segunda-feira, dezembro 26, 2016

PODE ATÉ SER, MAS SE NÃO FOR, NUNCA SERÁ!


PODE ATÉ SER, MAS SE NÃO FOR, NUNCA SERÁ! - Imagem: Naipi & Tarobá – Naipiowska Z. Tarobanskyj, acrílica sobre tela do artista plástico Eloir Amaro Júnior.  – Não é isso, contudo pode até ser, quem sabe. Pois é, talvez. Ou não. Pode até ser, porém se não for, nunca será. Assim a gente vive: do muito se sabe um pouco. Ou seja, de tudo que representa nada, nem pros noves fora. Resultado: o que se sabe é nada. Em situação de emergência, tudo vale quais meios e afins. O que importa é discernir entre o que deve ou não ser feito, salvando-se do dolo ou culpa. De fato ninguém escapa imune dos problemas e atribulações, novo desafio a cada hora: opções, escolhas, decisões. É a hora de usar a intuição. Depois, procurar compreender a razão dos conflitos entre o que se deseja e o que está realmente acontecendo. Nem sempre acontece o que se espera, não se pode desesperar. Muito menos há como se salvar da rotina ou dos desgostos, a experiência exige vivência. Não dá pra sair pulando etapas, pegando atalhos, enganando os outros. O erro do outro pode ser seu. Tudo torna a comprovação experimental imprescindível, nunca se safar apenas pelo que ouviu dizer, a constatação é fundamental. Desapontamentos são lições, o resultado pode não ser o esperado, no final tudo dará certo, até o que não parece nem o que, à primeira vista, pode ter sido encarado como fatalidade, acidente ou mero acaso. O acaso não existe. Seguir em frente é o primeiro passo, mesmo que pra isso tenha que ser suficientemente corajoso para ignorar todas as mangações presepeiras do escárnio alheio. A ambivalência faz parte, afinal nada é suficientemente conclusivo, sempre o processo. Às vezes sequer é possível escapar de fraudes e engodos, muito menos de extravagâncias esquisitas, a ponto de hesitações diante de emocionalmente instáveis ou sectários fundamentalistas, horrores até certo ponto inevitáveis só pra testar a tolerância e compreensão de cada um. Não obstante, a vida é isso, eu apenas vivo, nada mais.  © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui

 Curtindo o álbum Great Voices Of The Century (Hallmark Records, 2010), no qual destaco a cantora de ópera italiana Lina Cavalieri (1874-1944).

Veja mais sobre:
É sábado pra viver, Ezra Pound, Alberto Nepomuceno, Terêncio, Chico Buarque, Rodolfo Amoedo, Mikos Mihalovits, Isa Albuquerque, O homem pós-orgânico, O Conto dos Dois Irmãos, Teatro Renascentista & Artemísia Barroso aqui.

E mais:
Corações solitários, Carlos Castañeda, William Wordsworth, Elena Papandreou, Hipócrates, Isaac Newton & Catherine Barton Conduitt, Cristina Salgado, Júlio Bressane, Luis Fernando Veríssimo, Claudia Telles, O Homem e o pós-homem & o Teatro no Bharata aqui.
Margaret Mead, a mulher, a antropologia e a pesquisa transcultural aqui.
Psicologia na Escola & Literatura de Cordel aqui.
Arthur Zanetti, Gestão Escolar, Direito, Neuropsicologia, Sexualidade & Gestão de Arquivos aqui.
Tolinho & Bestinha & outros revestrés das cenas diárias do Fecamepa aqui.
A chegada dela incendiando a paixão aqui.
Cenas diárias do Fecamepa aqui.
As máximas do Sexus de Henry Miller aqui.
Quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Even87tos aqui.

DESTAQUE: 
A arte do artista plástico, curador e colunista cultural Eloir Amaro Júnior. Veja mais aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: Three beautiful woman, do fotógrafo, artista visual e escritor Chris Maher.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


KRISHNAMURTI, MILLÔR, CELSO FURTADO, JOSEPH CAMPBELL, BARBOSA LIMA SOBRINHO, GILVAN LEMOS, RIO UNA & MARQUINHOS CABRAL

MARQUINHOS CABRAL: DESDE MENINO SOLTO NA BURAQUEIRA – A gente aprontou muitas e tantas no quintal lá de casa e nos cômodos da casa dele ...