segunda-feira, fevereiro 27, 2017

A FOLIA DO BIRITOALDO DESANDOU NO CARNAVAL

Folia Tataritaritatá. Veja os vídeos aqui.

A FOLIA DO BIRITOALDO DESANDOU NO CARNAVAL - Biritoaldo resolveu dar as caras depois de longo sumiço. – Onde andava esse menino, hem? Quem sabe, ora! Quando as gaias dele dão curto-circuito, o cabra desaparece de ninguém vê-lo, parece mais que envulta e desenvulta assim do nada, ora. Pois é, ele indagorinha saiu do armário e se inscreveu no bloco dAs Puaras. Cuma? E foi? Vai dar o que falar. E deu, de chapa com a desconfiança dos organizadores entre si: - Será que esse é macho mesmo? Sei não. De soslaio ficou ele sendo investigado dos trejeitos aos afazeres – como queriam tudo preto no branco, nada melhor que perseguir seus mínimos passos e gestos, vai que ele baitolasse às escondidas, aí seria de vez sustado, excluído e sacudido pra sempre da agremiação carnavalesca. Não obstante, mesmo com a inscrição abonada sob suspeita, ele queria era se esbaldar pela primeira na vida de folião. Assim foi e na última sexta ele chegou na hora do esquente, uma espécie de alongamento pro treino: pulo na vara. Lá estavam todos os cuecas horrorosamente bêbados e vestidos de mulher, maior inhaca e cada um mais tristemente ocrídio que o outro. Era de dar medo a feiúra de tanta mocreia esquisita. Destá. Quando Biritoaldo deu o ar graça, explodiu a mangação: - Até pra ser feio esse é horrível! Coisa de sujos falando de um malavado. Diziam, então, que para uma drag queen, estava a pior das piores. Não tinha quem se aguentasse de pé tanto de rir, mãos aos buchos embolando no chão pra não estourar. Meio que descabreado insistiu: - Qual da vez? Vai pular vara assim mesmo? Vou. Quero ver a desgraça. E lá foram cada qual sarrafo na mão, bunda de fora, fazendo carreira e tentando pular 1, 2 e, mesmo que nenhum deles conseguisse superar nem meio metro, queriam, por fim da força, que pulassem mais de 3 de altura. Só ovação e pilhéria, a lapada dos quequéos passava já dos limites, resultando mesuras e trapalhadas mais pra videocassetadas que para competição inconveniente. A coisa já se bandeava pra extravagância de biriteiros que não tinham mais o que fazer de tão chamuscados pela carraspana, além de trocar as pernas em apostas fúteis e inúteis que, no final, não davam em nada, a não ser na comemoração do carnaval de doidos nas viradas da teibei queimando tudo garganta adentro, do espinhaço ao solado dos pés. A maior presepada pra dedadas e licenciosidades aprumadas no furico um do outro, isso sim. Mas chegou a vez de Biritoaldo sob o maior coro de “bicha”, pegar o mastro, se atrapalhar todo e se estatelar desacordado com a vara enfiada no rabo. Vixe! Oportunidade dessa ninguém da tropa perde, né? Eita! Pintaram e bordaram com o desinfeliz, transformaram-no em exagero descomunal que serviu de atração pro desfile: um boiola bêbo por andor. Como era a primeira vez dele, perdeu a viagem. Olha o cara, meu? Quem é? Aquele perdeu o bonde! E tome presepada! Quando acordou estava estirado no meio-fio quase pisoteado pelo zoadeiro dos foliões do Galo da Madrugada. Como? Oxe! Foi tomando pé da situação e se sentindo estranho no meio daquela folia. Onde estou? Não sabia. Tentou se levantar e sentiu uma dor danada no frosquete; passou a mão e um líquido viscoso saiu-lhe do procto: - Porra, fui arrombado e nem vi! Arretou-se! Maldisse a vida e a alma de todos os viventes e mortos! Passou o dedo indicador pra ajeitar as pregas do rabo, doíam-lhe do osso do mucumbu até o toitiço! Ajeitando-se de banda pra não magoar mais de tão dolorido, conseguiu levantar-se aos tombos, encostado num poste pra tomar jeito de andar, botou o pé pra frente, cambaleou zonzo e deu fé: estava na Avenida Guararapes, no Recife: - Danou-se! Andei mais de 120 quilômetros e nem vi nada. Daí a pouco só ouviu: - Olhele! Olhele! Intrigado gritou: - Olhele o quê, camboio de viado? Olhele! Olhele! Qualé, quer briga, é? E cantaram: Um recruta desavisado, só sai de cu esfolado! Se freva desengoçado, pode ver que é viado! Que frevo mais bosta, passo tudo na munheca, seus frescos! Nem terminou de falar e foi levado aos empurrões por uma avalanche de gente, perdendo-se no meio da frevança, de só se achar vinte e quatro horas depois totalmente desmiolado em lugar incerto e não sabido. Vôte! Isso é que é carnaval? Quero mais não, quero mais não. Queria era ir pro seu lar e só achou o caminho da casa da peste! Como ainda é segunda-feira, a gente só vai saber daqui mais uns dias o paradeiro dele. E vamos aprumar a conversa & tataritaritatá! © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

