, sim. E o que mais? Enfim, o escrivão narrou para a majestade, trocando em miúdos dos mais trocados que porventura possa deixar como prova dos nove, a terra “em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo”. Que boquinha de praga, hem? Findo com um ponto final mais na marreta que na necessidade. Foi quando Américo Vespúcio depois de dar uma rasteira no Colonbo, meteu o bedelho tentando dar um outro ponto mais reticente na lenga-lenga: “Pelo visto, nessa terra não tem nada que se aproveite”. Ôxe, ele iria desistir da América do Norte por coisa mais absurda pras bandas de baixo? Tá doido é? Botou foi gosto ruim mesmo. Já deu para sentir, né? Foi quizília por anos e décadas. E como uma cagada nunca vem sozinha, os tolotes redundaram aos pipocos e a torto e a direito. Pois foi. Enquanto arengavam pra saber o que tinha e o que não havia em Pindorama, os lusitanos nem se tocaram que o Brasil já existia antes mesmo de ser descoberto por eles. U-huuuuu!!! Isso mesmo, pois já estava sacramentado em tombo juramentado pelo Papa Eugenio IV que assinara já em 1445, a bula confirmatória das doações feitas ao príncipe D. Henrique pelos reis D. Duarte e D. Afonso V, quanto à jurisdição espiritual das conquistas religiosa e militar em favor da Ordem de Cristo, cuja sede, na época da descoberta do Brasil, já estaria situada na cidade de Thomar. Confusão dos diabos. Eita, porra! Aí, lascou. Perdeu completamente a graça, né não? Nunca que eu imaginasse que uma coisa já fosse dada por nascida antes mesmo de ser conhecida. Ou acho que é como a cornagem ao postulante à peruca de touro, este sendo o último a saber do seu próprio uso, quando toda paróquia nem levava mais a sério de tão comum se tornara. Ou seja, para mim, no frigir dos ovos, era o começo da maior roubada. E a pagação de mico fica mais evidente quando vem a comprovação de que, na vera, a coisa já era nascida mesmo e também conhecida por todos, menos por eles. Fodeu Maria-preá! E o pior que era mesmo! Provam isso Alonso de Hojeda e Vicente Ianez Pinzon, bem como os maíres que já vasculhavam tudo na região. Verdade, os franceses já eram íntimos dos daqui. Eita, pau! E como falei no antes deste, fenícios, vikings, celtas, iberos, gauleses, bretões, anglos, saxões, francos, germanos, neerlandeses e o escambau fizeram, pintaram e bordaram por aqui muito antes dessa besteirice portuguesa virar essa zona toda. Também não deixam por mentira o fato da existência do Tratado de Tordesilhas assinado entre as coroas de Portugal e Espanha em 7 de junho de 1494, partilhando as terras do Novo Mundo recém descoberto, incluindo o Brasil. Pois bem, conversa vai, enrolança vem, para desembananar tudo, ficou certo que os portugas tomariam conta da terra de Pindorama e fim de papo. Mas a confusão não finda por ai. Verdade, a cagada prossegue e quem pagar pra ver, verá. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais Fecamepa aqui.


PENSAMENTO DO DIA – [...] No mundo do trabalho, é indispensável a capacidade de integração entre a razão, o afeto e a emoção, estimular a a função afetiva da educação para perceber e vivenciar as questões humanas com uma visão mais aberta. Com um relacionamento o mais interativo possível. Acreditar na força dessa tríade, numa integração permanente e contínua, é saber conviver, pois é isto que torna uma equipe sinérgica, capaz de fazer a soma das partes maior que o todo, de desenvolver uma ética adequada ao tempo de nossas vidas, e ser criativa, isto é, fazer mais com menos. [...] Trechos da obra O profissional do século XXI (Record, 2003), do pedagogo e professor Hamilton Werneck. Veja mais aqui.

ALGUÉM FALOULeia, não para contradizer nem para acreditar, mas para ponderar e considerar, o filósofo inglês Francis Bacon (1561-1626). Veja mais aqui e aqui.

