sexta-feira, outubro 28, 2016

PRECISAMOS DISCUTIR SOBRE OS PRÓXIMOS 20 ANOS!!!


INEDITORIAL: PRECISAMOS DISCUTIR SOBRE OS PRÓXIMOS 20 ANOS! - Alô, alô, torcida do Flamengo! Aquele abraço! Hoje é o dia do Flamenguista, como também é o Dia Internacional do Animador e Nacional do Servidor Público! Salve, salve! Afinal, todo dia a gente comemora alguma coisa lá que seja. Nada contra, apenas não tenho motivo algum pra comemorar nada nesse nosso Brasilzão véio, arrevirado e de porteira escancarada! Há muito que se discutir e refletir, isso sim. Já que tudo rachou em bandas, nem por isso posso esmorecer no protesto de sempre contra a injustiça & a corrupção que mandam e desgovernam a nossa Patriamada! Muito menos aguentar calado o desplante da atriz Alexia Dechamps! Vou na da poeta cordelista Dalinha Catunda: A barata descascada / Nascida na Argentina / Abra a boca pra falar / Mau da gente nordestina / Uma reles estrangeira / Abre a boca e diz besteira / Só sendo muito cretina. Aproveito o vocativo pra lavar a alma com os estudantes que ocuparam as escolas e estão protestando por uma educação pública de qualidade em todo Brasil! Como já cantava Gonzaguinha: Eu vou à luta com essa juventude / Que não corre da raia a troco de nada / Eu vou no bloco dessa mocidade / Que não tá na saudade e constrói / A manhã desejada. Estou com a estudantada! Vamos sempre juntos! E aprumando a conversa pras novidades do dia: na edição de hoje destaque para a modernidade líquida de Zygmunt Bauman, a poesia de Carolina de Jesus, o público e o privado de Fernanda Bruno, a coreografia e dança de Janice Garret, o teatro de Tennesse Williams, o cinema de Jules Dassin & Melina Mercouri, a arte de Arlinda Fernandes, Luciah Lopez & Alessandra Tomazzi, a música de Irina Costa, o Encontro Estadual dos Estudantes, a entrevista de Rejane Souza, a Literatura Infantil do Brincarte & a croniqueta Canção de quem ama além da conta. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Pechisbeque, Ramalho Ortigão, Zélia Duncan, Erasmo de Roterdã, Fabrício Carpinejar, Myriam Muniz, Alan Clarke, Militão dos Santos, Mauricio de Souza & Turma da Mônica aqui.

E mais:
Big Shit Bôbras: o assustado & papagaiadas aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando o cabra se envulta, já num t'aqui mais quem falou aqui.
A música de Maria Dapaz aqui.
Cantador aqui.
Literatura de Cordel: Cego Sinfrônio aqui.

DESTAQUE:
A arte da ceramista e artista plástica Arlinda Fernandes.

CANÇÃO DE QUEM AMA ALÉM DA CONTA (Imagem: arte da poeta, artista visual e blogueira Luciah Lopez) - Posso não ter nada nas minhas vazias mãos, nem chão aos pés perdidos estrada afora, ou embriagado com meus belos sonhos vãos, sem ter pra onde ir quando a tarde vai embora. Posso não saber o que será do amanhã, se o que fiz não valha relembrar passado, ou se sou noite fria no céu de Amsterdam, ou sou calor solitário no deserto segregado. E se vou calado rio ante as encruzilhadas, ou se esperneio a buscar qualquer saída, nem que valha ter a sorte arrestada, só pra ver da fortuna a pindaíba. Se nada colho do que planto noitedia, não maldigo a vida tal qual pródigo esconjurado, por mais íngreme que seja a travessia, mais aprendo dos segredos desvelados. Se nada mais me resta por desiderato, ou esgotado o arsenal das zis alternativas, mais que eu tenha sido um insensato, só me sobra a perdição de estar sempre sob pena restritiva, mesmo assim, persisto firme e sigo adiante, coração na boca e a alma solta em si, quando o Sol nasce nos seus seios de deusamante a me embevecer na sua ensolarada alma, Freyaravi, sou resgatado de onde for só Sol poente, para alvorada em que tudo brilha em flor e a sua voz poetardente a ecoar no universo pra me guardar no ventre do seu ser emerso, em meio ao jorro de todos os seus versos que me dão à vida o prêmio do amor. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

 Curtindo o talento, a interpretação & a maravilhosa voz da cantora portuguesa nascida em Angola e radicada em Alagoas, IrinaCosta, na festa de pré-lançamento do seu DVD O mar fala de mim. Veja mais aqui e aqui.

