quarta-feira, dezembro 28, 2016

O MARAVILHOSO MISTÉRIO DA VIDA



O MARAVILHOSO MISTÉRIO DA VIDA - Imagem: arte abstrata da pintora francesa Marie-Louise Garnavault (1911-2012).- Quando eu vejo sei que verifico uma infinidade de coisas, cores, movimentos, situações, eventos, realizações. Também sei que ao meu olhar, apesar de captar uma imensidade de fenômenos, escapam outros tantos, entre os quais aqueles que quase são considerados na conta de inexistentes. Por conta disso, sei que ao enxergar algo, apenas estou distinguindo determinada especificidade; o restante, contudo, mesmo cônscio de sua existência e da minha limitação em reparar toda a dimensão do que se encontra ao meu redor, se perde longe da minha percepção. Da mesma forma ocorre quando ouço um tanto de tons e sons, inferindo que um tanto de outros níveis sonoros nas escalas mais graves e nas mais agudas são desperdiçadas ou não alcançadas por minha audição. Também no que toco de superfícies, texturas, estímulos, quenturas, durezas, friagens e formas; ou no que saboreio de doces, salgados, amargos e insossos; ou nos olores e odores, todos aos volumes qualitativos e quantitativos, o quanto, além disso, é inalcançável ou incompreensível por extrapolarem nossos sentidos. A noção que tenho dessa constatação é que não só reconheço minha finitude, como me cientifico da minha própria imperfeição, razões pelas quais tenho a consciência de que não possuo a mínima condição de julgar ninguém, muito menos de assegurar que conheço alguém. Sei que entre o que percebo e o que sou, existe algo que até eu mesmo não sei, mas que está dentro de mim e, ao mesmo tempo, entre eu e tudo. Coisas sei que existem sem que tenha que constatar com meus sentidos, bastando ter a compreensão das frequências de sons, luz e cor que nos são imperceptíveis. Sei também que sou hoje muito diferente do que fui antes e o serei mais ainda amanhã: sempre em processo, evoluindo ou involuindo. Nem eu sei de mim mesmo, a cada dia novas descobertas do que sou. De certezas, nenhuma; dúvidas, tantas quantas possíveis e impossíveis, graças a Deus. Fico a cada dia que se passa mais fascinado com o que descubro de maravilhas no organismo humano, como se o Criador me exigisse de modo provocante ir cada vez mais profundamente ao meu interior e ao de todo ser vivo, para constatar o quão maravilhoso é não só visualizar os mais estonteantes espetáculos da natureza e do Universo, como também o de acompanhar a engenhosidade divina das vibrações, atrações e pulsações dos mínimos órgãos ou de aparentes ínfimas estruturas orgânicas do nosso corpo, desde as sinapses cerebrais às produções das glândulas endócrinas, da explosão de espermatozóides em direção ao óvulo, a concepção, a geração, enfim, dos mínimos e integrados funcionamentos de nossa organização corporal. É com isso que entendo a máxima de que assim como é em cima é embaixo. E vivo para aprender sempre o maravilhoso mistério da vida. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui

 Curtindo o álbum ao vivo (cd+DVD) Connection (Ocesa Seitrack/Sony Music, 2015) da cantora e compositora espanhola Ana Torroja.

Veja mais sobre:
Segunda nova, Gilles Deleuze, Manuel Puig, Mário Quintana, Paulo Freire, Pérsio, Juan de Mena, Pupi Avati, Vanessa Incontrada, Fulvio Pennacchi, Walasse Ting & Sarinha Freitas aqui.

E mais:
Quando o amor é azul aqui.
Psicopatologia & Feira Coopercam aqui.
Sociedade dos poetas mortos aqui.
Três poemas devassos de amor por ela aqui.
Crônicas palmarenses: as presepadas de Marquinhos e Marcelo aqui.
Primeiro poema de amor pra ela aqui.
Crônicas palmarenses: Ginário de Palmares aqui.
Ximênia, a prinspa do Coité aqui.
Segundo poema de amor pra ela aqui.
Decameron de Boccaccio & 30 anos de arte cidadã aqui.
O Rádio & a Radiodifusão no Brasil aqui.
Efetividade no processo aqui.
Crônicas palmarenses: o começo das arteirices aqui.
Terceiro poema de amor pra ela aqui.
Quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: O REGRESSO DO SOLDADO
O livro O regresso do soldado (Relógio d’Água, 2009), da escritora estadunidense Rebecca West (1892-1983)conta a história do regresso de um soldado da linha de frente na I Guerra Mundial, com um trauma que lhe varreu a memória dos últimos quinze anos. Ao encontrar mulheres do seu passado, recorda-se da prima como amiga de infância, não tendo qualquer memória da esposa e apenas ligando-se a uma paixão da juventude. Em 1982 a obra foi adaptada para o cinema na direção de Alan Bridges, com destaque par atuação da premiada atriz britânica Julie Christie.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: arte abstrata da pintora francesa Marie-Louise Garnavault (1911-2012).
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

JAMES JOYCE, DELEUZE, JOAQUIM CARDOZO, AGAMBEN, RODOLFO AMOEDO, ARRIGO BARNABÉ & VÂNIA BASTOS, LUCIAH LOPEZ, NA ERA DO RADIO & BEZERROS

COMEÇAR, RECOMEÇAR & DOIS MILHÕES DE BEIJABRAÇÕES - Imagem: foto de Alexandre Buisse – A vida pra ser vivida é feita de ação, movimen...