ALGUÉM FALOU II – [...] a atribuição de uma ação a um agente parece mais uma sentença pela qual um juiz atribui a cada uma das partes em competição o que lhe pertence. [...]. Extraído da obra O si-mesmo como um outro (Papirus, 1991), do filósofo francês Paul Ricoeur (1913-2005). Veja mais aqui e aqui.

CIÊNCIA & SENSO COMUM – [...] Em ciência, como no senso comum, existe uma estreita relação entre ver com clareza e dizer com clareza. Quem não diz com clareza não está vendo com clareza. Dizer com clareza é a marca do entendimento, da compreensão. Enunciar com clareza o problema é indicar, antes de mais nada, de que partes ele se compõe. É a este procedimento que se dá o nome de análise. [...] deve tomar ciência de cada e todas as implicações da sua situação. Se possível, represente o problema de forma gráfica. O desenho revela relações que permanecem escondidas na escrita e na fala. É tolo tentar responder uma questão que você não entende. É triste ter de trabalhar para um fim que você não deseja. Coisas tristes e tolas como estas frequentemente acontecem, dentro e fora da escola, mas o professor deve evitar que ocorram na classe. O estudante deve entender o problema. Mas não basta que ele o entenda. É necessário que ele deseje sua solução. [...]. Trecho extraído da obra How to solve it: a new aspect of mathematical method (Doubleday, 1957), do professor e matemático húngaro George Pólya (1887-1985).


DECLARAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS - Artigo 1º - Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. Artigo 2°  - Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autônomo ou sujeito a alguma limitação de soberania. Artigo 3° - Todo indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Artigo 4° - Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos. Artigo 5° - Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. [...]. Veja mais aqui e aqui.


ERATO - Presidia a poesia lírica. É alegre e folgaz, coroada de mirto e rosas. A mão direita segura uma lira e a esquerda um arco. Ao seu lado está um pequeno amor e, às vezes, pássaros beijam-se aos seus pés. Veja mais aqui.

DOIS POEMAS1 – Pousou sobre o tapete no centro do quarto / o tempo redondo como uma maçã / a estrela já havia perdido seu brilho / e nós plenamente nus no momento do beijo / apesar do nosso desejo de aplaudir / estávamos imóveis, os dois / o tempo sem braços nos habitava / a grande maçã pousada sobre o tapete / sem entrelaçamentos / o giz / o O tempo como um alargamento da pessoa. 2 – Eu decido, diz o artista, organizando seu reino sobre sua floresta de estacas enquanto que a invisível claridade, estrangeira e boa filha, espalha-se sorrindo sobre a tela, como se esperasse apenas a decisão de plantar esta improvável decoração ou sua liberdade pura. Viu-se triângulos de pássaros vivazes transpor a onda sem tocar a água, enunciando numa pulsação a hora e a manhã. Outrora havia encontrado a noite, uma cortina sobre a qual tenho medo de machucar a fronte, enquanto que sem deixar de ser deliciosa, a claridade me escapava, a pura fugitiva, a maravilhosa claridade, que não se vê jamais, que não se toca e que reconduz docemente invisível ao visível. Lavou-se os olhos. A transparência, divertindo-se no pátio, nos proíbe de confabular. Poemas da poeta francesa Gabrielle Althen.