DA EXPOSIÇÃO DA VIDA ÍNTIMA & PRIVADA – [...] Hoje, a crescente exposição da vida íntima e privada nos diversos meios de comunicação e a forte presença da imagem na relação que os indivíduos estabelecem com o mundo, com o outro e consigo apontam para uma subjetividade radicalmente próxima do olhar do outro e inserida num regime de visibilidade onde as tecnologias de informação e de comunicação têm um papel fundamental. É sempre possível reconhecer aí o ápice de uma cultura regida pelo narcisismo e pelo espetáculo, mas podemos ir além deste diagnóstico ou constatação e interrogar como as relações entre o olhar e a subjetividade são reconfiguradas no âmbito dos novos dispositivos de visibilidade constituídos pelas tecnologias de informação e de comunicação. [...] Ora, se o eu é um ideal, ele está sempre adiante; além disso, ele se efetua no plano da imagem – daí o interesse em filmar e publicar o processo de transformação. Vale lembrar que há não muitos anos atrás as pessoas que se submetiam a cirurgias estéticas procuravam mantê-la em relativo segredo; hoje parece não bastar mudar a aparência ou o corpo, é preciso que esta mudança seja ela mesma convertida em imagem sob o olhar de milhões de espectadores. Eis talvez uma das principais astúcias destes laboratórios da autenticidade. Neste sentido, os weblogs e fotologs pessoais, assim como os reality shows, configuram-se como dispositivos artificiais de produção da intimi­dade e da subjetividade, o que mostra como certas transformações recentes no estatuto do olhar do outro cruzam e retraçam os limites entre o público e o privado e entre o natural e o artificial. Trechos extraídos do artigo Quem está olhando? Variações do público e privado em weblogs, fotologs e reality shows (Mauad, 2006), da doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ e professora pesquisadora, Fernanda Bruno. Veja mais aqui.

 Imagem: a arte da atelierista, arte-educadora e artista plástica Alessandra Tomazi.

PENSAMENTO DO DIA: DAS VITÓRIAS E DERROTAS - [...] Poucas derrotas são definitivas, pouquíssimos contratempos irreversíveis, mas nenhuma vitória é tampouco final. Para que as possibilidades continuem infinitas, nenhuma deve ser capaz de petrificar-se em realidade para sempre. Melhor que permaneçam liquidas e fluidas e tenham data de validade, caso contrário, poderiam excluir as oportunidades remanescentes e abortar o embrião da próxima aventura. [...]. Trecho extraído da obra Modernidade líquida (Zahar, 2001), do sociólogo polonês Zygmunt Bauman. Veja mais aqui, aqui e aqui

Imagem: a arte da dança & coreografia de Janice Garrett and Dancers' Heidi Schweiker.

A HUMANIDADE DO ESTRANHO DIÁRIO - Depois de conhecer a humanidade / suas perversidades / suas ambições / Eu fui envelhecendo / E perdendo / as ilusões / o que predomina é a / maldade / porque a bondade: / Ninguem pratica / Humanidade ambiciosa / E gananciosa / Que quer ficar rica! / Quando eu morrer... / Não quero renascer / é horrivel, suportar a humanidade / Que tem aparência nobre / Que encobre / As péssimas qualidades / Notei que o ente humano / É perverso, é tirano / Egoista interesseiros / Mas trata com cortêzia / Mas tudo é ipocresia / São rudes, e trapaceiros. Humanidade, poema recolho da obra Meu estranho diário (Xamã, 1996), da escritora Carolina de Jesus (1914-1977), que mantinha da venda de lixo reciclável, latas de comida e roupas que encontrava no lixo.

