quarta-feira, abril 05, 2017

LENDA DA MANDIOCA, GIOVANNI DUPRÈ, PAULA COLE, DAMIR SIMIC, BUTCH CHALAN, JOHN JINKS & EDNA FIALHO

O QUE PARECIA SER NÃO É MAIS PORQUE NUNCA FOI OU DEIXOU DE SER – Art by John Jinks - Nesse tempo de felicidade urgente e a qualquer preço, esse mesmo em que o umbigo dá trombada contra tudo e todos a torto e a direito, fica valendo uma coisa: todo mundo quer ser feliz sem considerar que para isso depende de outras pessoas e outras coisas. É isso mesmo e não adianta ficar com a cara atarantada de quem não sabe o que estou dizendo, não há dissimulação já que não dá pra ser feliz com uma tuia de infelizes arrodeando a ilha umbilical por todos os lados. Tome tento. Pra quem só ajeita o seu roçado, fica o aviso: vai que um dia a praga que dizimava o vizinho pula o muro e faz a maior desfeita, feito moléstia compartilhada a contragosto, aí toda vaca vai pro brejo. Quem é doido de querer dividir prejuízos se o quintal dos outros não foi feito só pra se jogar lixo: de lá pode vir porcarias também, a recíproca é quase sempre verdadeira, principalmente quando pisa no rastro da desgraça ladeira abaixo. Quantos não estão sorrindo deslavadamente sobre a dor que dói como chaga aberta coração adentro de parecer não ter mais cura e a supurar por mais que se queixe ou proteste. No fim das contas, se não tiver na onda da hora ou com bolso abonado, não dá outra: será mais desprezado que aquele sonho antigo que virou vergonha de tão velho e mais abominado que um acometido de pestilência contagiosa. Se conseguir se salvar do fundo do poço, palmas pra que lhe quero soarão, valendo a precaução que de inocente mesmo hoje nem o nome, desconfia-se até das astúcias de recém-nascido. Doa em quem doer, ninguém quer mais saber do paradeiro de quem tomou um cachete e virou fumaça do tempo ou se picou a mula no meio do primeiro embuste que estalou o dedo da dinheirama ou pegando o corujão com o esnobismo desbocado dos que se arrumaram de saco cheio com a babaquice e mandando tudo às favas, afinal, tudo é só manipulação nos corredores e portas trancadas dos andares e do que vem do subsolo pelo térreo até a cobertura: o vocabulário passou a ser o mesmo, tudo com teor de calúnia barata ou de brebote de quinta categoria, seja para quem está no alto do arranha-céu perguntando o que vai levar ou embaixo da ponte pedindo pra ser feliz enquanto alisa o polegar no indicador e vice-versa, em tudo os mesmos sonhos de mordomias e ventos a favor no rego da bunda, as mesmas posturas e modelos nas balançadas pra cair por cima de cédulas e fortunas, os mesmos fetiches e condutas nas neuras das lacunas sedentas pelo paraíso e um auê dos diabos debaixo do maior toró de coisas irrelevantes ou de pouca monta quando o circo pega fogo e vira o maior pega pra capar – há mais impostura entre o que distingue uma da outra, esse daquele e aquilo daquilo do que possa caber vossa vã miopia: o que se parecia truculência de gato e rato, agora é quase briga de comadres aos pipocos de bala U e perdões com abraços e beijos pra tudo ter um final feliz na fita. Ainda bem, pois se parece grandeza de espírito harmônico ou sapiência magnânima de virtuosos que enfim tomaram jeito, não é não, haja falsidade, é só mudança de ringue pra desaforos e tapas depois que cansaram de bater no gongo assanhando o penteado, baixando o decoro, arruinando a elegância e se tornarem inimigo figadais de plantão, chegando a hora de rever as viagens do que foi feito e fazer as pazes com outras velhas já superadas, tudo na conveniência e acomodação. É assim: quando aqui não dá mais, é só ir prali ou pracolá. Lavou, está novo. Se nessa não deu, só na outra. Quando chegar a hora, mande ver. Só que tem aquela de sempre: cuspiu pra cima e não saiu, o cuspe na cara caiu. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

 Curtindo os álbuns com o talento musical da cantora estadunidense Paula Cole.

Veja mais sobre:
De heróis, mitos & o escambau, Alphonse Eugène Felix Lecadre & Aldemir Martins aqui.

