terça-feira, dezembro 27, 2016

É COM A DESMEDIDA CORRERIA QUE SE PERDE O BOM DA VIDA!


A DESMEDIDA CORRERIA PARA PERDER O BOM DA VIDA - Imagem: Festa Caipira (1946), do artista plástico ítalo-brasileiro Fúlvio Pennnacchi (1905-1992) – Com a vida agitada de hoje, é tudo no desembesto. Só dá pra pular, escorregar ali, salto solto aqui, escapando disso, dando certo naquilo depois de trocentas tentativas e erros, frenagens bruscas e arrodeios tantos, avalie. Quando a gente vai ver, findou-se o dia e o que era bom acabou-se. E se não tiver hora pra tudo, passa batido: é só acordar e cair no trampo, maior batente com tantos afazeres. Não há agendamento que dê jeito, sempre atrasado, ave santo conforto pros desconfortos. No apurado não deu pra fazer nem a metade da metade do que havia planejado, antes fossem quarenta e oito horas num só dia, não mais vinte e quatro que já não dá pra fazer nada com tantos engarrafamentos, burocracias e má-vontade. Se não usar do expediente do jeitinho azeitando tudo, não dá nem para resolver uma coisa só, quanto mais se valer do pagar pra ver. São tantas coisas deixadas pra depois que o que foi feito entra na escala do inútil. E assim vai dia após dia: nenhum aprendizado, nada que valha a pena. No amontoado sempre inadimplente com uma promessa ou uma obrigação que se acumula entre tantas outras, a ponto de perder tempo só de pensar no que deixou de fazer, quando deveria era a prontidão do já ter feito do jeito que desse. Por conta disso, deve-se tanto ao lazer que qualquer tempo livre é só pra diversão. O resto, como estudo e reflexão de coisas sérias que demandam um determinado longo espaço de tempo, fica sem resolução e só naquela do a gente vai levando como pode para ver como é que fica: um dia Deus dará. Ao final de tudo, os filhos cresceram e nem se viu, décadas passaram como se tudo tivesse sido ontem e os problemas acumulados dentro do aglomerado de broncas que explodem no dia a dia, até se ver sufocado e sem esperanças pra nada. De tudo feito, só castelos de areia que na primeira ventania não ficam nem as cinzas, nada por serventia. Tantas coisas passadas e nem uma só gota de sabedoria aproveitou-se, nem abraços, afetos, paisagens, amizades: tudo na poeira do passado. As fotos desbotadas, o jeito fora de moda, os sonhos desfigurados. Nada madurou, saiu direito das afoitezas fagueiras da inocência infantil para o envelhecimento precoce pelo instantâneo, descartável, volúvel e pela compulsão do aqui e agora já. O umbigo saliente na primazia e tudo o mais no reino das ninharias. Sobra só o vazio e a escuridão de nenhuma experiência: conhecimento válido é o que é praticado; e se é ralo, não resiste à primeira constatação, o dilema entre os anseios e o baldado. A desmedida correria faz perder o bom da vida. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui

Curtindo o Box (6 cds) The 17 String Quartets – Heitor Villa Lobos (Kuarup, 1988), quatro deles com o Quarteto Bessler-Reis e os outros dois com o Quarteto Amazônia. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Último domingo, Konstantínos Kaváfis, William Shakespeare, Dalton Trevisan, Amelinha, Heitor Villa-Lobos, Johannes Kepler, Lope de Vega, Andrew Jarecki, Henfil, Isaac Karabtchevsky & Freya aqui.

E mais:
Merleau Ponty, Cognição & Aprendizagem, Psicodrama, Direito Constitucional, Coaching & Construção de Talentos aqui.
Essa menina aqui.
A mulher heróica, Avaliação no Ensino Superior, Psicologia, Direito Constitucional, O Sexo na História, Literótica & Bienal do Livro de São Paulo aqui.
A Educação & a Formação do Professor, Psicologia Ambiental & Probidade Administrativa aqui.
Biziga & ela quer muito mais aqui.
Sexualidade na Escola, Sônia Mello & Desejo no Grammy, Françoise Dolto, Psicanálise, Gênero & Psicologia Social aqui.
Uma canção pro meu amor aqui.
Quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: NOVUM ORGANUM DE BACON 
[...] Ciência e poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, se não quando se lhe obedece. E o que à contemplação apresenta-se como causa é regra na prática. [...] Por outro lado, nos costumes das instituições escolares, das academias, colégios e estabelecimentos semelhantes, destinados à sede dos homens doutos e ao cultivo do saber, tudo se dispõe de forma adversa ao progresso das ciências. De fato, as lições e os exercícios estão de tal maneira dispostos que não é fácil venha a mente de alguém pensar ou se concentrar em algo diferente do rotineiro. [...] Pois os estudos dos homens, nesses locais, estão encerrados, como em um cárcere, em escritos de alguns autores. Se alguém deles ousa dissentir, é logo censurado como espírito turbulento e ávido de novidades. [...] Assim pelo menos devia ser conforme os ditames da boa razão, mas tal não ocorre na prática, pois, como antes assinalamos, a forma de administração das doutrinas e a forma de ordenação das ciências costumam oprimir duramente o seu progresso. [...].
Trechos extraídos da obra Novum Organum (1620), do filósofo e ensaísta inglês Francis Bacon (1561-1626), em que observa, segundo A busca do conhecimento (O Rosacruz, outubro 1979), de Robert E. Daniels, que o maior erro de muitos consiste no equivoco em relação ao fim último do conhecimento: alguns o buscam por entretenimento; outros por amor à fama; alguns o buscam para obter êxito nas competições, outros, por dinheiro, e, finalmente aqueles que o buscam em beneficio da humanidade. Veja mais aqui, aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte do artista plástico ítalo-brasileiro Fulvio Pennacchi (1905-1992)
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


TODO DIA É DIA DO CORDEL, DA BANDEIRA & DO CANTARAU TATARITARITATÁ!

Ligue o som para conferir & veja clipes/vídeos aqui .