quarta-feira, março 08, 2017

A PONTE ENTRE QUEM AMA E A PLENITUDE DO AMOR!

TODO DIA É DIA DA MULHER
Veja aqui, a Fanpage aqui, os vídeos aqui e os poemas & canções aqui.

A PONTE ENTRE QUEM AMA E A PLENITUDE DO AMOR! - Imagem: Desnudo, do pintor e artista gráfico espanhol Ramón Casas (1866-1932). - Na distância entre o meu coração e a imensidão cosmogônica, ela se estira nua pro meu deleite na liberdade verdadeira – a sensação etérea em mim e ao meu redor. Não fosse ela a ponte entre o amor e eu, cego eu erraria por anos e farsas. Não fosse ela a ponte entre o factível e o inatingível, eu não saberia a verdade de viver. Não fosse ela a ponte entre a minha heterodoxia e meus paradoxos, eu não descobriria jamais a vida em sua plenitude. A ponte, ela: entre o universo e minha existência. Ela nua e linda, corpalma, ora estatelada com quem adormece à espera da minha chegada, ora de bruços como que indefesa dos meus ataques e desvarios para sua entrega. Ela sempre mais maravilhosa que sempre, mais minha que nunca, a me oferecer sua carne para que eu me aposse em defintivo na nossa trajetória efêmera de viver. É ela, um pé no ocidente do mundo, o outro no oriente lomngínquo – ah, podólogo atrevido sou a sacralizar toda sua emanação -, e eu como um fiel fanático, ajoelho-me e acaricio toda extensão do seu solado, calcanhar, pernas, joelhos, coxas, até folgar no encontro do ventre e lá provar com toda gulodice de toda sua proveitosa delícia – o manjar da vida, o elixir da alma, no meio do caminho em tudo acontece e ouso atravessar essa ponte que quero morar embaixo, viver passeando por cima, vencê-la sempre, superá-la a todo instante, sabê-la minha e só minha em todo e mais completo momento. Essa a ponte que me ensina além de mim e de tudo e não me canso de usurpá-la vencendo seus limites e eu animal selvagem a lamber seu umbigo,a sugar seus seios, acariciar o ombro e contornos até beijá-la apaixonadamente lábios e faces a flagrar seus olhos incendiados de prazer a me queimar na combustão dos desejos. E ela o carnal e o anímico em confluência e na convergência de lábios e sexo na volúpia pela posse de todos os desejos, para mergulho no céu da sua boca e entre as estrelas do prazer, me faço inteiro a cobrir seu ser - a ponte que me faz macho insaciável e homem que se realiza. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

Curtindo o dvd Everything Is Changing (PIAS-Holland, 2012), da cantora, compositora, guitarrista e pianista holandesa Anneke van Giersbergen.

Veja mais sobre:
Todo dia é dia da mulher aqui e aqui.

E mais:
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Crônica de amor por ela, Safo, Andrômaca, Helena Blavatsky, Sylvia Plath, Maria Helena Khüner, Maria Bonita, Carole Bayer Sager, Antonio Maria Esquivel, Andrea Gastaldi, José Vilches, Mulheres no Mundo, Feminino & Masculino aqui.
Solidariedade aqui.
Pra quem só vê superfície, todo rio é sempre raso aqui.
A vida solta no calor do coração aqui.
Os véus dos céus & o prazer do amor aqui.
Quando alguém se põe à sombra, não pode invocar o sol aqui.
Psicopatologia & Direito Autoral aqui.
Erich Fromm & A dialética do confreto de Karel Kosik aqui.
Absolutismo aqui.
Theodor Adorno aqui.
Anthony Giddens & Ariano Suassuna aqui.
A composição & classificação dos alimentos aqui.
O guardador de rebanhos de Fernando Pessoa aqui.
Os homens ocos de T. S. Eliot aqui.
Um lance de dados de Stéphane Mallarmé aqui.
Afrodite, Claude Adrien Helvétius, Christopher Marlowe, Ana Miranda, Henri-Pierre Picou, Honoré-Victorien Daumier, Penélope Cruz & Programa Tataritaritatá aqui.
Albert Einstein, Jean-Yves Leloup, Roberto Crema, Jacob Levy Moreno, Godofredo Rangel, Museu Casa de História, Andityas Soares de Moura & Fernando Fiorese aqui.
O ex-mágico de Murilo Rubião & Programa Tataritaritatá aqui.
A poesia de Dylan Thomas aqui.
Poemas de Bertolt Brecht aqui.
Juana de Ibarbourou, Otto Maria Carpeaux, Camille Claudel, Ornette Coleman, Iacyr Anderson Freitas, Juliette Binoche, Johann Kaspar Füssli & Tons&versos&canções aqui.
Adolfo Bioy Casares, Pierre Bonard, Charles Mingus, Guillaume de Poictiers, Louise Cardoso, Estética teatral, Cabra marcado para morrer & John Watson aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A arte do escultor e artista plástico finlandês Wäinö Aaltonen (1894-1966).

