sexta-feira, fevereiro 10, 2006

CLARICE, BUÑUEL, BRUNILDA, VICENTE DO REGO MONTEIRO, BJÖRK, YEDDA GASPAR, ABSURDO & MUITO MAIS




BRUNILDA – A história de Brunehild ou Brunilda está ligada à saga germânica dos Nibelunger, que deu motivo para às famosas óperas de Richard Wagner. Ela, rainha da Islândia, além de muito bela, tinha uma força e habilidade esportivas prodigiosas. Quem a quisesse desposar, teria primeiro que provar superioridade, vencendo-a em três jogos: o lançamento de um dardo, o de uma pedra e um salto a distância. Se o pretendente falhasse em qualquer dessas competições, seria executado. Gunther, o rei germânico de Worms, resolve tentar a prova, contando para isso com a ajuda secreta do invencível príncipe Sigefredo, filho do rei Sigismundo, de Sante. Graças a um talismã que o tornava invisível, derrota Sigefredo a rainha nas três provas, impulsionando o fraco Gunther e dando-lhe o valor atlético de um verdadeiro gigante. Só a pedra, que Brunilda atirava a uma distância de doze braças, mal podia ser carregada por doze homens. Embora furiosa e revoltada, a rainha cumpre o prometido, mas reage na noite de núpcias e humilha Gunther, amarrando-o de pés e mãos e prendendo-o a um gancho, como se fosse um odre. Só na noite seguinte, consegue ele dominar a hercúlea mulher, outra vez com a ajuda de Sigefredo, de novo invisível, e exerce as suas prerrogativas de esposo, obtendo de então por diante a submissão completa de Brunilda. Veja mais aqui.
Curtindo o premiado álbum Medúlla (DualDisc, 2004), da cantora e compositora islandesa Björk. Veja mais aqui e aqui.

EPÍGRAFEO absurdo é o senso comum dos artistas, dos poetas e dos loucos; a verdade é o senso comum dos sectários, frase do pintor, desenhista, escultor, professor e poeta Vicente do Rego Monteiro (1899 – 1970). Veja mais aqui.

ABSURDO – Do conceito de desarmonioso para o ouvido, o termo absurdo evoluiu para o conceito de fora de harmonia com a razão, oposto à razão, insensato. A noção de absurdo se origina dos filósofos eleatas da Grécia antiga: Zenão de Eleia já introduzia o absurdo aparente como princípio de raciocínio filosófico, ao provar matematicamente a impossibilidade dos movimentos que seria uma ilusão dos sentidos. Nas aporias paradoxais de Zenão pode-se reconhecer uma redução ao absurdo das teses pitagóricas, que atribuíam ao ponto uma determinada extensão. Por isso Diógenes Laércio identificou em Zenão o criador da dialética, isto é, da lógica entendida como redução do absurdo. Da parte dos escolásticos tais métodos deviam para demonstrar, ironicamente, a falsidade das proposições de um adversário, estabelecendo a probatio per absurdum (prova pelo absurdo) e a reductio ad absurdum (redução ao absurdo). Através do uso escolástico do absurdo, identificou-se na antiguidade com o conceito de falso. A noção de absurdo esteve latente nas filosofias irracionalistas ou nas que se recusavam a encontrar uma explicação racional para a existência. Paralelamente a essas filosofias, tal noção encontrava-se também subjacente em muitas expressões artísticas do passado, sobretudo nas manifestações do nonsense, do fantástico, da literatura dos sonhos, do humor negro, entre outras, e que são conceitos afins de absurdo no sentido moderno, porém distintos. O nonsense seria o disparatado puro e simples, o absolutamente sem sentido, enquanto o absurdo teria sempre um sentido, embora inexplicável e recôndito; o fantástico se situaria numa fronteira indefinida entre a realidade e a irrealidade, ou seria um modo peculiar de ver a existência, através de fantasias individuais, enquanto o sentimento do absurdo estaria ligado ao real em si mesmo, independente das projeções subjetivas. O humor negro se caracteriza como expressão essencialmente gratuita, enquanto a noção de absurdo estaria comprometida com a busca de significação para o real. No século XX a ficção de Franz Kafka foi interpretada como fonte de preocupações com o tema do absurdo. Já a noção do absurdo da existência, subjacente em alguns precursores da filosofia existencial, como Kierkegaard e Unamuno, tornou-se núcleo básico de algumas expressões filosóficas e artísticas modernas. A tese do absurdo existencial foi explicitada por Albert Camus em um ensaio denominado O mito de Sísifo, em que o personagem mitológico encarna a inutilidade do esforço humano. Ao lado da expressão filosófica, a obra ficcional e dramática de Sartre e Camus revelaria também, através de situações típicas, a problematização do absurdo. Os existencialistas procuraram uma saída para o dilema da condição humana, propondo uma escolha lucida do próprio destino, em Sartre, ou a revolta, em Camus. Esta saída foi negada pelos representantes do teatro do absurdo, que não admitem sequer a possibilidade de explicação para o real, proclamando a impotência dos atos humanos. Neles, ao contrário dos existencialistas, de expressão quase sempre realista, o absurdo emerge funcionalmente na própria representação cênica, com a mimica grotesca, o nonsense, o humor negro e as expressões parabólicas. Esse componente irracionalista, entretanto, ao cabo de seus poucos anos de utilização no teatro, vem sendo integrado de tal forma a certas estruturais textuais, cênicas e espetaculares, que sua irracionalidade e absurdez se vêm fazendo cada vez mais meros recursos de uma sintaxe teatral mais complexa, de que podem emergir lucidamente, não só formas de contestação e de contracultura, senão que também formas lúdicas e recreativas, já que seu uso meramente técnico ou instrumental pode comportar as mais variadas significações intencionais. O absurdo teatral faz-se, desse modo, equivalente ao absurdo especulativo, lógico, filosófico ou dialético, consoante o contexto social em que se inscreve. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