O GOZO MATINAL DE ÍSIS - Para começar o meu dia, eu preferiria que você aqui comigo me amando, me fodendo, que me chamasse de amor, que me dissesse do seu amor, me explorasse toda socando seu pau em todos os meus vãos, cavalgando no seu pau, rebolando nele, deixando tudo o que eu sinto se derramar na sua carne, coração e vida. Pra você estou aqui alisando o grelo, a buceta e o cu, me permitindo sonhar que são seus dedos, me aliso com os desejos latejando pra você chegar me socando toda, me fodendo gostoso, me dizendo coisas safadas, me apertando e alisando enquanto eu agarro seu pau e o levo pra dentro de mim, alternando com chupadas, lambidas e massagens nele. Amo, quero, desejo, vivo e morro por você... chupadas, beijos, lambidas para arrancar seus gozos e lhe dare  entregar tudo isso urgente pra você .. eu quero vcocê muito, amo demais, além da conta... do limite, do possível, do impossível... sou sua, tome conta, egoísta e possessiva, que seja, eu adoro isso, vou adorar sempre pelo amor que tenho, seja meu dono, saudade e vontade de pegar você e apertar, beijar, lamber, chupar, encher de amor, carinho, esfregadas e gozo... Assim tem sido o meu querer, lutar por vc, pelo seu amor... estou em estado de loucura, você conseguiu me deixar assim, sem noção, sem controle, sem mais nada de meu pra mim mesma, sem moral, sem dignidade, sem minha alma, sem meu coração, sem eu mesma, tudo é seu, tudo você levou de mim... no mais, você é o meu maior sonho de vida, de amor, de luz, de tudo... te amo e te amarei, pra sempre viu... sou sua, não posso mais ser mais nada na vida, nem de ninguém, sou mais nada sem você.. ... te amo, não posso negar, essa entrega foi sincera, verdadeira... você tirou tudo de mim, uma mulher que eu não sabia existir, minha identidade, tudo, tudo, me abri toda: pernas, sexo, coração, alma, todinha, de forma jamais pensada na vida, lhe entreguei a alma, me desnudei diante de voc}e, meu corpo, o que tenho feito pra você, Luiz Alberto, você tirou tudo de mim, me dei sem reservas, tudo... não é só tesão, nem só amor de pica, não sinto vergonha de imiplorar, de me humilhar diante do seu pau duro, de mostrar ao mundo o quanto te amo, jamais me arrependerei disso pois o que é verdadeiro e sincero, não traz vergonha pra gente... jamais terei vergonha de amar e foder com você dessa forma... isso é e sempre será seu, pra toda vida, já disse, quando eu me for, seu nome será a última palavrra na minha boca e você no meu pensamento... quero que me xingue, me bote pra baixo dos seus pés, lambuze minha cara sua pica, enfie ela no meu rabo, me chame de puta, de quenga, me foda, que me rasgue e me possua, sou sua, toda sua, o gozo é tão mais gostoso se tudo é por você, loucuras jamais imaginadas, safadezas, libidinagem sem qualquer pudor, maior putaria, é assim... assim que você me tem, é isso que você me faz, ao ver seu vinho branco – a porra deliciosa da pica que eu chupo e bebo tudo pra brindar em louvor a esse caralho que é a minha adoração, a razão de viver, minha exibição insana de puta toda sua, largada e toda somente pra você... estou em gozooooooooooooooooooooooooooooooo, vem cá, vem...... vem amor.... me fode... eu te pegando apenas com a toalha enrolada e eu procurando seu mastro por cima dela até que acho que faço loucuras com ele, variando da boca, o cu e a buceta, ai que tesão, vou gozar, gozaaaaar.... aaahhhhhh... fui para o banho escorrendo paixão, mal podendo esperar para me livrar da toalha largada, arranquei-a sonhando com você a me despir e isso me fez remexer as ancas, na loucura dos desejos latejantes entre as pernas. Abri o chuveiro e me permiti um banho morno, bem morno após a longa e sofrida noite e tudo o que eu sentia, era como se seu corpo me cobrisse no lugar da água morna... cheguei a sentir sua pele de seda a me roçar, esfregar e me toquei com calma, porém com certo desespero pelo gozo há dias reservado, contido. Meti o dedo na buceta, percebi o calor lá dentro e tudo o que eu queria era o seu pau se enfiando em mim. Depois de socar o dedo lá nas passagens vaginais, eu meti dois dedos no cu, socando-o com cuidado mas metendo de fato como se