 Curtindo o álbum Frevo do mundo (Candeeiro Records, 2008), com participação e releituras modernas de frevos por Edu Lobo, Céu, João Donato, Mundo Livre S/A, Siba e a Fuloresta, Cordel de Fogo Encantado, Orquestra Popular Bomba do Emetério, entre outros.

Veja mais sobre:
Proezas do Bitiroaldo aqui, aqui, aqui e aqui.

E mais:
Psicologia Social & Educação, Pablo Neruda, Amedeo Modigliani, Yasushi Akutagawa, Regina Espósito & Jú Mota aqui.
Paul Ricoeur, Li Tai Po, Millôr Fernandes, Carlos Saura, Mônica Salmaso, Aída Gomez Ralph Gibson & Ronaldo Urgel Nogueira aqui.
Tolinho & Bestinha: quando Bestinha se vê enrolado num namorico de virar idílio estopolongado aqui.
Arthur Rimbaud, Anti-Édipo de Deleuze & Guattari, Infância & Literatura & Balanço da Copa aqui.
Descartes, Gustav Klimt, Ingmar Bergman, Denise Stoklos, João Bosco, Danny Calixto, Bernadethe Ribeiro & Sandra Regina Alves Moura aqui.
Apollinaire, Rembrandt, Walter Benjamim, Paulo Moura, Efigência Coutinho & Programa Tataritaritatá aqui.
Jacques Lacan, Alexander Luria, Elizeth Cardoso, Aníbal Bragança & Clevane Lopes aqui.
Paul Verlaine, Denise Levertov, Delaroche, Wojcieck Kilar, Lourdes Limeira & Marcoliva aqui.
Yevgeny Yevtushenko, Leila Assumpção, Segueira Costa, Sigmund Freud, Hyacinthe Rigaud & Ailson Campos aqui.
A nuvem de calças de Vladimir Mayakovsky aqui.
Cultura afrodescendente, carnaval & Célia Labanca aqui.
Oração da cabra preta & Turismo religioso aqui.
Biritoaldo: a vingança no formigueiro aqui.
Cidinha Madeiro aqui.
A troça do Fabo aqui.
Folia Tataritaritatá & o Recife do Galo da Madrugada aqui.
Caboclinhos aqui.
O Frevo aqui.
Auto Maracatu aqui.
Baile de Carnaval aqui.
Bacalhau do Batata aqui.
Os assassinos do Frevo aqui.
A folia do prazer na ginofagia aqui.
Padre Bidião, o retiro & o séquito das vestais aqui.
Aijuna, o mural dos desejos florescidos aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: ARRIFE
(fragmento)
[...] cidade dos portos e dos cais
Veneza mítica de novos gondoleiros
Que vêm para a cidade....
O corre-corre dos meninos
Correndo com os comparsas
Com passos magros e velhos
Em toda multidão sem esplendores
Mas como vinhas
Rodeada de pastores e pastores
De bumba-meu-boi, baiões, maracatus,
E outros requebros
Que nos perdemos no teu frevo mágico!
É o teu destino
Acender velas, violas,
Aos mistérios e crendices
Do teu povo inquieto que pasma
Como rastro no rosto
Na aresta da atlética civilização! [...].
Trecho do poema Arrifes, do poeta, jornalista e crítico literário Mário Hélio, recolhido da antologia Poesia Viva do Recife: 100 poetas vivem, amam e eternizam a cidade (CEPE, 1996), organizada pelo poeta, editor e agitador cultural Juareiz Correya.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Ela baila nua no meu coração...
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra neste Carnaval
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.