O BANHO – No livro Perto do coração selvagem (A Noite, 1944), primeiro romance da escritora e jornalista Clarice Lispector (1920-1977), destaco o trecho: [...] As mãos de Joana se mexeram independes da sua vontade. Observou-as vagamente curiosa e esqueceu-as logo depois. O teto era branco, o teto era branco. Até seus ombros, que ela sempre considerava tão distantes de si mesma, palpitavam vivos, trêmulos. Quem era ela? A víbora. Sim, sim, para onde fugir? Não se sentia fraca, mas pelo contrário possuída de um ardor pouco comum, misturado a certa alegria, sombria e violenta. Estou sofrendo, pensou de repente e surpreendeu-se. Estou sofrendo, dizia-lhe uma consciência à parte. E subitamente esse outro ser agigantou-se e tomou o lugar do que sofria. Nada acontecia se ela continuava a esperar o que ia acontecer... Podia-se parar os acontecimentos e bater vazia como os segundos do relógio. Permaneceu oca por uns instantes, vigiando-se atenta, perscrutando a volta da dor. Não, não a queria! E como para deter-se, cheia de fogo, esbofeteou o próprio rosto. Fugiu mais uma vez para o professor, que não sabia ainda que ela era uma víbora... O professor admitia-a de novo, milagrosamente. E milagrosamente ele penetrava no mundo penumbroso de Joana e lá se movia de leve, delicadamente. [...]. Veja mais aqui.

VONTADE DE AMAR – Entre os poemas da poeta Yedda Gaspar Borges, destaco o poema Vontade de amar: Como sinto vontade de amar... / amar você sem preconceito, sentir seu corpo estremecer / a gozar de prazer. / Sua boca sôfrega a beijar / meu corpo loucamente. / Como sinto vontade amar... / amar você tenho direito, / deste meu desejo realizar. / Sentir você todo por inteiro, / sua boca linda a murmurar, / morde meu pescoço ardentemente. / Amar você totalmente / sem medo e sem barreiras. / Entregar-me a você de tal maneira, / que nada nem ninguém / venha separar. / Como sinto vontade de amar. Veja mais aqui.

EL, O ALUCINADO – O filme El, o alucinado (1952), dirigido pelo controvertido cineasta espanhol Luis Buñuel (1900-1983), conta a história de um cidadão que mantem uma imagem de homem tranquilo, conservador e religioso. Durante uma missa, conhece a noiva de um amigo. Em pouco tempo, consegue separá-los e casar-se com ela. Depois do casamento, passa a ser um homem paranoico, ciumento e atormentado. Veja mais aqui e aqui.

IMAGEM DO DIA
Arte de Meimei Corrêa. Veja aqui, aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Musa do dia: a atriz canadense Téa Leoni.
Veja aqui e aqui.


DORO COM RESSACA DAS BRABAS, RESOLVE PARAFRASEAR JEAN-PAUL SARTRE - Imagem do artista plástico Rollandry Silvério. Em pleno carnaval o Doro se prepara para a sumida de sempre.Ele tem logo uma justificativa na ponta da língua:

- A genti cumeça no birinaite todos nos trinquis do sociarmente. No fim, tá tudo no acanalhadamente.

Pois, tá dando de parafrasear Jean-Paul Sartre, no seu “Idade da razão”:
“(...) Quando a gente está bêbada dá-se ao luxo do patético”.

Hahahahahahaha!! E hoje é dia de lavar a jega no mé, né?

Veja mais o Doro aqui.  




Veja ainda mais O amor, Antonio Rocco, Johannes Brahms, Marin Alsop, Virgílio, Lucia Santaella, Thomas Hardy, Rabindranath Tagore, A commedia dell’arte, Wong Kar-Wai, Maggie Cheung, Corina Chirila & Lenilda Luna aqui.

E também Buda, Darcy Ribeiro, August Macke & Yes aqui.




CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.
 


DRUMMOND, RIMBAUD, LEMINSKI, MARITAIN, GILVAN LEMOS, JACOB DHEIN, GENÉSIO CAVALCANTI, CARIJÓ & SÃO BENTO DO UNA

CARIJÓ, SÃO BENTO DO UNA – Imagem: Céu de São Bento do Una , de Renatinha @Renatalcaet – Carijó, meu amigo, minhas mãos limpas e esta mis...