DESTAQUE: ELISA, MURILO RUBIÃO
"Eu amo os que me amam; e os que vigiam desde a manhã, por me buscarem, achar-me-ão." (Provérbios, 8, 17). Uma tarde - estávamos nos primeiros dias de abril - ela chegou à nossa casa. Empurrou com naturalidade o portão que vedava o acesso ao pequeno jardim, como se obedecesse a hábito antigo. Do alpendre, onde me encontrava, escapou-me uma observação desnecessária: - E se tivéssemos um cachorro? - Não me atemorizam os cães - retrucou aborrecida. Com alguma dificuldade (devia ser pesada a mala que carregava), subiu a escada. Antes de entrar pela porta principal, voltou-se: - Nem os homens tampouco. Surpreso por vê-la adivinhar meu pensamento, apressei-me em desfazer a situação cada vez mais embaraçosa: - Hoje o tempo está ruim. Se continuar assim... Interrompi a série de bobagens que me ocorria e, encabulado, procurei evitar o seu olhar repreensivo. Sorriu levemente, enquanto eu, nervoso, torcia as mãos. Logo a desconhecida se adaptou aos nosso hábitos. Raramente sai e nunca aparecia à janela. Talvez não tivesse reparado no primeiro momento em sua beleza. Bela, mesmo no desencanto, no seu meio sorriso. Alta, a pele, de um branco pálido, quase transparente, e uma magreza que acusava profundo abatimento. Os olhos eram castanhos, mas não desejo falar deles. Jamais me abandonaram. Cedo começou a engordar, a ganhar cores e, no rosto, já estampava uma alegria tranquila. Não nos disse o nome, de onde viera e que acontecimentos lhe abalaram a vida. Respeitávamos, entretanto, o seu segredo. Para nós era, simplesmente ela. Alguém que necessitava de nossos cuidados, do nosso carinho. Aceitei os seus longos silêncios, as suas repentinas perguntas. Uma noite, sem que eu esperasse, interrogou-me: - Já amou alguma vez? Por ser negativa a resposta, deixou transparecer a decepção. Pouco depois, abandonava a sala, sem nada acrescentar ao que dissera. Na manhã seguinte, encontramos vazio o seu quarto. Todos os dias, mal começava a cair a tarde, eu ia para o alpendre, à espera de que ela surgisse a qualquer momento na esquina. Minha irmã Cordélia desaprovava-me: - É inútil, ela não voltará. Se você estivesse menos apaixonado, não teria tanta esperança. Um ano após a sua fuga - estávamos novamente em abril - a vi aparecer no portão. Trazia mais triste a fisionomia, maiores as olheiras. Dos meus olhos, que se puseram alegres ao vê-la, desprendeu-se uma lágrima e disse, esforçando-me para lhe tornar cordial a recepção: - Cuidado, agora temos uma cadelinha. - Mas o dono dela ainda é manso, não? Ou se tornou feroz na minha ausência? Estendi-lhe as mãos, que ela segurou por algum tempo. E, sem conter a minha ansiedade, indaguei: - Por onde andou? O que fez nesse tempo todo? - Andei por aí e nada fiz. Talvez amasse um pouco - concluiu, sacudindo a cabeça com tristeza. A sua vida entre nós retomou o ritmo da outra vez. Mas eu estava intranquilo. Cordélia olhava-me penalizada, insinuava que eu não deveria ocultar mais a minha paixão. Faltava-me, contudo, a coragem e adiava a minha primeira declaração de amor. Meses depois, Elisa - sim, ela nos disse o nome - partiu de novo. E como lhe ficasse sabendo o nome, sugeri à minha irmã que mudássemos de residência. Cordélia, apegada ao extremo à nossa casa, nada objetou. Limitou-se a perguntar:- E Elisa? Como poderá encontrar-nos ao regressar? Refreei a custo a angústia e repeti completamente idiotizado:- Sim, como poderá?
Elisa, conto extraído da obra O ex-mágico (Universal, 1947), do escritor e jornalista Murilo Rubião (1916-1991). Veja mais aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A modelo Elisa Desoire na arte do fotógrafo Manuel Colombo.
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

DEDICATÓRIA
A edição de hoje é dedicada à psicóloga e funcionária pública Fátima Jambo.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: Beijo, do artista, grafiteiro e muralista Eduardo Kobra.
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.