E mais:
Literatura Infantil, Tiquê, Leviatã & Thomas Hobbes, Constantin Stanislavski, Hermann Hesse, Lee Ritenour, Krzysztof Kieslowski, Jean-Honoré Fragonard, Juliette Binoche, Bette Davis & Alexey Tarasovich Markov aqui.
Simone Weil, Simone de Beauvoir, Emma Goldman, Clara Lemlich, Alexandra Kollontai, Clara Zetkin & Tereza Costa Rego aqui.
Pablo Picasso, Fernanda Seno, Karl Jaspers, Händel, Tom Wesselmann, Eva Green, Demi Moore & Soninha Porto aqui.
Cecília Meireles, Jean-Luc Godard, Psicologia & Consciência & Pedrinho Guareschi, Pablo Milanés, Bertha Lutz & Sufrágio Feminino, Juliette Binoche e Myriem Roussel, Johan Christian Dahl, Costinha & Programa Tataritaritatá aqui.
Murilo Mendes, Renoir, George Harrison, António Damásio, Benedetto Croce, Bigas Luna, Mathilda May & Joyce Cavalccante aqui.
Caríssimos ouvintes, a voz ao coração, Bernhard Hoetger, Aleksandr Rodchenko & Fremont Solstice Parade aqui.
Carpe diem, mutatis mutandis!, Endecha, Nikolai Roerich, Antonella Fabiani & Leon Zernitsky aqui.
Cada qual seus pecados ocultos, Nênia de Abril, Lisbeth Hummel, Sérgio Campos & Antes que os nossos filhos denunciem o luto secular de seus abris aqui.
Sinfonias de bar, Vincent van Gogh, Ingmar Bergman, Annie Veitch, Kerri Blackman & Apesar dos pesares, a vida prossegue... aqui.
E se o amor fosse a vida na tarde ensolarada do quintal, Varvara Stepanova & Luciah Lopez aqui.
Errâncias de quem ama, promessas da paixão, Richard Strauss & Leonie Rysanek, A lenda Bororo de origem das estrelas, Sonia Ebling de Kermoal & Dorothy Lafriner Bucket aqui.
A ponte entre quem ama e a plenitude do amor, Murilo Rubião, Anneke van Giersbergen, Wäinö Aaltonen, Eduardo Kobra, Ramón Casas, Manuel Colombo & Fátima Jambo aqui.
Legalidade sob suspeita, Anna Moffo, Viola Spolin, Reisha Perlmutter, Floriano de Araújo Teixeira & Moína Lima aqui.
Os seus versos, danças & cantos do cacrequin, Jasmine Guy, Renata Domagalska, Lívia Perez, Luciah Lopez & Vera Lúcia Regina aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A arte do escultor e arquiteto estadunidense Butch Charlan.

DESTAQUE: A LENDA DA MANDIOCA
Entre as tribos dos parecis ou aritis, suas tabas ou malocas eram cobertas de folhas de palmeiras e à noite estendem as redes de dormir e acendem embaixo uma pequena fogueira. Andam vestidos, pois vivem em contato com os brancos. Não dispensam as pulseiras de algodão, ou de borracha de mangabeira. Dentre as muitas lendas dos Parecis, encontra-se a da mandioca, de quem um dia Zatiamare e sua mulher Cocoterô tiveram um casal de filhos: um menino chamado Zocooiê e uma menina, Atiolô. O pai amava o filho, mas desprezava a filha. Quando ela chamava, ele respondia com assobios e nunca lhe dirigia a palavra. Muito triste, Atiolô pediu à mãe que a enterrasse viva, porque assim seria útil aos seus. Depois de longa resistência, Cocoterô acabou cedendo ao pedido da filha e enterrou-a no meio do cerrado. Mas Atiolô, sentindo muito calor rogou à mãe que a levasse para o campo. Lá também ela não se sentiu bem. Mais uma vez suplicou a Cocoterô que a mudasse para a mata. E aí ela se achou à vontade. Pediu, então, à mãe que se retirasse, recomendando-lhe que não olhasse para trás quando ela gritasse. Depois de muito tempo, Atiolô começou a gritar. Cocoterô voltou-se, então, rapidamente e viu no lugar em que enterrara a filha um arbusto muito alto. Logo que ela se aproximou, o arbusto se tornou rasteiro. Cocoterô passou a tratar com todo o cuidado a sepultura, limpando o solo e molhando a planta, que crescia cada vez mais viçosa. Depois de algum tempo Cocotero arrancou do solo a raiz da planta — era a mandioca. O casal chámou-a Ojacorê. Os Parecis deram-lhe depois o nome de Quetê.
Lenda recolhida da obra Estórias e lendas de Goiás e Mato Grosso (Literat, 1962 – Revista Terra e Gente, 1946). Veja mais aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Arte do fotógrafo Damir Simic.
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

DEDICATÓRIA:
A edição de hoje é dedicada à escritoramiga Edna Fialho. Veja mais aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: arte do escultor italiano Giovanni Duprè (1817-1882).
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

JAMES JOYCE, DELEUZE, JOAQUIM CARDOZO, AGAMBEN, RODOLFO AMOEDO, ARRIGO BARNABÉ & VÂNIA BASTOS, LUCIAH LOPEZ, NA ERA DO RADIO & BEZERROS

COMEÇAR, RECOMEÇAR & DOIS MILHÕES DE BEIJABRAÇÕES - Imagem: foto de Alexandre Buisse – A vida pra ser vivida é feita de ação, movimen...