quinta-feira, junho 02, 2016

CRÔNICA DE AMOR POR ELA & OUTRAS POSTADAS

CRÔNICA DE AMOR POR ELA (Imagem: O sonho dos outros – da exposição da fotógrafa Claudia Andujar: No lugar do outro) – II – É ela na rua de todas as esquinas e luzes e vitrines e olhares nas suas vestes encharcadas da álacre chuva dos deleites da vida, com seus semáforos da noite luzidia de ir e de voltar. É ela do penteado adornado de sonhos e luxo, pesadelos esdrúxulos na cabeça de vento engajada na luta que é dela e mais ninguém. É ela das faces góticas, rouges e sombras com suas sobrancelhas de espanto e olhos mais que vivos à espreita do golpe da morte. É ela dos lábios carnudos e batom vivo vermelho na boca sedutora de todos os prazeres e que fala manhosa grunhindo no ouvido com todos os ferros que fustigam a pele cotidiana nas camas oníricas anoitecidas entre viver e morrer. É ela o decote arraigado da vitória agida de todas as guerras levadas no peito dos óvnis de Dois Irmãos que me acolhem voluptuosamente maternos para que eu escale o íngreme aclive até voar asa delta de um a outra com minha gula pra lá de insaciável. É ela umbigo de fora na cinturinha de pilão dos quartos generosos que são ancas profusas sambando noitedia no palco do meu coração, esquentando o meu sexo pronto para a erupção vulcânica de todas as minhas vinganças de gozo. É ela o ventre da Terra com todas as grutas escuras pra investigações provocantes, a me iniciar nos mistérios de que a vida é além do se vê, sente e percebe no átimo de tudo. É ela de coxas roliças macias pro aconchego do colo de veludo nos cafunés me mimando no dengo do que sou de menino atrevido e peralta buliçoso traquino no seu ninho de paz. É ela as pernas que guardam meu corpo no caminho de todas as quimeras de atalhos e trilhas jamais revividas. É ela dos pés alados a me levar por todas as estradas das rotas estelares que lançam na imensidão cósmica e nos recônditos das brenhas abissais. É ela o corpo de chão com toda a fauna e flora de todas as maravilhas do planeta dispostas pra mim, com a água de todos os oceanos e rios e o vento de todas as aragens dos pontos cardeais. É ela a carne saborosa de toda riqueza da Mãe Natura pra todo faminto repasto mais que suntuoso. É ela o coração do mundo, a alma da vida que se faz de manhã eterna cunhã caingang Iaravi filha do fogo e toda noite vem carregada de açoites e sedução feita valquírya Freya pra me envolver com todos os seus poderes mágicos do amor. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui, aqui e aqui.


Imagem: Les demoiselles d'Avignon (As Senhoritas de Avignon - Bordel Filosófico, 1907), do pintor, escultor, ceramista, cenógrafo, poeta e dramaturgo espanhol Pablo Picasso (1881-1973). Veja mais aqui e aqui.


Curtindo a obra Progression-Form for cl. and piano (Akua Keta Disco Theatre), do ocompositor, pianista e maestro italiano Roberto Carnevale.

PESQUISA
Novo Manual de Teoria Literária (Vozes, 2007), do escritor, professor e webjornalista Rogel Samuel, apresentando os conceitos básicos e as modernas pesquisas feitas sobre os gêneros literários, além do das teorias críticas, da literatura comparada e das teorias pós-modernas. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

LEITURA 
Os 120 dias de Sodoma, ou Escola de Libertinismo (Les 120 journées de Sodome or l'école du libertinagem – 1785 - Iluminuras, 2008), do escritor libertino francês Donatien Alphonse François de Sade, mais conhecido como Marquês de Sade (1740-1814), uma novela que conta história de quatro ricos homens libertinos que resolvem experimentar a definitiva gratificação sexual em orgias e, para isso, eles se trancaram por quatro meses num castelo inacessível com um harém de quarenta e seis vítimas, a maioria adolescentes de ambos os sexos, e recrutaram quatro cafetinas para contar a história de suas vidas e suas aventuras. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

PENSAMENTO DO DIA:
Por afrontamento do desejo
insisto na maldade de escrever
mas não sei se a deusa sobe à superfície
ou apenas me castiga com seus uivos.
Da amurada deste barco
quero tanto os seios da sereia.
Poema Nada, Esta Espuma, da escritora e tradutora Ana Cristina César – Ana C. (1952-1983). Veja mais aqui.

IMAGEM DO DIA
Cena da atriz australiana Linda Marlowe no drama de terror Dyn Amo (1972), produzido por Michael Armitage e Maggie Pinhorn, baseado na peça teatral Dínamo, do roteirista, produtor e diretor Chris Wilkinson, que conta a história da distinção entre o eu e os outros, o sexual role-playing e o masoquismo.

Veja mais sobre Cagliostro, Darel Valença Lins, Ana Cristina César, Marquês de Sade, Nelson Rodrigues, Márcia Haydée Salavarry Pereira da Silva, Banda Bicho de Pé & Janie Rhyne aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Hoje é o Dia Internacional da Prostituta marcando o evento ocorrido no dia 2 de junho de 1975, quando 100 prostitutas entraram em greve e ocuparam a igreja de Saint-Nizier, em Lyon, na França, por conta de dois assassinatos, a violência de cafetões e clientes, e da repressão policial. O movimento durou 8 dias chamando atenção para sua situação, findando sob ação policial. Por conta disso, a partir de 1976, o dia 2 junho passou a ser uma data consagrada, lembrando a discriminação, as condições de vida precária, o trabalho e a exploração. Em 2011, foi realizado em Bochum, na Alemanha, o evento Mulheres sem quartos, numa manifestação contra as ações de Dortmund de suprimir as prostitutas da vida pública. Outras datas importantes são no mês de março quando ocorre Internacional Sex Workers’ Rights Day (Dia Internacional dos Direitos dos Trabalhadores de Sexo) e no dia 17 de dezembro, o International Day to End Violence Against Sex Workers (Dia Internacional contra a violência contra prostitutas).
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
A arte gravadora, escultora, pintora, professora e artista multimídia Lygia Pape.
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.

JAMES JOYCE, DELEUZE, JOAQUIM CARDOZO, AGAMBEN, RODOLFO AMOEDO, ARRIGO BARNABÉ & VÂNIA BASTOS, LUCIAH LOPEZ, NA ERA DO RADIO & BEZERROS

COMEÇAR, RECOMEÇAR & DOIS MILHÕES DE BEIJABRAÇÕES - Imagem: foto de Alexandre Buisse – A vida pra ser vivida é feita de ação, movimen...