quarta-feira, março 29, 2017

ISHTAR, LENDA BORORO, ASTRUD, WAYLAND & AMADEO CARDOSO.

É NELA O FESTIVAL DE ISHTAR - Não conto quantas vezes entregue aos meus pensamentos solitários e longínquos, quase largando tudo de mão, a sorte às pedras, não fui ao cúmulo da loucura, sem saber mais o que fazer, ontens cinzas pro amanhã. Quantas e tantas vezes me danei pelo mundo, entre passos que seguiam os alaridos e ecos no mormaço das ruidosas noites estivais, sem ter nem para onde ir, algures de nunca existir. Não sei quantas e muitas vezes perdido me vi como uma jangada à deriva, vida aos ventos e correntes impetuosas, relutando ao naufrágio, águas acima do pescoço. Nem sempre me dei conta de quantas vezes não sucumbi quase ao desespero, tantas vezes deprimido ao rés do chão, lágrima alguma pra me lavar a culpa, o corpo, a alma, jamais vencido de tudo, desertos por trilhar. Em um desses dédalos enlouquecidos foi que um dia, noite qualquer entre outras infindas, ela imantada, como se escondesse a sua deidade nas feições de uma simples mortal, desviou meu olhar para sua atenção. Ela surgiu na minha dor anoitecida, qual Ishtar reinando no céu entre estrelas a refulgir sua passagem, como um cinturão ao seu redor ao controle do tempo e dos astros, para me envolver até me levar para a carruagem com seus leões indomáveis pelas lonjuras do universo. Mais que sempre perdido, não objetei; segurei sua mão e deixei me levar. Fez-se, então, dela a lua brilhante na minha solidão noturna, submersa entre lembranças perdidas e memórias revogadas, a fertilizar minhas ideias com pensamentos que vinham e iam a se perderem num carrossel multicor que irradiava cenas e tramas do que fui e não sou mais, valendo-me dos seus olhos vivos e riso estelar. Completamente rendido pelas adversidades, deixei-me levar pelos acontecimentos e deitei a cabeça desamparada entre seus seios fartos de Magna Dea, entre os quais se equilibravam meus desastres de errar vezes sem conta, menino sem chão, olhos sem paradeiro. Deu-me a guarida entre seus braços como se apascentasse toda minha expectativa e inquietude, pra tomar do festival em que ela descia de Vênus com os encantos de todas as sacerdotisas, a me ensinar a arte do êxtase e do amor. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

Curtindo os álbuns That girl from Ipanema (Audio Fidelity, 1977), Live in New York (Pony Canyon, 1996), Jungle (Magya, 2002) e The Diva Series (Verve, 2003), da cantora Astrud Gilberto.

Veja mais sobre:
A mulher suméria aqui.

E mais:
Na Avenida Jatiúca, Maceió, Gilles Lipovetsky, Slavoj Žižek, Moema & Victor Meirelles, Quinteto Armorial, Michael Winterbottom, Anna Louise Friel, Felicien Rops & Juareiz Correya aqui.
Num brinca: a TPM de Vera, Stanley Lau, Johann Moritz Rugendas & Gladston Barroso aqui.
Neuroeducação aqui.
Paulo Freire: Pedagogia do Oprimido & da Autonomia aqui.
Psicopatologia, Vontade, Psicomotricidade & Direito Autoral aqui.
Erich Fromm & A dialética do concreto de Karel Kosik aqui.
Os amores de Edneimar, a viúva negra, Iara Rennó, Edward Yang & Elaine Jin, Norman Lindsay & Tudo quanto pode o sonho pode o amor provar aqui.
Se essa rua fosse minha, Adélia Prado, Chiquinha Gonzaga & Clara Sverner, Luciah Lopez & Quem sabe a vida o amor que nos faz vivo aqui.
Quem vê cara, não vê coração, Fany Solter, Valmir Singh, Jack Mitchell, Fabien Clesse & Entre tombos e topadas a gente leva a vida aqui.
Erotismo & pornografia: o tamanho da hipocrisia, Ferreira Gullar, Thomas Carlyle, Nadir Afonso, Maria Gadú, Edmund Joseph Sullivan & A alegria imensa para um, dois ou mais, todos aqui.
A ansiedade, a depressão & a medicalização, José Cândido de Carvalho, Maria Clodes Jaguaribe, Shirley Paes Leme, Aldemir Martins & Na festa das vitrines tudo é do umbigo & o bolso furado no âmago aqui.
Martin Buber, Pier Paolo Pasolin1, Abelardo & Heloísa, Julio Verne & Rick Wakeman, Gustave Courbert, Vangelis & Arriete Vilela aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A arte do escultor estadunidense Wayland Gregory (1905-1971).

DESTAQUE: LENDA BORORO
Deus atirou no espaço um punhado de estrelas. Uma caiu na terra. Outras, tardam ainda. A que desceu, por certo a mais luzentes delas, veio e se transformou numa cidade índia. Desceu, porque do alto, o Paraguai parece nesse ponto uma jóia: escreve em prata um S, que a estrela imaginara um prendedor ideal, ligando à serrania o imenso pantanal. E como a muita estrela o céu azul não baste, - caiu, como um brilhante, à procura do engaste. E Corumbá surgiu por sobre a terra branca, na alegria sem par do gentil casario, entre o verde do momento – no alto da barranca, debruçada, a sorrir, para o espelho do rio.
Recolhida de Pedro Medeiros (Revista A Violeta – Imprensa Oficial, 1939). Veja mais aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte do pintor português Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

DEDICATÓRIA:
A edição de hoje é dedicada à conterrâneamiga Maria de Lourdes Oliveira.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

ÍTALO CALVINO, WILLIAM BLAKE, WORDSWORTH, SUZANA ALBORNOZ, SOLIDARIEDADE & LIBRAS NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A QUEM INTERESSAR POSSA – Aprendi a ver na escuridão, a luz restava dentro de mim como um minúsculo pavio aceso, mostrando o fim do túnel ...