FALA COMIGO DOCE COMO A CHUVA – A peça teatral em um único ato Fala comigo doce como a chuva (1953), do dramaturgo e escritor estadunidense Tennessee William (1911-1983),conta a história de um casal jovem, desolado e anônimo que vive sem diálogo como estranhos na relação fracassada na claustrofobia de um apartamento miserável, vivenciando a pobreza e o que há de cruel na sociedade. Desta feita, o espetáculo dirigido por Marrara Mara aborda o aspecto mais psicológico da trama na linguagem da Dança/Teatro, com a atuação dos atores Gabriela Berbert e Samuel Gallo. As apresentações acontecerá sempre às sextas-feiras, às 20hs, no Espaço da Arte (Rua Alberto Folloni, N° 1534 – Ahú), de 28 de outubro a 18 de novembro. Informações: 41-30156320. Veja mais aqui.


NEVER ON SUNDAY – A comédia romântica Never on Sunday (Nunca aos Domingos, 1960), dirigido pelo cineasta estadunidense Jules Dassin (1911-2008), conta a história que é uma variação do mito de Pigmaleão, ou seja, de uma atriz que ganha o prêmio do Festival de Cannes, casada com o diretor do filme premiado, com seus sonhos de independência e igualdade social. O destaque fica por conta da atuação da atriz grega Melina Mercouri (1920-1994). Veja mais aqui


AGENDA: ENCONTRO ESTUDANTIL DE ALAGOAS - Acontecerá entre os dias 23 e 25 de novembro, no Centro Educacional de Pesquisas Aplicadas (Cepa), em Maceió, o I Encontro Estudantil da Rede Estadual de Alagoas, com a temática O estudante como protagonista da escola. O encontro tem por objetivo estimular os estudantes a serem responsáveis pela elaboração e desenvolvimento de projetos interdisciplinares, integrando a comunidade ao corpo discente, nas áreas de cultura, artes, tecnologia, inovação e ciência. Durante o evento ocorrerá a Feira de Ciências do Estado de Alagoas, reunindo mostras de robótica, audiovisual, artes plásticas, teatro, festivais de música e de dança, além da conferência dos grêmios das escolas, além de rodadas de discussão. Maiores informações http://www.educacao.al.gov.br/. Veja mais aqui e aqui.


ENTREVISTA: REJANE SOUZA – Dentro da campanha Todo dia é dia da mulher, tive a grata satisfação de entrevistar a poeta, blogueira, professora universitária e doutoranda potiguar, Rejane Souza, que atua como consultora e assessora de projetos educacionais e cursos e palestras para concursos sobre Luis Gonzaga. Na ocasião ele falou sobre a sua trajetória, projetos e perspectivas. Confira a entrevista aqui.

REGISTRO: LITERATURA INFANTIL
Com o desenvolvimento de estudos e pesquisas realizados a partir de meados dos anos de 1990, nas áreas de Educação, Psicologia e Direito, articuladas com Literatura, Teatro e Música, voltadas para o universo infanto-juvenil, comecei a desenvolver o projeto Brincar para Aprender, que culminou com a criação do Brincarte do Nitolino. Entre as atividades desenvolvidas para o público alvo, estão desde contação de história, recreações, espetáculos teatrais e musicais, oficinas e palestras, que foram apresentadas em escolas, feiras, bienais, instituições e eventos diversos. Entre as seções do projeto, destaco o que é dedicado à Literatura Infantil. Confira detalhes aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Urgência de todo teu amor ____o meu corpo tem urgência! Quero a proximidade obscena e a nudez dos nossos corpos feito cachoeira misturando águas decompondo a luz do teu olhar dentro do meu Quero o gozo das tuas carnes na encantação de ser assim: tão meu.
Imagem: poema/desenho/foto, arte da poeta, artista visual e blogueira Luciah Lopez.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


ÍTALO CALVINO, WILLIAM BLAKE, WORDSWORTH, SUZANA ALBORNOZ, SOLIDARIEDADE & LIBRAS NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A QUEM INTERESSAR POSSA – Aprendi a ver na escuridão, a luz restava dentro de mim como um minúsculo pavio aceso, mostrando o fim do túnel ...