quinta-feira, junho 01, 2017

JOÃO TERNURA DE ANÍBAL, PRIMEIRA VEZ DE JULIANA DE AQUINO & BRINCARTE DO NITOLINO

Veja detalhes aqui.

DIA DE MUITO, VÉSPERA DE NADA - Até ontem não havia nada, só o desejo na contagem regressiva, o resultado só para amanhã e o futuro da noite, interfaces da solidão. Amanhecia sequestrando o domingo, o feriado virava cantiga de grilo no trampo. O feito e refeito de nada valiam, coisas pro lixo, estaca zero. Justapostos planos de horas para fugas do labirinto, quando o vento soprava, desastres a vista; quando a chuva descia, transbordavam os rios pra reduzir o mundo ao ermo, vitórias feitas de cinzas, derrotas acenando na esquina. Realmente até ontem não havia nada, só melancólicas fisionomias severas com seu jeito fingido dissimulando o menosprezo pelos outros insignificantes que nascem para reclusão da pobreza de seus destinos cruéis, prontos com suas intemperanças verbais exasperadas na fúria mal humorada do recato hipócrita que escondia o despudor deslavado, oh gente difícil essa. De algum lugar uma voz terna me chamava atenção ao ouvido, como quem fala generosamente coisa fraternal, e eu me virei pra ver e não vi quem era, parecia voz da mulher amada que chega sem avisar e sai sem se despedir. Quem seria? Não deu pra ver, estranhei espantado quem a capacidade de tal gentileza, tão difícil nos tempos atuais, à procura, cadê, pés nas poças e a lama salpicou a minha e a roupa de outras pessoas, está doido? Alguém gritou e nem vi, procurava aquela voz que sumiu e esperava encontrá-la de mão em mão, passo a passo, remembranças à flor da pele celebrando a vida ao canto de amor, ah o amor sempre às voltas do meu coração. A buscar do afeto daquela voz me levou por lugares nunca vistos e perdi a noção do tempo, sabia não encontrá-la, sempre assim, as coisas me fugiam entre os dedos, o que não interessava era que fincava a bandeira da aversão ao meu redor a todo tempo e momento. Então, mais nada afora isso, até ontem assim, nada demais. Hoje, amanheci teimosa esperança, tola pra quem dá tudo por perdido, resiliente pra quem persevera sem saber qual razão pra seguir entre tantos destroços. Assim sou, do que fui pro que vou e voo. O meu dia de tudo, posto que nada possa ocorrer, quem sabe, de uma hora outra tudo vira de cabeça pra baixo e, pelas tabelas, possa ser que dê de cara com o que nunca pude ver ou saber na minha louca forma de ser e viver. Um dia como outro, meu recomeço diário pra fazer o novo de novo e sempre. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

JOÃO TERNURA DE ANÍBAL MACHADO
[...] Não adiantava fingir naturalidade, de maneira a ser confundido com os demais acompanhantes: o jeito, o olhar, e sobretudo a colocação especial no grupo da frente o denunciavam. Tanto assim que das calçadas e janelas a direção dos dedos, os olhares, as exclamações eram só para ele, o renegado, o filho da Liberata.
Trecho da obra João Ternura (José Olympio, 1980), do escritor, professor e homem de teatro Aníbal Machado (1894-1964). Veja mais aqui, aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Quando não é na entrada é na saída, O autor como produtor de Walter Benjamin, Antologia Pornográfica de Alexei Bueno, Linguística & Estilo, Fronteiriços de Anna Bella Geiger, a música de Andrea dos Guimarães, Wunderblogs, a ninfa Carna, a arte de Gilvan Samico & Matéria Incógnita aqui.

E mais:
Vamos aprumar a conversa, Pensamento complexo de Edgar Morin, Pirotécnico Zacarias de Murilo Rubião, As criadas de Jean Genet, o cinema de Rainer Werner Fassbinder & Hanna Schygulla, a arte de Hanna Schygulla, Imprensa, a música de Alanis Morissete & a pintura de Thomas Gainsborough aqui.
Credibilidade da imprensa brasileira, A imprensa & Millôr Fernandes, a música de Eduardo Gudin, História da Imprensa de Nelson Werneck Sodré, Beijo no asfalto de Nelson Rodrigues, a literatura de Cervantes & a arte da jornalista Enki Bracaj aqui.
Inclusão social pelo trabalho, Pitágoras, José Louzeiro, Samir Yazbek, Jacques Rivette, Xue Yanqun, Ednalva Tavares, Lisa Lyon, Música Folclórica Pernambucana & A imprensa na atualidade aqui.
A mulher do médico, Do sentir de Mario Perniola, a fotografia de Alfred Cheney Johnston, a arte de Sandra Cinto.& Akino Kondoh, Sonhos graúdos na diversão da mocidade aqui.
Mil sonhos na cabeça e o amanhã nas mãos, A pedra do sono de João Cabral de Melo Neto, a pintura de Omar Ortiz, a arte de Gary Jackson & Sean Seal aqui.
A vida em risco e o veneno à mesa, O direito dos povos de Amartya Kumar Sem, a pintura de Roberto Fernandez Balbuena & a arte de Kadee Glass aqui.
O brinde do amor, Pedagogia do oprimido de Paulo Freire, a música de Vanessa da Mata, a arte de Luciah Lopez, Project Global Peace Art & Havia mais que desejo na paixão feita do amor aqui.
Sexta postura, A arte de amar de Manuel Bandeira, a música de Al Di Meola, a escultura de Ambrogio Borghi, arte de Juli Cady Ryan & Quando amor premia o sábado aqui.
Desencontros de ontem, reencontros amanhã, Augúrios da inocência de William Blake, a música de Gonzaguinha, a arte de Duarte Vitória, a poesia de Tony Antunes & Alô, Congresso Nacional, ouça quem o elegeu aqui.
O que é ser brasileiro?, Sobre a violência de Hannah Arendt, a arte de Alex Grey, a música de Carol Saboya & Quem faz e não sabe o que fez é o mesmo que melar na entrada e na saída e nem se lembrou de limpar. Que meladeiro aqui.
Pra quem nunca foi à luta, está na hora de ir, a escultura de Phillip Piperides, a música de Duo Graffiti, a arte de Tracey Moffatt & Tanise Carrali aqui.
Brincar para aprender aqui, aqui, aqui, aqui & aqui.
Fecamepa – quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
Cordel Tataritaritatá & livros infantis aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

PRIMEIRA VEZ DE JULIANA DE AQUINO
Curtindo o cd Primeira vez (Independente, 2001), da cantora lírica e atriz brasileira Juliana de Aquino (1980-2009), interpretando músicas de Djavan, Suzy Quintella & Heraldo Palmeira, entre outros. Ela estudou piano no Instituto de Música do Distrito Federal e na Universidade de Brasília, integrava o coral do Teatro Nacional de Brasília, além de ter participando de óperas e musicais na Alemanha. Entre os seus trabalhos estão o Rei Leão(Der König der Löwen, 2003-2007) e interpretou o papel de Maria Madalena em Jesus Cristo Superstar (2008). Sua arte foi interrompida pelo trágico acidente no Oceano Atlântico, durante o voo 447 da Air France.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...