fossem os seus mágicos dedos a me explorarem toda. Não me contive, meus lábios agiam como extrema vontade diante de um prato gostoso, irresistível, suculento e passei a língua nos lábios, desejando seu falo brincando neles até que minha boca ansiosa, gulosa, abocanhasse esse troféu da minha querência e chupei você, dedo na buceta, dois decos no cu e remexi novamente as ancas como se me abrisse ao seu prazer, à sua boca, à sua língua e queria mesmo estar cavalgando como louca no seu remo encantador. Com os dedos no cu, encostei o punho na xana, me recostei na parede suada pelo ar morno, quase quente do chuveiro e em movimentos esfregadiços, vai e vem, montando o meu safado e delicioso macho, eu gemi, gemi, gemi e me deixei desmanchar em gozo, misturando meu champagne à água daquele banho inesquecível... chamei o seu nome, lágrimas desceram no meu rosto de corpo trêmulo. Lavei-me sentindo o carinho do sabonete por toda a minha pele e entranhas, sentindo apenas o seu delicioso mastro passando por todos os meus cantos e recantos sem fins, sem rumos, com destino apenas voltado para o meu homem, você, meu amor... que eu chupo, lambuzo e engulo até a garganta, pau gostoso, pica deliciosa, eu chupo e você me quer de quatro, eu me viro, me enrabe, vá, me foda, ah, você enfia a pica na minha buceta deslizando devagarinho dentro dela, enlouqueço, e você tira e enfia todinha no meu cu, ai, que delícia, ser toda fodida por você, eu quero, vou gozar de novo... estou ardendo, me fode, estou acesa pronta pra ser fodida, vai me fode, macho do caralho gostoso, eu quero você me fodendo, urgente, sempre e para sempre, vá me fode, eu quero você, amor, meu macho, meu gostosão, meu tesudaço, EU QUERO VOCÊ enfiado, socado, metido, enfiado, me socando, me espragatando, me fodendo todinha, vá, esse cu é seu, vai porque eu sou sua e todos os meus sentires são seus, jamais foram de outra pessoa, pois jamais senti o que sinto por e com você... vai me fode o cu, vai ah, adoro seus beijos nas minhas costas, ah, vou gozar, vou arriar, quero beijar seu pau que é meu, beijá-lo, lambê-lo., chupá-lo, ah cacete gostoso, engolindo-o desesperadamente, inteiro, todinho, deliciosamente meu... minha buceta está molhadíssima, quero abrir as pernas pra você entrar, se meter, me foder, meter, meter e meter, vem amor, meta, metaaaaa, mete nessa buceta que é sua, vai, me soca todaaaa, sou sua, suaaaaaaaaaaaa, foda-meeeeeeeeeeeee, vem logo, vem... vem cá, estou com pernas abertas esperando você foder e tomar conta do que é seu... vem, crave seu pau na minha alma, enfie-o na minha boca e deixa que o resto eu faço, eu quero fazer, preciso fazer, me deixa ser a sua mulher, sua, toda sua com todas as perdições a que você me leva, para que eu me ache na seiva do seu chafariz... eu preciso de você, eu quero você, vem, se meta todoooooooooooooooooooooo, vem logo, vem.... ahhhhhhhhhhh, haja ar que resista ao que sou para você e ao que quero dar pra você... quero viver tudo com você, tudoooooooooo, me chupa vai, chupaaaaaaaaaaaaaaa, meta sua lingua na sua mulher que o ama, que é só sua, me chupeeeeeeee, chuuuuuuupeeeeeee, meu grelo o quer, vem, e se guarde no meu cu.... vem, vem, vemmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm....estou ardendo, explodindo, morrendo, desmanchando, quase gozandoooooooooooooooooooooooooooooooooo, não sei se aguento foder tanto assim, estou gozandooooooooooooooo com você enfiadoooooooooo em mim.... vemmmmmmmmmmmmmmmm. Texto pornoerótico de Ísis Nefelibata. Veja mais aqui.



Veja mais o Projeto de Extensão Infância, imagem e literatura, Hermilo Borba Filho, Horácio, Ixchel, Diego Rivera, Jean Sibelius, Epicuro de Samos, Anne-Sophie Mutter, Irene Ravache & Maria Luísa Mendonça aqui.


E mais também Camargo Guarnieri, Umbigocentrismo, Denise Levertov, Johan Huizinga, Philippe Ariés, Lauri Blank, Kim Thomson & Emil Nolde aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.


CERNUDA, BAUMAN, AHMED SEFRIOUI, SANTANA, ACKERMAN, DAVID GISTA & BIBLIOTECA

OS FANTASMAS DA BIBLIOTECA – Imagem: Him Again , do pintor francês David Gista . - Ao regressar para minha terra, resolvi fazer uma resid...