sábado, novembro 19, 2016

O MELHOR DO DIA DO HOMEM É SABER QUE TODO DIA É DIA DA MULHER!


O MELHOR DO DIA DO HOMEM É SABER QUE TODO DIA É DIA DA MULHER - Para glosar mote certeiro, vou sair já de peão: jogando no tabuleiro, geme o rico, o moço e o velho, gemem sem ter paradeiro. E o miserável do pobre, ai! Ui! Ui! Ui! Esse geme o tempo inteiro. Depois dessa gemederia, outro peão é jogado: e o pecado do perdão, volto o perdão no pecado. Isso é que é mourão voltado, isso é que é voltar mourão. Outro e mais outro mourão, vou arrumando ali a sela, amonto probo o alazão, vai ligeira, vai parcela, findo nos oito pés de quadrão: quando eu disser que é meia quadra, diga que é quadra e meia, quando eu disser quadra e meia, você diz que é meio quadrão. Outro peão no tabuleiro, outra casa vou pular: um galope à beira mar faz cantar o violeiro a maior das cantorias: se eu deixar de cantar, morro de fome, que a cantiga é meu pão de cada dia. Se avie outro peão, o quarto pro tirinete: vai martelo na função, embolada ou gabinete. Outro ginete soberano, sacado pra essa função, com rojão pernambucano ou dez de adivinhação. Um quinto peão no lembrete, cantador de goteira sem vintém: quem não canta gabinete, não é cantor pra ninguém. Solta um bispo na lapada, taboada miúda no jejum: quinze, treze, onze, nove, sete, cinco, três e um. Bota mais peão na trilha, solta a toada no festim: apruma direito a carretilha que quebra cabeça é assim. Não arme a sua rede, nem abra para um trem, puxe a rima no balaio e a torre na parede que tem: cantar um pé quebrado, não é bom para ninguém, se for, vá envergonhado, que aqui vou mais além! O último peão na jogada que não sou nenhum freguês: vamos ver se você canta nove palavras por três! Um bispo aprumando certo pra viola não emborcar: ai, d-a, dá! O que é que vai, não chega, nunca acaba de chegar? Com a torre dá um blefe, festa já de campeão: Jesuino já morreu, acabou-se o valentão, morreu no campo da honra sem se entregar à prisão! Não amanso a viola, a rainha é da vez: Já ensinei aos meus cabras a comer de mês em mês, beber água por semestre, dormir no ano uma vez, atirar em um soldador e derrubar dezesseis! Se o trabalho está feito no fandango ou marujada, o rei não pode esperar, o xeque mate na parada! E nessa vida moribunda, uma coisa faz alarde: é mais fácil chegar segunda, do que findar sexta essa tarde! É que toda sexta de tarde, a vida então entronca: é quando aparece um traste com o pior de toda bronca! De Leandro a lição, de Patativa o traçado, dos Batistas a louvação, de Oliveira o marcado, de Bentevi a porteira, findei cantador de goteira, poeta d’água doce lascado! E se hoje é Dia do Cordelista, é dia de festa pra minha homenagem! Ainda mais é o Dia Mundial do Xadrez e da Bandeira do Brasil, o estandarte da nossa Nação. Também é Dia Mundial da Prevenção a Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: tá na hora da gente aprumar essa conversa, caboré! Mas só de uma coisa eu tenho a certeza: que o melhor do Dia Internacional do Homem é saber que todo dia é Dia da Mulher! © Luiz Alberto Machado.. Veja mais aqui e aqui.


Veja aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Vamos aprumar a conversa, Ariano Suassuna, Elomar Figueira de Mello & Camerata Kaleidoscópio, Luís da Câmara Cascudo, Leandro Gomes de Barros, Cantadores de Leonardo Mota, Lauro Palhano, Sylvie Debs, Mariana Pabst Martins & Ciro Fernandes aqui.

E mais:
Responsabilidade social aqui.
A teoria política do individualismo possessivo de Hobbes a Locke aqui.
Direito: teorias, interpretação e aplicação aqui.
A qualidade na gestão escolar aqui.
Inclusão social pelo trabalho, Pitágoras, José Louzeiro, Samir Yazbek, Jacques Rivette, Xue Yanqun, Ednalva Tavares, Lisa Lyon, Música Folclórica Pernambucana & A imprensa na atualidade aqui.
Literatura de Cordel: Quadrilha junina, de Francisco Diniz aqui.
Literatura de Cordel: Sidrião e Maristela ou A goiaba da discórdia, de José Honório aqui.
Velta, a heroína brasileira aqui.
Método Científico aqui.
História & Literatura do Teatro aqui.
Literatura de Cordel: As flô de puxinanã, de Zé da Luz aqui.
Papel do professor na aprendizagem aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

DESTAQUE: FRANCISCO MILANI 
No final dos anos 1980, tive a grata satisfação de recepcionar e entrevistar o ator, humorista, dublador e político Francisco Milani (1936-2005), na minha terra natal. Na ocasião, pude, ao lado do amigo Carlão Henrique, apresentar pra ele as belezas, a literatura e as artes do povo da terrinha, até tomar umas cervejas no saudoso bar do Rosalvo, na Cohab-I. Por conta da entrevista, pude saber que ele iniciou a carreira atendendo convite do dramaturgo Oduvaldo Vianna Filho, quando começou a trabalhar no Centro Popular de Cultura (CPC), na União Nacional dos Estudantes (UNE). Perseguido pela ditadura militar, interrompeu sua carreira e se tornou caminhoneiro, até retornar à arte anos depois. Ele participou de filmes como Terra em Transe (1967), entre outros, até participar dos programas televisivos Armação Ilimitada, Viva o Gordo de Jô Soares, Chico Anysio Show, Zorra Total, A Grande Família, Casseta & Planeta e Escolinha do Professor Raimundo. A saudade traz essa homenagem.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: xilogravura do pintor, desenhista e gravurista Gilvan Samico (1928-2013).
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra, Paz no Brasil: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


OSWALD, FOUCAULT, ELIANE ELIAS, WHITEHEAD, FESTIVAL ARTE NA USINA, GRIMM, TERRA CHAPMAN, AGLAURA CATÃO & SÃO JOAQUIM DO MONTE

A MÚSICA É DELA – Imagem: art by Terra Chapman . - Lá vem ela cabelo ao vento com sua chuva de verão e ilha de Gauguin a embalar meus sonh...